XP Expert

Todas as atenções para as decisões de taxas de juros do Fed e BC

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -0,6% | 107.556 Pontos

CÂMBIO 0,2% | R$4,00/USD

O que pode impactar o mercado hoje

Na manhã de hoje, mercados asiáticos operam em queda, enquanto bolsas europeias e futuros dos EUA operam sem direção clara.

As atenções do mercado hoje estão voltadas às decisões de política monetária dos bancos centrais americano (Fed) e brasileiro (BCB). Nos EUA, a decisão do Fed deve ser anunciada às 15h (horário de Brasília). A expectativa de mercado é de que o banco central americano corte as taxas de juros em 0,25 pontos percentuais, de forma não unânime, levando a taxa de juros de referência para o intervalo de 1,50%-1,75%. O presidente do Fed, Jerome Powell, dará entrevista coletiva logo em seguida, na qual poderá dar mais explicações sobre o tamanho do ciclo de cortes e sobre como a discordância entre seus membros poderá impactar isso.

No Brasil, o Banco Central anunciará sua decisão de juros por volta das 18h. A expectativa da XP e a expectativa de mercado é de que o comitê decida por mais um corte de 0,50%, levando a Selic para 5,0%. O documento emitido logo após a reunião deverá fazer considerações sobre a evolução da atividade econômica e inflação, avanço de reformas e economia internacional, dando maiores indícios sobre o tamanho do ciclo de cortes.

Neste tema de juros baixos por mais tempo, publicamos um conteúdo especial para explicar quais setores e empresas da Bolsa tendem a se beneficiar desse cenário. Por ordem de grandeza, os setores da nossa cobertura mais beneficiados são locação de veículos, shoppings, elétrico e varejo. Por outro lado, vemos impacto reduzido para os setores de mineração e siderurgia, papel e celulose e alimentos e bebidas.

Na agenda doméstica, o destaque vai para a pauta de reformas pós-previdência. Notamos que o governo pode mandar para o Congresso nesta quinta-feira sua proposta para a reforma administrativa, enquanto busca negociar os demais projetos simultaneamente. Informações apontam que  governo já teria decidido não incluir o Fundeb (educação) e fundos de fomento de Norte, Nordeste e Centro-Oeste na proposta de desvinculação de recursos. Também devem ficar de fora dos projetos a serem apresentados as mudanças no abono salarial. São desidratações significativas antes sequer do início da tramitação no Congresso.

Finalmente, na agenda de empresas, a Magazine Luiza reportou sólidos resultados referentes ao 3T19, com EBITDA e Lucro Líquido 6% e 23% acima das nossas expectativas, respectivamente. Portanto, esperamos uma reação positiva em relação aos números. O grande destaque foi, mais uma vez, a operação online da companhia, que apresentou um crescimento orgânico de 54% A/A (excluindo Netshoes).

A Multiplan também reportou resultados sólidos no 3T19, acima das nossas expectativas e também das expectativas do mercado, com destaque para o crescimento de 5% nas Vendas Mesmas Lojas (SSS) e de ~11% nos Aluguéis Mesmas Lojas (SSR). O lucro líquido veio mais de 5% acima das estimativas.

Do lado negativo, a Cielo reportou outro trimestre fraco, com o lucro líquido caindo 52% ano contra ano para R$ 358 milhões. Apesar de a empresa afirmar que os lucros no curto prazo não são prioridade, e sim ganho de participação de mercado, o lucro líquido veio 20% abaixo das estimativas do mercado. Esperamos que as ações reajam negativamente ao resultado.

Tópicos do dia

Agenda de resultados hoje

Lojas Americanas (LAME4): Após o fechamento
Gerdau (GGBR4): Antes da abertura
Metalúrgica Gerdau (GOAU4):
Antes da abertura
Banco Santander (SANB11): Antes da abertura
B2W (BTOW3): Após o fechamento
Grupo Pão de Açúcar (PCAR4): Após o fechamento

Clique aqui para acessar o calendário completo
Clique aqui para acessar nossa visão sobre a temporada de resultados

Brasil

  1. Política Brasil: Jair Bolsonaro se envolveu em mais uma polêmica
  2. Brasil: Banco Central deve cortar 0,5%, levando a taxa Selic para 5%
  3. Equipe econômica anunciará hoje pacote de medidas para ajudar a conter a expansão do gasto público
  4. Caixa Econômica Federal pode manter monopólio na gestão do FGTS

