Google, Apple, Amazon e outras empresas globais reportam resultados do 4T de 2019

access_time 04/02/2020 - 16:30
format_align_left 16 minutos de leitura

A temporada de resultados nos Estados Unidos começou há 3 semanas e vem impactando os mercados. Empresas conhecidas mundialmente, como Google, Amazon, Apple e Facebook, reportaram seus balanços do último trimestre de 2019.

Saiba mais sobre os números das principais empresas globais e nossa visão sobre o S&P 500, índice que contempla as maiores ações da bolsa americana, confira abaixo os destaques.

Índice S&P 500

Atualmente o índice negocia a 19x P/E, 11% acima da média histórica, mas consistente com ambiente de juros baixos. O foco dos investidores permanece na qualidade dos fundamentos desta temporada de resultados do 4T19.

Até o momento, 66% do S&P 500 reportou resultados do 4T19, sendo que 61% das empresas apresentaram crescimento de lucro maior que o consenso – número abaixo da média de 71% nos últimos 3 anos, mas ainda positivo.

Para 2020, o consenso atual de mercado é de crescimento de lucro das empresas acelerando +8,1% (contra apenas +0,3% em 2019), liderado por setores Cíclicos e de Tecnologia, enquanto não cíclicos deverão manter crescimento de lucro relativamente inalterado.

Em termos de fluxo financeiro, ainda não vimos a tão esperada rotação de empresas de forte potencial de crescimento (Growth) para valuation atrativo (Value), pelo contrário, fluxos para empresas de Tecnologia continuam em níveis recorde. Como consequência, o efeito deflacionário na economia continua no curto prazo.

Para entender no detalhe sobre as empresas lá fora, sobretudo dos EUA, leia abaixo os principais resultados que elencamos e analisamos.

Resultados (03/02)

Alphabet (Google)

Investidores reagiram negativamente após a divulgação de resultados do 4T19, com a inédita divulgação da quebra das receitas por linhas de negócios como YouTube e computação em nuvem, que performaram abaixo das expectativas de mercado. Receitas de US$ 46bi (+17% A/A) e lucro operacional consolidado de US$ 9,3bi, ambos abaixo do consenso.

Vale destacar que esta é a nona vez em dez trimestres que o grupo não atende as expectativas de lucro. O grande destaque negativo esteve concentrado em sua principal linha de negócios, publicidade online (83% das receitas). História de crescimento mudando: ao longo de boa parte dos últimos 21 anos, o grupo apresentou forte crescimento oriundo de sua principal linha de negócio.

Olhando para o longo prazo, passará a depender cada vez mais do crescimento de outras linhas de negócios como YouTube e computação em nuvem. Vale lembrar que este é o primeiro anúncio de resultados anual de Sundar Pichai, atual CEO da holding Alphabet, após o cofundador Larry Page ter se aposentado. No lado positivo, o aumento de transparência na apresentação dos resultados foi elogiado pelo mercado. Apesar de possível desaceleração do crescimento, o grupo mantém uma posição competitiva invejável.

Panasonic

Resultados positivos no 4T19. Receitas de JPY 1,9tri (-8% A/A) e lucro operacional foi de JPY 95bi (-1% A/A), acima do consenso, mesmo com o ciclo de investimento perdendo tração e demanda automotiva na China desacelerando.

Destaque para as divisões de eletrodomésticos e baterias automotivas. Houve melhora na geração de caixa, considerando o capital de giro mais efetivo dado a considerável redução de estoques e menor necessidade de investimentos.

Segundo os dirigentes do grupo, o impacto do coronavírus ainda é difícil de prever, e sua fábrica de baterias para a Tesla se tornou lucrativa no 4T19, ponto chave para sustentar o crescimento e lucratividade no médio prazo.

Resultados (30 e 31/01)

Amazon

Leitura positiva, em parte movida pelo ganho de eficiência operacional e adoção da “entrega em um dia” do plano Prime, melhor do que esperado. Receitas de US$ 87bi (+21% A/A), número acima do consenso e expectativas da própria empresa, com destaque para (a) o forte crescimento de 34% A/A da divisão de nuvem (AWS), mesmo que abaixo da média de 40% A/A, (b) aumento de receitas no seguimento internacional (+14% A/A), (c) além de manutenção da margem operacional (4,4%), acima do consenso.

