XP Expert

Zeina Latif: Mais democracia, não menos

Valores democráticos têm sido menos valorizados pela sociedade, inclusive pelos mais jovens. Talvez porque não vivenciaram as consequências da ditadura e do desrespeito às liberdades individuais. A inclinação antidemocrática anda lado a lado com a intolerância. A crise econômica, no Brasil e no mundo, pode ser a explicação para esse retrocesso. Na bonança da década […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Valores democráticos têm sido menos valorizados pela sociedade, inclusive pelos mais jovens. Talvez porque não vivenciaram as consequências da ditadura e do desrespeito às liberdades individuais. A inclinação antidemocrática anda lado a lado com a intolerância.

A crise econômica, no Brasil e no mundo, pode ser a explicação para esse retrocesso. Na bonança da década passada, muito foi prometido e pouco foi entregue. No Brasil, os equívocos da política econômica geraram uma crise sem precedentes. O desemprego elevado, sendo de 28% entre os jovens, alimenta o sentimento de desolação e de falta de perspectivas. Tudo isso aumenta o anseio de mudança e a busca de “pulso forte” para “arrumar a bagunça”. Parecem confundir autoridade com autoritarismo.

Esse sentimento faz eco na política. Jair Bolsonaro exulta a ditadura militar, e é o melhor colocado nas pesquisas de voto que excluem Lula. Importantes lideranças do PT flertam com a ditadura na Venezuela, provavelmente para agradar o eleitorado de extrema esquerda. Muitos eleitores não veem gravidade nisso. Julgam que são palavras ao vento que não deveriam ser levadas a sério.

Não convém brincar com fogo. A democracia no Brasil ainda está em construção. Precisamos de mais democracia, e não de menos. Igualdade de oportunidades, concorrência na política e representatividade no Congresso talvez sejam os pontos onde estamos mais atrasados. 

Nossas políticas públicas – como na educação – são concentradoras de renda e perpetuam a pobreza; a política se renova muito lentamente; o Congresso está dominado por bancadas poderosas que não representam a sociedade; e grupos organizados bloqueiam reformas.

Há consequências perversas do déficit de democracia sobre a economia. Um exemplo é nossa triste experiência com a reforma da Previdência. Enquanto a maioria dos países já adota idade mínima para aposentar há mais de duas décadas, o Brasil segue atrasado. Corporações do setor público bloquearam essa agenda nos últimos anos, algo ainda mais grave no contexto de um governo com déficit de credibilidade e de apoio popular. Como consequência, transfere-se renda de pobres (que se aposentam por idade) para ricos, faltam recursos para políticas públicas essenciais e alimenta-se o risco inflacionário. 

Vale a pena fortalecer a democracia. Os dados mostram que países mais ricos são os mais democráticos. Há ainda evidências de que países que passam por democratização aumentam sua renda per capita. Daron Acemoglu e co-autores (2005) estimam um incremento de 20% no longo prazo. A razão seria o incentivo a reformas, o aumento da escolaridade, a melhora da provisão de serviços públicos e a redução de turbulência social.

Defender valores democráticos não é apenas moralmente desejável, mas também recomendável para o melhor funcionamento da economia.

É verdade que a democracia dá trabalho. Reformas dependem da construção de consensos e de muita negociação, bem como do enfrentamento de grupos organizados. Como consequência, as reformas tomam tempo e, muitas vezes, não acontecem. Apesar disso, ainda é a melhor forma de garantir o avanço institucional sólido dos países e, assim, o crescimento sustentado.

No Brasil, o regime militar começou com o apoio da sociedade, e reformas importantes foram implementadas por Castelo Branco. Mas não houve continuidade da agenda de reformas e houve retrocessos em seguida, com muitas distorções causadas no sistema econômico até o fim do regime militar. O resultado foi a “década perdida” dos anos 1980 e a herança inflacionária. Iniciamos o período democrático com a economia em frangalhos.

Avanços ocorreram no período democrático, ainda que lentamente. O Estado brasileiro continua, porém, autoritário na economia, promovendo mudanças de regras, frequentemente, sem critérios e com pouco diálogo, o que acarreta em baixo crescimento. E o Estado continua injusto socialmente. Não há espaço para retrocessos.

09 de Agosto de 2018

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.