Riscos políticos aumentam novamente no Brasil; nos EUA, Congresso americano também é fonte de ruídos apesar de recesso parlamentar

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Clique para ouvir

IBOVESPA -3,8% | 113.413 Pontos

CÂMBIO +2,9% | 5,32/USD

O que pode impactar o mercado hoje

No dia seguinte às manifestações de 7 de setembro, feriado do Dia da Independência, o Ibovespa fechou com a maior queda desde março, aos 113.413 pontos, o que representou uma variação de -3,78% em relação ao pregão anterior. O dólar comercial por sua vez subiu 2,93% e fechou a quarta-feira (08/09) valendo R$5,32.

As taxas futuras de juros fecharam o dia de ontem em forte alta, principalmente nos vencimentos mais longos, como resultado da percepção de risco aumentada após os atos do dia 7 de setembro. O DI jan/26 fechou em 10,29% e o DI jan/28 em 10,68%. Os mercados estarão bastante atentos à publicação do IPCA de agosto. Esperamos aceleração nos preços de alimentos e combustíveis, enquanto os núcleos de inflação e os preços de serviços subjacentes devem apresentar algum alívio.

Além disso, os mercados seguem acompanhando as repercussões do tensionamento no cenário político. O clima pesado entre os Poderes (Executivo, Legislativo, Judiciário) torna a agenda econômica do governo mais desafiadora, elevando a percepção de risco fiscal dos agentes.

Segundo boletim do Ministério da Infraestrutura e da Polícia Rodoviária Federal da 00:30h, havia pontos de concentração em rodovias federais de 15 estados, com ocorrências de interdição em Minas Gerais. Pontos de bloqueio no Rio Grande do Sul, em São Paulo e em Santa Catarina haviam sido liberados. No Ministério, a avaliação é que as paralisações são ainda resquícios dos atos do dia anterior e que não têm coordenação entre si nem pauta conjunta da categoria, o que dificulta a negociação.

No lado internacional, o EuroStoxx cai 0,4%, o futuro do S&P500 e do Nasdaq100 amanheceram caindo 0,2%. As bolsas na Ásia fecharam também no vermelho, com o Nikkei caindo 0,6% e o Hang Seng 2,3%.

Apesar de estar em recesso parlamentar, o Congresso americano é fonte de ruídos na seara internacional. Três temas dominam a pauta e geram tensões entre parlamentares: (1) agenda econômica de Biden com o pacote de infraestrutura; (2) discussões sobre o teto da dívida e; (3) o orçamento para 2022.

O FED (banco central americano) publicou ontem à tarde o Livro Bege, um sumário de percepções de empresários sobre a atividade econômica do país. Por um lado, o documento indicou que o nível de emprego continua se fortalecendo em todas as regiões dos Estados Unidos, com o ritmo de criação de postos variando de leve para forte. Por outro lado, a publicação apresentou que o crescimento econômico doméstico diminuiu suavemente para um ritmo moderado do início de julho até agosto, devido sobretudo à disseminação da variante Delta do coronavírus e à escassez de matérias-primas.

Na China, destaque para a publicação de dados de inflação referentes a agosto, que trouxeram sinais mistos. O índice de preços ao consumidor (CPI) mostrou elevação de 0,8% em relação a agosto de 2020, abaixo do consenso de mercado, enquanto o índice de preços ao produtor (PPI) teve forte elevação de 9,5% ante o mesmo período do ano passado, acima do esperado pelo mercado.

Ainda na agenda econômica internacional de hoje, destaque para a decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), que também publicará projeções macroeconômicas atualizadas para a zona do euro.

Tópicos do dia

Economia

  1. Reunião do Banco Central Europeu e dados de inflação no Brasil recebem os holofotes

Política

  1. Atenção voltada à paralisação de caminhoneiros
  2. Chefes de poderes reagem às falas de Bolsonaro no Sete de Setembro
  3. Apesar de estar em recesso parlamentar, o Congresso americano é fonte de ruídos na seara internacional. Três temas dominam a pauta e geram tensões entre parlamentares: a agenda econômica de Biden, o teto de dívida e o orçamento

Empresas

  1. Aeris Energy (AERI3): Empresa Assina Contrato para Fornecer Pás Eólicas à Nordex
  2. Via (VIIA3): Investimentos em fintechs
  3. Notícias Diárias do Setor Financeiro
  4. Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo nacional e internacional

