XP Expert

Panorama de Mercado XP: Bolsa em agosto – O que você precisa saber para investir

O que você deve saber para investir na bolsa em agosto de 2019

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

“Previdência avança e juros atinge nova mínima histórica. A Bolsa é o melhor ativo no Brasil”

Julho foi um mês de avanços importantes, o cenário é transformacional e único na história brasileira. Nas reformas, a Previdência foi votada no primeiro turno na Câmara, com economia próxima a R$900bi. Enquanto isso, a discussão em relação à reforma Tributária ganhou força, e a agenda após a Previdência começa a dominar a narrativa. Não menos importante, o Banco Central anunciou corte de 0,50% nos juros no último dia do mês, nova mínima histórica, dando inicio a um novo ciclo de cortes. Vemos a SELIC em 5% até o final do ano. Os juros baixos vieram para ficar, e vão durar mais do que se imagina. A combinação desses fatores é muito poderosa.

O índice Ibovespa chegou a atingir níveis recordes de 106 mil pontos, mas recuou fechando em 102 mil, alta de 0,84% no mês. O mercado aguarda a votação da Previdência no segundo turno da Câmara, esperada para as primeiras semanas de agosto. A agenda após a Previdência começa a ganhar corpo, o que pode trazer novos horizontes para o Ibovespa. Todos os sinais são positivos. Seguimos vendo a Bolsa como o melhor veículo para se investir no Brasil.

O cenário para a bolsa é transformacional. O avanço da Previdência, junto com iniciativas microeconômicas, como o FGTS, devem impulsionar o crescimento das empresas, acelerando os lucros. Além disso, juros mais baixos têm múltiplos reflexos. Os lucros também são impulsionados, com despesas financeiras menores. Taticamente, juros menores levam os investidores a explorarem novas oportunidades em busca de maiores retornos, e a Bolsa é o grande vencedor. A título de referência, a alocação dos fundos em Bolsa segue baixa, em 7,3%, contra pico de 14,6%. Por último, o ambiente leva à menor percepção de risco, o que também impulsiona o Ibovespa.

O índice negocia a 11,5x preço/lucro 2020, contra média histórica de 12,3x, e potencial de chegar a 14x. Mantemos nossas projeções de 115 mil pontos para o final do ano, 140 mil no final de 2020.

1 – Juros mais baixos por mais tempo

Tendo em vista a desaceleração da atividade econômica no mundo, taxas de juros baixas por mais tempo retornaram à agenda. O Banco Central norte-Americano liderou o movimento e reduziu no último dia do mês as taxas de juros em 0,25%, embora com uma mensagem menos suave que a esperada. Os mercados ainda atribuem probabilidade significativa de um corte adicional em setembro (61,4%), mas nosso estrategista global, Alberto Bernal, espera um corte apenas no final do ano, com riscos de que não haja nenhum corte.

O Banco Central do Brasil também agiu, reduzindo a SELIC em 0,50% em sua última reunião para 6,0%. Um novo ciclo foi inaugurado. O tema é global, mas a conjuntura domestica ajuda. O BC sinalizou mais cortes adiante, enfatizando que a inflação está ancorada e a retomada de atividade ainda é tímida, enquanto que o processo de reformas e ajustes tem avançado positivamente. Nosso time econômico espera mais dois cortes de 0,5%, com a Selic caindo para 5% já em 2019.

Juros mais baixos por mais tempo é um dos principais motivos da nossa visão positiva para a Bolsa. O primeiro movimento positivo resulta de um fator técnico: melhor custo de oportunidade para se investir em ações, ou menor percepção de risco. Uma redução de 1p.p. nas taxas de desconto de nossa cobertura leva a uma alta de 12.5% em nossos preços-alvo. Além disso, os lucros também devem ser impulsionados, com despesas financeiras menores. Por último, as oportunidades de retorno em renda fixa pública e privada ficam mais desafiadoras e os investidores terão que migrar parte das carteiras para a Bolsa. Se analisarmos apenas fundos, a alocação de ações ainda é de 7.3%, abaixo da média histórica de 8.3% e do pico de 14.6%

Expectativas para a taxa SELIC

Todas as empresas, em maior ou menor grau, se beneficiam da queda do juros. Os primeiros claros beneficiários são empresas do setor de consumo, como varejo, construtoras e aluguéis de carros. Os setores de infraestrutura, como elétricas e concessões, também são destaque, haja vista que os retornos de novos projetos podem ser elevados por uso de endividamento com juros menores. Finalmente, empresas com endividamento elevado em todos os setores terão menos gastos com juros, e podem fazer novas emissões em condições melhores.

