XP Expert

Bolsas mistas após correção e marco do saneamento aprovado no senado

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -1,66% | 94.377 Pontos

CÂMBIO -3,61% | 5,35/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa fechou em queda de 1,66% ontem, seguindo o movimento das Bolsas internacionais, que tiveram quedas de 2-3% devido a preocupações em relação ao aumento de casos de Coronavírus nos EUA. O Dólar comercial teve forte alta, subindo 3,75% e fechando em 5,34. A curva DI futuro terminou o dia em alta, puxada pela aversão a risco nos mercados e a alta do dólar. Nos vencimentos mais longos, pudemos observar efeito mais forte, o que refletiu também as preocupações fiscais com o país.DI jan/21 abriu 2 bps para 2,05%; DI jan/23 foi a 4,19% contra 4,11% no dia anterior e; DI jan/25 fechou o dia em 5,93% contra 5,81% no último fechamento.

Nesta manhã, mercados internacionais se estabilizam depois da queda acentuada de ontem. Índices na Europa operam com alta de +0,19% e com queda de -0,27% para os índices futuros nos EUA.

Do lado econômico, dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Covid (Pnad Covid) mostram que o distanciamento social provocado pela pandemia do novo coronavírus deixou 9,7 milhões de trabalhadores sem remuneração em maio de 2020, o que corresponde a 51,3% das 19 milhões de pessoas que estavam afastadas de seus trabalhos e a 11,7% da população ocupada do país (84,4 milhões no mês). De acordo com a pesquisa, 15,7 milhões de pessoas estavam afastadas do trabalho devido às medidas de distanciamento social.

A agenda de indicadores e eventos do dia traz como destaques a divulgação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI) e do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15). O presidente do BC, Roberto Campos, e o diretor de Política Econômica, Fabio Kanczuk, darão entrevista coletiva para falar sobre o RTI. No fim do dia, o Conselho Monetário Nacional (CMN) se reúne para possivelmente deliberar a respeito da meta de inflação de 2023. No exterior, o Banco Central Europeu (BCE) divulgará a ata da mais recente reunião de política monetária e os Estados Unidos divulgarão a terceira leitura do PIB do primeiro trimestre de 2020.

O Senado aprovou o Novo Marco do Saneamento (Projeto de Lei 4162/2019) por 65 votos a favor e 13 contra. Nenhuma alteração foi feita no mérito do texto e, como resultado, o projeto agora seguirá para a sanção presidencial. O Presidente da República tem 15 dias para apresentar possíveis vetos à lei. Apesar de ser um marco histórico para o setor, temos uma avaliação negativa do acordo realizado para vetar um artigo da lei referente à dispensa de anuência de municípios em caso de processos de privatização.

Na opinião dos nossos analistas, a remoção deste mecanismo do Novo Marco elevará de maneira significativa a complexidade de potenciais processos de privatização da Sabesp (Neutro, com 374 municípios) e Copasa (Venda com 641 municípios). Soma-se a isso o fato de que vários contratos de programa e leis municipais associadas contém dispositivos afirmando a nulidade dos convênios entre empresas e municípios em caso de privatização, conforme afirmamos em relatório recente sobre potenciais desafios em processos de privatização de empresas de saneamento. Na nossa visão, o veto ao artigo que dispensa a anuência dos municípios coloca este risco ainda mais em evidência. Temos recomendação de Compra nas ações da Sanepar, Neutra para Sabesp e Venda para as ações da Copasa.

Tópicos do dia

Coronavírus

O caso para se comprar Brasil: Rumo aos 110 mil
Medidas econômicas para combater o coronavirus no Brasil

Para ler mais conteúdos, clique aqui.

Agenda de resultados

Temporada de resultados 1° tri 2020: o que esperar?
Clique aqui para acessar nossa visão sobre a temporada de resultados
Clique aqui para acessar o calendário de resultados do 1T20

Internacional

Empresas

  1. Novo Marco do Saneamento é aprovado, mas atenção aos vetos
  2. Engie Brasil (EGIE3): Análise dos resultados do 1T20
  3. Porto Seguro (PSSA3): Anúncio de JCP
  4. Klabin (KLBN11): Venda da unidade de papel para embalagens. Neutro
  5. Cemig (CMIG4): Aumento de tarifas da Cemig-D pode ser compensado por abatimento fiscal
  6. Sanepar (SAPR11): Cobrança de faturas de clientes da Tarifa Social é adiada por 90 dias


Veja todos os detalhes


Empresas

Novo Marco do Saneamento é aprovado, mas atenção aos vetos

  • O Senado aprovou o Novo Marco do Saneamento (Projeto de Lei 4162/2019) por 65 votos a favor e 13 contra. Nenhuma alteração foi feita no mérito do texto e, como resultado, o projeto agora seguirá para a sanção presidencial. O Presidente da República tem 15 dias para apresentar possíveis vetos à lei;
  • Consideramos a aprovação do Novo Marco do Saneamento como um momento histórico para o setor, pois deverá permitir um ciclo de investimentos de centenas de bilhões de reais em saneamento e possibilitar que o Brasil possa avançar em métricas de cobertura de água e esgoto;
  • Dito isto, temos uma avaliação negativa a um acordo realizado para vetar o Artigo 14, parágrafo 1. Na nossa opinião, a remoção deste mecanismo do Novo Marco impactará negativamente potenciais processos futuros de privatização de empresas estatais de saneamento. Este ponto é de grande importância para Sabesp (Neutro) e Copasa (Venda). Confira mais detalhes no nosso relatório completo.

