XP Expert

Rússia invade a Ucrânia: impactos sobre a economia brasileira

Invasão da Rússia à Ucrânia aumenta incertezas sobre o futuro da economia global

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Destaques:

– Invasão da Rússia à Ucrânia aumenta incertezas sobre o futuro da economia global, preços de ativos reagem no mundo inteiro;

– O conflito pressiona em especial preços de commodities, um importante determinante da inflação global, que já se encontra elevada. Vemos um possível cenário de estagflação global: inflação elevada e atividade estagnada;

– Temos um viés de alta para a inflação brasileira. Não acreditamos que o BCB eleve a Selic para além da nossa atual projeção de 12,75%, mas é possível que ele demore mais para iniciar o ciclo de cortes de juros.

Rússia realiza operação militar contra a Ucrânia e multiplica incertezas

A Rússia iniciou um processo de invasão à Ucrânia. O Presidente Vladimir Putin mencionou o objetivo de “desmilitarizar” o país, mas não de ocupá-lo. A incursão na região foi condenada na maior parte do mundo, especialmente nos Estados Unidos e na Europa. Os governos ocidentais começam a anunciar sanções mais severas contra a Rússia. Isto posto, não há expectativa de ações militares diretas dos EUA e da OTAN.

Os últimos eventos têm potencial para gerar impactos econômicos relevantes no mundo e no Brasil

O impacto econômico mais direto ocorre sobre os preços internacionais das commodities. Rússia e Ucrânia são produtores importantes de commodities energéticas (petróleo, gás), agrícolas (milho, trigo) e fertilizantes. Os custos desses produtos, que já vinham subindo significativamente por conta dos efeitos da pandemia, recebem (forte) impulso adicional com a ação militar russa.

No centro das atenções, a Rússia é o 3º maior produtor de petróleo e o 2º maior produtor de gás no mundo (em relação ao último, a oferta do país responde por cerca de 40% do consumo na Europa). Com a escalada da tensão geopolítica, os preços de petróleo e gás apresentam pressão altista ainda mais significativa. Vale lembrar que o quadro de oferta e demanda da commodity já estava bastante apertado antes da incursão militar na Ucrânia, com níveis de estoques reduzidos ao redor do mundo. A menos que a OPEP+ (Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados) e os Estados Unidos aumentam a oferta de forma pronunciada, devemos observar preços de commodities energéticas em elevação no curto/médio prazo. Eventual acordo nuclear do Irã com a comunidade internacional poderia proporcionar um breve alívio sobre os preços.  

Tendo em vista as commodities agrícolas em preços historicamente altos e preocupações com o aumento dos custos de fertilizantes, os últimos acontecimentos chegam em um momento muito sensível para o setor primário. Rússia e Ucrânia respondem conjuntamente por 17% das exportações mundiais de milho e 28% das exportações de trigo, elementos suficientes para justificar a alta dos preços futuros dessas commodities, com efeitos indiretos sobre os preços de soja, óleos vegetais, entre outros.   

Crise pode levar à “estagflação” global

Se os efeitos da crise nos mercados de commodities persistirem, inflação global tende a acelerar nos próximos meses. O impacto sobre a atividade econômica, por sua vez, é negativo não apenas pela incerteza gerada pelo risco de guerra (piora das condições financeiras) como pelas sanções econômicas impostas pelos países ocidentais. Uma dúvida importante reside na reação dos bancos centrais. A tendência de alta de juros pode ser amenizada pela piora da cena geopolítica, mas não deve ser revertida, uma vez que a inflação continuará a subir.

Em linhas gerais, o mundo pode entrar em “estagflação”: inflação em alta, atividade em baixa. A referência história é a década de 70, quando o mundo enfrentou os “choques do petróleo”. É um cenário ruim para ativos ligados à atividade econômica, como a bolsa.

Clique aqui para receber por e-mail os conteúdos de economia da XP

No Brasil, podemos ver intensificação de movimentos que já vinham ocorrendo pelos efeitos da pandemia

A inflação no Brasil já se mostra um problema mesmo antes da crise na Ucrânia. O IPCA-15 de fevereiro mostrou que a inflação segue rodando acima de 10%. Neste sentido, a alta das commodities gerada pela ação militar da Rússia representa uma rodada adicional de pressão de produção, retardando a desinflação que esperávamos para o restante deste ano.

Nossa projeção de 5,2% para o IPCA deste ano, que já tinha um viés de alta, teria definitivamente que ser revista, para algo entre 5,5 e 6%.

De fato, o gráfico logo abaixo mostra que os preços de commodities são historicamente correlacionados com a inflação brasileira. A tabela, por sua vez, fornece algumas estimativas de sensibilidade por classe de commodity (agrícolas, metálicas e petróleo). As mais relevantes são as agrícolas, pelo seu impacto em toda a cadeia de alimentos.

Se os efeitos da crise da Ucrânia forem duradouros, o Banco Central do Brasil (BCB) terá que aceitar a inflação acima da meta em 2022 e provavelmente também em 2023. Não acreditamos que a crise levará o BCB a elevar os juros para além da nossa projeção de 12,75% em junho, que já é bastante elevada. Mas ele pode ser forçado a manter este nível elevado por mais tempo, para garantir que o IPCA convirja para a meta de 3,00% até 2024.

A alta de preços tende a corroer a renda do consumidor, tornando mais desafiadoras as perspectivas para o consumo no Brasil, que já enfrenta um quadro de juros mais elevados e piora das condições de crédito. Desta forma, a crise ucraniana reforça nosso cenário de estabilidade do PIB em 2022.

A dinâmica para a taxa de câmbio é incerta: por um lado, a alta das commodities e o fluxo de recursos que saem da Rússia para outros emergentes sugerem que a tendência de valorização das últimas semanas pode continuar. Por outro, a ação militar gera uma aversão ao risco global, pressionado ativos de risco (sobretudo de emergentes), tais como a taxa de câmbio. O mais provável, em nossa visão, é que variável continue em torno dos patamares atuais, todavia com volatilidade potencialmente bem maior.

Nós vamos monitorar de perto os próximos movimentos geopolíticos e de mercado, a fim de calibrar as projeções macroeconômicas. Publicaremos um cenário revisado em nosso relatório Brasil Macro Mensal, a ser divulgado em 8 de março.

E como pensar em seus investimentos nesse cenário econômico? Clique aqui para conhecer as recomendações dos experts de acordo com seu perfil

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.