IPCA de março esboça os primeiros efeitos do coronavírus sobre a economia brasileira

Em março de 2020, o IPCA registrou expansão de 0,07%, levemente abaixo tanto da nossa expectativa quanto das expectativas de mercado coletadas pela Bloomberg (ambas de +0,12%). No acumulado de 12 meses, a inflação desacelerou de 4,00% para 3,30%. O indicador, coletado pela primeira vez de forma remota pelo IBGE (internet e telefone), trouxe alguns […]


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Em março de 2020, o IPCA registrou expansão de 0,07%, levemente abaixo tanto da nossa expectativa quanto das expectativas de mercado coletadas pela Bloomberg (ambas de +0,12%). No acumulado de 12 meses, a inflação desacelerou de 4,00% para 3,30%.

O indicador, coletado pela primeira vez de forma remota pelo IBGE (internet e telefone), trouxe alguns destaques que mostraram os primeiros impactos do coronavírus sobre a economia brasileira.

A inflação de bens semi e não duráveis aumentou consideravelmente na passagem de fevereiro para março, refletindo a rápida e intensa busca por alimentos durante o isolamento social, principalmente de cereais e leguminosas (+1,19%), tubérculos (+14,14%), frutas (+2,69%), aves e ovos (+1,00%), bebidas (+1,47%) e enlatados (+0,61%).

Também chamou a atenção o aumento da inflação apresentada pelos artigos de limpeza entre fevereiro (+0,15%) e março (+0,56%).

Os bens duráveis, por sua vez, mostraram boa descompressão na passagem de fevereiro (+0,02) para março (-0,20), com destaque para as categorias de mobiliário (-1,10%) e eletrodomésticos (-2,52%).

A inflação de serviços também caiu consideravelmente em março (-0,16%), corroborando o nosso entendimento de que o setor será um dos mais prejudicados pela pandemia do coronavírus e pelo isolamento social. A desinflação de transportes no mês (-0,90%) contribuiu para a descompressão do setor.

Todas as principais medidas de núcleo de inflação, que em linhas gerais expurgam os itens com mais volatilidade, recuaram em março e permaneceram em patamares historicamente baixos.

O resultado reforçou o nosso entendimento de que a inflação deve arrefecer tanto em 2020 quanto em 2021, uma vez que os efeitos da desaceleração econômica e da retração dos preços de commodities devem prevalecer sobre os efeitos inflacionários advindos do câmbio e do choque negativo de oferta global.

Além disso, tanto a menor inflação de serviços quanto a recente queda do preço de combustíveis devem ter efeitos consideráveis sobre o IPCA do ano.

Apesar do cenário de atividade econômica mais restritivo, temos dificuldade de ver o IPCA abaixo de 2% em 2020 mesmo em um cenário de maior desaceleração da economia. Questões estruturais, tais como a baixa produtividade no Brasil, e questões conjunturais, tais como eventual recomposição de estoques no 3T com o câmbio mais alto, tendem a limitar essa queda.

Continuamos acreditando que o IPCA apresentará expansão de 2,50% em 2020 (leve viés de baixa) e que a inflação abaixo do esperado abrirá espaço para que o BC corte mais 0,50 pp na taxa Selic em uma reunião extraordinária em abril. Caso a reunião extraordinária em abril não se concretize, acreditamos que o Banco Central entregará o seu possível último corte de juros na reunião regular de maio.

Caso as condições financeiras amenizem, acreditamos que o Banco Central poderá estender o ciclo de corte de juros para além de maio.

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.