XP Expert

Mercados em queda com preocupações sobre aumento de juros e desaceleração da atividade global

Mercados em queda e desaceleração da atividade global são alguns dos temas de maior destaque nesta sexta-feira, 23/06/2023

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

Áudio disponível em breve.


IBOVESPA -1.17% | 119.017 Pontos

CÂMBIO +0,15% | 4,77/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Agenda do dia

A semana encerra com a divulgação de indicadores econômicos importantes no cenário internacional. Um dos destaques é o Índice de Gerente de Compras (PMI) nas economias desenvolvidas. Alemanha, Reino Unido e Zona do Euro já divulgaram seus números durante a madrugada, enquanto os Estados Unidos divulgarão seus dados ainda pela manhã.

Reforma tributária

No Brasil, o texto da Reforma Tributária foi apresentado ontem (23) pelo deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB). Segundo ele, o presidente da Câmara, Arthur Lira, estaria disposto a votar a proposta no plenário da Câmara no dia 7 de julho. O texto propõe a criação de um novo imposto denominado provisoriamente de IBS (Imposto sobre Bens e Serviços), o qual englobaria os tributos PIS/Pasep, Cofins, IPI, ICMS e ISS.
O time de economia da XP acredita que, se aprovada, essa proposta pode eliminar as distorções presentes no sistema tributário atual, resultando em impactos positivos na produtividade e no crescimento do Brasil. Além disso, espera-se um aumento na arrecadação tributária e uma redução na relação dívida/PIB, o que pode levar à diminuição do risco-país e das taxas de juros de longo prazo. Esses efeitos indiretos tendem a fortalecer o crescimento econômico, uma vez que reduzem o custo de captação de recursos para investimentos.

PMI de economias desenvolvidas

No Japão, o Índice de Gerentes de Compras (PMI) do setor industrial registrou uma desaceleração, caindo de 50,6 para 49,8 pontos, enquanto o PMI do setor de serviços recuou de 55,9 para 54,2. Na Europa, observamos uma queda generalizada nos PMIs. Na Alemanha, o PMI industrial diminuiu de 43,2 para 41,0, e o PMI de serviços caiu de 57,2 para 54,1 pontos. Na Zona do Euro, o índice industrial recuou de 44,8 para 43,6 pontos, e o PMI de serviços passou de 55,1 para 52,4.
Às 10h45, teremos a divulgação dos PMIs nos Estados Unidos, com projeções de 48,5 pontos para o setor industrial e 54,0 pontos para o setor de serviços.

Mercado no Brasil ontem

No pregão de quinta-feira, o índice Ibovespa registrou uma queda de 1,23%, fechando em 120.419 pontos. No mesmo dia, o dólar apresentou uma leve valorização em relação ao real, subindo 0,09% e sendo cotado a R$ 4,77.
As taxas futuras de juros encerraram o dia com uma leve alta, um dia após a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom). O comunicado mais contundente do que as expectativas do mercado resultou no aumento das taxas, especialmente nos vértices mais curtos da curva de juros, que são mais impactados pela política monetária. Além disso, o mercado também refletiu o aumento dos rendimentos (yields) dos títulos do Tesouro americano (Treasuries). Os movimentos foram os seguintes: DI jan/24 subiu de 13,00% para 13,085%; DI jan/25 passou de 11,09% para 11,16%; DI jan/26 teve um aumento de 10,505% para 10,525%; e DI jan/27 avançou de 10,495% para 10,515%.

Mercados globais

O dia amanhece negativo, com o mercado de ações globais caminhando para semana mais negativa em três meses. À medida que as ações caem, as taxas de juros dos Treasuries também diminuem, e o dólar registra alta, impulsionado por investidores em busca de proteção diante de preocupações com a política monetária restritiva e sinais de desaceleração da atividade econômica.
Nos Estados Unidos, os futuros do S&P 500 operam com uma queda de 0,5%, refletindo a cautela em relação à postura ainda restritiva da política monetária. Discursos de membros do Federal Reserve, incluindo o presidente Jerome Powell, durante o dia de ontem, sinalizaram a possibilidade de continuidade do aumento das taxas de juros nos EUA. Além disso, o Banco Central da Inglaterra surpreendeu com um aumento de juros mais agressivo, de 0,50 pontos percentuais. Por outro lado, Janet Yellen afirmou que os riscos de recessão nos EUA estão diminuindo.
Na Europa, o índice Stoxx 600 reverteu suas perdas iniciais e opera de forma estável. As bolsas caíram negativamente à queda nos PMIs da região. Na Ásia, os principais índices fecharam em baixa. No Japão, o Nikkei 225 registrou queda de 1,4%, também em reação aos dados de atividade do país, com a queda no PMI de manufatura, indicando contração no setor. Hong Kong retornou do feriado hoje e o Hang Seng encerrou o dia com queda de 1,7%. Enquanto isso, os índices acionários chineses permaneceram fechados devido a um feriado.