Engie Brasil (EGIE3): Análise dos resultados do 1T20

  • A Engie Brasil divulgou um Lucro Líquido do 1T20 de R$512,0 milhões, ligeiramente abaixo da nossa estimativa de R$599,7 milhões e do consenso de mercado, em R$615,4 milhões. O EBITDA ajustado foi de R$1.225,5 milhões, abaixo da nossa estimativa de R$1.299,5 milhões;
  • O resultado refletiu uma margem de contribuição menor do que a esperada (-5,8%), refletindo um menor resultado nas atividades de compra a venda de energia com a queda dos preços de energia no mercado de curto prazo (spot) e maiores custos com materiais e serviços do que o que esperávamos. Indo para a linha do Lucro Líquido, o menor lucro do que o esperado também refletiu uma maior despesa financeira líquida frente às nossas expectativas, o que foi parcialmente compensado por um maior resultado de participação minoritária na TAG (rede de gasodutos);
  • Temos uma avaliação de neutra a ligeiramente negativa dos resultados do 1T20 da Engie, tendo em vista que o EBITDA registrado pela empresa no período ficou levemente abaixo das  nossas expectativas. Mantemos nossa recomendação Neutra na Engie Brasil, com preço-alvo de R$ 40/ação. Não obstante a qualidade da gestão da empresa, vemos as ações como precificadas, principalmente levando em consideração a elevada exposição da companhia ao segmento de mercado livre de geração de energia (exposição de 53% em 2020-21), o qual pode apresentar riscos potenciais de revisões e renegociações no curto prazo como resultado dos impactos da pandemia da COVID-19 em seu portfólio de clientes.

Porto Seguro (PSSA3): Anúncio de JCP

  • A empresa anunciou o pagamento no valor de R$ 192 milhões em JCP ontem (24);
  • Se anualizado o valor total já distribuído em 2020, corresponderia a um dividend yield de 4,5%.

Klabin (KLBN11): Venda da unidade de papel para embalagens. Neutro

  • A Klabin anunciou a venda da unidade de papel para embalagens localizada na cidade de Nova Campina – SP ao Grupo Klingele por R$196 milhões. Se trata de um dos ativos adquiridos da International Paper (IP) em março de 2020 e tem capacidade nominal de 162 mil toneladas de kraftliner por ano;
  • A transação está sujeita à aprovação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) da aquisição dos ativos da IP;
  • A empresa reforçou a estratégia de foco em embalagens – papelão ondulado e papel reciclado – e a integração desses ativos ao portfólio da Klabin;
  • Mantemos nossa recomendação de Compra para Klabin (preço-alvo de R$22/ação).

Cemig (CMIG4): Aumento de tarifas da Cemig-D pode ser compensado por abatimento fiscal

  • Segundo o Broadcast, a ANEEL deve julgar hoje (25 de junho) em reunião extraordinária processo referente ao abatimento do reajuste tarifário da Cemig do montante de PIS/COFINS pago a mais por consumidores entre 2008 e 2011. A questão se refere ao questionamento feito pela Cemig (e várias outras empresas de distribuição de energia, como Equatorial e Light) sobre a inclusão do ICMS na base de cálculo do PIS/COFINS, o que teria configurado um caso de bitributação;
  • A Cemig conseguiu vencer o processo ano passado, e parte dos valores pagos por consumidores neste período foi depositado pela Cemig em uma conta judicial. Em fato relevante de fevereiro de 2020, a Cemig informou que suas subsidiárias Cemig D e Cemig GT reverteram os valores depositados em conta judicial, tendo em vista que o processo já havia transitado em julgado. Ao todo, a Cemig recebeu depósitos judiciais no montante atualizado de R$1,38 bilhão, dos quais aproximadamente R$600 milhões têm efeito caixa, de acordo com a teleconferência de resultados da empresa no 4T19;
  • Se a Cemig tiver que reverter a consumidores os valores referentes aos créditos de PIS/COFINS, será uma notícia negativa para a empresa e para outras empresas de distribuição que obtiveram sucesso em pleitos similares (como Equatorial e Light). Por um lado, a motivação da ANEEL faz sentido uma vez que o prejuízo pela bitributação no passado foi dos consumidores, totalmente repassado pelas distribuidoras de energia. Por outro lado, o repasse integral da compensação tributária em consumidores nas tarifas sem uma taxa de sucesso para as empresas por pleitearem e vencerem a questão na justiça retira incentivos das empresas para causas similares no futuro. De todo modo, o acontecimento se soma à nossa visão negativa para o setor de distribuição de energia como um todo. Esperamos reação negativa para as ações da Cemig, na qual temos recomendação Neutra com preço-alvo de R$11/ação.

Sanepar (SAPR11): Cobrança de faturas de clientes da Tarifa Social é adiada por 90 dias

  • Ontem, via fato relevante, a Sanepar informou que em continuidade ao enfrentamento da pandemia do COVID-19, fica prorrogada a cobrança de contas de água e esgoto para os clientes cadastrados na Tarifa Social, pelo período de 90 dias, a partir de 23 de junho;
  • Além disso, a companhia esclareceu que a forma de equacionamento do referido adiamento seguirá as regras comerciais da companhia, inclusive com a possibilidade de parcelamento pelos clientes. O valor mensal faturado na categoria Tarifa Social é da ordem de R$ 2,8 milhões ao mês;
  • A notícia tem impacto muito reduzido para a Sanepar, dado que a categoria de Tarifa Social é pouco representativa nas receitas da companhia. Mantemos nossa recomendação de Compra nas ações da Sanepar com preço alvo de R$ 32,00/unit.

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.