XP Expert

XP Morning Call 14/12/2018: Volatilidade domina

Diariamente compilamos e analisamos diversas notícias e publicamos um relatório com comentários relativos às notícias relevantes para nossa cobertura, assim como eventos importantes para monitorar no cenário político e macroeconômico, tanto no Brasil quanto no mundo, e seus respectivos impactos para a bolsa brasileira.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

Tópicos do dia

Brasil

  1. Política Brasil: Pesquisa Ibope/CNI e curtas

Internacional

  1. China: Produção industrial e as vendas no varejo desaceleram ainda mais, mas medidas de apoio devem transparecer no 2T19
  2. BCE encerra programa de estímulos, mas não subirá juros

Empresas

  1. Siderurgia: Hora de voltar a entrar no setor; Preferimos Gerdau
  2. Ultrapar: Anuncia o plano de investimentos 2019 de R$ 1,76 bilhão | POSITIVO
  3. Unidas (LCAM3): Conclusão do Pricing: Oferta sai a R$ 32,00

COE News

  1. LVMH adquire a rede de hotéis Belmond
  2. GE decide vender parte de sua posição na ServiceMax

Resumo

Volatilidade domina

Dados mais fracos de vendas no varejo e produção industrial na China voltaram a trazer aversão a risco, e a Ásia fechou com 1,5-2% de queda como consequência. Europa segue o movimento, mineradoras mais fracas, mas petróleo estável.

Em relação à China, apesar dos dados mais fracos de hoje, na reunião do comitê central (Politburo) ontem, a importância de estabilizar o crescimento e trazer confiança aos mercados foi enfatizada, e a expectativa é que o estimulo sendo implementado leve a um reequilíbrio do crescimento entre o 1T-2T19.

Na Europa, o presidente do Banco Central trouxe tom mais suave ontem, destacando riscos para o crescimento, o que leva a crer que o movimento de aperto monetário possa ser mais suave (positivo para ativos de risco). Na França, protestos fazem dados de atividade industrial entrarem em campo de contração pela primeira vez em dois anos e meio.

No Brasil, pesquisa Ibope/CNI mostrou que 64% dos entrevistados esperam que Bolsonaro faça um governo bom ou ótimo e 75% respondeu que o presidente e sua equipe “estão no caminho certo”. Câmara encerra os trabalhos e desiste de votar a chamada “pauta bomba”.

Do lado das empresas, destacamos hoje visão positiva para o setor siderúrgico, com preferência por Gerdau, Temer assina MP que permite 100% de capital estrangeiros nas companhias aéreas e Ultrapar anuncia plano de investimentos mais disciplinado.


Conteúdo na íntegra

Brasil

Política Brasil: Pesquisa Ibope/CNI e curtas

  • Pesquisa Ibope/CNI mostrou que Michel Temer encerrou o mandato com 5% de aprovação, menor valor da série histórica. Com relação ao novo governo, 64% dos entrevistados esperam que Bolsonaro faça um governo bom ou ótimo e 75% respondeu que o presidente e sua equipe “estão no caminho certo”;
  • Segundo o Estadão, apoiadores da candidatura de Rodrigo Maia (DEM-RJ) à presidência da Câmara iniciaram movimento para limpar o caminho e evitar que ele seja derrotado por seus oponentes;
  • Câmara desiste de votar a chamada “pauta bomba” – projeto de redistribuição do fundo social do pré-sal para estados e municípios e perdão da dívida da Cemig de R$4 bilhões.
     

Internacional

China: Produção industrial e as vendas no varejo desaceleram ainda mais, mas medidas de apoio devem transparecer no 2T19

  • A produção industrial chinesa desacelerou para uma baixa de 33 meses de 5,4% em novembro, contra 5,9% em outubro e abaixo do consenso de 5,9%, impulsionada principalmente pela produção industrial de menor valor agregado e pela redução da demanda externa;
  • O crescimento nominal das vendas no varejo também caiu para 8,1% em novembro, contra 8,6% em outubro e abaixo do consenso de 8,8%, impulsionado pelo baixo consumo discricionário. O crescimento mensal de investimentos em ativos fixos também caiu para 7,7%, ante 8,0% em outubro, devido ao investimento em infraestrutura marginalmente mais fraco;
  • ​Apesar dos dados de atividade na China serem negativos, destacamos que o governo chinês enfatizou a importância de estabilizar o crescimento e restaurar a confiança do mercado. As políticas públicas de apoio à economia já estão em vigor e seus efeitos devem ser percebidos no 2T19.

