XP Expert

COE HACK: Segurança Cibernética

Conheça mais sobre esse setor crescente com grande potencial

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Com a transformação digital acontecendo em diversos aspectos do trabalho, do lazer e da vida das pessoas, surge a necessidade de um incremento nos fatores relacionados à segurança dos dados neste espaço digital. Num mundo cada vez mais conectado, aumentam as oportunidades das empresas e dos indivíduos, no entanto, elas são acompanhadas de novas vulnerabilidades, uma vez que cada conexão abre uma nova porta para o acesso de hackers, criando um ecossistema desafiador para a gestão pessoal e corporativa dos riscos de segurança e privacidade.

Hoje, os ataques cibernéticos mais comuns envolvem o hackeamento, a negação de serviço, injeção de malware, roubo de dados, perda de dados, vazamentos, entre outros crimes. Além disso, com a expansão da IoT (Internet das Coisas) e dispositivos autônomos (como carros, drones e eletrodomésticos), os desafios da indústria de segurança tornam-se ainda maiores por conta da possibilidade de danos à saúde física das pessoas.

Portanto, enquanto aumenta a quantidade de dados pessoais e corporativos potencialmente acessíveis via ataques, cresce a necessidade por melhores práticas de segurança cibernética. 2020 foi um ano revolucionário neste sentido, quando empresas viram-se forçadas a migrar boa parte de suas operações para o digital: 90% do tráfego online passou a ser criptografado vs. apenas 50% em 2016. Olhando para o futuro, o mercado de segurança cibernética, que faturou US$ 156bi em 2019 está projetado para crescer entre 7,7% e 15,2% a.a. até 2026.

Neste cenário, é importante compreender as perspectivas do mercado de segurança cibernética, seus riscos, fundamentos e principais nomes posicionados nesta tendência, temas que trataremos neste relatório.

Fundamentos

► Desde 2015, o interesse de busca por termos relacionados à segurança da informação aumentou significativamente. Buscas por 1) Segurança cibernética aumentaram +416%, 2) Privacidade de dados +100% e 3) Dados sensíveis +140%, reforçando um aumento da percepção de importância do tema.

► Para muitos setores, o ano de 2020 foi incomum, no entanto, a tendência de crescimento no número de dados pessoais vazados se manteve. Em 2020, mais de 35 bilhões de registros foram acessados ou tornados públicos por ataques hackers vs. ~15 bilhões em 2019 e, apesar do número absoluto de vazamentos ter diminuído, a quantidade de dados disponibilizada por cada um foi significativamente maior.

► A maior quantidade de dados online somada a um número maior de vazamentos traz um desafio para o mundo corporativo, que precisará investir em plataformas de segurança cibernética tanto para a proteção de dados internos quanto para assegurar a privacidade de seus clientes. Estimativas da AusCyber projetam um crescimento anual de +7,7% do mercado global de segurança cibernética enquanto outras casas, como a Markets and Markets e a Mordor Intelligence esperam +14,8% a.a. e +15,2% a.a..

► Apenas nos EUA, os prejuízos causados por ataques cibernéticos multiplicaram por 8x desde 2012, acumulando perdas reportadas de US$ 4,2 bilhões em 2020, de acordo com o relatório de inteligência (IC3) do FBI. Lembrando que a autoridade traz apenas as valores que foram reportados, não contabilizando os que passam desapercebidos.

► Consolidação do mercado: o setor de segurança cibernética ainda é fragmentado se comparado a outros segmentos de tecnologia, com as principais empresas Cisco, Palo Alto e Fortinet concentrando 9,1%, 7,8% e 5,9%, respectivamente. Em 2020, 45% do mercado esteve concentrado em 8 empresas ao passo que os 55% ficaram com o restante. Neste cenário, empresas menores com setores avançados de pesquisa e desenvolvimento tendem a ser absorvidas pelos grandes competidores, refletindo numa crescente atividade de fusões, aquisições e levantamento de capital.

► O interesse no setor de segurança cibernética por parte das grandes corporações também tem contribuído para a atividade de M&A ao redor do mundo. Nos últimos 12 meses, a Microsoft adquiriu 3 empresas do setor (RiskIQ, ReFirm Labs e CyberX) por mais de US$ 0,7bi. Em 2020, a Nasdaq adquiriu a Verafin por US$ 2,8bi, a Palo Alto adquiriu a Expanse por US$ 0,8bi, a Moody’s adquiriu a RDC por US$ 0,7bi e a Mastercard adquiriu a startup Cytegic por valor não revelado.