2 – A reforma da Previdência se aproxima

A reforma da Previdência continua o foco das atenções. A atual economia da reforma é de perto de R$900bi em 10 anos, superando as expectativas iniciais do mercado de R$700bi. Ainda vemos um movimento positivo na Bolsa adiante, como reflexo da confirmação da aprovação no segundo turno da Câmara, assim como na votação do Senado.

A votação é esperada nas primeiras semanas de agosto, de acordo com o calendário previsto por Rodrigo Maia. Em seguida, o texto irá para o Senado, onde será analisado pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e passará por uma rodada de votação em plenário no final de setembro, ou início de outubro.

3 – Agenda micro: A próxima etapa

A reforma da Previdência concentrou a maioria dos esforços do governo e do Congresso até o momento, mas já se iniciaram discussões sobre pautas micro de grande importância. Esse tema irá ganhar peso à medida que o mercado passar a monitorar a melhoria de atividade econômica e seus efeitos nos resultados das empresas. Tivemos uma pequena amostra com a permissão de saques de contas do FGTS, com potencial conservador de impacto de 0.6 p.p. no PIB nos próximos 3 anos, o que deve sustentar a performance de setores de consumo na Bolsa.

A reforma Tributária é o grande ponto de destaque, com discussões ainda amadurecendo, mas destaque para: (1) possível unificação de 5 tributos sob o Imposto de Valor Agregado, ou IVA e (2) introdução de um imposto sobre transações financeiras nos moldes da antiga CPMF, tópico que deve sofrer oposição.

Além disso, no âmbito micro, agendas importantes estão sendo debatidas em infraestrutura, como (i) abertura do mercado de gás natural com a redução da participação da Petrobras, (ii) venda de 8 refinarias da Petrobras, (iii) início dos processos de venda das participações do BNDES e (iv) iminente aprovação do projeto de lei que altera o marco regulatório do setor de saneamento e permite a privatização de empresas estatais.

4 – Tensões comerciais seguem elevadas

As tensões entre os EUA e a China continuam elevadas. Após rodada de discussões em Xangai sem progresso, a Casa Branca destacou que a China pretende estender as negociações até as eleições de 2020, a fim de retomar as negociações com outro governo. Por outro lado, os chineses continuam decididos a não ceder à pressão dos EUA.

Os avanços das tensões comerciais precisam ser monitorados de perto, a medida que devem continuar a impactar a economia global. Ainda vemos oportunidades em ter exposição a cíclicos globais nas carteiras, embora com mais seletividade. Nesse contexto, nossas principais ideias são: Petrobras (agenda de melhoria da empresa e redução do endividamento) e JBS (efeitos da peste suína não refletidos nas ações).

5 – Carteira Top 10 ações XP

Para o mês de agosto, realizamos três trocas: (i) saída de GGBR e entrada de PCAR; (ii) saída de VALE e entrada de PETR; e (iii) saída de BBAS e entrada de IRBR. Os principais temas da nossa carteira Top 10 ações XP são:

(1) SELIC baixa por mais tempo do que está precificado (RENT, ENBR e CPLE) – vimos uma queda expressiva da curva de juros no último mês, mas ainda tem mais espaço e não foi totalmente refletido nas ações da Bolsa;

(1) Crescimento acelerando (BBDC e PCAR) – acreditamos que esse tema deve começar a ganhar tração ao longo dos próximos meses;

(1) Nomes de qualidade (LREN, RENT, IRBR e AZUL) – eles protegem a carteira no curto prazo, mas também buscamos opções que se beneficiam da retomada econômica adiante;

(4) Cíclicos globais descontados (PETR e JBSS) – mas de forma seletiva, dadas as incertezas globais ainda elevadas

Recomendação: Compra
Curto prazo: Verde
Preço-alvo: R$ 60,00

Vemos potencial de valorização para as ações, baseado (i) no potencial ganho sustentado de margens para a frente, (ii) melhora no cenário macroeconômico, resultando em nível mais favorável de câmbio, (iii) ambiente racional de oferta e demanda, resultando em uma conjuntura benigna de precificação e (iv) múltiplos atrativos.

