XP Expert

Ibovespa recupera os 100 mil pontos, mercados globais em território positivo

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA 1,90% | 110.275 Pontos

CÂMBIO -0,9% | 5,27/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa encerrou o pregão de ontem em alta de 1,9%, aos 100.274 pontos, acompanhando um movimento de otimismo de mercados globais. As maiores altas do índice foram de YDUQ3 (+7,95%), GOLL4 (+7,28%) e CIEL3 (+6,98%), enquanto as maiores quedas foram de PRIO3 (-1,54%), PETR3 (-0,99%) e PETR4 (-0,91%). Em semana de decisão do Copom, as taxas futuras de juros fecharam o dia de ontem em queda, seguindo o bom humor dos mercados internacionais e o bom desempenho do real perante o dólar. DI jan/21 fechou em 1,95%; DI jan/23 encerrou em 4,09%; DI jan/25 foi para 5,95%; e DI jan/27 fechou em 6,95%.

Bolsas globais operam em território majoritariamente positivo nesta manhã, com bolsas europeias em alta de +0,5% a 1%, assim como futuros do S&P 500. A tendência positiva acompanha o movimento de recuperação de mercados após a pior semana desde março, com destaque para a alta das ações do setor de tecnologia.

O otimismo dos mercados globais também é pautado por dados de atividade na China, com a produção industrial do país em agosto tendo subido 5,6% A/A, acima das expectativas de 5,2% A/A com base no consenso de mercado compilado pelo Wall Street Journal e acima dos patamares de julho de 4,8% A/A. Segundo o National Bureau of Statistics da China, as vendas do varejo no mesmo período cresceram 0,5%, primeiro resultado positivo do ano.

Em compasso a esse movimento de otimismo com dados da China, os preços de petróleo Brent avançam +1,69% esta manhã, aos US$40,28/barril (WTI avança +1,99%, aos US$38,00/barril).

Em economia, o Índice de Atividade Econômica divulgado ontem pelo Banco Central (IBC-Br) apresentou contração de 4,9% a/a em julho, o equivalente a uma expansão de 2,15% m/m. O resultado, sustentado principalmente pela indústria e pelo varejo, foi levemente melhor que as expectativas, mas não altera a nossa projeção de PIB nem para o para o terceiro trimestre desse ano (-5,4% A/A e +6,8% T/T), nem para 2020 (-4,8%).

Para abrir espaço no orçamento de 2021 para o Renda Brasil, a equipe econômica tenta aprovar no Congresso a desvinculação do salário mínimo dos benefícios previdenciários e o congelamento de aposentarias e pensões por dois anos. Segundo o secretário especial da Fazenda, Waldery Rodrigues, a desindexação dos benefícios previdenciários (inclusive dos benefícios menores que o piso) seria destinada para quem ganha um valor igual ou superior a um salário mínimo. A ideia é incluir a desvinculação das aposentadorias e pensões no relatório da PEC do pacto federativo, que tem como relator o senador Márcio Bittar e que deve ser enviado com o Renda Brasil ainda nesta semana. Waldery disse que o congelamento está sendo debatido com os ministérios da Casa Civil e da Cidadania, mas ponderou que o presidente Bolsonaro ainda não deu o aval para enviar a medida ao Congresso. De acordo com o presidente da Câmara, congelar os benefícios previdenciários para quem ganha acima do mínimo abriria espaço de aproximadamente R$ 20 bilhões em 2021 e R$ 40 bilhões em 2022.

Em política, com a semana esvaziada no Congresso até quarta-feira, data limite para as convenções municipais, o noticiário segue concentrado nas decisões sobre o relatório da PEC do Pacto Federativo e o espaço fiscal que pode ser criado para o Renda Brasil. Os ministérios da Cidadania e da Economia estudam um pente fino na concessão do Benefício de Prestação Continuada, o que pode ser feito via decreto, para economizar R$ 5 bilhões em 2021 e R$ 10 bilhões 2022. E a Economia, entre outras proposta, fala em desvincular os benefícios previdenciários do salário mínimo.