Riscos

Juros: Por serem empresas do setor de tecnologia, as companhias de segurança cibernética são mais sensíveis à variação das taxas de juros. O atual cenário de juros baixos nos EUA é estruturalmente benéfico para o setor, uma vez que recompensa as ações focadas em crescimento, bem como torna mais atrativo o mercado de renda variável. No entanto, se temores inflacionários se concretizarem, forçando as principais autoridades monetárias do mundo (Federal Reserve, ECB, BoJ e BoE) a contraírem suas políticas econômicas acima das expectativas, podemos ver o desempenho do setor tech como um todo passar por dificuldades.

Competição e margens: Uma das principais características deste mercado em expansão é a presença de diversas empresas de pequeno porte disputando pela oferta de melhores serviços a preços mais competitivos, oferecendo um risco para suas margens de lucro. Quando olhamos para as 60 companhias mais relevantes, obseramos que nos últimos 5 anos a média das margens de lucro foram praticamente nulas, o que é comum para empresas de tecnologia focadas em crescimento. Entre as 20 maiores, esta média é mais positiva, indicando que possuem uma melhor relação de custo em sua operação. Ainda assim, a possibilidade de contração dos lucros num cenário mais concorrido apresenta um risco para estas empresas.

Principais empresas

KnowBe4: Kevin Mitnick, um dos hackers mais procurados da década de 90 e sentenciado a 68 meses de prisão por diversos crimes cibernéticos, hoje trabalha como CHO (Chief Hacking Officer) da KnowBe4, onde seu foco está em oferecer consultoria e treinamento para proteger uma das maiores vulnerabilidades dos computadores do mundo corporativo: o erro humano. De acordo com o relatório de inteligência da IBM, o fator “erro humano” é responsável por 95% das falhas de segurança, ou seja, 19 em cada 20 tentativas de ataques poderiam ser impedidas caso houvesse treinamento adequado. Neste cenário, a recém-listada KnowBe4 trabalha fornecendo educação, com o objetivo de prover treinamentos para os colaboradores de empresas que culminem em um “Firewall Humano”, ou seja, uma barreira de proteção contra técnicas de hackeamento que envolvem a engenharia social, o phishing e outros. Avaliada em US$ 4,4bi, a KnowBe4 possui um crescimento de receita projetado para 2021 em +32% e +24% em 2022.

Cisco (CSCO34): Fundada em 1984 por dois cientistas da computação da Universidade de Stanford, a Cisco provê soluções para conectar diferentes tipos de sistemas computacionais. A empresa conta com mais de 35 mil funcionários e está presente em 115 países, fornecendo soluções de rede para pequenas, médias e grandes empresas, bem como agências governamentais e instituições de educação. Seus produtos de conexão e segurança permitem a transferência de informação entre as diversas plataformas conectadas. Hoje, aproximadamente 85% do tráfego online global atravessa os sistemas da empresa. Avaliada em US$ 230bi, a Cisco fatura ~US$ 50bi anualmente em seus segmentos de infraestrutura (57% das receitas), aplicações (11%), segurança (7%) e serviços (25%).

Palo Alto Networks: Uma das provedoras líderes em segurança cibernética, a Palo Alto oferece produtos focados na proteção dos dados e da navegação de seus clientes e de suas redes de trabalho, incluindo softwares de prevenção, Firewall, filtros de URL e serviços de navegação em nuvem (GlobalProtect). A companhia está presente em mais de 150 países e atende cerca de 80 mil clientes, principalmente grandes corporações e agências governamentais. Avaliada em US$ 40bi, seu faturamento é de US$ 4bi anuais diversificados geograficamente nos EUA (65%); Europa, África e Oriente Médio (25%) e Ásia-Pacífico (10%).

Fortinet (F1TN34): Sua plataforma de segurança cibernética oferece a gama mais abrangente de serviços em mais de 80 países. Suas aplicações integradas oferecem VPN, Firewall, antivirus, filtros antispam e sistemas de prevenção à invasão externa. 65% de seu faturamento anual, de US$ 2,7bi, é proveniente de serviços, que incluem assinatura de seus sistemas de proteção e suporte técnico; o segmento de produtos corresponde à 35% do total. Com uma diversificação geográfica expressiva, conta com 40% de suas receitas provenientes das Américas, 40% da Europa, África e Oriente médio e os 20% restantes da Ásia-Pacífico. Avaliada em US$ 45bi, a Fortinet viu seu faturamento duplicar nos últimos 5 anos.

Cloudflare: Uma das maiores apostas de crescimento no mercado de segurança cibernética, a Cloudflare é uma provedora massiva de serviços para mais de 4,1 milhões de usuários de internet que, entre 2016 e 2020, apresentou uma expansão de faturamento de 50% a.a.. Focada em serviços de segurança em nuvem, seus sistemas são contratados por 17% das 1.000 maiores empresas americanas (Fortune 1000). Seu principal produto Cloudflare Edge tem o objetivo de garantir a estabilidade de websites na internet, impedindo o tráfego de bots e hackers que buscam vulnerabilidades em páginas privadas de navegação.

