XP Expert

Super Lives – Principais destaques da apresentação de Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central do Brasil

Em live organizada pelo portal InfoMoney e pela XP, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, comentou sobre como a incerteza fiscal e a pandemia impactam a inflação

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Em evento virtual promovido pela XP em parceria com o portal Infomoney, como parte da série especial “Super Lives: 1 ano de pandemia”, o presidente do Banco Central do Brasil (BCB) apresentou uma avaliação atualizada da conjuntura econômica internacional e doméstica, além de reforçar perspectivas para a política monetária brasileira. Abaixo, compartilhamos os principais comentários feitos pelo Presidente, assim como nossa visão sobre a política monetária no Brasil.

As economias avançadas (sobretudo os Estados Unidos)  têm feito massivos estímulos fiscais adicionais aos do ano passado, sustentando projeções cada mais positivas para o crescimento econômico global. A perspectiva de vacinação reforça esta tendência. Neste contexto, os preços internacionais de commodities (agrícolas, metálicas, energéticas) exibem expressiva elevação, pressionando inflação em diversos países e causando certa ‘reprecificação de ativos financeiros’ (especialmente as altas de juros futuros). No caso de muitas economias emergentes, tais como o Brasil, os saltos de endividamento público (decorrentes também da adoção de medidas fiscais expansionistas para o enfrentamento à pandemia) explicam, em grande medida, os níveis mais depreciados de taxa de câmbio.

Esta combinação entre alta nos preços internacionais das commodities e depreciação cambial vem pressionando a inflação brasileira. Apesar de reconhecer as surpresas altistas com a inflação corrente, o BCB mantém a avaliação de que a maior parte deste este movimento é temporário (isto é, não reflete questões estruturais). No que diz respeito à atividade econômica, a autoridade monetária avaliou pouco “melhor do que o esperado” a atividade no final do ano passado e início deste ano, mas projeta uma contração do PIB no primeiro semestre, devido especialmente ao recrudescimento (‘segunda onda’) da pandemia. O prognóstico para o segundo semestre está mais otimista, apoiado por expectativas relativamente favoráveis para vacinação contra a Covid-19. Há projeção de importante aceleração da aplicação de vacinas em maio e junho.

O presidente expôs a visão de que o quadro fiscal doméstico exerce influência significativa sobre as decisões de política monetária. A maior percepção de riscos fiscais no período recente, com destaque ao debate envolvendo o Orçamento público de 2021, pressiona as taxas de juros mais longas, tornando a gestão da dívida pública mais desafiadora. Como contraponto a este quadro de incertezas fiscais, a autoridade monetária destaca os sinais positivos emitidos pela aprovação de algumas medidas estruturais (autonomia do BCB; marcos regulatórios; etc.) recentemente. Além disso, a solidez do sistema financeiro (ex: instituições capitalizadas; taxas de inadimplência sob controle; expansão das concessões de crédito; mercados de capitais funcionais) e do balanço de pagamentos brasileiro (ex: ampliação dos saldos comerciais) consistem em pilares de sustentação importantes à economia doméstica.

O presidente do BCB voltou a reforçar que a normalização da política monetária deverá ser parcial, a menos que aconteça algo muito diferente em relação ao cenário previsto pela autoridade monetária. Ou seja, o ciclo de aumento de juros iniciado na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) levaria a taxa Selic para um patamar ainda inferior ao chamado nível neutro (de equilíbrio de longo prazo). O Presidente enfatizou que o resultado do IPCA de março, divulgado hoje abaixo das expectativas de mercado, reforça esta visão.

O cenário econômico da XP prevê aumento da taxa básica de juros dos atuais 2,75% a.a. para 5,00% a.a. até o final de 2021. Após alguns trimestres de estabilidade, vemos a taxa Selic chegando a 6,50% a.a. no fechamento de 2022, isto é, à nossa estimativa de juro neutro para a economia brasileira. Segundo nossos cálculos, esses movimentos do juro básico permitiriam o cumprimento das metas de inflação em 2022 (3,50% a.a.) e 2023 (3,25% a.a.). Em nossa visão, ainda que o processo de normalização parcial das condições monetárias (e também o já sinalizado aumento da Selic em 0,75 p.p. na próxima reunião do Copom) não seja um processo totalmente certo, este caminho parece ter grande probabilidade de realização.

O risco para este cenário, apontado pelo Presidente do BCB e com o qual concordamos, é que o cenário fiscal se deteriore, tornando a tendência da dívida pública brasileira crescente. Neste cenário, a taxa de câmbio tende a voltar a se desvalorizar, pressionando adicionalmente a inflação. Consequentemente, o BCB provavelmente abandonaria o plano do ajuste parcial, levando a taxa de juros diretamente para o patamar neutro.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.