XP Expert

Zeina Latif: O ´empurrão´ da Selic baixa

Mesmo com a pausa nos cortes antes do esperado, a taxa de juros básica atingiu patamar inédito e, desta vez, de forma sólida. Ainda que parte do relaxamento monetário seja temporário, devendo se reverter quando a inflação estiver convergindo para a meta, há boas chances de a taxa Selic não mais voltar a dois dígitos. […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Mesmo com a pausa nos cortes antes do esperado, a taxa de juros básica atingiu patamar inédito e, desta vez, de forma sólida. Ainda que parte do relaxamento monetário seja temporário, devendo se reverter quando a inflação estiver convergindo para a meta, há boas chances de a taxa Selic não mais voltar a dois dígitos. A primeira condição para isso é aprovar uma reforma da Previdência que afaste o risco de insolvência da dívida pública.

Esse cenário benigno de juros permanentemente mais civilizados poderá ser um importante gatilho para uma transformação no País. Não por tornar economicamente viáveis projetos de investimento que hoje não sairiam do papel, ainda que isso possa ocorrer, mas pelo “empurrão” para uma mudança na agenda econômica.

Se destravar o investimento dependesse apenas de juros baixos, o crédito subsidiado do BNDES, que dobrou entre 2008-14, atingindo 11% do PIB, teria produzido mais frutos.

A Turquia, por exemplo, tem taxas de juros historicamente elevadas e taxa de investimento muito superior à do Brasil, de 29% do PIB ante 19% em média aqui. A explicação está em sua estrutura econômica mais sólida, estando a Turquia na 53.ª posição no ranking global de competitividade e o Brasil na 80.ª. Já a África do Sul tem juros mais moderados, mas uma taxa de investimento comparável à do Brasil.

A grande contribuição da Selic baixa poderá vir pelo estímulo à reavaliação das políticas públicas atuais. Primeiro, pelo espaço para remoção daquelas que têm como justificativa a Selic elevada, mas produzem distorções e ineficiências na economia.

Um exemplo é o crédito direcionado. O termo decorre do direcionamento de recursos, como da caderneta de poupança para o crédito imobiliário e do FAT para o BNDES. O tamanho desse segmento é enorme e cresceu nos governos anteriores. Era metade do crédito livre em 2007 e agora ambos são equivalentes.

Esse crédito é subsidiado (a taxa de juros está em 9% ao ano), e é um fator que encarece o segmento livre (41% ao ano). São linhas com custo de captação mais barato, às custas da sociedade, sendo o subsídio concedido em parte repassado para o crédito livre. Ora, se alguém paga meia-entrada, a tarifa cheia dos demais será mais cara. Além disso, o direcionamento de crédito implica, com frequência, alocar recursos em projetos menos rentáveis. Isso reduz o potencial crescimento do País.

Será também possível repensar o modelo de bancos públicos comerciais e de desenvolvimento, que são os principais agentes do crédito direcionado. Afinal, existem formas mais eficientes de promover a política pública.

Um segundo canal seria decorrente da busca de investidores por rendimentos mais elevados. Esse poderá ser um estímulo para o avanço da agenda microeconômica de crescimento. De um lado, para ampliar a oferta de instrumentos financeiros originados em investimentos produtivos de empresas e da agropecuária, e na infraestrutura. De outro, para prover segurança a investidores e poupadores. Poderemos, assim, ter avanços na agenda de fortalecimento da segurança jurídica e regulatória, cujas deficiências prejudicam o investimento produtivo e limitam a ação do mercado de capitais.

Nessa conta é necessário incluir uma maior flexibilidade aos fundos de pensão, que serão os mais prejudicados pela queda da Selic, de forma a ampliar sua exposição a ativos de maior risco.

A experiência da Espanha nas décadas passadas pode servir de inspiração. Houve uma abertura da economia para fluxos de bens, capitais e pessoas, e uma mudança do regime de política econômica visando a maior disciplina fiscal e inflação baixa. Tudo isso em função das condições para os países integrarem a zona do euro em 1998. Como resultado, houve uma redução rápida da taxa de juros básica, com impacto importante no investimento e no crédito.

O Brasil poderá surpreender positivamente se caminhar direito. No jargão dos economistas, caminharemos para o ramo mais elástico da curva de demanda por investimento.

A torcer para que o próximo presidente saiba avançar.

17 de Maio de 2019

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.