Banco Central corta Selic para 3,75%. E agora?

Saiba todos os detalhes da nova reunião do COPOM nesta quarta-feira e como a nova Selic impacta os investimentos


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

*Texto atualizado às 18h12

Seguindo a tendência que já vinha em curso e de outras economias, como Estados Unidos e China, o Banco Central definiu no fim da tarde desta quarta-feira, 18, mais um corte na taxa Selic, na segunda reunião do Comitê de Política Monetária (COPOM) em 2020. Assim como previsto pela nossa equipe de economia, o órgão reduziu o instrumento monetário em 0,50 ponto percentual, de 4,25% para 3,75%.

Veja a revisão do cenário para a Selic em 2020 e 2021, segundo novas estimativas da nossa equipe de economia.

O cenário de juros baixos, simultâneo à crise atual, tem descabelado tanto os investidores conservadores, que não encontram mais rentabilidades tão atrativas na Renda Fixa, quanto os mais agressivos, que veem a Renda Variável ruir com os temores à pandemia de coronavírus que assola o mundo.

Por isso, veja abaixo quais os impactos desse cenário nos investimentos e saiba o que fazer.

A importância do corte na taxa Selic

Primeiramente, vamos entender o que é essa tal de Selic. Sigla para Sistema Especial de Liquidação e Custódia, ela é considerada a taxa básica de juros da economia brasileira. Ou seja, a taxa Selic influencia todas as outras taxas de juros cobradas no Brasil.

O Banco Central, a cada 45 dias, define o valor dessa taxa para, basicamente, controlar a inflação e, assim, estimular a economia. A Selic também serve como instrumento de referência e benchmark para diversos investimentos, sobretudo os de Renda Fixa.

Segundo a nossa visão, o novo corte na taxa Selic é mais um indício de que a inflação provavelmente estivesse destoando do centro da meta para o ano, que é de 4%. Por isso, o Banco Central enxergou mais espaço para cortar os juros.

A trajetória da taxa Selic e o juro real

A Selic vinha em patamares altos desde a última crise econômica. De 2016 até agora, ela foi reduzida em cerca de 10 pontos percentuais. E como há investimentos que são diretamente atrelados a esse indicador, as aplicações conservadoras estavam altamente confortáveis, pois garantiam ótimos retornos aliados à segurança que o brasileiro, culturalmente, tanto gosta.

O fato é que, atualmente, diante da desaceleração econômica mundial e do juro real em patamares baixos, os investimentos diretamente atrelados à Selic sofrem.

O juro real nada mais é do que juros menos inflação. Ele serve para você saber quanto, de fato, o seu investimento está rendendo. Para isso, é preciso descontar a desvalorização do dinheiro no tempo, que é a inflação.

Nessa nova mínima histórica, momento inédito na economia brasileira, o cenário aponta que o investidor precisa mudar, mais do que nunca, suas atitudes financeiras se quiser ter mais rentabilidade.

Portanto, se já pensarmos no cenário com a taxa Selic em 3,75% e a inflação em torno de 3,5% a 4% ao ano, segundo as nossas expectativas para março, estamos falando de um ganho real (ou juro real) de menos de 1%. Veja o histórico no gráfico abaixo:

Nesse cenário, se você não prestar atenção nos seus investimentos e ficar na inércia, o seu dinheiro certamente perderá valor ao longo do tempo.

Ou seja, é fundamental ter atenção na escolha dos investimentos. E isso significa que as decisões que você tomar hoje a respeito do seu dinheiro terão impactos profundos no futuro.

Sexto corte desde julho

Já é o sexto corte no ciclo de baixa da taxa Selic, desde julho do ano passado, reforçando a necessidade do brasileiro buscar melhores rentabilidades e sair definitivamente da inércia quanto aos investimentos.

Apesar de o cenário ser menos favorável no curto prazo para ativos de mais risco, por causa do coronavírus, se houver boa diversificação e um pouco mais de cautela, é possível encontrar um equilíbrio para conseguir rentabilidades maiores.

Entenda abaixo, de forma resumida, o que o nosso time de Alocação pensa em relação aos investimentos neste cenário de juros baixos, agora em 3,75%a.a., e instabilidade na economia e no mercado financeiro.

Recomendações para cada perfil em cenário de juros baixos + coronavírus

Enquanto antes do coronavírus o mercado de renda variável era a recomendação mais óbvia, agora houve, de fato, um ajuste. A equipe de Alocação da XP recomenda que o investidor que já estava dentro da alocação sugerida não realize movimentos em sua exposição de renda variável. Afinal, vender as posições trará mais perdas.

Como o cenário de juros baixos tende a se intensificar ainda mais ao longo de 2020 para compensar a desaceleração global, buscar o risco ainda é necessário. Mas como? Veja as nossas recomendações para cada perfil e saiba como diversificar:

Perfil conservador

Para o investidor conservador, não recomendamos exposição em Renda Variável.