Ativo subjacente

O índice ETFMG Prime Cyber Security ETF (HACK, no Bloomberg), é um portfólio composto por companhias provedoras de soluções de segurança cibernética que incluem hardware, software e serviços. O ETF busca replicar o retorno total do Prime Cyber Defense Index (PCYBERN), que é um benchmark global para investidores que desejam acompanhar empresas ativamente provedora de tecnologia e serviços de cibersegurança.

O índice acompanhado possui 60 empresas e é balanceado trimestralmente de acordo com a capitalização de mercado das companhias fornecedoras de infraestrutura e serviços, e é equilibrado de acordo com os setores. O ETF foi criado em 2014 e foi o 1º fundo criado focado no mercado de segurança cibernética. O fundo possui US$ 2,2bi em gestão (~R$ 10bi) e taxa de administração de 0,6% a.a..

A gestora do fundo é a ETFMG, focada em temáticas e produtos inovadores, 75% de seus ETFs são os primeiros de seu tema a surgirem. Atuando em parceria com grandes nomes, como a NYSE, Solactive e Societe Generale, a gestora já ultrapassou os US$ 7,4bi em ativos sob gestão.

Performance

Maiores posições

Exposição geográfica

Exposição por subgrupo da indústria de tecnologia

Saiba como ter exposição ao tema:

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Por conta da atividade de distribuição de COEs, a XP Investimentos recebe dos bancos emissores uma remuneração de no máximo 1,7% ao ano. Esta remuneração é recebida no momento da emissão do COE, independente do cliente manter o investimento até o vencimento.

ATENÇÃO: ESTE PRODUTO É DESTINADO A CLIENTES COM PERFIL DE INVESTIMENTO MODERADO (VALOR NOMINAL PROTEGIDO) E AGRESSIVO (VALOR NOMINAL EM RISCO), SENDO ESTE O PÚBLICO A QUE SE DESTINA O PRESENTE MATERIAL. O EMISSOR DO COE SE RESERVA AO DIREITO DE CANCELAR A EMISSÃO OU ALTERAR AS CARACTERÍSTICAS DO PRODUTO, CASO O VALOR MÍNIMO NÃO SEJA ATINGIDO OU HAJA ALTERAÇÃO NAS CONDIÇÕES DE MERCADO. ESTE DOCUMENTO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS AO ATENDIMENTO DAS MELHORES PRÁTICAS DE MERCADO PELO CÓDIGO ANBIMA DE REGULAÇÃO E MELHORES PRÁTICAS DE NEGOCIAÇÃO DE INSTRUMENTOS FINANCEIROS O RECEBIMENTO DOS PAGAMENTOS DESTE CERTIFICADO ESTÁ SUJEITO AO RISCO DE CRÉDITO DO SEU EMISSOR O COE É UM PRODUTO FINANCEIRO QUE NÃO CONTA COM GARANTIA DO FUNDO GARANTIDOR DE CRÉDITO – FGC. A PRESENTE OFERTA FOI DISPENSADA DE REGISTRO PELA COMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS – CVM. A DISTRIBUIÇÃO DE CERTIFICADO DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS – COE NÃO IMPLICA, POR PARTE DOS ÓRGÃOS REGULADORES, GARANTIA DE VERACIDADE DAS INFORMAÇÕES PRESTADAS OU DE ADEQUAÇÃO DO CERTIFICADO À LEGISLAÇÃO VIGENTE OU JULGAMENTO SOBRE A QUALIDADE DO COE, DO SEU EMISSOR OU DA INSTITUIÇÃO INTERMEDIÁRIA. LEIA O DOCUMENTO DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS ANTES DE APLICAR NESTE CERTIFICADO DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS ESTE CERTIFICADO. NÃO SE TRATA DE INVESTIMENTO DIRETO NO ATIVO SUBJACENTE. O CERTIFICADO DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS – COE é um produto complexo. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações aqui divulgadas. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. É obrigatória a leitura do Documento de Informações Essenciais – DIE previamente à aquisição do COE, com especial atenção aos fatores de risco. Recomenda-se uma profunda análise das características, prazos e riscos dos investimentos antes da decisão de compra/venda/aplicação/resgate. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. Os custos das operações e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da Corretora: www.xpi.com.br. Para reclamações, utilize o SAC 0800 77 20202. E se não ficar estiver satisfeito com a solução, favor entrar em contato com a Ouvidoria. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.