XP Expert

Zeina Latif: Novos ventos?

O início do ano foi bem difícil do ponto de vista da atividade econômica, com contração do PIB e de investimentos, e mercado de trabalho muito fraco.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O início do ano foi bem difícil do ponto de vista da atividade econômica, com contração do PIB e de investimentos, e mercado de trabalho muito fraco.

Minha avaliação, naquele momento, foi que, para além da fraqueza estrutural da economia (baixo potencial de crescimento de longo prazo), o início conflituoso do novo governo afetou o humor de empresários e consumidores, cujos índices de confiança caíam.

O susto do início do ano foi superado por boas surpresas: o espírito mais reformista do Congresso, a queda da inflação e o cenário de corte de juros do Fed, o banco central americano. Afastou-se o risco de nova retração do PIB ou sua estagnação.

A economia vem ganhando tração. Aumentou a chance de as projeções de crescimento do PIB – na casa de 2% em 2020 – não frustrarem novamente. O gatilho principal é o possível aumento da potência do corte de juros do Banco Central para estimular a demanda.

O ciclo anterior de cortes da Selic demorou mais do que o esperado para afetar de forma mais efetiva a economia. A frágil situação financeira de empresas e consumidores gerava postura mais conservadora nas decisões de produção, investimento e consumo, enquanto o risco de inadimplência limitava a oferta de crédito, tendo em vista a elevada insegurança jurídica e a baixa capacidade de recuperação de ativos pelos bancos.

Ocorre que, pelos nossos cálculos, a razão entre as dívidas bancárias em atraso das empresas e o faturamento está retornando ao patamar pré-crise. Em outras palavras, há melhora dos balanços das empresas. Isso contribui para elevar tanto a oferta, quanto a demanda de crédito. Nota-se o aumento das concessões de crédito e sua maior disseminação, beneficiando as empresas de menor porte, que foram as mais impactadas na crise, enquanto as maiores têm acessado o mercado de capitais. Potencializa-se, assim, o efeito da distensão monetária.

Setores mais sensíveis ao crédito são naturalmente os “puxadores” do crescimento, incluindo a construção civil. Os investimentos têm exibido números melhores, ainda que modestos e muito concentrados em poucos setores e segmentos.

Por ora, colhemos os frutos do corte de juros entre 2016-18. A nova rodada de redução de juros do BC ainda vai se materializar, reforçando a perspectiva de volta cíclica da economia.

Em paralelo, as concessões de infraestrutura e os leilões do pré-sal vão, lentamente, mudar a dinâmica desses setores, que se preparam para aumentar seus investimentos.

A recuperação está, pois, em seu estágio inicial. As dúvidas ficam para sua velocidade e extensão.

Alguns setores tendem a melhorar sua performance mais lentamente, mas ela virá. O descompasso é transitório. São setores menos sensíveis ao crédito e mais sensíveis à massa salarial, que demora mais a reagir

Outros tantos enfrentam problemas estruturais que limitam sua dinâmica. É o caso de segmentos importantes da indústria que têm baixa produtividade e não são competitivos, pois sente mais o peso do difícil ambiente de negócios no Brasil. Também é o caso de setores que dependem de regulação estatal. Não basta a queda da Selic para destravar esses setores. Essa é tarefa da agenda de redução do custo-Brasil.

Não convém subestimar o impacto do baixo crescimento mundial. Da mesma forma que o Brasil se beneficiou do super ciclo da década passada, com aumento de exportações e fluxos de capitais, não consegue se blindar totalmente da estagnação do comércio mundial.

Evitar o “voo de galinha” dependerá do avanço de reformas. Valem alertas. Primeiro, não sabemos ao certo o tamanho da ociosidade da economia. Talvez ela seja de baixa qualidade, com máquinas obsoletas e mão de obra despreparada. Segundo, a janela reformista parece estar se estreitando e o governo está atrasado em muitos temas.

Não podemos desperdiçar a recuperação em curso. Que ela seja um fator a acelerar as reformas, e não a gerar acomodação, algo, infelizmente, frequente em nossa história. É preciso trabalho para que não seja apenas uma brisa.

31 de outubro de 2019

Fonte: artigo replicado do Estadão.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.