Depois do incentivo de Jair Bolsonaro, a bancada evangélica já vê votos suficientes para derrubar o veto do presidente ao perdão das dívidas dos templos, e o Presidente do Senado Davi Alcolumbre não deve convocar para amanhã sessão do Congresso em que poderia ser analisado o veto à extensão da política de desonerações até o fim de 2021.

Na frente de empresas, a Petrobras informou, via fato relevante, a revisão do portfólio do segmento de Exploração & Produção (E&P) frente à crise provocada pela COVID-19. Como resultado da revisão do portfólio, a Petrobras estima um investimento para E&P de aproximadamente US$ 40-50 bilhões para 2021-2025, ante US$ 64 bilhões anunciados no Plano Estratégico de 2020-2024 e nossa estimativa de US$56 bilhões para o período entre 2021-2025. Conforme mencionamos em nosso início de cobertura, acreditávamos que seria provável que a Petrobras anunciasse reduções de orçamento de investimentos como forma de preservar a geração de caixa da companhia. Ainda que tal revisão possa impactar as expectativas de produção de petróleo futuras do mercado, não vemos risco material para nossas estimativas, uma vez que já não incluímos em nosso modelo todas as plataformas previstas no plano de negócios da Petrobras. Mantemos recomendação de Compra nas ações da Petrobras.

Do lado das commodities, os preços de celulose de fibra curta na China tiveram alta na semana (+US$1,7/t), para US$444,12/t. Esperamos uma reação positiva das ações de Suzano e Klabin no pregão de hoje. No longo prazo, acreditamos que os níveis de preço atuais não sejam sustentáveis, na medida em que se encontram há muito tempo abaixo do custo marginal (~US$500/t, em nossa opinião). Adicionalmente, esperamos que uma recuperação da demanda na China seja gatilho para um movimento de recomposição de estoques.

Tópicos do dia

Coronavírus

Revisamos em agosto o target do Ibovespa para 115.000 pontos
Medidas econômicas para combater o coronavirus no Brasil

Para ler mais conteúdos, clique aqui.

Internacional

  1. Política internacional: Mnuchin diz que não é hora de se preocupar com reduzir déficit
    Acesse aqui o relatório internacional

Empresas

  1. Petrobras (PETR4): Anuncia redução nos investimentos em E&P de 2021 a 2025 e inclui novos ativos na sua carteira de desinvestimentos
  2. Bradesco (BBDC4) e Cielo (CIEL3): BITZ, nova empresa focada em carteira digital e conta de pagamento
  3. Papel & Celulose: Alta no preço da celulose de fibra curta na China
  4. Banco do Brasil (BBAS3): André Brandão deve assumir o cargo de CEO a partir de 21 de setembro
  5. Proteínas (MRFG3, BRFS3): preço da tonelada de carne suína exportada pelo Brasil cresce 13% versus semana passada
  6. Banrisul (BRSR6): Plano de desligamento voluntário (PDV) de até 1500 colaboradores


Veja todos os detalhes

Internacional

Política internacional: Mnuchin diz que não é hora de se preocupar com reduzir déficit

  • Em recado a republicanos conservadores na pauta fiscal, o secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, disse que a economia necessita de novo estímulo e não é a hora de se preocupar com reduzir o déficit do país;
  • Na seara eleitoral, incêndios nos EUA se tornaram novo foco do debate eleitoral. Joe Biden e Donald Trump apresentam narrativas divergentes sobre o tema e responsabilizam um ao outro pela tragédia;
  • E no lado do comércio global, a União Europeia disse a China que deve avançar na abertura de seu mercado a investidores estrangeiros para selar acordo de investimentos, insistindo que é a hora de Beijing de atuar.