Dentre outros destaques, as vendas durante as festas de final de ano foram 4% superiores a 2018, receitas com publicidade cresceram forte, e a base de usuários pagos no “Amazon Prime” subiu 50% desde abril 2018, atingindo 150mi pessoas v.s. 100mi. Amazon superou a maior parte de seus principais concorrentes no varejo tradicional durante as festas de final de ano; considerando que Target, Macy´s, JC Penney, Kohl´s e Victoria’s L Brands apresentaram resultados inferiores no 4T19.

Petroleiras

O setor vem sofrendo com os preços mais baixos das Commodities, e consequente menor lucratividade no segmento de refino e produtos químicos. Com o atual excesso global de oferta de petróleo e gás natural, Brent US$ 58,00 e WTI US$ 51,00 seguem no mesmo patamar de preços dos últimos 5 anos.

Exxon Mobil

O lucro de ~US$ 2bi no 4T19 veio em linha com o (baixo) consenso, fechando 2019 com lucro total de US$ 10,6bi (-31% A/A), mais baixo desde 2016. As receitas atingiram US$ 265bi (-9% A/A), e as despesas de capital aumentaram 20% no ano contra ano. O grupo segue com planos de aumentar substancialmente a produção de petróleo e gás natural, e isso vem gerando um aumento de custos superior aos principais rivais. O grupo pretende atingir 5mi de barris por dia, comparado aos atuais 4mi, o que poderá elevar o atual patamar de custos de US$ 4-6bi para US$ 30bi ao ano.

Chevron

Reportou perdas de US$ 6,6bi no 4T19, devido ao impacto da redução de ~US$ 10bi em propriedades de xisto dos EUA e outros ativos, meses antes. As receitas atingiram US$ 36bi (-14% A/A), número abaixo do consenso.

Royal Dutch Shell

Registrou lucro de US$ 2,9bi (-48% A/A), número abaixo do consenso, assim como as receitas de US$ 84bi (-18% A/A). O atual momento do setor está desafiando os planos do grupo de se transformar em um negócio de baixo carbono, à medida que os governos se concentram no combate às mudanças climáticas, apoiando novas tecnologias como veículos elétricos e energia renovável. Dirigentes anunciaram que os investimentos em 2020 estariam no limite mais baixo da faixa de US$ 24 a 29bi. Assim, gastos em projetos como energia eólica e solar, aproximadamente 10% do investimentos totais, seguirão limitados. Para “descarbonizar”, a Shell precisaria renegociar as suas dívida

Visa

Leitura mista. O grande destaque foi o crescimento de 8% A/A do volume total transacionado no sistemas de pagamentos do grupo, US$ 3tri, número ligeiramente acima do consenso, mas abaixo de seu principal concorrente Mastercard.

Essa temporada de festas de fim de ano foi mais forte do que em 2018, e isso ajudou tanto a Visa quanto seus principais pares, Mastercard e American Express que reportaram resultados fortes nos últimos dias.

Em linha, as receitas no 4T19 atingiram US$ 6,1bi (+10% A/A), enquanto o lucro foi US$ 3bi (+10% A/A), acima do consenso. Vale relembrar a recente aquisição, por US$ 5bi, da start up Plaid, um app para administrar informações financeiras.

Honeywell International

Lucro de US$ 1,6bi em linha com o consenso, mas -9% abaixo no ano contra ano, e receitas de US$ 9,4bi (-2,4% A/A), número ligeiramente abaixo do consenso. Destaque positivo para uma de suas principais fontes de receitas, venda de sistemas e controles para motores aeroespaciais (+7% A/A) no 4T19.

Por outro lado, a desaceleração do crescimento no mundo, interrupção da produção do Boeing 737 MAX e atual epidemia na Ásia prejudicarão os resultados do grupo em 2020.

Resultados (29/01)

Microsoft

Leitura positiva, com destaque para os resultados acima das expectativas de mercado alimentadas pela forte demanda por serviços de computação e armazenamento em nuvem (Azure) e preços mais altos do Office 365.

Facebook

Leitura mista; superou expectativas de crescimento de receitas com publicidade, mas sua base de assinantes desacelerou no ano contra ano.

