XP Expert

Ibovespa fecha em alta em maio; desemprego no Brasil em queda

Taxa de desemprego no Brasil, dados de confiança do consumidor nos EUA e atividade manufatureira na Europa são alguns dos temas de maior destaque nesta quarta-feira, 01/06/2022

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA +0,3% | 111.351 Pontos

CÂMBIO -0,4% | 4,73/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Destaque do dia

A confiança do consumidor dos EUA diminuiu em maio e a manufatura sente o impacto das restrições do Covid-19 na China. No Brasil, o desemprego continua em tendência de queda. Na pauta de hoje, a divulgação dos dados do ISM e do Livro Bege do Fed nos Estados Unidos. No Brasil, as discussões sobre os projetos de lei para reduzir os preços de energia elétrica e combustíveis continuam no radar, com propostas feitas pelos estados para mitigar o impacto da proposta que cria um “teto” para o ICMS.

Brasil

Na sessão desta terça-feira (31), último dia do mês, o índice Ibovespa fechou em leve alta de 0,29%. Com isso, maio foi um mês positivo para a Bolsa brasileira, fechando alta de 3,22%, aos 111.351 pontos. Enquanto isso, a moeda brasileira avançou 6,3% frente ao dólar comercial, que fechou negociado a R$ 4,752 na compra e a R$ 4,753 na venda. A moeda americana caiu 3,86% no mês frente o real.

As taxas futuras de juros tiveram dia de movimentos mistos, sem direção mais concreta, tendo fechado em queda após declarações do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, de que o ciclo de alta da Selic está no fim, e com a queda dos preços de petróleo. A sessão sem direção única ocorreu após dia de alta relevante nas taxas, na segunda-feira, devolvendo prêmios, portanto. As preocupações globais com inflação, preços das commodities e alta de juros perduram e limitaram uma queda mais expressiva. DI jan/23 fechou em 13,385%; DI jan/24 foi para 12,90%; DI jan/25 encerrou em 12,27%; DI jan/27 fechou em 12,115%; e DI jan/29 encerrou em 12,21%.

Desemprego em queda

A taxa de desemprego no Brasil caiu para 10,5% no trimestre móvel até abril, de 11,1% no 1T22. Considerando estimativas com ajuste sazonal em base mensal (método próprio), a taxa de desemprego caiu para 10,1% em abril ante 10,9% em março, atingindo o menor nível desde o início de 2016. Olhando os detalhes da divulgação da PNAD, categorias informais saltaram 1,9% MoM em abril, logo após a reabertura econômica e a crescente mobilidade. Por sua vez, o emprego formal cresceu 1,4% MoM em abril, principalmente devido ao avanço no grupo de “trabalhadores do setor privado”. O salário médio real permaneceu praticamente estável pelo terceiro mês consecutivo (-0,2% MoM em abril conforme nossas estimativas). O indicador ainda está cerca de 7,5% abaixo dos níveis registrados antes do surto de COVID-19, principalmente devido a pressões inflacionárias significativas. Com isso, a massa salarial real agregada – corresponde ao salário médio com a população ocupada – subiu 1,5% MoM em abril. A variável está aproximadamente 5% abaixo dos valores observados antes da crise de saúde pública.

Mundo

Mercados globais amanhecem sem direção definida (EUA +0,1% e Europa -0,3%) no primeiro dia de negociações do mês de junho à medida que os investidores seguirão atentos ao impacto na liquidez dos mercados causado pela redução do balanço de US$ 9 trilhões do Federal Reserve, que começa nesta quarta-feira. Na Europa, dados do PMI de manufatura registraram 54,6 pontos em maio, representando o crescimento marginal mais lento desde novembro de 2020 na região. Na China, o Índice CSI 300 (-0,2%) encerrou sem movimentos expressivos, mesmo após surpresa positiva no PMI oficial de maio, que registrou 49,6 pontos e, apesar de representar uma leve contração na atividade econômica, veio acima do consenso de 48,6 pontos da Reuters. Por fim, o petróleo (+1,4%) amanhece negociando em torno dos US$ 117/barril, ao passo que alguns membros da OPEP+ começam a considerar a possibilidade de não incluir o petróleo russo nas metas de produção. Caso se concretize, o movimento abriria espaço para um aumento de produção por parte dos membros da organização e ajudaria a controlar o aumento de preços da commodity.