Veja todos os detalhes

Economia

Texto da Reforma Tributária é apresentado na Câmara; no exterior, destaque para as divulgações dos PMIs

  • No Brasil, o relator da Reforma Tributária na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), apresentou ontem o texto da PEC que vai mudar a tributação sobre o consumo do país. Ribeiro disse que o presidente da Câmara, Arthur Lira, pretende votá-lo em plenário no dia 7 de julho. O texto propõe a criação de um novo tributo, chamado provisoriamente de IBS (imposto sobre bens e serviços), que agrega PIS/Pasep, Cofins, IPI, ICMS e ISS. O novo tributo terá uma base ampla (todos os bens e serviços), será não cumulativo (a base será o valor adicionado em cada etapa da cadeia produtiva), com alíquota única (ou duas alíquotas, uma normal e outra diferenciada para alguns setores) e tributação no destino. Esperamos que a proposta, se aprovada, trará o fim das distorções causadas pelo atual sistema tributário, o que deve impactar positivamente a produtividade e o crescimento do Brasil. Ademais, a arrecadação tributária tende a crescer mais e a relação dívida/PIB a se reduzir, levando a uma queda no risco-país e na taxa de juros de longo prazo. Esses efeitos indiretos tendem a reforçar o crescimento da economia, já que reduzem o custo de captação de recursos para investimentos;
  • Na seara internacional, o destaque é a divulgação dos PMIs (índice de gerentes de compras) nas economias desenvolvidas. No Japão, o PMI industrial desacelerou de 50,6 para 49,8 pontos, enquanto o de serviços cedeu de 55,9 para 54,2.  Na Europa, tivemos queda generalizada. Na Alemanha, o PMI industrial recuou de 43,2 para 41,0 e o de serviços, de 57,2 para 54,1 pontos. Na Zona do Euro, o índice industrial cedeu de 44,8 para 43,6 pontos e o de serviços de 55,1 para 52,4. Às 10:45, teremos a divulgação dos PMIs nos EUA; o mercado projeta 48,5 pontos para o industrial e 54,0 pontos para o de serviços.

Empresas

TOTVS (TOTS3): Final Feliz; Totvs Techfin finalmente aprovada pelo Bacen

  • A TOTVS anunciou hoje (22 de junho) a aprovação da TOTVS Techfin, JV com o Itaú, pelo Banco Central do Brasil (BACEN). Com a autorização do BACEN, todas as aprovações regulatórias necessárias foram obtidas, e agora o fechamento da transação está apenas sujeito a algumas condições prévias. Como já mencionado em nossos relatórios anteriores, vemos essa joint venture como positiva, pois está alinhada com a estratégia da empresa de oferecer uma ampla gama de produtos financeiros no mercado B2B;
  • A expertise do Itaú em concessão de crédito, combinada com sua capacidade de fornecer funding atrativo, deve ajudar o negócio de techfin a acelerar seu crescimento com novos produtos e qualidade na carteira de crédito;
  • No geral, reiteramos nossa recomendação de Compra e preço-alvo de R$ 39,0/ação para TOTS3 até o final de 2023;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Open finance é pouco ofertado e mal explorado por bancos, aponta estudo do Google Cloud (Valor);
    • BC emite autorização para joint venture entre Totvs e Itaú Unibanco (Valor);
    • Bradesco e BV criam gestora Tivio, que nasce com R$ 42 bi (Valor);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Tech XP: Notícias diárias do setor de Telecom e Tecnologia
    • Grupo TIM dá preferência a KKR e espera oferta até setembro (Telesintese);
    • A TV paga não vai morrer, vai se transformar (Valor);
    • BC emite autorização para joint venture entre Totvs e Itaú Unibanco (Valor);
    • Acordo de Microsoft e Activision enfrenta teste na Comissão Federal de Comércio dos EUA (Valor);
    • Clique Aqui para acessar o relatório.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Benefícios fiscais do ICMS ultrapassam R$ 200 bi e impõem desafio à reforma tributária (Folha);
    • Benefícios de ICMS: empresas pedem que decisão produza efeitos a partir de abril (Jota);
    • ​​​​​​​Casino sai do Assaí e deve levantar R$ 2 bilhões (Valor);
    • Esforços implacáveis da Temu para atrair compradores americanos: brindes, spam e meio bilhão em perdas (Forbes);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Isa Cteep recebe licença de operação para Projeto Triângulo Mineiro. (Canal Energia);
    • Eneva: acordo com Itaú rende investimentos de R$ 1 bilhão. (Canal Energia);
    • Credor da Light resiste a possível deságio. (Valor Econômico);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Combustível XP: As principais notícias que movem o setor de Óleo & Gás
    • Investir em petróleo é anacrônico (Valor Econômico);
    • Prates diz que Ministério de Energia conhece a programação da Petrobras sobre gás: ‘Não precisa cobrar’ (Valor Econômico);
    • Petrobras estuda construção de nova usina termelétrica a gás no Rio, diz diretor (Estado de S. Paulo);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Estratégia