Tesla

Leitura positiva, dado que as entregas subiram 23% no 4T19 A/A com 112 mil novos veículos elétricos, embora receitas (US$ 7,4bi) tenham aumentado apenas 2%. Grupo pretende acelerar o ritmo em 2020, podendo entregar mais de 500 mil unidades contra 367 mil em 2019. Além disso, anúncio do veículo utilitário-esportivo Model Y até abril.

AT&T

Superou o crescimento de lucro esperado à medida que o aumento do controle de custos compensa a redução da base de assinantes de TV nos EUA e maiores gastos com mídia.

Boeing

Leitura negativa, com resultados abaixo do consenso. Uma surpresa positiva foi o impacto de US$ -2,6bi, causado pelos problemas do modelo 737 Max, que acabou sendo menos negativo do que o mercado esperava.

McDonald’s

Leitura positiva; vendas mais fortes e preços mais altos. Superou o consenso de lucro.

Resultados (28/01)

Apple

Leitura positiva, com receitas de ~US$ 92bi (+9% A/A) e lucro de US$ 22bi (+11% A/A) no 4T19, ambos acima do consenso. Atenção para o fato de que este tri marca o primeiro aumento de lucro em mais de um ano. Além disso, revisão otimista da empresa para o 1T e 2T20.

Destaque para o aumento nas vendas de iPhones (8% A/A), sobretudo versão 11, Pro e Pro Max, além do crescimento em outras linhas de produtos, como Airpods e Apple Watch, e base de assinantes pagos do Apple TV+. A nova linha de câmeras fotográficas adicionadas aos modelos lançados em setembro e ligeiro corte de US$ 50,00 nos preços apoiaram a aceleração das vendas de iPhones. Porém, isso ainda segue abaixo do pico trimestral de US$ 61bi há dois anos.

Esse crescimento poderá ser intensificado em 2020-21, com a atualização do modelo SE e implementação da tecnologia 5G. O número de dispositivos ativos da Apple atingiu 1,5bi em 2019 (+7% A/A), sendo 900mi de iPhones, o que ajuda a sustentar a tese de diversificação de receitas através da expansão em serviços e venda de acessórios.

Coronavírus: dirigentes do grupo anunciaram que conseguirão administrar potenciais perdas nas vendas durante o Ano Novo Lunar, sendo que China representa 20% das vendas, mas que poderá enfrentar um cenário pior se a produção for interrompida.

Starbucks

Leitura em linha para positivo, com o 1T20 podendo sofrer com o fechamento de mais de 2 mil lojas. Receitas atingiram US$ 7bi (+7% A/A) e lucro US$ 886 (+16% A/A), ambos em linha com o consenso. Destaque para as vendas em mesmas lojas (“SSS”) que cresceram 5%, tanto nos EUA quanto China. Também vale ressaltar o crescimento do programa de fidelidade online e aumento da oferta da linha de cafés-frio em parceiros como McDonald’s e Dunkin Brands.

Ebay

Leitura negativa, dada a preocupação com a queda de GMV (vendas totais antes de descontos e devoluções, que sinaliza o ritmo de crescimento da empresa) que continua para os próximos trimestres. As receitas liquidas atingiram US$ 2,8bi (-2% A/A) e lucro US$ 556mi (-27% A/A), ambos levemente acima do consenso.

No campo positivo, a base de clientes ativos atingiu 183mi (+2% A/A), oitavo trimestre consecutivo de ganhos, embora o volume bruto de mercadorias vendidas tenha caído 5% A/A. Outro ponto de destaque foi a conclusão da venda do StubHub para a Viagogo por ~US$ 4bi, seguindo uma estratégia de se desfazer de ativos que não são essenciais para o negócio.

LVMH

Leitura positiva, com resultados recordes em 2019, impulsionados pelo sucesso das marcas Louis Vuitton e Christian Dior. As receitas atingiram € 54bi (+15% A/A) e lucro de € 7bi (+13% A/A), ambos em linha com o consenso. Protestos em Hong Kong foram mitigados pela relevante diversificação geográfica do grupo.

Adicionalmente, o presidente anunciou que para o coronavírus impactar de forma mais significativa os resultados do 1T20, teria de perdurar até março. Lembrando que a China representa quase um terço das receitas da indústria, e a LVMH é o maior conglomerado de artigos de luxo do mundo e seus resultados são considerados um dos principais indicadores para a indústria.