Economia Americana

A confiança do consumidor dos EUA diminuiu modestamente em maio, uma vez que a inflação persistentemente alta e o aumento das taxas de juros forçam os americanos a se tornarem mais cautelosos na compra de itens caros, incluindo veículos motorizados e casas, o que pode reduzir o crescimento econômico. A pesquisa do Conference Board na terça-feira também mostrou que as percepções dos consumidores sobre o mercado de trabalho pioraram um pouco este mês. Embora a queda na confiança tenha sido pequena, isso sugere que as ações de política monetária do Federal Reserve para desacelerar a demanda estão começando a ter impacto. O índice de confiança do consumidor do Conference Board caiu para 106,4 neste mês. Os dados de abril foram revisados ​​e mostram o índice em 108,6, em vez da leitura anteriormente relatada de 107,3. O índice permanece acima de suas mínimas pandêmicas.

Restrições na China impactam atividade

A atividade fabril da China encolheu menos em maio, à medida que as restrições do COVID-19 diminuíram e parte da produção foi retomada, mostrou uma pesquisa do setor privado na quarta-feira. O Índice de Gerentes de Compras de Manufatura Caixin/Markit (PMI) subiu para 48,1 em maio, de 46,0 no mês anterior e ficou ligeiramente acima de uma pesquisa da Reuters de 48,0. A contração de maio foi a segunda queda mais acentuada desde fevereiro de 2020, sugerindo que a recuperação continua frágil. A marca do índice de 50 pontos separa o crescimento da contração em uma base mensal. As empresas pesquisadas vincularam a queda na produção ao impacto das restrições persistentes relacionadas à pandemia nas operações e à demanda moderada dos clientes, além de aumento das dificuldades no envio de itens e a guerra Rússia-Ucrânia.

Atividade manufatureira lenta na Europa

A atividade manufatureira na Europa foi a mais lenta desde o início do ano passado em maio, de acordo com pesquisas de negócios publicadas pela S&P Global, enquanto outros números mostraram que as vendas no varejo na Alemanha caíram acentuadamente em termos reais e os preços das casas no Reino Unido continuaram a subir em um ritmo insustentável. O índice de gerentes de compras da S&P para a zona do euro e o Reino Unido caiu para 54,6 de 55,8, com problemas na cadeia de suprimentos, escassez de qualificação e aumento acentuado dos preços da energia. Para a zona do euro, a leitura foi a mais baixa desde o final de 2020, enquanto para o Reino Unido, foi a mais baixa desde fevereiro de 2021. Para a zona do euro, pelo menos, o valor final foi um pouco melhor do que os 54,4 relatados originalmente.

Veja todos os detalhes

Agenda de resultados

Economia

A confiança do consumidor dos EUA diminuiu em maio e a manufatura sente o impacto das restrições do Covid-19 na China. No Brasil, o desemprego continua em tendência de queda

