XP Expert

Relaxamento das restrições na China e indicador de inflação nos EUA movimentam os mercados; Ibovespa encerra em leve alta de 0,3%

Não conseguiu acompanhar de perto o mercado durante a semana? Resumimos para você os principais destaques!

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Destaques da semana: 24/06 a 01/07

Fonte: Bloomberg, XP Research

Ibovespa: -0,29% | 98.954 pontos

Essa semana marcou o fim do primeiro semestre de 2022. O período foi marcado pela alta no preço das commodities, inflação crescente, adoção de uma política monetária contracionista pela maioria dos bancos centrais e o crescente temor de recessão na economia americana – que causou alta volatilidade nos mercados e aumento da aversão a risco. Nos mercados globais, o S&P 500 terminou a primeira metade do ano em bear market – quando há uma queda de mais de 20% desde as últimas altas – acumulando perdas de -20,6% no ano, seu pior desempenho desde 1970. O Nasdaq apresentou quedas ainda maiores, de -29,5%, configurando sua pior performance de todos os tempos. Já o Ibovespa superou os principais mercados locais, suportado pela alta das commodities no início do semestre, encerrando o período em +0,6% em dólares, e -6,0% em reais.

Em uma semana marcada pela alta das commodities, mas também pelo aumento do risco fiscal brasileiro, o Ibovespa encerra em leve alta de 0,3% aos 98 mil pontos, fechando o mês de junho com forte queda de -11,5%. No Brasil, a taxa de desemprego caiu para 9,8% no trimestre encerrado em maio, a menor taxa trimestral desde janeiro de 2016 e a menor para o período desde 2015, superando as expectativas do mercado de 10,2% de queda. Na política, o Senado aprovou a PEC que reconhece estado de emergência até o final de 2022, de modo a ampliar o pagamento de vários benefícios sociais. O pacote tem orçamento total de R$ 41,25 bilhões. Todas as medidas serão válidas até o final do ano, dispensada a observância do teto de gastos, da regra de ouro e da necessidade de compensação fiscal. A PEC conta com o chamado “estado de emergência”, que blinda o presidente Bolsonaro das contestações por descumprir a lei eleitoral.  A proposta seguirá agora para a Câmara dos Deputados, onde também deverá ser aprovada rapidamente.  

Nos EUA, os sinais de desaceleração econômica estão ficando mais claros. O indicador de confiança do consumidor do Conference Board, que atingiu 106,4 em maio, ficou abaixo das expectativas em junho, em 98,7 vs. 100 esperados pelo mercado. É o nível mais baixo desde o primeiro trimestre de 2021. A queda foi impulsionada principalmente pela alta da inflação. O índice de pesquisa industrial do Fed de Richmond também caiu significativamente em junho. Esses dados mais fracos de atividade econômica, no entanto, não devem impedir que o banco central americano continue subindo as taxas de juros, uma vez que a inflação continua elevada e generalizada. Reforçando a alta inflação do país, o núcleo do PCE (que exclui alimentos e energia), a medida de inflação preferida do Federal Reserve, apresentou alta de 4,7% no acumulado em 12 meses até maio, um pouco abaixo da expectativa do mercado e do resultado de abril. Apesar disso, a inflação continua rodando muito acima da meta do banco central americano, que é ao redor de 2%, e não altera o cenário de aperto agressivo da política monetária local.

Já na China, foi anunciado a diminuição pela metade do período de quarentena imposto a viajantes internacionais e o afrouxamento dos requisitos de teste para infectados no país, dando sequência às medidas de relaxamento das restrições contra o Covid. Além disso, o país sinalizou a manutenção de medidas de estímulos para amenizar o impacto econômico deixado pelos recentes lockdowns. Essas duas medidas foram responsáveis pela melhora do sentimento dos investidores em relação à economia do país.


Câmbio e juros

O Dólar fechou a semana com alta de 1,70% em relação ao Real, em R$ 5,33/US$. Já a curva DI para o vértice de janeiro/31 apresentou alta de 17 bps na semana, atingindo 12,82%.


O que esperar para semana que vem?

No cenário internacional, o destaque será a ata da última reunião do FOMC, comitê de política monetária dos EUA, além de dados de mercado de trabalho (payroll) de junho nos EUA, inflação ao produtor e ao consumidor na China e ao produtor na Europa.