A última década foi marcada por crescimento ininterrupto e expressivas aquisições como Tiffany e hotéis Belmond em 2019, Dior 2017, Bulgari 2011.

3M

Leitura negativa, menores receitas nos EUA e continuidade do plano de demissões indicando sinais de fraqueza. Setor industrial: Produção doméstica de automóveis mais lenta, menor atividade de perfuração de xisto, suspensão do 737 Max e menor demanda da China pesaram no resultado. Já a linha de produtos que atendem consumidores e setor de saúde mantiveram-se estáveis. As receitas atingiram US$ 8bi (+2% A/A), em linha com o consenso, e lucro de US$ 969bi (-28% A/A) abaixo das expectativas.

Resultados (27/01)

Whirlpool

Reportou ontem (Varejo nos EUA e LatAm): Receitas em linha e superou o crescimento de lucro no trimestre, à medida que preços mais altos e custos de insumos mais baixos compensam volumes menores. O grupo elevou suas perspectivas para este ano, e investidores reagiram positivamente.

Sprint

investidores reagiram negativamente, após a companhia ter perdido 115 mil clientes pós-pagos no 4T19, enquanto o grupo desacelerou o ritmo de promoções e a fusão com a maior rival T-Mobile permaneceu sem solução. A quarta maior operadora de telefonia móvel dos EUA perdeu 91 mil dessas conexões no trimestre anterior e 26 mil no 4T18, dando sequência a um movimento de queda de mais de 1 ano.

Resultados (23/01)

Intel

Resultados positivos no 4T19 liderados pelo aumento da demanda de processadores em computadores como notebooks e Tablets, além do crescimento em datacenters. Receitas atingiram US$ 20,2bi (+8% A/A), acima das expectativas, e o lucro foi de US$ 5,8bi (+5% A/A). Destaque para a revisão positiva do grupo para geração de receitas em 2020, acima do consenso, podendo atingir 73,5bi (+2% A/A).

American Airlines

Em linha com seus competidores Delta e United, o grupo reportou expressivo aumento de lucro em 2019 (19% A/A), mesmo com o impacto negativo dos aviões Boeing 737 MAX que continuam fora de operação. Receitas de US$ 11,3bi e lucro US$ 502mi, ambos em linha com expectativas. O grande destaque foi receita ajustada às milhas voadas que aumentou 10% A/A. Recentemente, o grupo intensificou sua parceria com a Azul, Avianca e Copa, pois a América Latina (12% das receitas) deverá ser uma relevante fonte de crescimento

Comcast

Lucro de US$ 3,2bi (+26% A/A) acima do consenso, e receitas de US$ 28bi (+2% A/A) em linha. Crescimento da base de inscritos pagos no serviço de streaming Xfinity, e canais de TV desacelerando, seguindo movimento secular de migração de TV por assinatura para streaming de vídeo.

Resultados (14 a 17/01)

Morgan Stanley

Reportou receitas de US$ 10,8bi, número 27 % superior no ano contra ano e bem acima do consenso, e lucro de US$ 2,2bi, também superando expectativas do mercado.

Destaque para o desempenho positivo das divisões de trading e mercado de capitais com comissões acima do esperado, enquanto a forte captação na Asset também contribuiu significativamente. O banco encerrou 2019 com ROE ajustado de 13,4%, dentro da meta.

JPM e Citigroup

Mesmo em um cenário de juros mais baixos o mercado de crédito continua aquecido no país, com consumidores contraindo empréstimos e gastando em ritmo acelerado. Mais de 70% do crescimento do PIB americano no 3T19 veio de consumo.

É importante notar que os bancos estão conseguindo administrar de maneira positiva a duration, além de focar na expansão em negócios de comissionamento, que apresentaram forte resultado neste último trimestre – divisões de trading e mercado de capitais.

O lucro do JPM, US$ 8,5bi, veio acima do consenso e 21% superior no ano contra ano, e o ROE sob ativos tangíveis (17,5%) expandiu 230bps. Já o Citi apresentou US$ 5bi, número inferior no A/A, e ligeira expansão do ROE sob tangíveis (12%).

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/2018. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

Receba nosso conteúdo por e-mail

Receba resumos diários, semanais e mensais e fique sempre bem informado sobre nossas análises, relatórios e recomendações de investimentos.

Clique para se cadastrar