Internacional

  1. CONEXÃO GLOBAL | Por que investir internacionalmente?
  2. Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | Microsoft vai às compras

ESG

  1. Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 09/09

Veja todos os detalhes

Economia

Reunião do Banco Central Europeu e dados de inflação no Brasil recebem os holofotes

  • O Federal Reserve (Fed, o banco central americano) publicou ontem à tarde o Livro Bege, um sumário de percepções de empresários sobre a atividade econômica do país. Por um lado, o documento indicou que o nível de emprego continua se fortalecendo em todas as regiões dos Estados Unidos, com o ritmo de criação de postos variando de leve para forte. Por outro lado, a publicação apresentou que o crescimento econômico doméstico diminuiu suavemente para um ritmo moderado do início de julho até agosto, devido sobretudo à disseminação da variante Delta do coronavírus e à escassez de matérias-primas. Na China, destaque para a publicação de dados de inflação referentes a agosto, que trouxeram sinais mistos. O índice de preços ao consumidor (CPI) mostrou elevação de 0,8% em relação a agosto de 2020 (abaixo do consenso de mercado de 1% e da variação registrada em julho, também de 1%), enquanto o índice de preços ao produtor (PPI) teve forte elevação de 9,5% ante o mesmo período do ano passado (o consenso esperava variação de 9%, a mesma taxa observada em julho);
  • Na agenda econômica internacional de hoje, destaque para a decisão de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), que também publicará projeções macroeconômicas atualizadas para a zona do euro. Investidores aguardam com muita expectativa a avaliação do BCE sobre o cenário prospectivo de inflação e sinais sobre o timing da retirada de estímulos, especialmente após surpresas altistas com a divulgação do CPI da zona do euro relativo a agosto (elevação de 3% em 12 meses). Além disso, haverá divulgação dos pedidos semanais de auxílio-desemprego nos Estados Unidos (semana até 04/09) e pronunciamentos de vários dirigentes Fed (Mary Daly – Fed São Francisco; Charles Evans – Fed Chicago; Michelle Bowman – Diretoria do Fed);
  • Ontem, o dirigente do Fed de Nova Iorque, John Williams, afirmou que a política monetária expansionista da instituição continuará a apoiar a economia americana mesmo após o término das compras de ativos (acreditamos que o processo de tapering terá início em dezembro deste ano). De acordo com Williams, a taxa básica de juros dos Estados Unidos permanecerá no nível atual (0%-0,25%) até que a economia local atinja “condições consistentes” com o que o Fed considera como máximo emprego e inflação moderadamente superior a 2% “por algum tempo”. Enquanto isso, o Presidente do Fed de Dallas, Robert Kaplan, sinalizou que a projeção da instituição para o crescimento do PIB de 2021 será revisada de 6,5% para 6,0%, enquanto a expectativa para o PIB de 2022 corresponde a aumento de 3,0%;
  • No Brasil, os mercados estarão bastante atentos à publicação do IPCA de agosto (XP: 0,65% m/m e 9,44% a/a; consenso de mercado: 0,71% m/m e 9,50% a/a). Esperamos aceleração nos preços de alimentos e combustíveis, enquanto os núcleos de inflação e os preços de serviços subjacentes devem apresentar algum alívio. Projetamos alta anual de 7,7% para o IPCA de 2021;
  • Além disso, os mercados seguem acompanhando as repercussões do tensionamento no cenário político. Em dia de deterioração aguda dos principais ativos financeiros domésticos, os Presidentes da Câmara dos Deputados, do Senado e do Supremo Tribunal Federal (STF) fizeram pronunciamentos a respeito das manifestações ocorridas no feriado de 7 de Setembro. Neste sentido, destaque para a declaração do líder do STF de que o descumprimento de decisões tomadas por ministros da corte judiciária é passível de crime de responsabilidade. A tensão entre os Poderes (Executivo, Legislativo, Judiciário) torna a agenda econômica do governo mais desafiadora, elevando a percepção de risco fiscal dos agentes de mercado.

