Banco Pan

Entenda aqui quem é o Banco Pan.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Este é um relatório informativo sobre as operações do Banco Pan. Para informações sobre taxas de CDBs, LCIs, LCAs, LCs, acesse a Plataforma da XP.

Caso não tenha familiaridade com o setor bancário, sugerimos leitura do Glossário ao final da página e acesso ao nosso conteúdo Saiba tudo sobre o FGC.

Ao investir em um dos ativos do Pan elegíveis à garantia do Fundo Garantidor de Créditos (FGC), como CDB, LC, LCI e LCA, o investidor está coberto até o limite de R$250 mil*.

Letras Financeiras (LFs) não são elegíveis à garantia do FGC.

Quem é o Banco Pan?

História

O Banco PAN surgiu em 2011, a partir da aquisição das ações do Banco Pan Americano pelo BTG Pactual e subsequente venda à Caixa Econômica Federal.

Essa transação resultou no controle compartilhado pelas duas instituições acima mencionadas. Em 2012 e 2014, foram realizados aumentos de capital de R$1,8 bilhão e R$1,3 bilhão, respectivamente, pelos acionistas.

Ao final de 2014, o Banco realizou a venda da PAN Seguros à BTG Pactual Seguradora, embora continue originando prêmios até 2034.

Além disso, vendeu também a participação na Pan Corretora ao BTG Pactual. O valor total da transação foi de R$580 milhões.

Em setembro de 2019, o Pan realizou oferta pública primária (IPO) e oferta pública secundária (follow-on) no montante total de R$ 1,04 bilhão. Desses, R$ 522 milhões foram aumento de capital.

Os recursos foram utilizados para ampliação da oferta de crédito, aumentando investimentos em inovação e tecnologia e avanço na estratégia de originação de crédito omnichannel, com o objetivo de ganho de escala e eficiência.

Em fevereiro de 2020, o Pan lançou seu banco digital com foco nas classes C, D e E.

No último dia 6 de abril, o banco BTG Pactual anunciou acordo para compra de 100% da participação da Caixa Econômica Federal no Banco Pan em transação estimada em R$ 3,7 bilhões. Com isso, o BTG tornou-se único acionista controlador do Pan e deverá torná-lo parte de sua estratégia digital. A operação foi aprovada pela Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em maio.

Atuação

O Banco Pan atua nos segmentos de crédito consignado, financiamento a veículos usados, concessão de crédito para empresas de grande e médio portes e cartões de crédito.

O crédito consignado é descontado diretamente da folha de pagamento de aposentados e pensionistas do INSS até o limite de 35%. Nesse segmento, o Pan atua tanto através de empréstimo tradicional quanto via cartão de crédito consignado.

No caso de financiamento de veículos, o Banco Pan fornece empréstimos para veículos usados e é líder no nicho de motos novas (excluindo bancos de montadoras). Os próprios veículos funcionam como garantia do empréstimo, podendo ser tomados pelo banco em caso de inadimplência, reduzindo de certa forma o risco.

Além disso, tem carteiras em run-off (encerramento) como de financiamento para empresas, financiamento para construção civil e empréstimo imobiliário para pessoas físicas.

Quanto ao serviço de banco digital, o Pan oferece uma modalidade de conta corrente 100% digital com cartão de débito e crédito. O diferencial competitivo reside na extensa base de clientes do conglomerado, que podem ser convertidos para o novo serviço.

Presença

O Pan está presente em 52 cidades, sendo que seus postos de atendimento são distribuídos de acordo com o PIB de cada região.

Quem são seus acionistas?

Os números abaixo entre parênteses são referentes à participação de cada acionista no total de ações com capital votante (ordinárias).

Banco BTG Pactual (50,8%): banco de investimento brasileiro, especializado em capital de investimento e capital de risco, além da administração de fundos de investimento, de gerenciamento de patrimônio, e de ativos globais. Foi o resultado da aquisição do banco UBS Pactual pelo BTG Investments.

Caixa Participações (49,2%): subsidiária da Caixa Econômica Federal, atua nos negócios relativos a participações societárias de longo prazo, sendo responsável por adquirir, alienar, gerir e fazer a governança corporativa de tais participações.

O Banco PAN é controlado conjuntamente pelo Banco BTG Pactual S.A. (‘BTG Pactual’) e pela Caixa Participações S.A. (‘CAIXAPAR’). A despeito da diferença no número de ações entre ambos, o controle é assegurado por Acordo de Acionistas.

As ações preferenciais do banco são negociadas na B3 por meio do ticker BPAN4.

Fonte: XP Investimentos, Economatica.

Principais fatores do crédito

Para melhor entendimento, esclarecemos que a nomenclatura “4T20” significa “quarto trimestre de 2020”. Suas variações também se aplicam (ex: 3T20 seria o terceiro trimestre de 2020). 

Destaques operacionais

Carteira de crédito

Fonte: XP Investimentos, Banco Pan.

A carteira do Banco Pan é concentrada principalmente em crédito consignado e financiamento de veículos. Ambos segmentos oferecem certa proteção ao banco, conforme citado na seção “Atuação”, porém vale ressaltar que o segmento de veículos é mais sujeito às condições macroeconômicas.

A crise direcionada pela pandemia da covid-19 direcionou a contração da carteira de crédito expandida do Banco Pan no primeiro semestre de 2020. A carteira, que vinha apresentando evolução desde 2018, chegou a apresentar leve retração de 1%no 2T20 em relação ao 1T20.