Empresas

  1. Juros Baixos: Quais Empresas e Setores se Beneficiam deste Cenário?
  2. Magazine Luiza (MGLU3): Mais um trimestre sólido; Positivo
  3. Multiplan (MULT3): Bons resultados no 3T19, acima das expectativas; Positivo
  4. Cielo (CIEL3): Trocando rentabilidade por market share; 3T19 desaponta
  5. Copel (CPLE6): Novo Programa de Demissão Incentivada anunciado, Positivo
  6. Saneamento: Texto complementar prevê prorrogação dos contratos de programa

Renda Fixa

  1. Volta de tributação especial ao MCMV é aprovada no Senado


Veja todos os detalhes

Brasil

Política Brasil: Jair Bolsonaro se envolveu em mais uma polêmica

  • Reportagem do Jornal Nacional trouxe informação de que no dia do crime um dos suspeitos de envolvimento no assassinato da vereadora Marielle Franco teria entrado no condomínio onde moram o principal suspeito de cometer o crime, o ex-PM Ronnie Lessa, e o presidente Jair Bolsonaro. Depoimentos e o registro de visitas indicariam que o suspeito teria ido ao apartamento do presidente. Entretanto, a própria reportagem assume que o presidente estava em Brasília e teria registrado presença com sua digital no plenário quase simultaneamente à entrada da pessoa no condomínio. O presidente fez uma transmissão ao vivo no meio da madrugada na Arábia Saudita, onde está em viagem oficial, para negar qualquer envolvimento e atacar a mídia e o governador do Rio de Janeiro, pelo suposto vazamento de apuração que corre em segredo de justiça;
  • Governo pode mandar para o Congresso nesta quinta-feira sua proposta para a reforma administrativa. Simultaneamente busca negociar os demais projetos. Já teriam decidido não incluir o Fundeb (educação) e fundos de fomento de Norte, Nordeste e Centro-Oeste na proposta de desvinculação de recursos. Deve ficar de fora dos projetos a serem apresentados as mudanças no abono salarial. São desidratações significativas antes sequer do início da tramitação no Congresso;
  • A Comissão da Câmara aprovou ontem a reforma da previdência dos militares, que segue direto para o Senado.

Brasil: Banco Central deve cortar 0,5%, levando a taxa Selic para 5%

  • O Banco Central anunciará sua decisão de juros por volta das 18h. Tanto a expectativa da XP quanto a expectativa de mercado é de que o comitê decida por mais um corte de 0,50%, levando a Selic para 5,0%;
  • O documento emitido logo após a reunião deverá fazer considerações sobre a evolução da atividade econômica e inflação, avanço de reformas e economia internacional;
  • Acreditamos que o Banco Central deverá levar a Selic para 4,5% em Dezembro e aguardamos que o comunicado divulgado no pós-reunião forneça maiores indícios sobre o tamanho do ciclo de cortes.

Equipe econômica anunciará hoje pacote de medidas para ajudar a conter a expansão do gasto público

  • De acordo com a mídia local, o pacote de medidas que será anunciado hoje pela equipe econômica terá cinco principais pilares para ajudar a conter a expansão do gasto público;
  • Primeiro, medidas adicionais de ajuda aos Estados e municípios. Segundo, a PEC da Emergência Fiscal, que vai definir sob que circunstâncias serão disparados os “gatilhos” que permitirão cortes automáticos nos gastos obrigatórios. Terceiro, a PEC do pacto federativo, que vai distribuir os recursos do pré-sal entre a União, Estados e municípios. Quarto, a segunda PEC do pacto federativo, que tratará da desvinculação, desindexação e desobrigação e deverá acabar com a vinculação de cerca de 280 fundos setoriais. E, por fim, a PEC da reforma administrativa, que deverá acabar com a estabilidade, redefinir os salários de ingresso no setor público para os novos servidores e acabar com a progressão automática através de um decreto que altere o regulamento, sem que o governo precise alterar a Constituição;
  • Quanto à PEC do Pacto Federativo, o governo deve insistir em modificar a legislação relativa ao abono salarial. Hoje o programa do abono salarial garante o valor de um salário mínimo (R$ 998) por ano para trabalhadores de carteira assinada com salário inferior a dois salários. A mudança em estudo não instituiria gatilhos automáticos para suspensão do abono, mas deixaria a discussão aberta no Congresso a cada exercício. Em anos de restrição fiscal, o governo poderia se ver livre deste gasto com o aval dos parlamentares. O pacote será anunciado hoje nas presenças do ministro da Economia, Paulo Guedes, e dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