Política

Atenção voltada à paralisação de caminhoneiros

  • Segundo boletim do Ministério da Infraestrutura e da Polícia Rodoviária Federal da 0h30, havia pontos de concentração em rodovias federais de 15 estados, com ocorrências de interdição em Minas Gerais. Pontos de bloqueio no Rio Grande do Sul, em São Paulo e em Santa Catarina haviam sido liberados. No Ministério, a avaliação é que as paralisações são ainda resquícios dos atos do dia anterior e que não têm coordenação entre si nem pauta conjunta da categoria, o que dificulta a negociação. Entre as bandeiras estão o controle de preços de combustíveis e o fechamento do Supremo. Empresas relatam impacto no fornecimento e riscos à produção. O presidente Jair Bolsonaro mandou mensagem aos caminhoneiros com apelo, pedindo que liberem as vias, mensagem que foi reforçada pelo ministro Tarcísio Gomes de Freitas. As manifestações, no entanto, seguem convocadas.

Chefes de poderes reagem às falas de Bolsonaro no Sete de Setembro

  • De volta à esfera da política em Brasília, as reações dos poderes às falas de Bolsonaro são os destaques da vez. Arthur Lira falou em “basta”, mas fez discurso moderado e se propôs a ser a ponte entre Judiciário e Executivo – sem dar respaldo às demandas pela abertura de impeachment. O caminho do diálogo foi seguido por Rodrigo Pacheco. Coube a Luiz Fux a fala mais dura, alertando que o descumprimento de decisões judiciais, como prometido por Bolsonaro, é crime de responsabilidade – o que devolve à Câmara a prerrogativa de seguir em frente. Bolsonaro, por sua vez, indicou a ministros que manterá a pressão sobre o Supremo. Nos bastidores, no entanto, Arthur Lira e Ciro Nogueira, chefe da Casa Civil, atuam para melhorar o ambiente do presidente no tribunal, principalmente para tentar manter viva a possibilidade de uma solução negociada para os gastos com precatórios, mas o acordo segue travado.

Apesar de estar em recesso parlamentar, o Congresso americano é fonte de ruídos na seara internacional. Três temas dominam a pauta e geram tensões entre parlamentares: a agenda econômica de Biden, o teto de dívida e o orçamento

  • Agenda econômica de Biden- a agenda, que contempla o pacote de infraestrutura de USD 1,2 trilhões e o Plano das Famílias Americanas, é fonte de tensões internas no partido democratas. Nossa expectativa permanece positiva para a aprovação do pacote de infraestrutura. O segundo projeto enfrenta um panorama mais complexo – as próximas duas semanas serão chave para essa definição. Com a crise no Afeganistão ainda presente na política americana, lideranças devem buscar vitórias no Congresso;
  • Teto de dívida- segundo a secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, o governo americano pode ultrapassar seu limite de endividamento em outubro. No entanto, os partidos estão longe de um acordo sobre como abordar a pauta;
  • Orçamento – Como tem sido o caso nos últimos anos, os órgãos públicos dos EUA estão sob ameaça de shutdown no dia 1 de outubro. A paralisação ocorre quando não há acordo no Congresso sobre financiamento dos entes públicos, um cenário que se aproxima mais uma vez diante de um cenário de polarização e visões divergentes no Legislativo.

Empresas

Aeris Energy (AERI3): Empresa Assina Contrato para Fornecer Pás Eólicas à Nordex

  • A Aeris anunciou por meio de fato relevante que assinou um novo contrato para fornecer pás eólicas à Nordex, um cliente já existente da empresa;
  • O acordo sugere (i) a conversão de duas linhas de produção existentes para um modelo com mais de 5 MW/set de potência nominal, e (ii) a instalação de uma linha adicional do mesmo modelo descrito anteriormente, adicionando cerca de 2 GW e ~R$1,6 bilhão à carteira de pedidos e potencial de receita da empresa, respectivamente, incrementais ao total de 11,5 GW e R$8,1 bilhões reportados no 2T21;
  • Vemos o anúncio como positivo, pois dá ao mercado mais conforto em relação às expectativas de alto crescimento de receita embutidas nas projeções financeiras da empresa – somando os 2 GW de produção potencial incremental acima mencionados, estimamos ~65% da nossa produção entre o 2S21-2024E a estar contratada por contratos atuais;
  • Apesar de um forte crescimento esperado de lucro de ~42% ao ano nos próximos 3 anos, vemos espaço limitado para alta das ações, principalmente devido a uma recuperação mais longa do que o esperado dos níveis de retorno da companhia (ROIC de 11-20% em 2021-23, contra ~21% relatado em 2020), reiterando nossa recomendação Neutra para as ações.

