XP Expert

Apertem os cintos, já foi dada a largada para a corrida dos Veículos Elétricos

As principais montadoras já anunciaram seus planos de atualização das frotas para veículos elétricos. Entenda essa mudança estrutural do setor automobilístico.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A eletrificação do transporte aparece como uma mudança estrutural do setor de automóveis. Nomes tradicionais da indústria automobilística já apresentaram os seus planos de transição gradual para a eletrificação de suas frotas. Entretanto, esse processo de transição pode encontrar alguns desafios no cenário atual, como escassez de insumos e tensões geopolíticas. Dessa forma, entendemos que as empresas capazes de ampliar os níveis de produção podem se beneficiar, absorvendo a demanda e ganhando espaço em um mercado ainda em consolidação.

No final de 2021, elencamos os nossos temas globais preferidos: 9 tendências que vemos ganhando relevância no longo prazo e são interessantes para o investidor que busca oportunidades de crescimento para a carteira de investimentos. A seleção temática veio acompanhada de uma lista de BDRs específica por tese.

Ficou interessado sobre quais são os temas? Clique aqui para conferir nossas temáticas globais preferidas para o longo prazo.

Entre as 9 temáticas que elencamos, está a tese de veículos elétricos e autônomos. Essa tendência aparece como uma mudança estrutural, com destaque nas principais economias do mundo (Estados Unidos, China, Europa), com crescimento do número de carros, subsídios regulatórios, investimentos e demanda por parte da população.

Outro ângulo que corrobora com a eletrificação do transporte é a transição energética global, uma das pautas estratégicas da agenda de sustentabilidade, que ganhou ainda mais relevância com o conflito entre Rússia e Ucrânia.

Fizemos uma análise, conjunta com o time de ESG, em que levantamentos 6 temas-chave do investimento sustentável frente a guerra, entre eles, os veículos elétricos. Clique aqui para ler a nossa análise e entender como essa e outras temáticas sustentáveis respondem frente ao conflito.

No caso dos carros elétricos, concluímos que o tema segue no centro das atenções e a tese sólida no médio e longo prazo, apoiada principalmente pelo impulso global para a descarbonização. Nesse sentido, caminhamos para entender qual o momento das principais empresas do setor e como o cenário atual, com restrições nas cadeias de produção e aumento do custo das matérias primas, impacta as diferentes montadoras. Para isso, é importante pontuar que fatores como (i) origem dos materiais básicos; (ii) escassez de chips no mercado e (iii) mix de produção podem determinar se o momento é de oportunidade ou adversidade para as principais companhias automobilísticas. Mas diante desse cenário, um fato é certo: quem ainda não está acelerando, já perdeu a largada.

Desafios por região para obtenção de matéria prima

Além do aumento do preço dos metais, outro desafio crescente que as montadoras têm enfrentado é a indisponibilidade de materiais básicos utilizados nos veículos elétricos. No relatório mencionado anteriormente, trouxemos o aumento do preço do níquel (que responde aproximadamente por 2% da composição de um carro elétrico) e do lítio (3% da composição), que subiram respectivamente +71% e +117% no 1º trimestre do ano. Ambos os componentes são utilizados nas baterias dos veículos elétricos, o lítio como um elemento básico da fabricação e o níquel contribuindo na potência e alcance, e não fazem parte da composição de um carro a combustão.

Pensando nos principais mercados de transportes eletrificados do mundo (China, Estados Unidos e Europa), os Estados Unidos conta com uma base diversificada de fornecedores de níquel, com menos de 1% das importações do metal vindo da Rússia. Já na Europa, quase 50% do níquel consumido na União Europeia é de origem russa. Dessa forma, entendemos que montadoras localizadas na Europa podem ser mais impactadas pela dificuldade de obter níquel dado o entrave comercial com a Rússia por conta do conflito com a Ucrânia.

Em relação ao lítio, mais de 80% do metal bruto é minerado na Austrália, Chile e China, sendo que, de acordo com a Agência Internacional de Energia, 75% das mega fábricas de lítio do mundo estão na China. Nesse cenário, apesar dos Estados Unidos representar apenas 1% no processamento do metal do mundo, com uma mineradora em Nevada, o país conta uma reserva considerável, estando entre os 5 países com mais lítio disponível. O Departamento de Energia dos Estados Unidos apresentou no último ano um plano de expansão da produção do metal para atender a demanda interna por baterias. A medida visa um impacto de longo prazo (o horizonte é 2030), mas já alinha com a nossa visão estrutural do setor e com a meta de descarbonização do governo Biden.

