XP Expert

FIIs na Semana: performance dos fundos de papel em destaque

Confira o desempenho dos Fundos Imobiliários na semana e um resumo dos principais acontecimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Cotações

Gráfico de Cotação IFIX


Gostaria de receber esse conteúdo por e-mailClique aqui.
Gostou do conteúdo, tem alguma dúvida ou quer nos enviar uma sugestão? Basta deixar um comentário no final do post!


O IFIX fechou a semana em queda marginal de -0,02%, impulsionado positivamente pelo segmento de Recebíveis e negativamente pelo segmento de Ativos Logísticos, enquanto o IBOV apresentou uma performance de 3,16%. Os FIIs de papel integrantes do IFIX tiveram desempenho médio de 0,22%, enquanto os FIIs de tijolo tiveram performance média de -0,28% na semana.

No cenário internacional, o destaque da semana foi a decisão do comitê de política monetária do Federal Reserve (Fed) de elevar, pela quarta vez seguida, a taxa de juros de referência dos EUA em 0,75 pontos percentuais, para o intervalo entre 3,75% e 4,00%. Apesar do ritmo acelerado de alta nas taxas, comparativamente ao histórico da instituição, o aumento era amplamente esperado pelo mercado. A próxima reunião ocorrerá em dezembro, e o comitê destacou que avaliará o efeito do aperto monetário sobre os dados de atividade econômica e inflação do país para decidir o ritmo de novos aumentos. Os economistas da XP acreditam que o Fed deverá realizar uma nova elevação nas taxas, de 0,50 p.p., em sua próxima reunião, podendo ainda trazer altas adicionais de 0,25 p.p. nas primeiras reuniões de 2023 caso os dados mostrem continuidade da pressão inflacionária e do aperto no mercado de trabalho. Dados do principal relatório de emprego do país (Nonfarm Payroll) divulgados nesta sexta-feira indicaram que 261 mil vagas de trabalho foram criadas em outubro, acima do consenso de mercado, de criação de 200 mil vagas. Ainda durante esta semana, o Banco da Inglaterra também elevou em 0,75 pontos percentuais suas taxas de juros de referência, para 3% ao ano. A instituição afirmou projetar que a inflação atinja um novo recorde de 40 anos, chegando a 11% no trimestre atual, e alertou que a economia britânica pode não crescer por mais dois anos.

No Brasil, o Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) publicou nesta semana a ata de sua última reunião, na qual afirma sua percepção de que o aperto monetário implementado ao longo do ciclo de aumento de juros aparenta ser suficiente para trazer a inflação de volta à meta, porém não descarta novos aumentos de juros caso a convergência à meta não ocorra como esperado, tendo como principais fatores avaliados o nível de ociosidade na economia e o movimento da inflação de serviços. Outros dados importantes divulgados na semana foram o resultado do setor público consolidado e a produção industrial. O país registrou um superávit primário de R$ 10,7 bilhões em setembro, valor próximo ao consenso de mercado, de R$ 11,0 bilhões, e acumulando superávit de R$ 130,8 bilhões (ou 1,8% do PIB) no ano. Com o resultado, a Dívida Bruta do Governo Geral caiu de 77,5% em agosto para 77,1% do PIB em setembro. Já a produção industrial brasileira caiu -0,7% em setembro, em relação ao mês anterior, em linha com a expectativa do mercado e da XP e na segunda queda mensal consecutiva. O nível de produção segue 2,4% abaixo do observado anteriormente à pandemia de COVID-19.

No noticiário político nacional, o destaque ficou com o resultado do segundo turno das eleições presidenciais de 2022, que elegeu Luís Inácio Lula da Silva como o próximo presidente do Brasil, com 50,9% dos votos válidos, contra 49,1% do atual presidente, Jair Bolsonaro. O mercado aguarda nas próximas semanas as decisões de Lula sobre sua equipe econômica, e o presidente eleito já sinalizou restaurar a estrutura anterior de 4 ministérios (Fazenda, Planejamento, Indústria e Trabalho), hoje agregados no Ministério da Economia. No âmbito das políticas econômicas, o primeiro desafio de Lula deve ser alterar o atual teto constitucional de gastos para permitir a implementação de suas propostas: a permanência do programa Auxílio Brasil nos atuais R$ 600 mensais por pessoa, aumentos reais do salário mínimo, e um plano de investimentos públicos nos moldes do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), de governos anteriores.  A transição para o novo governo começou ainda esta semana, e após reuniões com congressistas foi anunciada a intenção de se apresentar uma proposta de emenda constitucional que altere o atual teto e permita a implantação das novas políticas. Os economistas da XP estimam que o cumprimento das promessas apresentadas durante a eleição envolveria um gasto adicional de cerca de R$ 140 bilhões.

