XP Expert

Indicadores econômicos divulgados entre 30/09/2019 e 04/10/2019

Agenda de Indicadores econômicos a serem divulgados na próxima semana.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Quais indicadores econômicos devem ser acompanhados na próxima semana?

Cada um dos indicadores econômicos impacta direta ou indiretamente a economia como um todo, por isso o exercício de classificá-los de acordo com seu nível de importância não é tarefa fácil. Entretanto, existem alguns indicadores que tendem a impactar de forma mais recorrente o mercado (principalmente quando suas divulgações destoam muito das expectativas) e é exatamente por isso que adicionamos a coluna de classificação na agenda de indicadores semanais.

Apesar de todos os indicadores precisarem ser monitorados, aqueles que foram classificados com duas ou três estrelas são os que provavelmente terão maior impacto na semana que vem. Assim, para a próxima semana, vale a pena monitorar mais de perto:

  • No Brasil: Confiança Empresarial, Boletim Focus, Resultado Primário do Setor Público, Produção Industrial, PMI Composto e Balança Comercial;
  • Nos Estados Unidos: Confiança Industrial, PMI Composto, Taxa de Desemprego e Balança Comercial;
  • Na Zona do Euro: Taxa de Desemprego, CPI e PPI, PMI Composto e Vendas a Varejo;
  • E na China: PMI Composto e Confiança Industrial.

Quais indicadores econômicos foram divulgados na última semana?

Na última semana, além dos acontecimentos políticos e comerciais que impactaram os mercados (tanto nacional quanto internacionalmente), uma série de indicadores econômicos importantes foram divulgados.

No Brasil, as principais divulgações foram os dados de confiança dos principais setores da economia (Indústria, Serviços, Comércio e Construção Civil), dados do mercado de trabalho (Caged e PNAD Contínua), IPCA-15, Relatório Trimestral de Inflação e a ata da reunião do Copom. Em linhas gerais, os dados de confiança divulgados pela FGV sugeriram leve estagnação dos principais setores da economia brasileira em setembro. Por outro lado, com exceção da indústria, todos os setores analisados deram continuidade à leve trajetória de crescimento (medida pela média móvel de 3 meses) vista nos últimos meses, o que reforçou o nosso entendimento de que a economia brasileira segue com um ritmo bastante gradual de crescimento. Além disso, em agosto de 2019, o número de admissões ultrapassou o de demissões pela quinta vez consecutiva, mantendo o saldo de empregos positivo. A taxa de desemprego, por outro lado, passou de 11,8% em julho para 11,9% em agosto. O IPCA-15 de setembro registrou alta de 0,09% (em linha com a nossa estimativa e com a as expectativas de mercado) enquanto a inflação acumulada em 12 meses ficou estável em 3,22%.  O Relatório Trimestral de Inflação apresentou quatro principais destaques: i) a projeção de inflação permaneceu abaixo ou no centro da meta em todos os cenários analisados com exceção do ano de 2022, em que todos os cenários mostraram que a inflação se encontrava pelo menos 20bp acima do centro da meta (de 3,5%); ii) a projeção de crescimento do PIB em 2020 foi de 1,8%, abaixo da projeção do mercado divulgada no último Boletim Focus (2%); iii) a ênfase dada aos núcleos de inflação e iv) a ênfase dada à importância das Reformas para os investimentos. E a ata do Copom revelou que a projeção de inflação mais baixa nos cenários de 2019 e 2020 foi basicamente influenciada por: i) baixa inflação no curto prazo e ii) apreciação cambial de curto prazo. Considerando o conteúdo da ata, ainda esperamos que o Banco Central realize dois cortes de 0,50% nas próximas reuniões (outubro e dezembro) elevando a taxa Selic para 4,5% em 2019 e permanecendo inalterada nesse nível até o final de 2020, mas reconhecemos que os desenvolvimentos cambiais na pesquisa de expectativas de mercado (FOCUS) e a dinâmica dos preços importados podem desafiar nossa visão.

Nos Estados Unidos, as principais divulgações foram o PIB e a confiança do consumidor. O Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos cresceu à taxa anualizada de 2% no segundo trimestre, em linha com a segunda estimativa e com a previsão de analistas consultados pelo Wall Street Journal. E o índice de confiança do consumidor nos Estados Unidos caiu de 134,2 em agosto para 125,1 em setembro, enquanto os analistas consultados pelo Wall Street Journal previam queda bem menor do indicador, a 133.

Por fim, na Zona do Euro, as principais divulgações foram o PMI Composto e o índice de confiança na economia. O PMI composto da zona do euro, que engloba os setores industrial e de serviços, caiu de 51,9 em agosto para 50,4 em setembro, atingindo o menor nível desde junho de 2013. O resultado frustrou a expectativa dos analistas, que previam alta do PMI composto a 52. Apesar da queda, a leitura acima da marca de 50 mostra que a atividade no bloco continua em expansão. Já o índice de sentimento econômico da zona do euro, que mede a confiança de setores corporativos e dos consumidores, caiu de 103,1 em agosto para 101,7 em setembro, atingindo o menor patamar desde fevereiro de 2015.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.