XP Expert

Vilma Pinto defende a necessidade de separar o conjuntural do estrutural ao analisar contas públicas

Vilma Pinto, diretora da IFI, e Esther Dweck, professora de economia da UFRJ, discutem as regras fiscais e o futuro do Brasil em painel sobre austeridade das contas públicas.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

No painel de quinta-feira (10/03) do evento Sob o Olhar Delas, a chefe de economia da Rico, Rachel de Sá, e a analista de política, Débora Santos, conversaram com diretora da Instituição Fiscal Independente (IFI), Vilma Pinto, e com a professora de economia na UFRJ, Ester Dweck, sobre os desafios da austeridade fiscal no Brasil e as implicações do tema para o futuro da economia brasileira.

Vilma começou explicando que precisamos analisar as contas fiscais diferenciando o que é conjuntural do que é estrutural como ponto de partida do assunto. A pandemia do Covid e a guerra na Ucrânia são choques inesperados e com impactos fiscais inevitáveis no curto prazo. Adicionalmente, a trajetória da relação da dívida/PIB melhorou no último ano, mas boa parte desse resultado foi por um efeito positivo no denominador, quando a inflação acabou elevando o produto interno bruto nominal.

Esther complementou trazendo o tema da credibilidade fiscal, porque muitas regras criam problemas na gestão pública atualmente e defendeu uma mudança de regras fiscais que atendam as necessidades de desenvolvimento atuais do Brasil, que deem uma trajetória clara da dívida pública e que sejam críveis. O desafio seria como ter um arcabouço fiscal que seja compatível com a situação do Brasil de desemprego e miséria, por exemplo.

Quando Rachel perguntou sobre o Teto de Gastos, sustentabilidade e credibilidade dessa regra, Esther se posicionou como “muito crítica”. Para ela, os gastos per capita de saúde e educação no Brasil são muito inferiores do que nos Estados Unidos, por exemplo, e o Teto de Gastos faz com que o financiamento público para essas áreas não acompanhem o crescimento populacional e ainda atrapalha o crescimento econômico, sendo uma regra “recessiva”.

Tanto Vilma quanto Esther concordaram e repetiram pontos sobre o problema de alternar ou modificar as regras de gastos e controles fiscais, destacando a necessidade de previsibilidade do arcabouço fiscal e que ele tenha credibilidade para que consiga ancorar expectativas. Esther comentou que as regras duras tiram a flexibilidade depois geram “puxadinhos” indesejáveis.

Por fim, as convidadas discutiram sobre as possíveis medidas do governo para o atual choque nos combustíveis, que já vem pressionando fortemente a inflação e teria saídas fiscais, com diferentes implicações no curto e no longo prazo. Vilma ressaltou o espaço curto do orçamento de apenas R$ 6 bilhões e que o motivo de guerra seria uma razão para utilizar de um crédito extraordinário, prescrito na regra do Teto de Gastos. Já Esther, comentou que medidas de curto prazo são necessárias, mas que não resolvem o problema a longo prazo, citando a política de preços estabelecida na Petrobrás em governos passados com referência aos preços internacionais.

O evento Sob o Olhar Delas é uma conferência de Política e Economia organizada por mãos e cabeças femininas da XP Inc. para debater temas determinantes para o país, sob a perspectiva de mulheres que são expoentes em suas áreas. 

A programação acontece entre 07 e 11 de março e você pode acompanhar tudo nesta página.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.