XP Expert

O Gambito Da Rainha: O que um embargo ao petróleo da Rússia significa para a oferta global, o Brasil e a Petrobras?

Confira nossos comentários sobre os impactos dos embargos ao petróleo da Rússia na oferta global da commodity, além dos seus efeitos no Brasil e na Petrobras.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Assim como no xadrez, a oferta e demanda global de petróleo está cheia de nuances e movimentos diferentes. À medida que o conflito entre a Rússia e a Ucrânia aumenta e as sanções se ampliam, o jogo do petróleo fica mais tenso. Neste relatório analisamos dois jogos, um entre Rússia e Ocidente, impactando a oferta global de petróleo, e outro jogo recorrente entre Petrobras (PETR4) e o Preço de Paridade de Importação (PPI), pois a empresa enfrenta grande defasagem nos preços dos derivados.

Tabuleiro 1 – Ocidente x Rússia afetando a oferta: O jogo de oferta e demanda já era complicado antes do conflito Rússia/Ucrânia, agora com as recentes jogadas da Rússia e dos Estados Unidos o jogo ficou ainda mais complicado, pois o Ocidente está estudando a proibição do Petróleo russo, embora as empresas já estivessem evitando comprar petróleo destes, devido aos riscos de logísticos, de liquidação e de reputação. Isso fez com que a diferença entre os preços do petróleo russo e o Brent aumentasse, e a China está se beneficiando disso até agora. Jogadores que poderiam ajudar a situação, como OPEP e Irã, parecem estar fora de ação por enquanto. Toda a esperança agora está no aumento da produção de petróleo de xisto dos EUA, mas ainda não vimos nenhum movimento nessa frente. Exploramos mais sobre esse jogo difícil na página 2 deste relatório.

Tabuleiro 2 – Petrobras x PPI: Outra partida historicamente difícil é entre os preços do diesel e da gasolina da Petrobras versus o Preço de Paridade de Importação (PPI). Com o aumento dos preços do Brent ajudando a movimentar as peças do PPI, a Petrobras está parada há 53 movimentos (ou dias), o que fez com que os preços da gasolina e do diesel ficassem 58% e 46% atrás do PPI, respectivamente. Achamos que a Petrobras não pode mais ficar sem se mexer ou alguma medida começar a ajudar o lado da estatal. Exploramos mais essa partida na página 6 deste relatório.

Conforme sinalizamos em nosso relatório da Petrobras, o caso é assimétrico, o que é demonstrado pelos níveis de valuation descontados. A empresa tem ficado atrás das principais empresas globais em termos de alinhamento aos preços do Brent. Isso significa que a Petrobras pode não sofrer tanto em um cenário em que a produção de xisto dos EUA decole e os preços do Brent caiam. E, enquanto a empresa mantiver o PPI (mesmo com defasagem de tempo), os dividendos continuam fluindo para o bolso dos investidores. Reconhecemos o risco político, mas o valuation e o alto dividend yield nos fazem manter nossa recomendação de compra da Petrobras com preço alvo de R$ 45,3/ação e US$ 16,4/ADR.


Tabuleiro 1 – Ocidente x Rússia: Impactos no fornecimento de petróleo

É amplamente sabido que o mercado global de petróleo bruto está apertado desde o início de 2021. A Figura 01 apresenta nosso indicador preferido para analisar esta tendência: estoques globais semanais dos EUA de petróleo bruto (incluindo estoques estratégicos) + derivados, que está em seu nível mais baixo em um período de cinco anos. A Figura 02 mostra como este indicador se correlaciona com os preços do Brent.

Figura 1: Estoques semanais de petróleo e produtos petrolíferos nos EUA (bilhões de barris)
Figura 2: Correlação entre os estoques semanais nos EUA e os preços de petróleo (Brent) desde jan/2020

O aperto no equilíbrio oferta-demanda global foi muito mais afetado pela falta da primeira do que pela aceleração da segunda, já que estamos nos recuperando dos níveis de consumo pré-Covid neste momento (Figura 03). Como discutimos anteriormente em nosso primeiro relatório de Petrobras, a oferta não está respondendo como costumava aos aumentos do preço do petróleo. A produção norte-americana é o elemento mais sintomático dessa tendência (Figura 05). Restrições relacionadas ao Covid, agenda ESG e demanda dos investidores por dividendos (em vez de fluxo de caixa reinvestido na produção) explicam essa tendência.

Figura 3: Produção e consumo global de petróleo, de acordo com as estimativas da EIA (milhões de barris por dia)
Figura 4: Variação implícita nos estoques globais de petróleo, de acordo com as estimativas da EIA (milhões de barris por dia)

Como um cálculo básico, a demanda global está em ~ 100 Mbbl/d, e a Rússia produz ~ 10 Mbbl/d, ou ~ 10% da produção global de petróleo. Metade disso, 5% do consumo global, é exportado na forma bruta e 2% como derivados de petróleo. Com os EUA e seus aliados planejando uma proibição total do petróleo russo, quais serão os impactos nos mercados globais?