O impacto da escassez de chips no mercado de veículos elétricos

A relevância dos semicondutores para diferentes cadeias produtivas tem repercutido cada vez mais no mercado. Segundo o JP Morgan, esse é o 4º item mais negociado no mundo, perdendo apenas para petróleo bruto, refinado e carros. Os chips, ou semicondutores, são parte importante na fabricação de eletrônicos, sendo um componente essencial nos smartphones, câmeras, computadores, entre outros. Nos carros, estão presentes em praticamente todas as partes, sendo que os veículos elétricos utilizam de 3 a 5 vezes mais semicondutores que os automóveis a combustão.

Durante a pandemia, vimos um boom de demanda por chips, com a mudança abrupta de hábitos das populações em escala global. O home office e o modo “ficar em casa” aumentaram a demanda por eletrônicos, ao passo que a produção foi negativamente impactada pela com a interrupções de produção. A fabricação dos chips conta com uma intensiva força de trabalho humano, o que torna a atividade facilmente impactada pela saúde pública das regiões produtivas. Dessa forma, restrições rígidas de mobilidade e decisões dos governos voltadas para a interrupção do setor manufatureiro, como temos visto recentemente na China com a política de “tolerância zero” a Covid-19, impactam negativamente a produção de semicondutores em um momento de demanda crescente.

Dada a complexidade dos semicondutores, a cadeia de produção conta com uma forte integração global, em que diferentes regiões fazem parte da fabricação, de acordo com as vantagens competitivas de cada país. Os principais participantes da cadeia produtiva são Estados Unidos, Coreia do Sul, Japão, China, Taiwan e Europa. Segundo a Associação Industrial de Semicondutores, aproximadamente 75% da produção de chips e dos fornecedores de matéria prima estão concentrados na China e Leste Asiático, regiões expostas a tensões geopolíticas. Adicionalmente, os fabricantes com maior capacidade de produção estão localizados na Coreia do Sul e Taiwan, trazendo um risco adicional de que um potencial conflito regional possa interromper o fornecimento de semicondutores.

Por fim, a escassez e as complicações na cadeia de semicondutores é um ponto importante quando avaliamos o futuro das empresas de veículos. A falta do componente pode exigir que as montadoras revisem seus planos de produção, como já vem acontecendo. Temos acompanhado algumas das empresas mais tradicionais do setor automotivo apresentando cortes de produção, enquanto as empresas de veículos elétricos que conseguem driblar esse desafio com a verticalização da cadeia seguem crescendo em números de carros entregues. Nesse cenário, entendemos que as empresas menos dependentes, ou com menor concentração de fornecedores de chips, tendem a estar mais bem posicionadas.  

Modelo de negócio por montadora

Vemos duas categorias entre as principais empresas do setor automobilístico: companhias com 100% da produção de veículos elétricos e as tradicionais, que estão no processo de transição gradual para a eletrificação de seus carros. Nomes como General Motors, Mercedes, Ford e outras gigantes já apresentaram os planos de atualização das frotas para veículos elétricos, o que corrobora com a visão que a eletrificação do transporte é uma mudança estrutural. É esperado que as opções de carros eletrificados dobre até 2025, incluindo modelos básicos e tornando o produto mais acessível com os lançamentos aguardados.

Fonte: XP Research

Vemos que, apesar da tendência de veículos elétricos parecer ainda uma opcionalidade do setor automotivo, trata-se na verdade de um movimento de transição que reconfigura a dinâmica de um dos principais setores da indústria. Outro ponto que impulsiona essa mudança é a percepção dos investidores, que têm mostrado apetite ao tema de transição energética, e consequentemente veículos elétricos, colocando um potencial adicional de valorização para quem seguir essa tendência.

Entretanto, quando analisamos os impactos dos desafios colocados nos itens anteriores, vemos que os planos de produção de veículos elétricos das montadoras tradicionais podem sofrer atrasos. O aumento do preço de matéria prima reduz a margem de lucro, enquanto a falta de semicondutores traz uma pressão extra na decisão de alocação dos recursos, podendo direcionar a escolha para a produção de carros a combustão a depender da margem que cada companhia tem nos diferentes modelos.

Como conclusão, entendemos que, as empresas que estiverem melhor posicionadas frente essa mudança estrutural podem ganhar alguns quilômetros de vantagem. Há uma demanda crescente por veículos elétricos enquanto as montadoras estão encontrado dificuldades para manter os seus níveis de produção. Quem estiver pronto para absorver esse mercado pode se beneficiar do processo de transição que, apesar de ainda ter uma longa estrada pela frente, já foi dada a largada.

Para ter exposição ao tema de veículos elétricos, além de investir direto nas ações e BDRs das empresas de automóveis que fazem parte dessa mudança estrutural, nomes que listamos acima no relatório, há também a alternativa de acessar a temática via COE.
Quer saber como investir no COE XP Veículos Elétricos? Clique no link.

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/2018. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.