XP Expert

Resiliência é a palavra da vez. Mas o que vem depois?

Elevamos nossa projeção de crescimento do PIB de 2022 para 0,8%. Mas o cenário segue complicado: esperamos alta de apenas 0,5% para o PIB de 2023 (de 1,2%).

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Destaques:

  • A atividade econômica brasileira mostrou sinais de resiliência no início de 2022. Reabertura econômica, recuperação sólida do emprego e dinâmica favorável dos preços das commodities ajudam a explicar esse desempenho;  
  • Além disso, os dados de atividade acima do esperado no final de 2021 e o anúncio recente de medidas governamentais de estímulo também contribuem para elevar as expectativas de crescimento econômico este ano;
  • Com isso, estamos revisando nossa projeção de crescimento do PIB em 2022, de 0% para 0,8% (a revisão anterior ocorrera há mais de quatro meses);
  • Isto posto, mantemos a avaliação de que a economia brasileira perderá força ao longo do ano. Acreditamos que o PIB irá avançar moderadamente no primeiro semestre e contrair no segundo semestre de 2022; 
  • Por fim, na esteira do maior aperto de política monetária (taxas de juros mais altas por mais tempo), persistência de restrições nas cadeias de suprimentos e crescimento econômico global mais baixo, prevemos que o PIB do Brasil crescerá apenas 0,5% em 2023 (projeção anterior: 1,2%).

A resiliência da atividade está novamente em pauta: Elevamos a projeção de crescimento do PIB em 2022

Conforme publicamos no início de março, o PIB do Brasil cresceu acima das expectativas no 4º trimestre de 2021 (observado: 0,5%; XP: 0,4%; consenso de mercado: 0,1%), implicando expansão de 4,6% em 2021 e uma herança estatística (carrego) de 0,3 p.p. para o PIB de 2022. Em relação aos dados desagregados, algumas surpresas positivas merecem atenção, tais como a sólida trajetória de recuperação da Construção Civil, Serviços de Transporte e Armazenagem, Serviços de Informação e Comunicação e Outros Serviços (incluem os serviços prestados às famílias).

Figura 1. Resultados desagregados do PIB do Brasil

O desempenho acima do esperado da atividade doméstica no final de 2021 já tinha gerado um viés de alta à nossa expectativa de taxa de variação nula para o PIB de 2022, projeção que fora inicialmente divulgada há mais de quatro meses (ver o relatório Brasil Macro Mensal: PIB fraco, inflação forte; 02 de dezembro). No entanto, a escalada da crise entre Ucrânia e Rússia explica a postura cautelosa que adotamos nas últimas semanas, com o intuito de reunir mais informações acerca do impacto potencial da guerra sobre a economia brasileira (ver Brasil Macro Mensal: Ucrânia intensifica choque inflacionário, 30 de março).

Embora o conflito militar no leste europeu persista e ainda haja muitos temores sobre sua dinâmica, acreditamos agora que a economia brasileira mostra resiliência e que o PIB crescerá – ainda que moderadamente – em 2022. Esse prognóstico é baseado em três principais fatores: (I) segmentos de serviços ainda colhendo frutos da reabertura econômica, apesar da perda de fôlego nos últimos meses; (II) recuperação sólida do emprego combinada com medidas de estímulo fiscal recentemente anunciadas, que devem fornecer algum suporte ao consumo das famílias no curto prazo; e (III) elevação dos preços internacionais de commodities, impulsionando setores exportadores.

Conforme demonstrado na Figura 1, muitas atividades de serviços continuam em trajetória de recuperação. O aumento da mobilidade e a normalização do padrão de consumo das famílias continuam a puxar os componentes do PIB de Serviços, embora de forma mais moderada. Vale ressaltar ainda o elevado efeito de carrego estatístico para o crescimento da maioria dos grupos do setor terciário em 2022.

Além disso, a população ocupada apresentou recuperação mais forte do que o inicialmente esperado. Conforme publicado na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – Contínua (PNAD-C), a taxa de desemprego brasileira atingiu, no início deste ano, níveis ligeiramente abaixo dos observados antes da pandemia. O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED) do Ministério da Economia também exibe resultados sólidos para o mercado de trabalho formal (Figura 2). A retomada do emprego deve continuar nos próximos meses, ainda que a um ritmo mais lento.