Primeiro, a geografia desempenha um papel, pois a Europa está mais exposta ao petróleo da Rússia do que os EUA. Além disso, os países do Leste Europeu estão mais expostos do que os ocidentais. Por exemplo, em termos de demanda total de petróleo (cru + derivados), em termos aproximados, a Rússia fornece uma parcela significativa das importações desses países: Alemanha (30%), Estônia (35%), Hungria (40%), Polônia (60%), Eslováquia (75%) e Lituânia (85%).

Figura 5: Contagem de poços nos EUA vs preços de petróleo (WTI) (US$/bbl)

Outro jogador importante neste xadrez global é a China, pois em se tratando de petróleo, tem uma relação de interdependência com a Rússia: a China responde por ~30% das exportações de petróleo da Rússia, enquanto a Rússia fornece ~20% das importações de petróleo da China. A China é o maior importador de petróleo do mundo, e com os preços do Brent subindo vertiginosamente (juntamente com outras commodities), o valor que ela tem que pagar por suas compras no exterior também continua aumentando. Portanto, uma proibição ocidental do petróleo russo poderia significar que a commodity será redirecionada para a China (ou seja, um “mero” deslocamento dos fluxos de fornecimento de petróleo)? Como a China equilibrará a necessidade de apoiar a Rússia como um importante aliado com os custos que esta guerra já está tendo em seu próprio país?

Os investidores devem estar cientes de que, como já mencionamos, o petróleo da Rússia está sofrendo um “embargo privado”. As empresas têm medo dos riscos financeiros, logísticos e de reputação de comprar a commodity da Rússia. O melhor indicador disso é o spread do Urals (referência do petróleo russo) para o Brent, que disparou para ~ US$ 30/bbl negativos. Os spreads recordes estão aliviando parte da pressão sobre a China (que está comprando petróleo mais barato do que o resto do mundo), mas prejudicando a Rússia por outro lado (vendendo mais barato do que todos os outros).

Figura 6: Importação de petróleo na China (milhões de barris por dia)
Figura 7: Spread Urals (Rússia) vs Brent (USD/bbl)

Quem pode vir em socorro em termos de alívio dos preços globais do petróleo? Apesar de todos os esforços da diplomacia dos EUA, a OPEP ainda não apareceu. Na última reunião de 2 de março – que durou um recorde de 10 minutos – o cartel reafirmou a decisão da Assembleia de 12 de abril de 2020, endossada nas reuniões subsequentes o aumento da produção em apenas 0,4 Mbbl/d por mês.

Figura 8: Capacidade ociosa de produção da OPEP e WTI real, de acordo com a EIA (milhões de barris por dia; 2020 US$/bbl)

A OPEP pode aumentar a produção a um ritmo mais rápido do que isso? De acordo com estimativas da EIA, a resposta é sim, pois a agência calcula que o cartel tem pouco menos de 4Mbbl/d de capacidade ociosa (em nítido contraste com a última alta do petróleo durante os anos 2000, quando a capacidade ociosa era inferior a 2Mbbl/d), veja a Figura 8.

É difícil dizer se isso é verdade ou mentira. Alguns players afirmam que alguns países da OPEC não são capazes de aumentar a produção porque também estão sofrendo as consequências de anos de baixos investimentos (ou seja, as estimativas da EIA seriam tendenciosas para cima). Por exemplo, a produção na Nigéria está longe de seus níveis anteriores a 2020 (Figura 9).

Figura 9: Produção total da OPEC (milhões de barris por dia)

Outro jogador na mesa de xadrez global é o Irã. Atualmente, o país está produzindo ~2,5 Mbbl/d, ~1,3 Mbbl/d menos do que seu pico em 2018. O Irã está sentado na quarta maior reserva de petróleo do mundo, mas sua produção de petróleo caiu desde a imposição das sanções econômicas dos EUA em 2018, quando o então presidente Donald Trump saiu de um acordo nuclear de 2015. As negociações para reviver o pacto estão em andamento há dez meses em Viena, sem uma solução a ser encontrada.

