XP Expert

Preocupação com saúde de Trump e incertezas no cenário político brasileiro abrem a semana

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA -1,50% | 94.016 Pontos

CÂMBIO 0,71% | 5,69/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa fechou em queda de 1,50% na última sexta-feira, consolidando sua quinta semana consecutiva de baixa em meio à preocupações dos investidores com a situação fiscal no Brasil e com a proximidade das eleições nos EUA.

Nessa segunda-feira, mercados globais amanhecem em alta (EUA +0,6% e Europa +0,7%), após Trump reforçar necessidade de novo pacote de estímulos e negociadores democratas e republicanos consultarem medidas com Powell (Fed). Por outro lado, na frente de indicadores econômicos, a continuidade da divulgação de dados mistos chama a atenção. O PMI composto do Reino Unido caiu de 59,1 para 56,5 em setembro, enquanto o PMI composto da Zona do Euro caiu de 51,9 para 50,4. Ao mesmo tempo, as vendas no varejo da região subiram 4,4% na passagem de julho para agosto e 3,7% na comparação anual.

Na seara política internacional, todos os holofotes estão voltados a presidente dos EUA, Donald Trump, que se encontra internado após testar positivo para Covid-19 na última sexta-feira. Segundo médicos responsáveis por seu tratamento, o presidente pode ser liberado hoje mesmo, mas precisou de oxigênio suplementar e foi tratado com uma droga experimental e esteroide. Trump se comunicou com o público via Twitter e saiu do hospital para cumprimentar apoiadores de carro.  Já na Europa, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, conversaram pela primeira vez desde junho e concordaram em “intensificar” negociações para alcançar um acordo comercial pós-Brexit.

No Brasil, o mundo político começa a semana tentando resolver dois focos de crise que têm o ministro Paulo Guedes como figura central. No primeiro, o governo tenta acalmar os desdobramentos das desavenças entre ele e Rogério Marinho, que subiram de nível depois da troca de críticas da última sexta-feira. A disputa acontece em função da escolha do formato de financiamento do novo programa de transferência de renda. Com o impasse depois do anúncio fracassado da última semana, várias propostas voltaram à mesa de discussão: algumas prevendo respeito ao teto, como a limitação ao abono salarial, a suspensão de vale-alimentação e auxílio creche a servidores que ganham mais de R$ 5 mil, outras propondo uma nova fonte de financiamento, ou ainda mudanças na estrutura do imposto de renda. Em outra frente, atores políticos buscam promover a reaproximação entre Guedes e Rodrigo Maia, cuja relação também se desgastou na última semana.

Ainda sobre a discussão acerca do Renda Cidadã, no que tange o Imposto de Renda, o governo estuda a possibilidade de extinguir o desconto de 20% concedido automaticamente aos contribuintes que optam pela declaração simplificada. Para compensar a extinção do desconto, que poderia atingir mais de 17 milhões de pessoas, o direito às deduções médicas e educacionais seria mantido. Também no noticiário econômico, ganhou destaque a notícia de que o Ministério Público do Trabalho pretende intensificar a fiscalização das condições dos trabalhadores que permanecerão no regime de trabalho remoto. Em nota técnica, o órgão publicou 17 recomendações sobre o home office para empresas, sindicatos e órgãos da administração pública. A maioria dos analistas, no entanto, acha difícil que um regime com tantos detalhes como o home office seja regulamentado inteiramente pelas normas em questão.

Finalmente, na agenda de indicadores da semana, teremos a ata do comitê de política monetária norte-americano (FOMC), além de dados de atividade nos EUA e zona do Euro, e PMI de serviços das principais economias. Já no Brasil, teremos a divulgação do IPCA de setembro e dados de vendas no varejo de agosto.

Tópicos do dia

Coronavírus

Revisamos em agosto o target do Ibovespa para 115.000 pontos
Medidas econômicas para combater o coronavirus no Brasil

Para ler mais conteúdos, clique aqui.

Brasil

  1. Boletim Focus: Projeções de IPCA e PIB para 2020 seguem em ritmo de expansão

Internacional

  1. Política internacional: Trump pode ser liberado do hospital nesta segunda-feira (5)
  2. Reino Unido tenta garantir importação “livre de desmate”, com lei que precisa ser aplicada a todo o desmatamento – não apenas onde foi definido como ilegal em países individuais
    Acesse aqui o relatório internacional

Empresas

  1. Banco Central: Início de registros das chaves PIX no BCB
  2. Bebidas (ABEV3): risco de abastecimento de água pode interromper atividades em fábrica da Heineken


Veja todos os detalhes

Brasil

Boletim Focus: Projeções de IPCA e PIB para 2020 seguem em ritmo de expansão

  • A projeção de IPCA para 2020 continuou em ritmo de expansão, passando de 2,05% na última semana para 2,12%. Para 2021, no entanto, foi marginalmente reduzida de 3,01% para 3,00%;
  • A projeção de PIB para 2020 deu continuidade à sequência de melhoras graduais, passando de -5,04% para -5,02%. Para 2021, permaneceu em 3,50%;
  • A projeção da taxa de câmbio permaneceu em 5,25 para 2020 e em 5,00 para 2021. E a projeção de Selic permaneceu em 2,00% ao final de 2020 e em 2,50% ao final de 2021. Clique aqui para conferir mais detalhes.

