XP Expert

Cooperativas de Crédito: o que são e como funcionam?

Confira no relatório a seguir o que são cooperativas de crédito e suas principais características.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Dentre os diversos tipos de associações cooperativas, as cooperativas de crédito se destacam para os investidores em razão da ampla gama de produtos financeiros disponíveis, que podem servir de alternativa aos produtos emitidos por instituições financeiras bancárias. Neste relatório, há a explicação do que são cooperativas de crédito, como funcionam, breve histórico, suas segmentações e um comparativo destas instituições com bancos tradicionais.

O que é uma cooperativa de crédito?

Cooperativas de crédito são instituições financeiras formadas pela livre associação de pessoas unidas para prestar serviços financeiros exclusivamente aos seus associados (ou cooperados). Além da própria contratação de crédito (via empréstimos, financiamentos ou outros serviços similares), os cooperados conseguem concentrar todas as suas movimentações financeiras por meio da cooperativa, ao invés dos bancos tradicionais.

Sendo assim, todos que fazem uso dos serviços financeiros da cooperativa são necessariamente associados (não há a figura do cliente), que também passam a ser donos do negócio.

Além da figura do cooperado, outra característica das sociedades cooperativas é a não objetivação da geração de lucro. Os dois fatores combinados fazem com que as taxas praticadas sejam inferiores à média do mercado, facilitando a inclusão de pessoas com recursos limitados.

Enquanto cooperados, é esperado que todos participem ativamente das decisões da cooperativa: cada um tem direitos e obrigações iguais, garantia à participação na gestão e nos rumos da cooperativa, além do poder de voto para a decisão das sobras do exercício: distribuição dos rendimentos entre os associados ou reinvestimento na própria instituição. 

As regras para o funcionamento desse tipo de atividade constam na Lei Nº 5.764/71, que define a Política Nacional de Cooperativismo, e em decisões posteriores, como a Resolução Nº 3.859, do Banco Central, que consolida normas relativas ao cooperativismo de crédito.

Como surgiu o cooperativismo de crédito?

A primeira cooperativa da história surgiu na cidade inglesa de Rochdale em 1844, a partir da associação de tecelões que buscavam uma alternativa para atuação no mercado no contexto da revolução industrial. Em dez anos, o “Armazém de Rochdale” contava com 1.400 cooperantes.

Já a primeira cooperativa de crédito urbana foi fundada em 1852, na cidade alemã de Delitzsch, por Franz Herman Schulze. A partir de então, foram originados os Volksbank (banco do povo), voltados para necessidades dos proprietários de pequenas empresas. Em 1859, havia 183 cooperativas na Pomerânia e Saxônia, somando 18 mil membros.

Ainda na Alemanha, Firedrich Wilhelm Raiffeisen constituiu em 1862 a primeira cooperativa de crédito rural na cidade de Anhausen, também conhecida como loan society ou Raiffeisenbank. Apesar da baixa adesão no início, em 1900 havia 2.083 cooperativas de crédito na região neste modelo, totalizando 265 mil associados.

Aos poucos, o modelo do cooperativismo de crédito se espalhou para diversos países da Europa, como Itália, França, Holanda, Inglaterra e Áustria, e alcançou o continente americano em 1900, a partir da abertura de uma cooperativa de crédito na cidade de Lévis, no Canadá.

No Brasil, a primeira cooperativa de crédito surgiu em 1902 na Linha Imperial, distrito de Nova Petrópolis (RS), denominada “Caixa de Economia e Empréstimos Amstad”, hoje Sicredi Pioneira RS. O modelo de Firedrich Willhelm Raiffeisen foi aplicado junto a pequenas comunidades rurais ou pequenas vilas.

Nas décadas seguintes, as cooperativas de crédito foram sendo multiplicadas pelo país, se tornando importante agente de financiamento da atividade rural. Em 1925, 18 cooperativas conceberam a primeira central brasileira do ramo, a “Central das Caixas Rurais da União Popular do Estado do Rio Grande do Sul, Sociedade Cooperativa de Responsabilidade Limitada”.

Ao fim dos anos 20, o modelo desenvolvido por Luigi Luzzatti se espalhou com velocidade pelo país. Também conhecido como cooperativismo popular de crédito urbano, diferenciava-se do modelo alemão por exigir pequeno capital na admissão e ter como público preferencial assalariados, artesãos e pequenos empresários.

Estima-se que entre as décadas de 30 e meados de 50 foram criadas cerca de 1.200 cooperativas do modelo Luzzatti.

Em 1988, a Constituição Federal incluiu as Cooperativas de Crédito no Sistema Financeiro Nacional.