Figura 10: Produção de petróleo na Nigéria (milhões de barris por dia)
Figura 11: Produção de petróleo no Irã (milhões de barris por dia)

É difícil confirmar se a OPEP não está bombeando mais petróleo porque não quer ou simplesmente porque não consegue. O saldo global de oferta versus demanda está negativo há mais de um ano, e as coisas só vão piorar com a proibição formal do petróleo russo. Se nada mudar, não vemos outra direção para os preços do petróleo a não ser aumentar ainda mais, até o ponto em que a demanda é destruída e o equilíbrio é (re)encontrado. No entanto, isso implica que os produtores de xisto dos EUA mantenham o aumento moderado da produção seguindo o patamar pós-Covid. Até agora, não vimos nenhum movimento público do governo de Biden no sentido de estimular a produção doméstica, mas os EUA já estão em uma guerra econômica contra a Rússia. Será que (ou quando?) o nacionalismo dos EUA irá intensificar-se na forma de mais petróleo sendo bombeado?

Tabuleiro 2: Petrobras vs PPI

Em relação ao Brasil, há também um jogo de xadrez intrincado quando se trata de como o governo irá lidar com o aumento dos preços do Brent. Com petróleo a US$ 120/bbl e câmbio a US$/BRL 5,11, vemos o desconto dos preços da Petrobras em relação ao PPI em colossais 46% no Diesel (R$ 1,67/L) e 58% na Gasolina (R$ 1,89/L). A Petrobras não reajusta os preços há 53 dias (os últimos reajustes foram em 11 de janeiro). As pressões estão aumentando sobre a empresa.

Figura 12: Acompanhamento do Preço de Paridade de Importação (PPI) do diesel e da gasolina da Petrobras
Figura 13: Prêmio (desconto) ao PPI da gasolina
Figura 14: Prêmio (desconto) ao PPI do diesel

Provavelmente o sintoma mais notável dessa questão são os preços da Acelen (empresa criada pelo Mubadala para operar a refinaria RLAM, localizada na Bahia). Desde o final de 2021, havia uma diferença de ~R$ 0,20/L dos preços praticados pela RLAM na Bahia versus a média da Petrobras para os estados do Norte/Nordeste. Com a eclosão da guerra Rússia/Ucrânia, Acelen manteve os preços estáveis, provavelmente como uma abordagem de esperar para ver onde os preços do Brent aterrissariam. Mas a empresa aumentou os preços na semana passada e agora a diferença para a média da Petrobras é de ~R$ 1/L, uma diferença enorme.

Figura 15: Preço médio da gasolina (R$/L)
Figura 16: Preço médio do diesel (R$/L)

Vemos essa diferença como insustentável. Alguns investidores acreditam que a recém-anunciada nomeação governamental de Rodolfo Landim como novo presidente do Conselho de Administração da Petrobras foi um sinal de que a empresa voltaria a subsidiar combustíveis (incorrendo sozinha com todos os custos associados a essa mudança). Mantemos nossa visão de que tal movimento teria que ser precedido por uma mudança no estatuto da Petrobras, e tal ação provavelmente provocaria turbulência nos mercados financeiros brasileiros (incluindo câmbio, o que poderia acabar sendo pior para o governo). A RLAM detém cerca de 15% da capacidade nacional de refino do Brasil, e a Petrobras subsidiando combustíveis novamente pode significar uma escassez de produtos no país (já que provavelmente a RLAM interromperia a produção ou exportaria), algo mais impopular para um governo do que os altos preços dos combustíveis.

Outra possibilidade que parece estar ficando mais concreta é uma nova forma de ressarcimento de combustíveis, semelhante ao que o ex-presidente Temer fez com os preços do diesel em 2018, após a greve dos caminhoneiros. Esse movimento também não é trivial, pois há preocupações fiscais e até legais sobre isso (veja um comentário recém-lançado de nossa equipe macro sobre esse assunto).

Valuation de Petrobras

Conforme abordamos em nosso relatório da Petrobras, o case é assimétrico, conforme indicado pelos níveis de valuation descontados (vide Figura 17 e 18). A empresa tem ficado atrás das principais empresas em termos de alinhamento aos preços do Brent (veja as Figuras 19 e 21). Isso significa que a Petrobras pode não sofrer tanto em um cenário em que a produção de xisto dos EUA decole e os preços do Brent caiam. E, enquanto a empresa mantém o PPI (mesmo com defasagem de tempo), os dividendos continuam fluindo para o bolso dos investidores.

Reconhecemos o risco político, mas a valorização e o alto dividend yield nos fazem manter nossa recomendação de compra para Petrobras com preço alvo de R$ 46,4/ação e US$ 16,4/ADR.

Figura 17: Múltiplo EV / EBITDA (próximos 12 meses)
Figura 18: EV da Petrobras (US$ bilhões) vs Brent (US$/bbl)
Figura 19: Razão EV da Petrobras (US$ bilhões) sobre Brent (US$/bbl)
Figura 20: EV total das Majors Ocidentais (US$ bilhões) vs Brent (US$/bbl)
Figura 21: Razão EV das Majors Ocidentais (US$ bilhões) sobre Brent (US$/bbl)
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.