Internacional

Política internacional: Trump pode ser liberado do hospital nesta segunda-feira (5)

  • Na seara internacional, todos os holofotes estão voltados a presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que se encontra internado após testar positivo para Covid-19 na última sexta-feira. Segundo medicos responsáveis por seu tratamento, o presidente pode ser liberado hoje mesmo, mas precisou de oxigênio suplementar e foi tratado com a droga experimental e esteroide. Trump se comunicou com o público via Twitter e saiu do hospital para cumprimentar apoiadores de carro;
  • No lado das eleições americanas, pesquisas apontam a um leve aumento de apoio pelo candidato democrata, Joe Biden- que lidera por margem de 8 p.p. segundo os principais agregadores – após o primeiro debate presidencial do ano, mas ainda não registram movimento relacionado ao diagnóstico do republicano;
  • Ainda, o plano dos republicanos de confirmar Amy Barret para a Suprema Corte em cheque antes da eleição foi colocado em cheque já que três senadores do partido testaram positivo para Covid-19 e estão em isolamento e ao menos oito mais tiveram contato direto com o virus;
  • Na Europa, o primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, conversaram pela primeira vez desde junho e concordaram em “intensificar” negociações para alcançar um acordo comercial pós-Brexit.

Reino Unido tenta garantir importação “livre de desmate”, com lei que precisa ser aplicada a todo o desmatamento – não apenas onde foi definido como ilegal em países individuais

  • De acordo com a Bloomberg, dezenas dos maiores supermercados, redes de fast food e fabricantes de alimentos do Reino Unido pediram ao governo que vá mais longe com regras que os proibiriam de vender carne bovina, soja e outras commodities importantes provenientes de terras desmatadas. A iniciativa, pouco comum, deve ter como resultado uma nova lei que obrigará grandes empresas a garantir cadeias de fornecimento livres de desmatamento, mesmo se forem em áreas legais, dado os desafios relacionados ao controle dos dados e informações provenientes dos diferentes países;
  • O Departamento de Meio Ambiente, Alimentos e Assuntos Rurais (Defra) está fazendo consultoria sobre planos para exigir que as empresas mostrem que as commodities adquiridas em suas cadeias de abastecimento cumprem as leis ambientais locais ao serem produzidas. Mas os varejistas e fabricantes de alimentos dizem que a lei precisa ser aplicada a todo o desmatamento – não apenas onde foi definido como ilegal em países individuais;
  • Isso os coloca em sintonia com grupos ambientalistas como o Greenpeace, que argumentou que as propostas são seriamente falhas, porque as leis locais podem ser muito fracas, especialmente no Brasil. De acordo com o Defra, o desmatamento é responsável por 11% dos gases de efeito estufa, e a grande maioria dele é causado pela produção de commodities agrícolas;   Na prática, a iniciativa joga para o governo brasileiro a obrigação de demonstrar publicamente, com dados e informações, que tem feito o “enforcement” de sua própria lei. A estratégia é vista como um exemplo do que está sendo chamado de “barreiras reputacionais” e pode afetar as exportações brasileiras.

Empresas

Banco Central: Início de registros das chaves PIX no BCB

  • A partir de hoje (5), inicia-se o registro efetivo das chaves do PIX no Banco Central. Estas chamadas chaves são informações dos usuários vinculadas às instituições financeiras, podendo ser: i) o número de telefone; ii) CPF; e/ou iii) e-mail. Além disso, cada chave só poderá ser vinculada à uma única instituição financeira;
  • Até o momento, inúmeras instituições financeiras já começaram a coletar as chaves e, a partir de hoje, os usuários poderão gerenciá-las à sua maneira. O PIX começará a operar de fato a partir do dia 16 de novembro;
  • Em nossa visão, vemos um impacto relativamente baixo no curto prazo. No entanto, acreditamos que o potencial impacto do PIX pode se agravar, pois com o avanço da competição na indústria bancária vemos o valor agregado dos pacotes de serviços cada vez menor e mais propícia a disrupção, impulsionada principalmente pela maior agressividade das fintechs em linhas excessivamente rentáveis para os bancos incumbentes. Neste cenário, o PIX é mais um agravante competitivo na indústria. Além disso, vemos o engajamento e segurança para fraudes como potenciais riscos do PIX. Clique aqui para acessar o relatório completo.

Bebidas (ABEV3): risco de abastecimento de água pode interromper atividades em fábrica da Heineken

  • Segundo a revista Veja, o direito de exploração de água que abastece a maior planta da Heineken no País, em Alagoínhas/BA, foi revertido em favor do empresário Maurício Britto Marcellino da Silva e poderia culminar na inoperância da unidade. Em nota enviada à imprensa, a Heineken negou que a possibilidade de encerramento das atividades da empresa na Bahia. Confira todos os detalhes no Expresso Alimentos & Bebidas desta semana;
  • Vale lembrar que a Heineken conta com 15 plantas ao redor do Brasil, o que lhe confere certa flexibilidade em termos de alocação de produção; ainda assim, caso a produção de fato venha a ser interrompida, tal situação poderia dificultar ganho de participação de mercado por parte da empresa em um momento crítico no mercado, diante do cenário de competição acirrada com a Ambev, agravada pela pandemia;
  • Ainda segundo a Veja, depois de 26 anos, o empresário baiano conseguiu na Justiça uma vitória sobre a Agência Nacional de Mineração que refaz todo o processo de licitação desses direitos de exploração. Consequentemente, a Heineken estaria avaliando três possibilidades: (i) importar água de outro lugar, o que poderia afetar a qualidade do produto e encarecer a operação; (ii) tentar reverter a decisão na justiça, o que parece improvável dado que a decisão homologada pelo Superior  Tribunal de Justiça (STJ) deixa claro que a Heineken não faz parte do processo, exclusivo ao empresário e à ANM; (iii) comprar os direitos de Marcellino da Silva, que foram estimados em 900 milhões de reais pela consultoria Duff & Phelps – como comparação, a Heineken pagou pela Brasil Kirin — antiga dona da fábrica — cerca de 2,1 bilhões.

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

B3 Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.