Finalmente, no âmbito dos fundos imobiliários, publicamos nesta semana um relatório com uma análise do desempenho dos FIIs no mês de outubro. O IFIX, índice de referência do segmento, teve uma alta marginal de 0,02% no período, com destaque positivo para a performance dos FIIs de Recebíveis (ou de Papel), que tiveram desempenho médio no mês de 1,06% e compensaram a performance negativa dos Fundos de Tijolos, que caíram, em média, -0,96% no mês. As maiores contribuições negativas para o índice vieram dos segmentos de Ativos Logísticos e de Lajes Corporativas. Dentre os principais fatores macroeconômicos para a performance dos FIIs, destacamos o comportamento da inflação, que teve uma nova leitura de deflação (medida pelo IPCA) em setembro, porém levemente menor que o esperado pelo mercado, e seguida de uma leitura prévia do mês seguinte (IPCA-15) de volta ao território positivo. No relatório, analisamos também as maiores altas e baixas do mês, explorando alguns detalhes sobre o comportamento desses fundos no período. Clique aqui para acessar o texto completo.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Disclaimer:

Este conteúdo tem propósito exclusivamente informativo e se baseia em dados estatísticos, metodologias probabilísticas, fatos concretos do mercado financeiro e em resultados financeiros apurados. Em nenhum momento, o conteúdo desta mensagem representa opiniões pessoais ou recomendações de investimento financeiro de qualquer natureza. Não se configuram, portanto, como ideias, opiniões, pensamentos ou qualquer forma de posicionamento por parte da XP Investimentos CCTVM S/A. É terminantemente proibida a utilização, acesso, cópia ou divulgação não autorizada das informações presentes neste conteúdo. O investimento em ações é um investimento de risco. Na realização de operações com derivativos existe a possibilidade de perdas superiores aos valores investidos, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Para avaliação da performance de um fundo de investimentos é recomendável a análise de, no mínimo, 12 (doze) meses. Leia o prospecto e o regulamento antes de investir. Todas as informações sobre os produtos, bem como o regulamento e o prospecto e regulamento aqui listados, podem ser obtidas com seu agente de investimentos, em nosso site na internet ou no site do referido gestor. Fundos de investimento não contam com garantia do administrador, do gestor, de qualquer mecanismo de seguro ou fundo garantidor – FGC. A taxa de administração máxima compreende a taxa de administração mínima e o percentual máximo que a política do FUNDO admite despender em razão das taxas de administração dos fundos de investimento investidos. Os fundos de ações e multimercados com renda variável /sem renda variável podem estar expostos a significativa concentração em ativos de poucos emissores, com os riscos daí decorrentes. Os fundos de crédito privado estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Os fundos de cotas aplicam em fundos de investimento que utilizam estratégias com derivativos como parte integrante de sua política de investimento. Tais estratégias, da forma como são adotadas, podem resultar em perdas patrimoniais para seus cotistas. Os fundos de renda fixa estão sujeitos a risco de perda substancial de seu patrimônio líquido em caso de eventos que acarretem o não pagamento dos ativos integrantes de sua carteira, inclusive por força de intervenção, liquidação, regime de administração temporária, falência, recuperação judicial ou extrajudicial dos emissores responsáveis pelos ativos do fundo. Para informações e dúvidas, favor contatar seu agente de investimentos. Rentabilidade passada não representa garantia de rentabilidade futura. As rentabilidades divulgadas não são líquidas de impostos e taxas de saída e performance. As informações publicadas não levam em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. Caso os ativos, operações, fundos e/ou instrumentos financeiros sejam expressos em uma moeda que não a do investidor, qualquer alteração na taxa de câmbio pode impactar adversamente o preço, valor ou rentabilidade. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização dessa plataforma. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Investimentos nos mercados financeiros e de capitais estão sujeitos a riscos de perda superior ao valor total do capital investido.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.