Caixa Econômica Federal pode manter monopólio na gestão do FGTS

  • Depois de forte pressão da Caixa Econômica Federal, o relator da medida provisória 889, que autoriza os saques das contas do FGTS, deputado Hugo Motta, disse que poderá recuar e manter o monopólio da instituição financeira como gestora exclusiva dos recursos do Fundo dos trabalhadores;
  • O parlamentar, no entanto, condiciona a mudança a uma contraproposta do banco de reduzir drasticamente a taxa de administração, atualmente em 1% dos ativos do FGTS. A instituição propôs 0,8%, mas o percentual foi considerado ainda elevado pelo parlamentar;
  • Na falta de acordo, a apresentação do relatório na comissão mista do Congresso, que estava prevista para ontem, foi adiada para hoje.

Empresas

Juros Baixos: Quais Empresas e Setores se Beneficiam deste Cenário?

  • Uma pergunta que temos recebido de forma recorrente é como o tema de juros baixos por mais tempo impacta os investimentos na Bolsa. Por isso, para explicar quais setores e empresas tendem a se beneficiar desse cenário, preparamos um conteúdo especial;
  • No geral, o principal impacto é a redução no custo de dívida das companhias. E, para mensurar esse efeito, é preciso analisar: (1) a parcela da dívida cujo custo é atrelado à Selic; e (2) o patamar de endividamento, que pode ser medido pelo indicador “Dívida Líquida em relação ao EBITDA”;
  • Por ordem de grandeza, os setores da nossa cobertura mais beneficiados são locação de veículos, shoppings, elétrico e varejo. Por outro lado, vemos impacto reduzido para os setores de mineração e siderurgia, papel e celulose e alimentos e bebidas. Para saber mais detalhes, acesse o relatório completo clicando aqui.

Magazine Luiza (MGLU3): Mais um trimestre sólido; Positivo

  • Magazine Luiza reportou sólidos resultados referentes ao terceiro trimestre de 2019 (3T19), com EBITDA e Lucro Líquido 6% e 23% acima das nossas expectativas, respectivamente. A receita líquida de R$ 4,8 bilhões cresceu +32% em relação ao mesmo trimestre do ano anterior, suportado por um sólido crescimento de vendas nas lojas físicas de +9,4% A/A no conceito mesmas lojas e um crescimento orgânico de vendas de +54% A/A para a operação de e-commerce (excluindo Netshoes);
  • O EBITDA ajustado de R$ 301 milhões (excluindo efeitos não recorrentes) veio 6% acima das nossas expectativas, crescendo 7% A/A, parcialmente suportado pelo fato de a Netshoes ter finalizado o trimestre próximo ao equilíbrio de margem EBITDA, enquanto a nossa expectativa era de um resultado negativo em R$ 13 milhões. Com isso, a margem contraiu 1,5 ponto percentual alcançando 6,2%, principalmente em função dos investimentos que a empresa tem feito em aquisição de clientes e fortalecimento da multicanalidade. Finalmente, o lucro líquido de R$ 136 milhões veio 23% acima das nossas expectativas, também devido a menor despesa financeira líquida no trimestre;
  • Nós esperamos uma reação positiva em relação aos resultados. Além do lucro reportado ter nos surpreendido positivamente, nós vemos o anúncio como mais uma prova da força da plataforma multicanal da empresa, que está bem posicionada para continuar entregando crescimento acelerado. Entretanto, nós vemos um potencial de valorização das ações relativamente limitado nos níveis atuais, com o papel negociando a um múltiplo de 1,8x em relação às vendas totais (GMV) em comparação com 1,1x para B2W. Portanto, mantemos a nossa recomendação Neutra para as ações da Magazine Luiza. Para acessar nosso comentário completo sobre os resultados do trimestre, basta acessar esse link.

Multiplan (MULT3): Bons resultados no 3T19, acima das expectativas; Positivo

  • A Multiplan reportou resultados sólidos no 2T19, acima das nossas expectativas e também das expectativas do mercado;
  • Em geral, nossa percepção é que os números reforçam a dominância e a alta qualidade do portfólio da companhia, mantendo uma performance satisfatória mesmo sem grande tração por parte dos indicadores macroeconômicos até o momento;
  • Apesar disso, acreditamos que os níveis atuais de múltiplos já reflitam esses fatores, e dessa forma mantemos nossa recomendação Neutra para os papéis. Para acessar nosso comentário completo sobre os resultados do trimestre, basta acessar esse link.

