XP Expert

XP Morning Call 14/03/2019: Ibovespa bate 99 mil pontos

Diariamente compilamos e analisamos diversas notícias e publicamos um relatório com comentários relativos às notícias relevantes para nossa cobertura, assim como eventos importantes para monitorar no cenário político e macroeconômico, tanto no Brasil quanto no mundo, e seus respectivos impactos para a bolsa brasileira.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

Tópicos do dia

Brasil

  1.  Política Brasil: Reforma dá seu primeiro passo na Câmara

Internacional

  1. EUA e China: Sentimentos mistos sobre acordo de guerra comercial
  2. Dados na China ainda mostram fraqueza, mas sinais de estabilização
  3. Parlamento britânico decidirá hoje sobre extensão do Brexit

Empresas

  1. Petrobras (PETR4): Venda da TAG entra na fase final, companhia receberá novas propostas
  2. AES Tietê (TIET11): Aquisição de Alto Sertão volta ao radar, com possível follow-on
  3. BRF (BRFS3):  Reestruturação do Food Service e previsão de crescimento de ‘dois dígitos’

COE News

  1. Paralização no Facebook, Instagram e WhatsApp

Resumo

Ibovespa bate 99 mil pontos

O Ibovespa quebrou os 99 mil pontos pela primeira vez na história ao longo do dia de ontem, com avanços no andamento da reforma da previdência e menor percepção de risco global.
 
Na China, os dados de construção e investimento em ativo fixo desapontaram, e a taxa de desemprego aumentou, o que levaram as bolsas na Ásia a cair (+-1%). Do lado positivo, os mesmos dados trouxeram alguns sinais de estabilização, e a expectativa é que as medidas de estímulo já em curso do governo Chinês levem a uma aceleração do crescimento nos próximos meses.
 
Em relação às negociações comerciais entre os EUA e a China, o encontro entre os presidentes Trump e Xi Jinping para finalizar o acordo deve ser realizado somente no final de abril, e fontes indicam que uma série de questões estruturais, como o tratamento da propriedade intelectual, ainda não estão resolvidas.
 
No Brasil, a reforma da Previdência deu seu primeiro passo na Câmara com a eleição de Felipe Francischini (PSL-PR) como presidente da Comissão de Constituição e Justiça, colegiado em que começa a tramitação da PEC.
 
Segundo o Valor, o texto já tem votos para ser aprovado na comissão. O início das atividades da CCJ só acontece, de fato, na semana que vem, depois do envio do projeto de lei que trata dos militares. O trabalho do governo será para concluir a votação ainda em março.
 
A produção industrial de janeiro no Brasil surpreendeu para baixo ontem, caindo -0,8% mês contra mês, contra expectativa de -0,1%. Como a Zeina, nossa economista-chefe, tem ressaltado, o crescimento deve acelerar, mas em compasso mais gradual do que o mercado espera, enquanto que juros podem ficar baixos por mais tempo.
 
Estimamos um crescimento do PIB de 2% para 2019, com risco de que seja um pouco mais baixo. O consenso já caiu de 2,5% um mês atrás para 2,28% na última pesquisa Focus do Banco Central. Em relação à Selic, a expectativa do mercado é de manutenção em 6,5% até o final do ano, subindo para 8% em 2020.
 
Do lado das empresas, em relação à Petrobras, notícias apontam que a venda de 90% da TAG entrou na fase final, e outros consórcios devem competir com a Engie pelo ativo. Vemos uma maior competição pelo ativo como positiva para a Petrobras, podendo elevar o ganho potencial de R$1,5-R$1,7/ação implícito no lance da Engie na primeira fase.
 
Por fim, segundo o Valor, a AES Tietê retomou as discussões com a Cemig para adquirir o complexo Alto Sertão III da Renova Energia, e pode anunciar uma oferta primária de ações (follow-on) para financiar a transação. Apesar do risco técnico, os veiculados até o momento sobre a transação implicam em retornos muito atrativos para a empresa, com aumento de 21% do lucro, e por isso reiteramos a recomendação de compra.


