XP Expert

Guerra intensifica desafio dos Bancos Centrais: Brasil saiu na frente, mas jogo não está ganho

Conflito traz um cenário de mais inflação e menos crescimento em relação ao que era projetado; será necessário tempo e persistência para quebrar a “espinha dorsal” da inflação e trazê-la de volta às metas

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Artigo publicado originalmente no InfoMoney

O Federal Reserve, o banco central americano, subiu sua taxa básica de juros nesta quarta (16), exatamente dois anos depois de ter cortado para zero em resposta à pandemia. E a instituição sinalizou que as altas vão continuar ao longo de todo o ano de 2022. O Fed se junta a outros bancos centrais de países desenvolvidos e emergentes que começaram a subir juros recentemente.

Demorou. O movimento acontece quando a inflação nesses países já vem rodando bem acima das metas e a demanda interna está muito aquecida. Mas “antes tarde do que mais tarde”, como diz a sabedoria popular.

Retardar o ajuste pode tornar o trabalho de reequilibrar a economia mais difícil e traumático no futuro, como argumenta Larry Summers, ex-secretário do Tesouro americano, em recente artigo para o Washington Post.

A guerra na Ucrânia, no entanto, tornou maior e mais urgente o desafio dos BCs. O índice CRB de preços de commodities subiu 8% desde o início do ano – depois de quase 30% em 2021 – intensificando o choque de custos. O petróleo sobe 39% no ano, enquanto o trigo tem alta 42% e o milho, 27%.

Em situação normal, bancos centrais deveriam encarar a guerra como um choque de oferta, aceitando a inflação temporariamente mais elevada. Cuidariam apenas de garantir que o choque inicial se limitasse aos produtos diretamente impactados pela alta de custos, sem se espalhar para os demais preços da economia.

Mas essa não é uma situação normal. A economia global já estava muito desequilibrada por conta da pandemia, tanto do lado da oferta de produtos como do lado da demanda, super estimulada pelas políticas de transferência de renda e crédito barato. Então, não resta alternativa aos BCs que não seja intensificar o aperto monetário.

Nesse sentido, o Brasil saiu na frente e tem mais graus de liberdade. O Copom começou a subir os juros em março do ano passado e foi acelerando o passo ao longo do tempo. Atualmente, já estamos com os juros em terreno contracionista, diferentemente da maioria dos países. Isso permite ao Copom mais “serenidade” na reação de política monetária, como indicado no comunicado que acompanhou sua decisão de março.

Ainda assim, o jogo está longe de estar ganho.

O IPCA no primeiro bimestre de 2022 rodou acima de 10% ao ano, indicando que a alta de juros promovida até agora fez pouco efeito sobre a inflação corrente.

Além disso, ainda há pouca clareza sobre o tamanho do choque adicional gerado pela guerra. Em poucas semanas, o petróleo brent foi de US$ 90 o barril para US$ 130, voltou abaixo de US$ 100 e, enquanto eu escrevo este texto, está em US$ 107.

Não sabemos como será a produção e o escoamento de grãos na região do conflito, que produz parcela importante da oferta global. Tampouco se sabe quanto a oferta de fertilizantes estará comprometida para esta e a próxima safra.

Em outras palavras, o risco inflacionário pode ser bem maior do que aquele que se apresenta agora.

Mas, mesmo que os preços das commodities se estabilizem ou recuem um pouco, a inflação em 2022 deve ficar acima do limite de tolerância do regime de metas, pelo segundo ano consecutivo.

E dificilmente a meta de 3,25% de 2023 será atingida, pois seria necessária uma desaceleração muito abrupta, improvável com a pressão de custos que ainda está por vir.

Esse período prolongado de inflação acima da meta tende a contaminar as expectativas, tornando a inflação mais rígida.

As expectativas influenciam a remarcação de preços, que passa a ser “precaucional” – ou seja, as empresas sobem seus preços para se precaver de perdas no futuro, independente de outros fatores.

Diante deste cenário tão incerto, me pareceu boa a estratégia de comunicação do Copom no comunicado de março de trabalhar com dois cenários: um de referência, no qual os preços das commodities ficam mais pressionados e demandam juros mais altos do que os 12,75% esperados pelo relatório Focus, de projeções do mercado; e um alternativo, criado temporariamente para esta ocasião, com preços mais alinhados aos vigentes na hora da decisão, no qual a trajetória do Focus seria adequada.

Dependendo da evolução dos acontecimentos, o Copom ajusta seu plano de voo para um lado ou para o outro.

De toda forma, dificilmente teremos juros abaixo dos 12,75%. E tampouco parece haver espaço para reduzir a aperto nos próximos trimestres, pois será necessário tempo e persistência para quebrar a “espinha dorsal” da inflação e trazê-la de volta às metas até 2024.

Em suma, a guerra traz ao Brasil e ao mundo um cenário de mais inflação e menos crescimento em relação ao que era o projetado no início do ano. Quanto mais tempo se prolongar o conflito, mais intenso tende a ser esse quadro.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.