BCE encerra programa de estímulos, mas não subirá juros

  • O Banco Central Europeu (BCE) confirmou o que já havia sinalizado nas últimas reuniões, que no final de dezembro encerrará o programa de compra de dívida, o que manteve as taxas de juros nas mínimas históricas. Ou seja, o programa de estímulos que ajudou a recuperar a economia da zona do Euro chegará ao fim;
  • Mario Draghi, presidente do BCE, trouxe um tom mais suave no comunicado, dizendo que não subirá juros até depois do verão de 2019, e se a economia piorar, com crescimento e inflação mais fracos, pode adiar novamente o aumento, o que é visto como positivo para ativos de risco;
  • Draghi também ressaltou os riscos de um crescimento mais lento da região, devido à guerra comercial, à perspectiva do Brexit e às tensões orçamentárias na Itália e na França.

Empresas

Siderurgia: Hora de voltar a entrar no setor; Preferimos Gerdau

  • A queda do preço de aço internacional, em conjunto com tensões comercial entre os EUA e a China e o risco de redução das tarifas de importação no Brasil, pesaram nas ações das siderúrgicas nos últimos dois meses. Depois de um desempenho relativo de 15-20% abaixo do Ibovespa e com fundamentos ainda sólidos, é hora de voltar a entrar no setor, e a Gerdau é nossa preferida;
  • A demanda de aço tem alavancagem a PIB de 2-3x, e pode superar esse patamar em momentos de forte retomada econômica. Em um ambiente macroeconômico mais construtivo como o que vemos à frente, a demanda deveria surpreender positivamente;
  • No âmbito de preço, o preço internacional estabilizou, e dinâmicas domésticas indicam que a realização de preço deve ser mais forte ao longo dos próximos trimestres. Esperamos resultados fortes à medida que entramos em 2019, e estamos 15-20% acima do consenso nas estimativas de Gerdau e Usiminas;​
  • Além disso, as ações da Gerdau e Usiminas negociam 20-30% de desconto em relação aos níveis históricos. Esperamos que esse desconto feche à medida que esse momento mais positivo de resultado se materialize. Preferimos a Gerdau (preço alvo de R$22,0, 43% de potencial de alta), seguida pela Usiminas (R$12,5, 30%) e, por fim, pela CSN (R$12,5, 38%).Clique aqui para acessar o relatório completo.

Ultrapar: Anuncia o plano de investimentos 2019 de R$ 1,76 bilhão | POSITIVO

  • A Ultrapar anunciou seu Plano de Investimentos para 2019 com um orçamento total de R$ 1,76bilhões, abaixo de nossos R$ 1,92bilhões;
  • ​A composição do orçamento é (a) Ipiranga: R$ 824 milhões (esperamos R$ 967 milhões), (b) Oxiteno: R$ 319 milhões (esperamos R$ 500 milhões), (c) Ultragaz: R$ 279 milhões (esperamos R$ 242 milhões), (d) Ultracargo: R$ 161 milhões (esperamos R$ 94 milhões), (e) Extrafarma: R$ 158 milhões (esperamos R$ 96 milhões) e (f) Outros: R$ 20 milhões (esperamos R$ 18 milhões);
  • ​Temos uma visão positiva do orçamento da UGPA para 2019, já que a disciplina na alocação de capital permitirá que a empresa reduza endividamento mais rapidamente contra os atuais 2,9x Dívida Líquida / EBITDA. Reiteramos nossa recomendação de comprs, com uma meta de preço de 12 meses de R$ 54,0 / ação.

Unidas (LCAM3): Conclusão do Pricing: Oferta sai a R$ 32,00

  • ​Após concluir o processo de Bookbuilding, o preço da oferta foi definido em R$ 32/ação (fechamento de ontem foi de R$ 33,40). A oferta primária vai consistir em 31 milhões de ações, totalizando R$ 992 mi de entrada de capital, e a secundária em 12 milhões, totalizando R$ 384 mi. Assim, o total a ser movimentado pela oferta é de R$ 1,376 bi;
  • Com a oferta, assumindo que parte do capital seja alocado em crescimento e parte em amortização de dívidas, estimamos que o crescimento de lucro possa superar nossa estimativa anterior em ~20%, e que a alavancagem poderia abaixar para ~2,5x no final de 2019 (3,0x no 3T18);
  • Com a conclusão da oferta, a companhia ganha fôlego superior para crescimento mantendo equacionada a alavancagem. Vemos potencial de geração de valor, com base em crescimento superior, escala maior e alavancagem menor, potencialmente resultando em custo de dívida mais baixo e despesas financeiras menores. Além disso, as ações contarão agora com maior liquidez. Temos recomendação de compra para as ações de Unidas, com preço-alvo de R$ 38,00.