Empresas

Petrobras (PETR4): Anuncia redução nos investimentos em E&P de 2021 a 2025 e inclui novos ativos na sua carteira de desinvestimentos

  • Ontem a Petrobras informou, via fato relevante, a revisão do portfólio do segmento de Exploração & Produção (E&P) frente à crise provocada pela COVID-19. Como resultado da revisão do portfólio, a Petrobras estima um investimento para E&P de aproximadamente US$ 40-50 bilhões para 2021-2025, ante US$ 64 bilhões anunciados no Plano Estratégico de 2020-2024. Além disso, a Petrobras decidiu incluir novos ativos na sua carteira de desinvestimentos, embora ainda não tenha informado em detalhe quais ativos planeja vender;
  • Segundo a estatal, a redução do investimento ocorre por conta do efeito da desvalorização do real, a busca pela otimização no investimento exploratório e a revisão da carteira de investimentos, “considerando otimizações, postergações e cancelamentos”;
  • Para a revisão do portfólio, segundo a Petrobras, foram consideradas as seguintes diretrizes: (a) foco na desalavancagem, atingindo a meta de dívida bruta de US$ 60 bilhões em 2022; (b) foco na resiliência, priorizando projetos com breakeven de preço de Brent de no máximo US$ 35/ barril e aderentes à estratégia da companhia e; (c) revisão de toda a carteira de investimentos e desinvestimentos;
  • Por fim, a Petrobras afirma que Búzios e os demais ativos do pré-sal passarão a ter uma importância ainda maior na carteira da companhia, representando aproximadamente 71% do investimento total de E&P para 2021-2025, contra 59% no Plano Estratégico de 2020-2024;
  • A redução de investimentos em E&P para o período de 2021 a 2025 para US$40-50 bilhões se compara à nossa estimativa de US$56 bilhões para o mesmo período. Ainda que a revisão de orçamento em E&P possa impactar negativamente as estimativas de produção de petróleo futura da Petrobras do mercado, acreditamos que nossas estimativas já incorporam tal efeitos, uma vez que não incorporamos em nossas estimativas todas as plataformas de petróleo previstas pela Petrobras no futuro (apenas àquelas para a qual já foi contratada a construção). Na nossa visão, a revisão de orçamento pela companhia é uma sinalização positiva para a geração de caixa da Petrobras, assim como uma postura mais pragmática e mais ambiciosa em relação ao plano de desinvestimentos de ativos. Mantemos recomendação de Compra nas ações da Petrobras.

Bradesco (BBDC4) e Cielo (CIEL3): BITZ, nova empresa focada em carteira digital e conta de pagamento

  • Ontem, o Bradesco comunicou ao mercado a chegada do BITZ Serviços Financeiros, uma nova empresa focada no mercado de carteiras digitais e contas de pagamento para clientes PF e MEIs. A plataforma possibilitará aos clientes: i) armazenar dinheiro; ii) realizar pagamentos,  recebimentos e outras transferências (QR code inclusive); iii) recarga de celular; iv) compras online; e v) será integrado ao PIX;
  • Acreditamos que o nível de competição no mercado de carteiras digitais vem aumentando e a entrada do Bradesco intensifica esse movimento, pois o banco oferece uma ampla rede de distribuição e a maior adquirente como prestadora de serviço. No entanto, lembramos concorrentes tentaram implementar estratégias semelhantes (Iti/Itaú), mas com baixa aderência de mercado e dificuldades para engajamento nas plataformas. Além disso, ainda ontem foi anunciada também a plataforma de varejo de outro concorrente digital, o BTG Pactual;
  • Já em relação a Cielo, vemos a reação do mercado como exagerada, uma vez que a ação da adquirente subiu 7% no pregão de ontem devido a exclusividade como prestadora de serviços e de tecnologia ao Bitz via POS da adquirente (e deve receber 1,99% no débito e 4,99% no crédito para tal). Nossa opinião se baseia em: i) baixa visibilidade dos volumes que podem ser entregues pela plataforma; ii) sem contrato de exclusividade; e iii) o PIX, que deveria ser um dos principais motivos para a criação da plataforma, não deve cobrar tarifas.

