XP Expert

Entenda a crise entre a Rússia e a Ucrânia, e como investir para se proteger

Os holofotes internacionais estão voltados para as crescentes tensões entre a Rússia e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). A organização, liderada pelos Estados Unidos e seus aliados europeus, alerta ao risco de invasão da Ucrânia e um possível conflito na região. Entenda os principais vetores da crise, os possíveis cenários e impactos para seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Os holofotes internacionais estão voltados para as crescentes tensões entre a Rússia e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). A organização, liderada pelos Estados Unidos e seus aliados europeus, alerta ao risco de invasão da Ucrânia e um possível conflito na região. Entenda os principais vetores da crise, os possíveis cenários e impactos para seus investimentos.

Dando um contexto das tensões na Ucrânia

Apesar do Kremlin negar intenções de invadir a Ucrânia, desde dezembro de 2021 tropas russas têm sido mobilizadas para a região da fronteira entre Rússia e Ucrânia e o país vizinho, Bielorrússia. Portanto, Estados Unidos e aliados indicam temores da repetição de um cenário como o de 2014, quando Moscou anexou a região da Crimeia, apoiando um movimento separatista no leste ucraniano. Nesse contexto, as tensões entre a Rússia e a OTAN chegaram a seu ponto mais alto em anos.

Recentemente, os Estados Unidos alertaram que esta semana poderia ser chave, indicando que havia uma possibilidade relevante de invasão. No entanto, os primeiros sinais de alívio das tensões aparecerem nesta terça-feira (15), quando o Kremlin anunciou que algumas tropas voltariam a suas bases após completarem exercícios na fronteira.

A visão de Putin

A postura do presidente russo na disputa ainda não é inteiramente clara. No entanto, em diálogos com a OTAN, assim como com a imprensa, tem feito demandas que considera prioritárias, como a promessa que a Ucrânia não se tornará membro da OTAN.

Vale destacar que a Ucrânia, país que antigamente fazia parte da União Soviética, têm se aproximado da União Europeia e dos Estados Unidos nos últimos anos, apesar da preferência de Putin de manter uma barreira de estados entre a Rússia e o bloco. Portanto, as movimentações podem ser interpretadas como uma tentativa do líder de proteger sua esfera de influência, além de promover possíveis ganhos para a imagem de Putin na Rússia.

O conflito, mesmo que em escala reduzida, poderia ter custos relevantes para a economia russa e poderia até levar a sanções para Putin individualmente. Portanto, o Kremlin considera as manobras no tabuleiro de xadrez cuidadosamente.

Os diferentes cenários que podemos traçar

Ainda é cedo para determinar quais serão todas as ramificações da crise, tanto na seara política, quanto na econômica. No entanto, acadêmicos e diplomatas se debruçam sobre os possíveis cenários que podem resultar da disputa para ajudar o entendimento. Segundo o especialista consultado pela XP, o professor de Relações Internacionais da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), Gunther Rudzit, esses são três: 1) uma resolução do conflito por vias diplomáticas; 2) um conflito localizado no leste da Ucrânia (também chamado de guerra híbrida); ou 3) um conflito de maior escala com participação de tropas russas e ucranianas.

A resolução diplomática

Apesar de ainda haver um longo caminho a percorrer para que os países cheguem a uma resolução, consideramos que esse seja cenário mais provável.

O custo de um conflito seria alto, tanto do ponto de vista político quanto econômico – especialmente para os países europeus. Por isso, os países têm liderado uma intensa iniciativa diplomática nas últimas semanas, que tem incentivado os primeiros sinais de alívio das tensões

Apesar de uma resolução ainda estar longe de ser alcançada, o desejo expresso dos líderes de evitar um conflito amplia as possibilidades de um desfecho diplomático ao imbróglio.

Conflito localizado

Se as vias diplomáticas não produzirem os resultados desejados, o resultado mais provável seria um conflito localizado em regiões do leste ucraniano. Nesse contexto, o governo russo apoiaria movimentos separatistas em províncias do país vizinho, com intuito de anexá-las posteriormente.

O conflito seria categorizado como “híbrido”, porque estratégias variadas, como ataques cibernéticos e políticos, poderiam ser utilizadas.

Conflito maior

Existe ainda a possibilidade de um conflito maior, que seria um conflito direto com participação ativa dos exércitos ucraniano e russo, com provável intuito de trocar o governo da Ucrânia. Esse não é cenário base por enquanto.