Recomendação: Compra
Curto prazo: Verde
Preço-alvo: 27,00

Acreditamos que a EDP negocia a um desconto injustificado em relação a seus pares devido a: (1) maiores retornos na construção de seus projetos de transmissão, (2) revisões tarifárias na EDP Espírito Santo e São Paulo e (3) um portfólio de ativos de geração que apresentam elevado potencial de geração de caixa

Recomendação: Compra
Curto prazo: Verde
Preço-alvo: 53,00

Vemos a Renner como um nome de qualidade que oferece proteção para a carteira em ambiente de volatilidade, com entrega sólida e consistente de crescimento. Acreditamos que os resultados no curto prazo, apesar da decepção com a atividade, devem se destacar em relação às demais varejistas e impulsionar as ações.


Recomendação: Compra
Curto prazo: Verde
Preço-alvo: 36,0

Vemos a Petrobras como excessivamente descontada em face de uma agenda positiva sem precedentes. As vendas de ativos são o grande destaque, com a venda das 8 refinarias podendo gerar R$52 a R$57 bi em recursos, e a venda de ativos de gás natural outros R$11 a R$13 bi. Finalmente, a conclusão da renegociação da Cessão Onerosa foi outro marco para a companhia.

Recomendação: Compra
Curto prazo: Verde
Preço-alvo: 47,00

Mantemos o Bradesco como favorito entre os bancos devido a (1) Maior apetite a risco declarado deverá resultar em crescimento da carteira de varejo; (2) Mais espaço para redução de despesas de provisões e (3) Múltiplos ainda com desconto, mesmo com a forte valorização recente, considerando crescimento de lucro projetados.

Recomendação: Compra
Curto prazo: Verde
Preço-alvo: 120,00

Vemos o IRB em um cenário competitivo favorável nos próximos anos e com espaço para valorização devido a: (1) Expansão das operações internacionais como oportunidade de crescimento e diversificação; (2) Manutenção do alto crescimento no Brasil e alto retorno e (3) encerramento do follow-on da empresa, reduzindo a pressão sobre o valor da ação.

Recomendação: Compra
Curto prazo: Verde
Preço-alvo: 49,50

Apesar da consistente alta das ações, acreditamos que fatores como (i) maior capacidade de crescimento ante concorrentes, (ii) maior liberdade de precificação, (iii) momento macro/setorial favorável, com taxas de juros estruturalmente mais baixas, e (iv) uma execução de primeira linha justifiquem o prêmio que a empresa negocia em relação a pares.

Recomendação: Compra
Curto prazo: Verde
Preço-alvo: 65,00

Acreditamos que há espaço para a redução do desconto que a Copel negocial em relação a pares devido a (1) iniciativas de redução de custos, (2) potenciais ganhos com a venda da Copel Telecom e (3) redução mais acelerada do endividamento com a maturidade dos investimentos realizados em geração.

Recomendação: Compra
Curto prazo: Verde
Preço-alvo: 27,00

Continuamos a ver sólidos resultados nos EUA e tendências mais fortes no Brasil, além de potencial reprecificação das ações com menores riscos de governança e possível listagem nos EUA. A empresa também está estrategicamente posicionada para capturar impactos positivos da peste suína africana.

Recomendação: Compra
Curto prazo: Verde
Preço-alvo: 124,00

Dentro do varejo alimentar, nossa preferência pelo GPA é relacionada a seus múltiplos mais atrativos. Acreditamos que a empresa está bem posicionada no segmento de Atacarejo (através do Assai) para ganhar participação no mercado e de que as melhorias operacionais no Multivarejo não estão totalmente precificadas.

6 – Carteira Top Dividendos XP

Para o mês de agosto, realizamos uma troca: (i) saída de VALE e entrada de BRDT, companhia que tem elevado potencial de pagamento de dividendos devido ao baixo endividamento e recebíveis do setor elétrico. Clique no link abaixo para ver nossa tese pra as empresas que compõem a Carteira Top Dividendos XP.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.