MP permite 100% de capital estrangeiros nas companhias aéreas

  • Temer assinou ontem MP que derruba restrição de capital estrangeiro nas companhias aéreas, que antes era de 20% de participação. De acordo com o Valor, assessores presidenciais afirmam que a MP pode ajudar a Avianca, ao permitir eventual aporte de um grande investidor externo. A MP tem até 120 dias de vigência (ex-recesso) e caberá a Bolsonaro viabilizar a votação em 2019;
  • A entrada em vigor dessa medida era aguardada há tempos pelo setor, por ampliar o acesso a uma fonte de financiamento e potencialmente fortalecer a estrutura de capital das companhias. Vale relembrar que companhias aéreas possuem alta volatilidade de margens por terem ~50% dos custos atrelados ao Dólar (dos quais ~70% são custos com combustível), podendo tornar essa fonte adicional importante em momentos adversos;
  • Temos recomendação de compra para as ações de Azul, com preço-alvo de R$ 40,00 e recomendação neutra para as ações de Gol, com preço-alvo de R$ 23,00. Para mais detalhes sobre nossa recomendação, clique nesse link para acessar nosso último relatório.

Caixa Econômica Federal: Venda de participações

  • Segundo o Valor Econômico, o presidente da Caixa, Nelson Antônio de Souza, entregou à equipe de transição do governo um diagnóstico de que a venda de cinco participações poderá render R$60 bilhões ao banco até 2022;
  • Entre as privatizações consideradas na projeção estão Caixa Seguridade, Caixa Cartões, Caixa Loterias, Caixa Banco Digital e Caixa Gestão de Recursos. O executivo considera o valor de R$60 bilhões conservador;
  • A execução do plano será conduzida pelo novo presidente do banco, Pedro Guimarães, em linha com a intenção do futuro ministro da Fazenda, Paulo Guedes, de privatizar área que não estejam relacionadas à políticas públicas.

Distribuição de Combustíveis: ANP conclui que não há impedimento para venda direta de etanol das usinas

  • A ANP divulgou as conclusões do grupo de trabalho para analisar contribuições sobre a venda direta de etanol das usinas para postos;
  • A conclusão do trabalho é a de que não há restrições regulatórias para viabilizar tais transações, mas ainda é preciso equacionar a questão tributária de arrecadação do PIS/COFINS e ICMS de modo a não gerar distorções;
  • Destacamos que embora tal venda possa ser permitida (um PL sobre o tema foi aprovado no Senado mas seu pedido de urgência foi rejeitado na Câmara), não necessariamente haveria uma mudança estrutural do mercado dado que são utilizados caminhões-tanque segmentados para vários combustíveis para abastecer revendedores. Assim sendo, não necessariamente a venda direta de etanol seria mais competitiva por questões de escala.
     

COE News

LVMH adquire a rede de hotéis Belmond

  • A gigante francesa LVMH concordou em adquirir a proprietária e operadora de hotéis de alto padrão no mundo com sede em Londres, Belmond. O acordo é o mais recente sinal de que as viagens de luxo estão em alta após uma prolongada desaceleração ao longo dos últimos anos. Fazem parte do portfólio da adquirida as marcas hoteleiras como o Grand Hotel Europe, Cipriane em Veneza e Copacabana Palace no Rio de Janeiro;
  • A LMVH concordou em pagar US$ 25,00 por ação, valor US$ 7,00 acima do preço de fechamento desta quinta-feira, representando uma valorização de ~US$ 2,6bi do patrimônio da adquirida, sendo que a empresa atualmente está avaliada em US$ 3,2bi;
  • Os investidores reagiram positivamente nesta quinta-feira, e o preço das ações da LMVH encerraram o dia com ligeira alta de 0,6%. Enquanto isso, as ações da Belmond acumulam alta de mais de 50% desde o anúncio de revisão estratégia, por parte dos dirigentes, que colocou a empresa à venda no início de agosto.

GE decide vender parte de sua posição na ServiceMax

  • Após a redefinição estratégica e anúncio do plano de venda de ativos, dirigentes da General Electric acordaram vender a maior parte da posição na Service Max, desenvolvedora de sistemas de automação e gerenciamento de estoques para indústria, que fora adquirida em 2016 por US$ 915 milhões;
  • A diretoria do grupo informou que pretende formar uma nova empresa de tecnologia focada no conceito de “internet das coisas” e sistemas de automação industrial, além de anunciar a saída do atual diretor de tecnologia que atua como CEO da GE Digital;
  • Os investidores reagiram positivamente nesta quinta-feira, e as ações da GE encerraram o dia com alta de 7%. A aceleração do plano de venda de ativos representa importante redução do risco financeiro da empresa, mas é fundamental que o plano de venda de ativos continue.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.