Figura 2. A população ocupada exibiu recuperação consistente nos últimos trimestres

A recuperação do emprego aliada a medidas de estímulo anunciadas pelo governo (ex: liberação de saques do FGTS – Fundo de Garantia por Tempo de Serviço – totalizando até R$ 30 bilhões) devem sustentar o consumo das famílias no curto prazo. De acordo com nossos cálculos, a massa de renda real disponível das famílias crescerá cerca de 1,5% em 2022 (Figura 3), após subir ao redor de 4% em 2020 na esteira dos auxílios emergenciais relacionados à pandemia e contrair aproximadamente 9% em 2021 (“abismo fiscal “).

Figura 3. A massa de renda disponível deve crescer cerca de 1,5% em 2022   

Apesar de avaliarmos que a guerra na Ucrânia exerce contribuição líquida negativa sobre a economia brasileira, devido à piora do sentimento econômico global e persistência dos gargalos nas cadeias de suprimentos, muitos setores exportadores do Brasil se beneficiam da atual conjuntura marcada por preços das commodities ainda mais altos. Além da contribuição positiva para a balança comercial e a taxa de câmbio, devemos observar efeitos indiretos favoráveis ​​em outros setores domésticos (“transbordamento de renda”).

Os três principais fatores discutidos acima se somam a outros “ventos favoráveis” ​​que estão incorporados ao nosso cenário base desde o final de 2021. Destacamos as perspectivas de aumento dos investimentos públicos, impulsionados principalmente pelos governos estaduais (Figura 4), e as estimativas favoráveis ​​para atividades menos sensíveis ao ciclo econômico, como agropecuária (apesar de revisões baixistas para a safra de grãos) e indústria extrativa (especialmente petróleo e gás). Além disso, as concessões de crédito – tanto para famílias quanto para empresas – ainda estão em patamares elevados, apesar dos sinais de arrefecimento nos últimos meses. (Para mais informações, ver Brasil Macro Mensal: Encarando o ajuste global, 04 de fevereiro).

Considerando todos esses fatores, revisando para cima nossa expectativa de crescimento do PIB em 2022, de 0% para 0,8%.

Figura 4. Investimentos públicos devem aumentar fortemente em 2022, contrastando com a expectativa de retração dos investimentos privados

Clique aqui para receber por e-mail os conteúdos de economia da XP

Mas o cenário não é “um mar de rosas”: Reduzimos nossa projeção para o PIB de 2023

O cenário para a atividade econômica brasileira continua bastante desafiador, mesmo levando em conta os fatores altistas de curto prazo já mencionados. A nosso ver, a dinâmica da atividade local (variação do PIB) será muito diferente entre os semestres de 2022. O aperto da política monetária deve impactar mais fortemente a demanda a partir de meados do ano, especialmente os investimentos privados e o consumo de bens duráveis (Figura 5). Inflação alta, salários deprimidos, elevado endividamento das famílias, incertezas políticas, restrições persistentes nas cadeias de suprimentos – pesando sobre a produção industrial – e menor crescimento econômico global compõem o conjunto de “ventos contrários” para o PIB total nos próximos trimestres (afetando a atividade de forma mais expressiva no 2º semestre de 2022 e 1º semestre de 2023).

Figura 5. Aperto da política monetária impactará a demanda mais fortemente a partir de meados de 2022

Nosso cenário para a política monetária aperto ainda mais intenso: revisamos a projeção para a taxa Selic terminal de 12,75% para 13,75%, em linha com a sinalização recente do Banco Central.

Portanto, reduzimos nossa projeção para o crescimento do PIB em 2023, de 1,2% para 0,5%.

Em relação à expectativa de crescimento econômico no ano que vem, assumimos duas hipóteses cruciais: (I) a dissipação dos choques causados pela pandemia e pela guerra na Ucrânia e (II) a manutenção do arcabouço fiscal vigente que visa à sustentabilidade da dívida pública no longo prazo. Caso alguma dessas premissas não se confirme, o desempenho da atividade econômica em 2023 poderá ficar ainda mais comprometido. Além disso, as perspectivas para o PIB consideram um processo de desinflação gradual na economia doméstica e flexibilização da política monetária a partir do final do 1º trimestre de 2023.

Figura 6. Dinâmica trimestral do PIB

Por fim, apresentamos logo abaixo nossas estimativas detalhadas para os componentes do PIB de 2022 e 2023 (Figura 7).  

Figura 7. Projeções anuais para o PIB do Brasil e seus componentes

Elevamos nossa projeção de crescimento do PIB de 2022 para 0,8%. Mas o cenário segue complicado: esperamos alta de apenas 0,5% para o PIB de 2023 (de 1,2%).

E como pensar em seus investimentos nesse cenário econômico? Clique aqui para conhecer as recomendações dos experts de acordo com seu perfil

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.