Via (VIIA3): Investimentos em fintechs

  • Ontem, a Via anunciou a aquisição de participações minoritárias em três startups de serviços financeiros: GoPublic, ecossistema de softwares focados em soluções de pagamentos e crédito, Poupa Certo, plataforma de gestão e educação financeira e byebnk, plataforma de gestão de investimento em criptomoedas;
  • Os investimentos estão em linha com a estratégia da empresa de ampliar sua oferta de serviços financeiros, e fazem parte do programa Via Next, programa de conexão de startups da companhia comprometido a investir R$200 milhões em empresas de tecnologia ao longo dos próximos 5 anos;
  • Enxergamos as transações como positivas, mas não devem ter impacto financeiro relevante para os resultados no curto prazo. Mantemos a nossa recomendação neutra e preço-alvo para o fim de 2021 de R$ 20,0/ação.

Notícias Diárias do Setor Financeiro

  • Acesse este relatório com notícias do setor financeiro que complementam nossos comentários publicados no Morning Call, mas que não consideramos relevantes o suficiente para serem analisadas. Aqui você encontra o título com o link para a fonte original da notícia, além de uma breve descrição do conteúdo;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Entrega XP: Notícias diárias do setor de varejo nacional e internacional

  • Nesta publicação diária, trazemos as principais notícias do setor de varejo (e-commerce, supermercados, lojas de roupa, farmácias, etc.) nacional e internacional, complementando nossa visão sobre as tendências e acontecimentos mais importantes do dia. Além disso, o relatório contém um resumo dos múltiplos e recomendações para as empresas de nossa cobertura;
  • Clique aqui para acessar o relatório.

Internacional

CONEXÃO GLOBAL | Por que investir internacionalmente?

  • O Brasil representa menos de 1% do mercado acionário global de US$ 120,8tri;
  • As perdas e a volatilidade são menores numa carteira diversificada;
  • Possibilidade de exposição a moedas mais fortes e maior estabilidade de cenários macroeconômicos em países desenvolvidos;
  • Veja aqui o nosso relatório completo.

Radar Global: Análises das principais empresas e tendências sob o nosso Radar | Microsoft vai às compras

  • Paypal anunciou a aquisição da start-up japonesa Paidy por cerca de US$ 2,7bi, visando impulsionar seus negócios no 3º maior mercado de e-commerce do mundo;
  • Em El Salvador, Franquias globais como Mc Donald’s, Starbucks e Pizza Hut começam a receber pagamentos em Bitcoin;
  • Microsoft anuncia a aquisição da start-up dona do aplicativo de edição de vídeos Clipchamp;
  • Ações americanas lideram em projeções de crescimento futuro se comparadas as ações europeias;
  • Acesse aqui o relatório internacional.

ESG

Café com ESG: Conteúdos diários que transformam | 09/09

  • Ontem o mercado operou em território negativo, com os índices Ibov e ISE tendo queda forte de -3,78% e -3,52%, respectivamente;
  • No Brasil, do lado das empresas, destaque para as emissões de dívidas ligadas à metas de sustentabilidade por parte da Suzano e Movida. Ambas as empresas, que já haviam feito emissões deste tipo, voltaram a acessar o mercado com sustainability-linked bonds (SLB): a Suzano fechou uma emissão de US$500mn atrelada à metas de diversidade de gênero na liderança e redução de consumo de água nas operações, enquanto a Movida concluiu a operação em US$300mn, se comprometendo a reduzir as emissões de gases de efeito-estufa (escopos 1 e 2);
  • No internacional, (i) a Toyota anunciou um investimento de ~US$13,7bn no desenvolvimento de baterias para carros elétricos ao longo da próxima década, sua aposta mais ousada nos EVs; e (ii) as principais companhias aéreas dos EUA planejam anunciar hoje que apoiarão uma meta voluntária da indústria de 3 bilhões de galões de combustível de aviação sustentável em 2030, enquanto a Casa Branca busca reduzir as emissões do setor de aviação. Clique aqui para acessar o relatório e começar o dia bem informado com as principais notícias ao redor do Brasil e do mundo quando o tema é ESG.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.