Conteúdo na íntegra

Brasil

Política Brasil: Reforma dá seu primeiro passo na Câmara

  • A reforma da Previdência deu seu primeiro passo na Câmara com a eleição de Felipe Francischini (PSL-PR) como presidente da Comissão de Constituição e Justiça, colegiado em que começa a tramitação da PEC. Segundo levantamento do jornal Valor, o texto já tem votos para ser aprovado na comissão;
  • O início das atividades da CCJ só acontece, de fato, na semana que vem, depois do envio do projeto de lei que trata dos militares. O trabalho do governo será para concluir a votação ainda em março;
  • Jair Bolsonaro promoveu ontem outro café da manhã com jornalistas – desta vez, incluindo representantes de grandes veículos. Entre vários assuntos, reafirmou que a reforma da Previdência deve ser aprovada por Câmara e Senado ainda no primeiro semestre, mencionou esforço de articulação e reconheceu que “alguma coisa vai ser mexida” no texto, mas fez o alerta de que, se a desidratação for excessiva, o cenário negativo para a economia permanece.
     

Internacional

EUA e China: Sentimentos mistos sobre acordo de guerra comercial

  • De acordo com a Bloomberg, três pessoas familiarizadas com o assunto disseram que apesar das alegações de progresso nas negociações comerciais, uma reunião entre o presidente Donald Trump e o presidente Xi Jinping para assinar um acordo com o objetivo de encerrar a guerra comercial não ocorrerá este mês e é mais provável que aconteça em abril;
  • O representante de Comércio dos EUA, Robert Lighthizer, apontou esta semana aos poucos sinais de avanço nos assuntos mais difíceis, ainda não resolvidos nas negociações, incluindo o tratamento da propriedade intelectual. As autoridades chinesas estão receosas com a possiblidade de um acordo unilateral e com o risco de Trump desistir de um acordo, mesmo que Xi viaje para os EUA;
  • O próprio Trump mudou o tom nos últimos dias, voltando de uma abordagem mais urgente para conseguir um acordo assinado em março. Ele reconheceu preocupações em Pequim sobre a possibilidade de ele abandonar um acordo comercial, oferecendo-se para uma cúpula com Xi até que um acordo final seja alcançado. “Poderíamos fazer isso de qualquer forma”, disse Trump a repórteres na quarta-feira na Casa Branca. “Podemos concluir o negócio e entrar e assinar ou podemos negociar alguns dos pontos finais. Eu preferiria isso. Mas isso não importa muito”.

​Dados na China ainda mostram fraqueza, mas sinais de estabilização

  • Dados na China de construção e investimento em ativo fixo desapontaram, e a taxa de desemprego aumentou de 4,9% em Dezembro 2018 para 5,3% em Fevereiro;
  • Apesar do crescimento no investimento em construção, potencialmente pelo acúmulo de fortes vendas de terras no 2S18, vendas de imóveis, terrenos e construção foram fracas em Jan-Fev.  O investimento em ativo fixo desacelerou para 5,9% em Jan-Fev, vs 11,6% no 4T18, seguindo crescimento mais fraco das exportações;
  • Do lado positivo, os mesmos dados trouxeram alguns sinais de estabilização como o investimento em transporte crescendo 7,5% em Jan-Fev após queda em Dezembro e +5,6% no 4T18. Além disso, as vendas no varejo cresceram 7,1% em Jan-Fev, vs 6% no 4T18. A expectativa é que as medidas de estímulo já em curso do governo Chinês levem a uma aceleração do crescimento nos próximos meses.

Parlamento britânico decidirá hoje sobre extensão do Brexit

  • Ontem, o Parlamento britânico rejeitou o acordo Theresa May para o Brexit pela segunda vez. A mesma casa votará hoje sobre a possibilidade de atrasar o Brexit para além de 29 de março;
  • Se o atraso for aprovado, May negociará a extensão com os líderes da UE, que deverão aceitá-lo. No entanto, o período de extensão deve ser limitado a três meses e a primeira-ministra terá que dar detalhes sobre seus planos para novo prazo;
  • Apesar da provável possibilidade de May ganhar algum tempo para ratificar seu acordo Brexit e tentar persuadir os membros mais pró-Brexit do Parlamento a reverter sua oposição, as incertezas que cercam o resultado do impasse ainda são muito significativas.