Cielo (CIEL3): Trocando rentabilidade por market share; 3T19 desaponta

  • Cielo reportou outro trimestre fraco, com o lucro líquido caindo 52% ano contra ano para R$ 358 milhões. Apesar de a empresa afirmar que os lucros no curto prazo não são prioridade, e sim ganho de participação de mercado, o lucro líquido veio 20% abaixo das estimativas do mercado. Esperamos que as ações reajam negativamente aos resultados do terceiro trimestre;
  • O cenário de competição está cada vez mais agressivo e acreditamos que essa seja a nova realidade do setor, com incumbentes e novos entrantes lançando campanhas hostis por participação de mercado. Na nossa visão, este nível de competição, combinado com a resposta da própria Cielo, são os grandes responsáveis pela perda de rentabilidade da cia;
  • Por fim, acreditamos que mesmo se a Cielo continuar a aumentar sua participação de mercado, é improvável que os lucros voltem no curto ou médio prazo. Nossa visão vem do fato de que os principais alvos das campanhas, Stone e Pagseguro, seguem crescendo market share e lucro. Sendo assim, reiteramos nossa cautela em relação ao papel e enxergamos risco de queda nas nossas estimativas. Clique aqui para ver o relatório completo.

Copel (CPLE6): Novo Programa de Demissão Incentivada anunciado, Positivo

  • Ontem a Copel anunciou, via comunicado após o fechamento do mercado, seu novo Programa de Demissão Incentivada (PDI). O programa estará aberto a adesões no período de 1º a 15 de novembro de 2019 e será destinado aos empregados que atendam aos requisitos de no mínimo 55 anos de idade e 25 anos de Copel. São estimados R$ 85 milhões de reais de indenizações;
  • Segundo a Copel, atualmente 492 empregados se enquadram nos requisitos, e seu desligamento representaria uma potencial redução de R$ 142,1 milhões em custos anuais a partir de 2020;
  • Vemos a notícia como positiva para a Copel, dado que a iniciativa vai de encontro com o compromisso da empresa de reduzir seus custos. A título de exemplo, as eficiências estimadas representariam uma adição de 3,8% à nossa estimativa de EBITDA em 2020. Mantemos recomendação de compra, com preço alvo de R$ 68/ação.

Saneamento: Texto complementar prevê prorrogação dos contratos de programa

  • Ontem o relator do novo marco do saneamento, deputado Geninho Zuliani (DEM-SP), apresentou um texto complementar a sua proposta que prevê o prazo de um ano para que as companhias estaduais de saneamento possam prorrogar os contratos de programa vigentes após a publicação da nova legislação, desde que eles cumpram as metas de universalização até 2033. O texto deve ser votado hoje (30) pela comissão especial;
  • Geninho afirma que a prorrogação foi pensada para que as empresas de saneamento tenham seus ativos valorizados em caso de alienação. A prorrogação dos contratos vigentes para até 30 anos valoriza as empresas estaduais, incentivando os governadores a abri-las para o mercado;
  • O primeiro texto do relator não previa a prorrogação dos contratos de programa vigentes, apenas uma renovação por cinco anos daqueles que tiverem altos graus de universalização. O texto aprovado pelo Senado apesar de também prever a renovação, previa que a empresa poderia renovar o contrato apenas ao fim do seu prazo;
  • Vemos a mudança do texto como positiva. O motivo é que a prorrogação dos contratos vigentes aumenta a atratividade das empresas estaduais, desde que os contratos sejam mantidos no caso de alienação ( previsto no texto). Além disso, por se tratar de uma mudança devido a sugestões de deputados e entidades sobre o relatório apresentado no início do mês, acreditamos que possa funcionar como uma força política para aprovação do texto. Nesse contexto, Sabesp e Copasa são as ações mais impactadas na nossa cobertura.

Renda Fixa

Volta de tributação especial ao MCMV é aprovada no Senado

  • De acordo com o Valor Econômico, o Senado aprovou a volta do regime especial de tributação (RET) para a incorporação de imóveis residenciais no programa Minha Casa Minha Vida (MCMV). A proposta passará agora pela sanção do presidente Jair Bolsonaro;
  • Espera-se que a proposta seja aprovada pelo governo para os contratos já assinados até 2018, porém não deverá se estender para projetos novos;
  • A aprovação confirma o que já era esperado, como comentamos aqui. Vemos a decisão como positiva, uma vez que não prejudica a segurança jurídica do programa, ao não mudar as regras durante andamento de projetos.

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

B3 Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.