Pesquisa com assessores XP: Volta o interesse em aumentar alocação em Bolsa

  • No último mês, realizamos uma nova edição da nossa pesquisa com os assessores da XP e assessores de investimento de escritórios autônomos filiados à XP Investimentos. Temos como objetivo obter a visão dos assessores e, principalmente, dos seus clientes sobre investimentos;
  • Alocação em ações ainda é baixa, mas a pesquisa mostra um leve aumento no último mês. De acordo com os assessores, 76% de seus clientes têm entre 0% e 25% de alocação em ações, equivalente a -4pps em relação ao mês anterior;
  • Porém, houve um aumento de 9% pra 49% de clientes que pretendem aumentar essa alocação. Além disso, a porcentagem de interessados em diminuir seus investimentos em ações diminuiu para 4% de 33%. Quando ao Ibovespa, 47% dos assessores acreditam que o índice encerrará 2023 entre 120.000 e 130.000 pontos, um aumento de 7pps M/M;
  • Maioria acredita em juros mais baixos adiante. Segundo a pesquisa, 56% das respostas apontaram para expectativas da taxa Selic entre 12,0 e 13,0% até o final do ano, sendo que a maioria (79%) acredita que a taxa será abaixo dos 13,0%;
  • Com perspectiva de corte da taxa Selic ainda em 2023, o interesse em Renda Fixa têm caído levemente. Por outro lado, começamos a observar um aumento de interesse em Fundos de Ações e Fundos Imobiliários, o que pode ser explicado pelo fato de que ambos geralmente são beneficiados por cenários de redução de taxas de juros;
  • Quanto à exposição internacional, ela continua baixa. A grande maioria dos assessores (87%) disseram que menos de 20% de seus clientes investem em ativos internacionais;
  • Situação fiscal ainda preocupa. Para mapear o posicionamento dos assessores em relação ao marco fiscal, perguntamos se o mesmo é suficiente para afastar o risco fiscal. Para 75% dos entrevistados a respostas foi não, seguido de 13% que acreditam que o projeto é suficiente e 12% que se declararam indiferentes;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Reforma tributária: conceitos, definições e impactos sobre a economia