Empresas

Petrobras (PETR4): Venda da TAG entra na fase final, companhia receberá novas propostas

  • A venda pela Petrobras de 90% da Transportadora Associada de Gás (TAG) entrou em sua fase final, na qual a empresa abrirá os termos do contrato negociado com a Engie na primeira fase e investidores que já haviam feito propostas no passado poderão refazer seus lances, obedecendo à sistemática do Tribunal de Contas da União;
  • Segundo fontes, o valor proposto no lance da Engie teria ficado entre US$8bi e US$9bi, implicando em um ganho entre R$1,5 e R$1,7 por ação. A partir de agora, outros participantes do certame podem apresentar contrapropostas, como os consórcios EIG Global Partners-Mubadala e Itausa-Macquarie, segundo a Bloomberg;
  • Vemos uma competição pelos ativos de transporte de gás natural da Petrobras como positiva, apenas melhorando o perfil de risco-retorno das ações, e reiteramos a recomendação de compra.
     

AES Tietê (TIET11): Aquisição de Alto Sertão volta ao radar, com possível follow-on

  • Segundo o Valor, a AES Tietê retomou as discussões com a Cemig para adquirir o complexo Alto Sertão III da Renova Energia, e pode anunciar uma oferta primária de ações (follow-on) para financiar a transação. Espera-se visibilidade sobre a aquisição até sexta-feira, e o aumento de capital poderia ser entre R$1,5 bilhão e R$2 bilhões;
  • Fontes apontam que a primeira proposta da TIET apresentada em dezembro seria de R$1,6 bilhão, condição na qual a empresa obteria taxas de retorno reais entre 12,8% e 13,8%, o que consideramos muito atrativo, com ganhos entre R$0,4 e R$0,6/unidade;
  • Apesar de uma oferta de ações poder impactar negativamente a performance da TIET11, vemos isso apenas como um risco técnico e temporário, que não prejudica os fundamentos da companhia. Se a transação fosse concluída, estimamos um aumento de 17% do EBITDA e de 21% do lucro da companhia. Assim sendo, reiteramos a nossa recomendação de compra com preço-alvo de R$15/unidade.
     

BRF (BRFS3):  reestruturação do Food Service e previsão de crescimento de ‘dois dígitos’

  • Em entrevista ao Valor Econômico, Gerson Mantovani, responsável pela reestruturação da área de Food Service da BRF, que consiste em produtos vendidos para prestadores de serviços de alimentação como restaurantes, hotéis e padarias, afirmou que a empresa reestruturou a operação, o que permitirá um crescimento de dois dígitos nos próximos anos;
  • Segundo ele, esse crescimento será baseado em aumento de distribuição, com vendedores e caminhões específicos para ampliar o número de clientes. Além disso, a BRF também lançará novos produtos para o Food Service, já em 2019;
  • Em geral, produtos voltados para o Food Service oferecem maior rentabilidade, o que tende a ajudar a companhia na meta de recuperação de sua margem de lucro. Além disso, se a BRF cumprir o objetivo de crescer dois dígitos já em 2019, o faturamento da área pode atingir R$ 2,5 bilhões.

CSN pode ser obrigada a vender fatia da Usiminas até Abril

  • Segundo o Estadão, a CSN pode ser obrigada a vender sua fatia da Usiminas até Abril, data limite estabelecida pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) em 2014;
  • ​De acordo com a notícia, um pedido de prorrogação foi feito pela CSN em março do ano passado, quando a empresa pediu pelo menos mais seis meses para se desfazer dos papéis, o que estenderia o prazo até outubro deste ano. O Cade está dividido e deve se pronunciar nas próximas semanas – parte é contrária à prorrogação, enquanto outros defendem um novo prazo mais curto que os seis meses pedidos pela CSN;
  • Em sua última divulgação de resultados, a CSN reiterou que espera captar R$ 3 bilhões com a venda de ativos neste ano, o que inclui ações preferenciais na Usiminas. A notícia pode pesar na performance das ações da Usiminas. Lembrando que a CSN detém 20% das ações preferenciais da empresa e 15% das ações ordinárias.

COE News

Paralização no Facebook, Instagram e WhatsApp

  • As plataformas do Facebook, Instagram e WhatsApp ficaram inacessíveis para milhões de usuários ao longo desta quarta e quinta-feira. A própria gigante de mídias sociais informou que esta foi uma das maiores interrupções nos últimos anos, com aproximadamente 11 horas de paralização e foco nas américas;
  • A paralisação pode forçar a empresa a reembolsar parte dos anunciantes, em meio a outros problemas de imagem como o suposto vazamento de dados de seus usuários;
  • Após críticas de “influencers” no Twitter, dirigentes do Facebook anunciaram que não identificaram uma causa em específico, mas que não há relação com ataques cibernéticos.
XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.