Vale destacar que tropas da OTAN já estão em alerta e, ainda que não posicionadas na Ucrânia, foram movimentadas para a região do leste europeu. Os países já proporcionam assistência técnica e equipamentos a Ucrânia, o que intensificaria em tal cenário. No entanto, a OTAN deve evitar envolvimento direto.

Como esse conflito afeta os seus investimentos?

Os preços das commodities devem continuar a subir – o que beneficia a Bolsa brasileira

Quando os EUA, na última sexta-feira do dia 11 de fevereiro, alertaram que a Rússia poderia estar se preparando para atacar a Ucrânia, os mercados globais reagiram com uma forte queda em meio ao sentimento de aversão ao risco. Em contraste, o índice Ibovespa conseguiu sustentar uma alta puxada pelos preços das commodities – principalmente do petróleo que chegou a subir +5% em um dia.

A Rússia é o terceiro maior produtor de petróleo, atrás apenas dos EUA e da Arábia Saudita, e o segundo maior produtor de gás natural. E, como já vimos em episódios semelhantes no passado, conflitos geopolíticos envolvendo países produtores da commodity tendem a trazer bastante volatilidade nos seus preços. E a maior fonte de receita de petróleo e gás natural da Rússia é a Europa – sendo, por isso, a resposta dos líderes europeus tão delicada.

Além de commodities de energia, os preços de comodities agrícolas também têm sido afetados. Ambos os países são grandes exportadores de milho e fertilizantes, e a Ucrânia é o terceiro maior exportador de milho do mundo. Como o setor de energia, os preços agrícolas também são fortemente afetados pelo conflito na região.

Para o Brasil, apesar de um sentimento de risk-off para os mercados, a alta de commodities tende a beneficiar a nossa Bolsa. Quase 40% do índice Ibovespa são de empresas ligadas a commodities – esse é o maior nível dentre as principais Bolsas do mundo todo.

E como mencionamos no último Raio XP, a Bolsa brasileira tem sido impulsionada por: 1) rotação nos mercados globais de empresas de crescimento para valor; 2) forte exposição a commodities; e 3) múltiplos ainda muito baixos.

Dessa forma, essa forte subida de preços das commodities nos últimos meses, que tem sido impulsionado por uma demanda forte e falta de resposta na oferta, e agora exacerbada por esse conflito geopolítico, tende a ser positiva para o Ibovespa de forma geral.

Por outro lado, isso pressiona a inflação e bancos centrais globais a considerar juros ainda maiores

A consequência de maiores preços de energia e alimentos é uma pressão ainda maior na inflação globalmente. No Brasil, o IPCA atingiu 10,4% em janeiro; na Zona do Euro, a inflação acelerou para 5,1% no mesmo mês; e nos EUA, a inflação ao consumidor atingiu a maior alta em 40 anos em 7,5% no início de 2022.

Como resultado, fica ainda mais delicada a discussão de subida de juros que já acontece no mundo todo. Diante do cenário inflacionário pressionado, o nosso time de Economia recentemente elevou a projeção da taxa Selic para 12,75% ao final do ciclo de alta, de 11,75% anteriormente. E nos EUA, alguns analistas já projetam uma subida de 0,5p.p. na próxima reunião de março – lembrando que o banco central americano geralmente sobe apenas 0,25p.p.

Como se proteger?

Dólar: Eventos de crise global como esse tende a fortalecer o dólar contra todas as outras moedas. Isso acontece porque a moeda americana é considerada o “porto seguro”, e investidores globais correm em direção a ele em busca de proteção. Isso enfatiza a nossa opinião de que ter uma parcela da carteira dolarizada é estruturalmente importante. Além de proteger contra a volatilidade da nossa própria moeda diante de riscos fiscais e políticos no Brasil, investimentos dolarizados protegem contra esses episódios de aversão à risco global.

Nesse caso, investimentos em ETFs, fundos de investimentos e BDRs (veja análise detalhada de 10 ações estrangeiras e conheça também nossa carteira Top 10 BDRs) podem oferecer esse tipo de exposição.

Ativos reais: com a inflação em alta, e que deve continuar a ser pressionada por esse conflito geopolítico, ativos reais são aqueles que tendem a proteger os investidores contra a subida de preços. Commodities de energia, metais e agrícolas são exemplos.

A XP lançou o eTrend Ativos Reais como uma estratégia para defender a carteira contra ciclos de inflação global.

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/2018. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

B3 Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.