  • A confiança do consumidor dos EUA diminuiu modestamente em maio, uma vez que a inflação persistentemente alta e o aumento das taxas de juros forçam os americanos a se tornarem mais cautelosos na compra de itens caros, incluindo veículos motorizados e casas, o que pode reduzir o crescimento econômico. A pesquisa do Conference Board na terça-feira também mostrou que as percepções dos consumidores sobre o mercado de trabalho pioraram um pouco este mês. Embora a queda na confiança tenha sido pequena, isso sugere que as ações de política monetária do Federal Reserve para desacelerar a demanda estão começando a ter impacto. O índice de confiança do consumidor do Conference Board caiu para 106,4 neste mês. Os dados de abril foram revisados ​​e mostram o índice em 108,6, em vez da leitura anteriormente relatada de 107,3. O índice permanece acima de suas mínimas pandêmicas;
  • A atividade fabril da China encolheu menos em maio, à medida que as restrições do COVID-19 diminuíram e parte da produção foi retomada, mostrou uma pesquisa do setor privado na quarta-feira. O Índice de Gerentes de Compras de Manufatura Caixin/Markit (PMI) subiu para 48,1 em maio, de 46,0 no mês anterior e ficou ligeiramente acima de uma pesquisa da Reuters de 48,0. A contração de maio foi a segunda queda mais acentuada desde fevereiro de 2020, sugerindo que a recuperação continua frágil. A marca do índice de 50 pontos separa o crescimento da contração em uma base mensal. As empresas pesquisadas vincularam a queda na produção ao impacto das restrições persistentes relacionadas à pandemia nas operações e à demanda moderada dos clientes, além de aumento das dificuldades no envio de itens e a guerra Rússia-Ucrânia;
  • A atividade manufatureira na Europa foi a mais lenta desde o início do ano passado em maio, de acordo com pesquisas de negócios publicadas pela S&P Global, enquanto outros números mostraram que as vendas no varejo na Alemanha caíram acentuadamente em termos reais e os preços das casas no Reino Unido continuaram a subir em um ritmo insustentável. O índice de gerentes de compras da S&P para a zona do euro e o Reino Unido caiu para 54,6 de 55,8, com problemas na cadeia de suprimentos, escassez de qualificação e aumento acentuado dos preços da energia. Para a zona do euro, a leitura foi a mais baixa desde o final de 2020, enquanto para o Reino Unido, foi a mais baixa desde fevereiro de 2021. Para a zona do euro, pelo menos, o valor final foi um pouco melhor do que os 54,4 relatados originalmente;
  • A taxa de desemprego no Brasil caiu para 10,5% no trimestre móvel até abril, de 11,1% no 1T22. Considerando estimativas com ajuste sazonal em base mensal (método próprio), a taxa de desemprego caiu para 10,1% em abril ante 10,9% em março, atingindo o menor nível desde o início de 2016. Olhando os detalhes da divulgação da PNAD, categorias informais saltaram 1,9% MoM em abril, logo após a reabertura econômica e a crescente mobilidade. Por sua vez, o emprego formal cresceu 1,4% MoM em abril, principalmente devido ao avanço no grupo de “trabalhadores do setor privado”. O salário médio real permaneceu praticamente estável pelo terceiro mês consecutivo (-0,2% MoM em abril conforme nossas estimativas). O indicador ainda está cerca de 7,5% abaixo dos níveis registrados antes do surto de COVID-19, principalmente devido a pressões inflacionárias significativas. Com isso, a massa salarial real agregada – corresponde ao salário médio com a população ocupada – subiu 1,5% MoM em abril. A variável está aproximadamente 5% abaixo dos valores observados antes da crise de saúde pública;
  • O setor público consolidado registrou superávit primário de R$ 38,9 bilhões em abril, acumulando superávit de R$ 148,5 bilhões no ano e de R$ 137,4 bilhões (1,5% do PIB) em 12 meses. O resultado é o melhor para o mês na série histórica. A desagregação mostra que os governos central e regional tiveram superávit de R$ 29,6 bilhões e 10,3 bilhões, respectivamente, enquanto as empresas estatais tiveram déficit de R$ 1,0 bilhão. Diferentemente dos meses anteriores, o Governo Central teve bom desempenho e garantiu um resultado positivo para o setor público. Os Governos Regionais mantêm seu ritmo graças a uma combinação de melhor arrecadação e controle de despesas. A Dívida Bruta do Governo Geral atingiu 78,3% do PIB em abril (de 78,5% em março) graças ao crescimento nominal do PIB (-0,9 pp.) e às emissões líquidas (-0,2 pp). Os pagamentos de juros, por outro lado, aumentaram 0,8 pp;
  • Na pauta de hoje, a divulgação dos dados do ISM e do Livro Bege do Fed nos Estados Unidos. No Brasil, as discussões sobre os projetos de lei para reduzir os preços de energia elétrica e combustíveis continuam no radar, com propostas feitas pelos estados para mitigar o impacto da proposta que cria um “teto” para o ICMS.