Com maior clareza dos reais impactos da crise nas operações do banco e a gradual retomada da atividade econômica, a carteira de crédito voltou a crescer a partir do terceiro trimestre de 2020, atingindo R$ 28,9 bilhões ao fim do 4T20 – expansão de 21,4% frente o saldo do fim do ano anterior.

Os segmentos que apresentaram maior crescimento no intervalo foram: (i) crédito consignado, que avançou 20,8% ao ano para R$ 15,1 bilhões; (ii) veículos, que avançou 24,7% para R$ 11,1 bilhões; e (iii) cartão de crédito, o qual registrou expansão de 63,6% para R$ 1,8 bilhão.

Ainda no quarto trimestre de 2020, a originação média mensal de crédito atingiu R$ 3,4 bilhões, expansão de 85% em relação ao volume mensal do mesmo período do ano anterior e 50% em relação ao terceiro trimestre, marcando um novo recorde para a instituição.

A originação de crédito foi ampliada pelo aumento temporário da margem para servidores federais tomarem empréstimos com desconto em folha, ampliação de market share em veículos e crescimento do banco digital.

Saiba nossa visão sobre o impacto do covid-19 sobre os bancos médios

Destaques financeiros

Rentabilidade

O Banco Pan encerrou o exercício de 2020 com lucro líquido de R$ 656 milhões, expansão de 27,1% em comparação com o apurado em 2019.

Em seu informe de resultados, o banco afirma que a expansão da rentabilidade observada nos últimos trimestres é fruto da margem financeira robusta, aumento da eficiência e custo de crédito sob controle.

Como consequência, o ROAE (retorno sobre patrimônio líquido médio ajustado) encerrou o ano em 12,8%, 0,6 ponto percentual acima do retorno de 2019.

Além disso, a instituição também divulgou um ROE ajustado de 21,4% para 2020, o qual desconta os efeitos das despesas financeiras de CDBs pré-fixados legados (emitidos entre 2005 e 2008) e o excedente de crédito tributário de prejuízo fiscal em relação ao mercado bancário.

Inadimplência

Visando manter as taxas de inadimplência em patamares baixos mesmo em cenário de crise, o Banco Pan afirmou ter aumentado a liquidez e preservado capital utilizando instrumento de cessões, elevado os parâmetros para a concessão de crédito e restringido as prorrogações em menos de 1% do total da carteira de crédito.

Nesse sentido, a proporção de créditos vencidos acima de 90 dias sobre a carteira de crédito total encerrou 2020 em 5,5% – patamar inferior ao pré-pandemia, após ter atingido pico de 7% no 2T20.

A proporção de créditos classificados como E-H sobre o total atingiu 7% ao fim de 2020, em linha com o 4T19. A provisão para devedores duvidosos (PDD), reserva feita para cobrir eventual inadimplência desses clientes, registrou crescimento marginal no mesmo período, de 5,7% para 5,9%.

Liquidez e solvência

O Banco Pan possui um funding resiliente devido ao acordo entre seus acionistas, que se comprometem a prover linhas de crédito para fomentar as atividades do banco.

De acordo com nossos cálculos, o índice de liquidez de curto prazo do Banco Pan – indicador que mede a capacidade de pagamento da instituição – atingiu 0,77x no 4T20, leve aumento ante a razão de 0,75x calculada ao fim de 2019.

Uma razão menor que 1x indica que se o banco precisasse quitar todas as suas obrigações de curto prazo, seus recursos disponíveis seriam insuficientes. Ressaltamos, no entanto, que não enxergamos esse risco no momento, uma vez que o banco tem bom acesso à captação no mercado.

índice Basileia do Banco PAN foi de 15,9% no 4T20, confortavelmente enquadrado nos padrões exigidos pelo Banco Central (acima de 9,25%).

*Ao investir em um de seus ativos, o investidor está coberto pelo Fundo Garantidor de Créditos – FGC – para aplicações até o limite de R$ 250 mil por CPF ou CNPJ por conjunto de depósitos e investimentos em cada instituição ou conglomerado financeiro, limitado ao teto de R$ 1 milhão, a cada período de 4 anos, para garantias pagas para cada CPF ou CNPJ.

Glossário

Liquidez: A relação entre os ativos mais líquidos de curto prazo e os passivos exigíveis no curto prazo. Esta é uma medida de cobertura de seu saldo devedor mais curto. Quanto maior o índice, melhor a situação da instituição financeira.

Basileia: parte de acordos bancários firmados entre diversos bancos centrais do mundo para prevenção de risco de crédito. Mede a relação entre capital próprio e o capital de terceiros que será exposto a risco por meio da carteira de crédito do banco. As instituições financeiras são obrigadas a manter um índice mínimo de 8% mais um adicional de conservação de capital principal de 2,5%. Esse índice mínimo visa proteger os clientes das instituições financeiras.

ROAE: é o quociente entre lucro líquido e patrimônio líquido médio da instituição. É uma medida de rentabilidade.

Carteira E-H: Classificação determinada pelo Banco Central na resolução nº 2.682. Os créditos bancários são classificados em nove níveis, sendo eles: AA (menor risco), A, B, C, D, E, F, G e H (maior risco). Sendo assim, a carteira E-H inclui os créditos mais arriscados e aqueles com atraso de pagamento acima de 91 dias. Esses créditos exigem provisão entre 30% e 100% sobre o valor das operações.

Veja mais

Fonte

Banco Pan

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “XP”) tem caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como sendo material promocional, solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Os prazos, taxas e condições aqui contidas são meramente indicativas. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados.
Os instrumentos financeiros discutidos neste material podem não ser adequados para todos os investidores. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710.

Corretora Home Broker Autorregulação Anbima - Ofertas Públicas Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Certificação B3

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.