Os ativos de crédito privado, na renda fixa, continuam como os queridinhos da classe pelos prêmios elevados e os Prefixados devem desempenhar retornos mais atrativos com a continuidade do ciclo de cortes na taxa Selic.

Perfil moderado

Para o investidor moderado que está começando, a recomendação para buscar mais risco e chances de maiores retornos é alocar em renda variável, porém aos poucos e de forma recorrente, ao longo de pelo menos seis meses.

E para quem se enquadra no perfil moderado e já seguia a carteira da XP, recomenda-se não mexer na parte de renda variável.

Os fundos multimercado, apesar das quedas no curto prazo, também são bons ativos, pois estão se reajustando ao novo cenário e são formas mais simples para a diversificação entre vários ativos.

E quanto à renda fixa, a equipe Alocação recomenda a exposição a ativos de crédito privado e os prefixados, mas em uma parcela mais considerável em relação ao perfil conservador.

Perfil agressivo

Para o investidor agressivo, a recomendação é continuar alocado em Bolsa, de forma majoritária, mas investindo de forma recorrente para minimizar os riscos das quedas da Bolsa por conta do coronavírus.

O foco continua sendo um horizonte para o longo prazo a fim de compensar as perdas recentes.

Revisamos a nossa projeção para a Bolsa

Comparação de investimentos para iniciantes com a Selic a 3,75%

Com a taxa de juros hoje em 3,75%, é hora de buscar novas formas de investir. Se você investe na poupança, por exemplo, ou em um CDB de algum banco que pague 85% do CDI (que acompanha praticamente a taxa de juros), o seu dinheiro vai render, respectivamente, 2,6% e 3,2% ao ano

O que acontece na prática?

Se você investisse 1.000 reais na poupança, considerando os juros de 3,75% e uma inflação de 3%, você teria o equivalente a 961 reais depois de 10 anos a valores de hoje.

Isso mesmo, na caderneta você perde dinheiro com esse patamar da Selic e com uma inflação controlada.

E se você investisse em um CDB que rendesse 85% do CDI, depois de 10 anos teria o equivalente a 1.019 reais. Ou seja, um ganho de apenas 19 reais em uma década.

Esse é o risco que você corre se não prestar atenção nos seus investimentos neste cenário de juros baixos. As carteiras precisam ser repensadas e otimizadas para fugir das perdas e das baixas rentabilidades.

A título de exemplo, vamos pensar em uma carteira moderada que renda 7,5% ao ano.

Em um ano, o rendimento seria de 4,3% em termos reais, . Assim, aqueles mesmos 1.000 reais virariam 1.523 reais em 10 anos. Uma diferença considerável em relação à rentabilidade da poupança e de um CDB de 85% do CDI.

Quanto tempo demoraria para dobrar o dinheiro?

Ainda considerando juros a 3,75% e inflação em 3,0%, na poupança nunca aconteceria de dobrar o dinheiro porque haveria perda ao longo do tempo. E no CDB do banco rendendo 85% do CDI demoraria inacreditáveis 399 anos. Na poupança você teria perdido 3,7% do seu dinheiro ao longo de 10 anos.

Porém, em uma carteira moderada, acreditamos ser factível atualmente buscar retornos de 7,5% ao ano. Considerando o mesmo cenário, você conseguiria dobrar seu capital em cerca de 16 anos.

E para sonhos maiores?

Imagine se você estivesse investindo 10.000 ou R$ 100.000 reais em vez de somente 1.000 reais, pensando em pagar uma faculdade para seus filhos, dar uma entrada num apartamento ou ter uma aposentadoria mais confortável.

Considerando esse cenário atual, ao longo de 10 anos, o seu dinheiro aplicado na poupança, como já falamos, diminuiria por causa da baixa rentabilidade e da inflação.

E se você investisse R$ 100.000 e compararmos o CDB rendendo 85% do CDI com a carteira moderada, a 7,5% ao ano, você deixaria de ganhar 51.401 reais ao escolher o CDB.

O que fazer agora?

Diversificar e sair da inércia são as principais ações a partir de agora. O momento, tanto de juros baixos quanto de turbulência por causa do coronavírus, exige investir buscando o máximo de diversificação na carteira, correndo, se possível, um pouco mais de risco.

Abra sua conta na XP de forma gratuita e rápida. E, assim, antes de começar a investir, saiba de fato qual é o seu perfil de investidor e consulte nossos assessores de investimentos em caso de dúvidas sobre os produtos disponíveis para aplicação.

Portanto, abra uma conta na XP Investimentos que nós ajudamos você a chegar mais perto da independência financeira.

Se você ainda não tem conta na XP, abra a sua aqui.

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.