Empresas

Hypera (HYPE3): Uma Resolução Muito Esperada

  • A Hypera pagará R$110M – que serão reembolsados – para encerrar investigações iniciadas em 2016 envolvendo ex-executivos;
  • O pagamento não terá efeito caixa e encerrará a investigação, o que remove um grande volume de incerteza existente sobre as ações;
  • A nosso ver, o anúncio torna a ação menos arriscada e mais adequada para investidores preocupados com a governança da empresa;
  • Esperamos que o mercado reaja positivamente à notícia;
  • Clique aqui para acessar o relatório completo.

Principais notícias dos setores

Nestas publicações diárias, trazemos as principais notícias nacionais e internacionais dos setores: Financeiro, Varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.), Agro, Alimentos e Bebidas e Energia (óleo & gás e elétricas).

  • Notícias Diárias do Setor Financeiro
    • Copom vai fazer tudo que estiver ao alcance para trazer inflação à meta, diz Campos Neto (Valor);
    • Santander recruta 1,2 mil profissionais de investimentos (Valor);
    • QR Asset lança primeiro FIDC com lastro em bitcoin (Brazil journal);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo
    • Natura &Co promove dança das cadeiras, após temporada de balanço conturbada. (Valor);
    • Na Renner, ferramentas ‘high-tech’ mostram futuro da moda sustentável. (Exame);
    • Clique aqui para acessar o relatório.
  • Agro, Alimentos & Bebidas: confira as principais notícias
    • Molina aproveita o saldão de Marfrig e atinge 50% de participação (Pipeline);
    • USDA: Plantio de soja e milho avança nos EUA e se aproxima da média de 5 anos (Notícias Agrícolas);
    • Futuros de grãos despencam com perspectivas de exportação da Ucrânia em foco;
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.
  • Radar Energia XP: Notícias diárias do setor de energia
    • Corte de ICMS da energia diferirá para cada grupo. (Valor Econômico);
    • Petróleo recua com relatos de expansão da produção pela Opep. (Valor Econômico);
    • Clique aqui para acessar o relatório.

Mercados

Raio-XP: Um raio-X no valuation – Brasil muito barato para ignorar?