Panorama de cooperativas de crédito

A dimensão do mercado de cooperativas ao redor do mundo é considerável: de acordo com o World Council of Credit Unions, em 2019 havia 140 mil cooperativas de crédito no mundo, distribuídas em 118 países, somando 362 milhões de associados e US$ 4,1 trilhão de volume de crédito. A taxa de penetração, calculada dividindo o número total de membros de cooperativas de crédito pela população economicamente ativa de 15 a 64 anos, foi de 9,6%.

Enquanto isso, no Brasil havia 11 milhões de associados à 872 cooperativas, com volume de crédito de US$ 37,7 bilhões e taxa de penetração de 7,5% – pouco inferior à global.

Níveis de sociedade cooperativas

As sociedades cooperativas são classificadas em três níveis, em ordem decrescente de controle dos associados, conforme exposto abaixo:

Singular (1º Grau): tem como objetivo prestar serviços diretos aos associados. É formada por, no mínimo, 20 cooperados.

Central (2º Grau): objetiva organizar os serviços das filiadas para facilitar sua utilização. É constituída por, ao menos, três cooperativas singulares.

Confederações (3º Grau): tem o objetivo de defender seus interesses, promover a padronização, supervisão e integração operacional, financeira, normativa e tecnológica. Reúne ao menos três cooperativas centrais e pode incluir a figura de um banco cooperativo ou não.

Os bancos cooperativos devem ter controle acionário de cooperativas centrais de crédito e fornecem produtos e serviços financeiros especialmente para os membros do sistema, tais como poupança e fundo de investimento.

No Brasil, há dois bancos cooperativos (Bancoob e Banco Sicredi); quatro sistemas de cooperativas de crédito organizados no terceiro nível (Cresol, Sicoob, Sicredi e Unicred); quatro sistemas organizados em segundo nível (Cecoop, Ailos, Cecrers, CrediSIS e Uniprime); além de inúmeras cooperativas no primeiro nível não filiadas a centrais.

Fonte: Banco Central. Elaboração: XP.

Cooperativas possuem cobertura do FGC?

O Fundo Garantidor de Créditos (FGC) foi criado em 1995 no contexto do Plano Real para administrar mecanismos de proteção a titulares de crédito contra possíveis problemas de instituições financeiras. O FGC garante o pagamento ao credor caso a instituição financeira coberta pelo fundo não consiga honrar com seus compromissos, em casos de decretação de intervenção ou liquidação extrajudicial.

Títulos de renda fixa emitidos por cooperativas de crédito não possuem cobertura do FGC. Porém, os títulos possuem cobertura do Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop), que também protege o investidor em caso de falência da instituição financeira.

Fundo Garantidor de Créditos: O que é e como funciona o FGC?

Saiba tudo sobre o Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop), o FGC das cooperativas

Bancos vs. Cooperativas

Enquanto em bancos os usuários são meros clientes, não fazendo nenhuma intromissão sobre os rumos da instituição, em cooperativas os usuários também são sócios, possuem decisão ativa na política operacional e são tratados com isonomia.

As cooperativas de crédito desenvolvem-se pela cooperação: há um vínculo forte com a comunidade, na qual aplicam os recursos captados, e atuam em centros urbanos e em localizações mais remotas. A dinâmica dos bancos é regida pela concorrência de mercado, portanto, os vínculos com as comunidades são mais frágeis e são priorizados os maiores polos econômicos.

Tanto bancos quanto cooperativas são subordinados às diretrizes do Conselho Monetário Nacional (CMN) e fiscalizados e autorizados a funcionar pelo Banco Central do Brasil (BC).

O objetivo de um banco é a maximização do lucro, ao passo que em cooperativas de crédito a geração de lucro não é o objetivo final, embora precisem de resultados positivos para se manterem no mercado. No caso das cooperativas, os lucros são denominados sobras e podem ser divididas entre os cooperados ou reinvestidas e não ocorre a incidência de impostos.

Por último, como as cooperativas não visam lucro, possuem princípios cooperativistas e são isentas de impostos, as taxas de serviço costumam ser mais competitivas que as de bancos tradicionais.

Fonte

Banco Central

Portal do Corporativismo Financeiro

Sicoob

World Council of Credit Unions

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este material foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S/A (“XP Investimentos” ou “XP”) tem caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como sendo material promocional, solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Os prazos, taxas e condições aqui contidas são meramente indicativas. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados.
Os instrumentos financeiros discutidos neste material podem não ser adequados para todos os investidores. Este material não leva em consideração os objetivos de investimento, situação financeira ou necessidades específicas de qualquer investidor. Os investidores devem obter orientação financeira independente, com base em suas características pessoais, antes de tomar uma decisão de investimento. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710.

B3 Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.