No Brasil, o foco vai continuar na tramitação da PEC dos Benefícios fiscais, agora na Câmara. Os destaques serão a divulgação da inflação medida pelo IPCA e pelo IGP-DI de junho, a produção industrial de maio e a produção de veículos de junho.

Ações

Atribuímos a alta do papel ao anúncio de combinação de negócios com o Pardini (PARD3). O processo irá originar uma Nova Companhia, que deverá apresentar (i) grande poder de escala e capacidade de negociação com as fontes pagadoras, (ii) operações com capacidade de atender regiões compreendendo, aproximadamente, 85% do total de beneficiários de saúde do país, segundo as companhias, e (iii) ganhos de sinergia equivalentes a  R$160M-R$190M por ano, dos quais 90% deverão ser capturados nos próximos 3 anos, segundo as companhias. Para acessar o relatório completo, clique aqui.

Acreditamos que a performance do papel está ligada às expectativas de alta na demanda global de petróleo, após uma flexibilização das restrições para contenção do Covid-19 na China, o que levou o preço da comodity a subir no início da semana, enquanto as ações da Petrobras acompanharam a guinada.  Também, na quinta-feira houve uma reunião da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) para discussão da produção de Petróleo nos próximos períodos, reforçando o cenário de incerteza sobre capacidade de produção. Já no cenário interno, houve a aprovação do novo CEO da empresa, que tomou posse no dia 29.

Atribuímos a performance positiva de MRV aos fatos relevantes divulgados pela empresa esta semana:

  1. Venda de dois projetos pela Resia (ex AHS) a um cap rate atrativo de 4,2%, o que deve continuar a apoiar os resultados consolidados da MRV no 2T22;
  1. Venda da carteira de pró-soluto da MRV, com a emissão de duas CRIs (Pro-Soluto I e Pro-Soluto II), gerando um montante líquido de ~R$349 milhões para a empresa. Como resultado, o posicionamento de caixa da MRV deve melhorar, o que pode ajudar na redução da alavancagem da companhia;
  1. Aprovação do programa de recompra de ações com o limite de ~2% do total de ações em circulação, o que, em nossa opinião, é positivo, devido ao nível atrativo de valuation das ações da MRV.

Clique aqui para acessar o relatório completo.

Acreditamos que a performance do papel está ligada às expectativas de alta na demanda global de petróleo, após uma flexibilização das restrições para contenção do Covid-19 na China, o que levou o preço da comodity a subir no início da semana, enquanto as ações da Petrobras acompanharam a guinada.  Também, na quinta-feira houve uma reunião da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) para discussão da produção de Petróleo nos próximos períodos, reforçando o cenário de incerteza sobre capacidade de produção. Já no cenário interno, houve a aprovação do novo CEO da empresa, que tomou posse no dia 29.

Atribuímos a alta das ações ao anúncio de venda de remédios pela Unidas, que permitiu a conclusão da fusão que está ocorrendo essa semana (closing da transação previsto para 1º de julho).

Destacamos ao longo da semana duas notícias sobre a companhia que podem ajudar a explicar o desempenho da ação. Em comunicado ao mercado divulgado no dia 30, um banco norte-americano reduziu sua participação acionária no papel, enquanto outra notícia comenta sobre um processo administrativo que o Ministério da Justiça e Segurança Pública abriu contra a empresa para investigar o alto número de reclamações de consumidores durante o período da pandemia.

Sem notícias específicas. No entanto, destacamos a notícia divulgada na quinta-feira sobre a aprovação pelo conselho da Via da emissão de até R$ 600 milhões de reais, sinalizando uma necessidade de capital, pode ter contribuído para o fraco desempenho do papel.

Sem notícias específicas. Acreditamos que a queda do papel possa estar relacionada a um movimento de correção das recentes altas registradas em semanas anteriores.

Sem notícias específicas.

Sem notícias específicas sobre a companhia. Atribuímos a queda das ações à alta dos preços de petróleo em conjunto com a desvalorização do real frente ao dólar na semana.

Fluxo de estrangeiros na Bolsa brasileira

Nessa semana, o saldo acumulado da movimentação dos investidores estrangeiros na Bolsa foi cerca de – R$ 150 milhões.

*Até dia 29/06/2022.

Performance das Bolsas mundiais na semana

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.