Papel & Celulose: Alta no preço da celulose de fibra curta na China

  • Os preços da celulose de fibra curta tiveram alta na semana (+US$1,7/t), para US$444,12/t. No longo prazo, acreditamos que os níveis de preço atuais não sejam sustentáveis, na medida em que se encontram há muito tempo abaixo do custo marginal (~US$500/t, em nossa opinião). Adicionalmente, esperamos que uma recuperação da demanda na China seja gatilho para um movimento de recomposição de estoques;
  • Esperamos uma reação positiva das ações de Suzano e Klabin no pregão de hoje. Temos recomendação de Compra para ambos os nomes, com preço-alvo de R$65 e R$32/ação para Suzano e Klabin, respectivamente.

Banco do Brasil (BBAS3): André Brandão deve assumir o cargo de CEO a partir de 21 de setembro

  • De acordo com a mídia, o novo presidente do Banco do Brasil, André Brandão, deve tomar posse a partir de 21 de setembro, a demora desde a indicação ocorreu devido ao processo burocrático de desligamento do HSBC. Enquanto isso, o atual presidente, Rubem Novaes, continua atuando no banco e a expectativa é que, após sua saída, ele continue como assessor de Paulo Guedes no Rio de Janeiro;
  • Nossa visão é positiva para a chegada de André Brandão pelo fato dele já ter experiência como CEO e ser atualmente um executivo do ramo, em uma instituição onde o corte de custos tem sido foco. Acreditamos que o seu perfil de mercado e experiência sejam bem recebidos pelo mercado.

Proteínas (MRFG3, BRFS3): preço da tonelada de carne suína exportada pelo Brasil cresce 13% versus semana passada

  • Segundo dados preliminares semanais da SECEX, as exportações brasileiras de carne bovina e suína seguem fortes, impulsionadas sobretudo por volumes robustos (+25% e +55% A/A, respectivamente), enquanto as exportação de carne de frango continuam sofrendo com queda de preços em dólar (-16% A/A), mas são compensadas pela desvalorização do real no período (em reais, os preços registram alta de 8,5% A/A);
  • Destaque para o fato de que o preço médio da carne suína atingiu US$ 2.457 por tonelada na segunda semana de setembro, patamar 13% superior à média de preço registrada na semana passada (US$ 2.169 por tonelada). Em reais, houve aumento de 37% em preços, na comparação anual;
  • Entendemos que tal alta nos preços de exportação da carne suína pode refletir o recente movimento da China de proibir importações de carne suína da Alemanha, o que deveria beneficiar outros países exportadores do produto, inclusive Estados Unidos e Brasil. Por fim, segundo o Valor Econômico, o Brasil também suspendeu suas importações de carne suína da Alemanha. Vale lembrar que o Brasil importa um volume muito pequeno do país – de janeiro a agosto, as compras somaram 1,8 mil toneladas, ou US$ 16,8 milhões, segundo o jornal. Confira todos os detalhes no nosso relatório Expresso Alimentos & Bebidas desta semana.

Banrisul (BRSR6): Plano de desligamento voluntário (PDV) de até 1500 colaboradores

  • O Banrisul anunciou ontem que o Plano de Desligamento Voluntário (PDV) que estava sendo negociado com as entidades sindicais, contemplará até 1500 colaboradores e terá preferência para aposentados pelo INSS ou aptos para tanto;
  • Os 1500 funcionários representam 15% da base de funcionários e, se simularmos o gasto com despesas de pessoas de 2019, teríamos uma redução de aproximadamente R$ 300 milhões na folha;
  • Caso aprovado o acordo, vemos como positivo para a companhia dado o potencial ganho de eficiência. Lembramos que o Banrisul é o banco com o maior índice de eficiência entre os incumbentes (negativo), o que acreditamos ser espaço para melhorias tais como a anunciada.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.