  • Maio foi mais um mês volátil para os mercados, com investidores globais cada vez mais preocupados com os juros subindo e riscos maiores de uma recessão econômica. Nesse cenário de juros em alta, as ações mais caras e de crescimento continuaram a sofrer. Lá fora, o índice de ações globais, MSCI ACWI, e o S&P 500 ficaram no zero a zero, enquanto o Nasdaq caiu -2,1% no mês. Por outro lado, o Ibovespa teve mais um mês positivo com um retorno de +3,2% em reais, e, apesar do fortalecimento do dólar frente à outras moedas, o Brasil continua como uma das melhores bolsas do mundo com um retorno de +25% em dólares até agora em 2022;
  • Um Raio-X no valuation da Bolsa: o Brasil continua muito barato para ignorar. Apesar das recentes altas, continuamos a ver o Brasil como um barato olhando para diferentes métricas: 1) o Brasil é barato comparando o atual Preço/Lucro (P/L) com sua média histórica; 2) é barato removendo commodities e bancos; 3) quase todos os setores negociam com seu P/L próximo ou abaixo de suas médias históricas; 4) os múltiplos do Brasil negociam com descontos significativos em relação ao mercado americano e os mercados emergentes; e, por fim, 5) comparando com a Renda Fixa, o Ibovespa continua com um Prêmio por Risco bem acima da média de longo prazo também;
  • Mantemos nosso preço-alvo do Ibovespa em 130.000 para o final de 2022. Embora os lucros do consenso mostrem sinais claros de ganhos acima do esperado, notamos que as taxas de juros reais no Brasil continuaram a subir. Essa combinação de taxas mais altas e lucros mais altos estão se compensando neste momento. Para ver um potencial de alta no valor justo do Ibovespa, precisaríamos de: 1) estimativas de lucros de consenso subindo, e/ou 2) expansão de múltiplos, que pode vir de aumento de de fluxo de capital, bem como de juros reais mais baixos;
  • Buscando QARP, “Qualidade a um Preço Razoável”. Com o atual ambiente de inflação em alta e juros subindo, buscamos nos posicionar em ações que são mais resilientes nesse cenário. Portanto, preferimos nomes de qualidade, ao mesmo tempo que evitamos valuations muitos altos. Trazemos uma lista de ações que continuam com perspectivas positivas de crescimento e múltiplos atrativos, as ações “QARP”;
  • A inflação também está sendo uma pauta importante na Política. A política entra no mês de junho com uma preocupação principal: o impacto da inflação na corrida eleitoral. Contribuem para o foco nesse tema o peso que os indicadores de preço têm na aprovação presidencial, levando a classe política a tomar iniciativas com foco nos combustíveis e energia elétrica. Sobre as eleições, as últimas pesquisas têm reforçado o cenário base de manutenção da polarização, com espaço estreito para uma candidatura alternativa. A chave para uma possível alteração desse cenário será a capacidade do presidente de reduzir sua rejeição, com os indicadores econômicos exercendo papel relevante.
  • Veja mais no relatório completo.

Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | Salesforce reporta resultado forte e perspectiva otimista, reforçando solidez da demanda

  • Salesforce reporta resultado forte e perspectiva otimista, reforçando solidez da demanda;
  • HP reporta em linha com as expectativas;
  • Mercedes pretende lançar novo centro de pesquisa voltado para produção de baterias;
  • Com apenas um IPO, bolsa de Hong Kong vê seu pior maio em dez anos;
  • Acesse aqui o relatório internacional.

Alocação & Fundos

Principais notícias

  • Fundos Imobiliários (FIIs): confira as principais notícias
    • Carteira Recomendada de Fundos Imobiliários – Junho de 2022  (Xpi Conteúdos);
    • Volta a escritórios abre oportunidade para FIIs (Valor);
    • Confira 5 fundos imobiliários de escritório que podem subir até 18%, segundo o Safra (MoneyTimes);
    • Clique aqui para acessar o relatório completo.

ESG

Dinamarca e a Grã-Bretanha estão no caminho para atingir emissões líquidas zero até 2050, diz estudo | Café com ESG, 01/06

  • O mercado fechou o pregão de terça-feira em território positivo, com o Ibov e o ISE em alta de +0,3% e +0,6%, respectivamente;
  • No Brasil, a diretora de assuntos internacionais e riscos corporativos do Banco Central (BC), Fernanda Guardado, disse ontem que problemas climáticos têm se tornado mais frequentes e ganharam importância no ciclo econômico brasileiro – o BC está trabalhando no primeiro teste de estresse com risco climático no sistema financeiro, que será publicado no próximo relatório de estabilidade financeira;
  • No internacional, (i) as universidades de Yale e Columbia produziram o novo Índice de Desempenho Ambiental (EPI) e descobriram que, embora quase todos os países tenham se comprometido até 2050 a atingir emissões líquidas zero quase nenhum deles está no caminho certo – segundo o estudo, com base em suas trajetórias de 2010 a 2019, apenas a Dinamarca e a Grã-Bretanha estavam em um caminho sustentável para eliminar as emissões de carbono até meados do século; e (ii) um relatório do The Business of Fashion publicado ontem mostrou que as marcas de moda enfrentam uma pressão crescente dos consumidores, principalmente os mais jovens, e dos governos para mostrar que estão se saindo melhor em questões ambientais. Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.