  • A reforma tributária é parte de uma agenda que tem potencial de elevar o crescimento do país nos próximos anos. Especialistas apontam que o sistema atual é complexo, traz insegurança jurídica e iniquidade, resultando em alta litigiosidade, elevados custos de conformidade, distorções na alocação dos investimentos, falta de transparência e redução do nível de investimento e da produtividade da economia brasileira. A reforma tributária assume então o papel de resolver esses problemas, tornando-o mais simples, transparente e justo;
  • A reforma tributária vem para resolver diversos problemas. Para tanto, propõe a criação de um novo tributo, chamado provisoriamente de IBS (imposto sobre bens e serviços), que agrega PIS/Pasep, Cofins, IPI, ICMS e ISS. O novo tributo terá uma base ampla (todos os bens e serviços), será não cumulativo (a base será o valor adicionado em cada etapa da cadeia produtiva), com alíquota única (ou duas alíquotas, uma normal e outra diferenciada para alguns setores) e tributação no destino, o que eliminará o problema de “exportação de tributos” atualmente existente, melhorando a competitividade internacional dos produtos brasileiros, além de acabar com a chamada “guerra fiscal”;
  • O fim das distorções causadas pelo atual sistema tributário deve impactar positivamente a produtividade e o crescimento do Brasil. Esses ganhos decorrem da melhora em indicadores como conformidade tributária, nível de exigências administrativas e desvios de conduta de agentes públicos e privados, que convergiriam para os padrões observados em países da América Latina. Além disso, há o efeito positivo da redução das distorções causadas pelos benefícios fiscais de ICMS e tributos federais. Por fim, estima-se que a reforma reduza o custo do investimento em ativos fixos pela redução do custo dos bens de capital;
  • Há também efeitos indiretos da reforma tributária. Com um crescimento potencial maior, a arrecadação tributária tende a crescer mais e a relação dívida/PIB a se reduzir, levando a uma queda no risco-país e na taxa de juros de longo prazo. Esses efeitos indiretos tendem a reforçar o crescimento da economia, já que reduzem o custo de captação de recursos para investimentos;
  • Para os setores da Bolsa brasileira, a reforma tributária ainda está em estágio inicial, sem muitas informações sobre alguns detalhes de cobrança de impostos aplicadas a casos específicos. Dentro das informações que temos até agora, abordamos alguns pontos importantes para parte dos setores, mostrando as diferenças entre como a cobrança é feita atualmente e como ela passará a ser feita após a implementação da reforma;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Renda fixa

De Olho na Renda Fixa: principais notícias de crédito privado, mercados e renda fixa

  • Curva inverte ainda mais nos EUA, com mercado apostando na recessão (Brazil Journal);
  • Dependência de dados mantém porta aberta para corte da Selic em agosto, dizem economistas (Infomoney);
  • Justiça suspende assembleias de debenturistas da Light marcadas para 23 e 30 de junho (Valor Econômico);
  • Fitch Afirma Ratings de Empresas do Grupo AES Brasil em ‘AA-(bra)’; Perspectiva Estável (Fitch);
  • Moody’s affirms Banco do Brasil’s Ba2 ratings; stable outlook​​​​​​​ (Moody’s);
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Alocação & Fundos

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • Fundos imobiliários: Sangria após Copom e fim de sequência positiva (Money Times);
    • FIIs com dividendos acima da Selic de 13,75% se multiplicam; confira 16 que pagam até 17% (InfoMoney);
    • Fundo imobiliário fecha acordo milionário para venda de imóveis em SP; Confira qual (FIIs);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

ESG

Brasil visa lançar títulos públicos sustentáveis a partir de setembro | Café com ESG, 23/06

  • O Ibovespa encerrou o pregão de quinta-feira em território negativo, com o Ibov e o ISE em queda de -1,15% e -1,31%, respectivamente;
  • No Brasil, (i) o Comitê de Finanças Sustentáveis Soberanas, colegiado do governo responsável pela elaboração do arcabouço para emissões de títulos públicos sustentáveis teve ontem sua primeira reunião – segundo o secretário do Tesouro Nacional, Rogério Ceron, o governo federal trabalha para lançar esses títulos no mercado externo a partir de setembro; e (ii) a Shop2gether, e-commerce de moda do Icomm Group, anunciou ontem que está dando mais um passo em direção à moda sustentável com a criação de sua vertical de segunda mão, a 2ndshop;
  • No internacional, cerca de 40 líderes mundiais reunidos em Paris afirmaram ontem que os bancos multilaterais de desenvolvimento devem liberar adicionais US$ 200 bilhões em investimentos para as economias emergentes administrando seus balanços patrimoniais com mais rigor – além disso, expressaram preocupação de que o Banco Mundial e o FMI estejam cada vez mais desatualizados para enfrentar desafios como as mudanças climáticas, e reafirmaram a promessa de financiamento climático de US$ 100 bilhões para os países em desenvolvimento;
  • Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.

Super Clássicos

Fique por dentro de tudo que aconteceu no Super Clássicos da Bolsa 2023

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.