XP Expert

Novas medidas de estímulo econômico e surpresa positiva com dados de atividade na China

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA 1,65% | 74.640 Pontos

CÂMBIO -1,80% | 5,19/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa fechou em alta de 1,65% ontem aos 74.639 pontos. Após uma manhã volátil, a bolsa brasileira ficou no campo positivo a tarde, seguindo o desempenho dos índices americanos, que saltaram mais de 3%.

Durante a manhã, em entrevista para a Fox News, Trump ressaltou que os Estados Unidos devem começar a usar um novo teste mais rápido para detectar o novo coronavírus nesta semana e que o pico da doença no país deve acontecer nas duas próximas semanas.

Além disso, o Secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, disse que o governo está disposto a pedir mais dinheiro ao Congresso se o pacote de US$ 2 trilhões já aprovado for insuficiente para conter os efeitos da pandemia sobre a economia. 

Segundo notícias, a Casa Branca estuda propor um novo pacote, de US$ 600 bilhões (2,8% do PIB), para ajudar os estados, os mercados de hipoteca e o setor de turismo. Os democratas também estudam quais medidas adicionais podem propor. Ainda, o Japão propôs pacote de JPY 60 trilhões (10,7% do PIB), dos quais JPY 20 tri (3,6% do PIB) são de estímulo fiscal.

Nesta manhã, futuros nos EUA e bolsas na Europa seguem com leve alta (0,1%), enquanto mercados asiáticos fecharam sem direção definida; China +0,3%, Hong Kong +1,9% e Japão -0,9%.

Na China, o ritmo de recuperação apresentado pelos dados de atividade econômica que englobam tanto o setor industrial quanto o de serviços (PMI) em março surpreendeu as expectativas de mercado. Na passagem de fevereiro para março, o PMI industrial do país subiu de 35,7 para 52, enquanto o PMI do setor de serviços passou de 29,6 para 52,3. Um mês depois de terem atingido suas mínimas históricas, os indicadores acima da marca de 50 voltaram a caracterizar expansão da atividade econômica chinesa

No Brasil, o Senado aprovou ontem o projeto de lei que prevê a distribuição de um voucher de R$ 600 para trabalhadores informais no período da pandemia. O texto, que já havia sido aprovado pela Câmara, segue para sanção do presidente Jair Bolsonaro. Em três meses, há expectativa de injeção de R$ 44 bilhões na economia. Os senadores pretendem discutir novo projeto incluindo mais categorias no auxílio, como a de pescadores e motoristas de aplicativos, que ficaram fora do primeiro texto.

No comando da crise no governo federal, seguem os ruídos na relação entre o ministro Luiz Mandetta e o presidente em decorrência da divergência sobre a abordagem da pandemia de coronavírus. Houve alteração no formato das entrevistas diárias concedidas pelo Ministério da Saúde, de modo a reduzir o protagonismo de Mandetta.

Do lado das commodities, os preços de celulose de fibra curta na China tiveram alta esta semana (+US$0,4/t), para US$461,8/t. Apesar de oscilar em torno dos US$460/t há alguns meses, seguimos com a visão de que os preços estejam próximos de um piso, reforçados pela continuidade do movimento de desestocagem da Suzano. Esperamos uma reação positiva das ações de Suzano e Klabin no pregão de hoje.

Por fim, os preços de petróleo operam em forte alta de 5% a 7% nesta manhã, se recuperando das mínimas em 18 anos atingidas ontem. O movimento é atribuído ao fato de EUA e Rússia concordarem em debater a estabilização dos mercados da commodity, muito afetados pela pandemia do COVID-19 e a subsequente guerra de preços entre Arábia Saudita e Rússia.

Tópicos do dia

Coronavírus

Tempos de guerra – revisando o target da Bolsa
Revisão setorial: Novas estimativas e Preços alvo
Live com o Ministro Paulo Guedes
Os efeitos do coronavírus na economia
Pesquisa XP Março: Qual é o impacto do coronavírus nas empresas do Brasil?
Medidas econômicas para combater o coronavirus no Brasil

Para ler mais conteúdos, clique aqui.

Brasil

  1. Senado aprova voucher de R$ 600 a trabalhadores informais, intermitentes e microempreendedores

Internacional

  1. Petróleo: Recuperação das mínimas em 18 anos após EUA e Rússia concordarem em discutir

Empresas

  1. Papel & Celulose: Alta no preço da celulose de fibra curta na China
  2. Eletrobras (ELET3): Privatização deve ficar para 2021
  3. JBS (JBSS3): empresa pode vir a cortar produção de carne bovina em uma de suas plantas nos Estados Unidos como precaução diante do coronavírus

Veja todos os detalhes

Brasil

Senado aprova voucher de R$ 600 a trabalhadores informais, intermitentes e microempreendedores

  • O Senado aprovou ontem o projeto de lei que prevê a distribuição de um voucher para trabalhadores informais, intermitentes e microempreendedores de R$ 600, podendo chegar a R$ 1.200,00 para mulheres chefes de família. Além do auxílio, também será antecipado um valor de R$ 600 a deficientes físicos que ainda aguardam na fila de espera do INSS até a concessão do BPC;
  • O texto, que já havia sido aprovado pela Câmara, prevê o pagamento do auxílio emergencial durante três meses, podendo ser prorrogado enquanto durar o estado de calamidade pública. A medida, entretanto, ainda precisa ser sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro;
  • O auxílio deverá ser operacionalizado pelos bancos públicos e só poderão solicitar o benefício os indivíduos com renda mensal per capita de até R$ 552,50 ou renda familiar mensal de até R$ 3.135. A expectativa é de que 30,5 milhões de trabalhadores sejam beneficiados e que o gasto seja de R$ 59,8 bilhões nos três meses.

Internacional

Petróleo: Recuperação das mínimas em 18 anos após EUA e Rússia concordarem em discutir

  • Os preços de petróleo operam em forte alta nesta manhã, com o Brent subindo 4,8%, aos US$27,7/barril. O destaque nesta manhã vai para notícias mencionando que os presidentes Donald Trump e Vladimir Putin concordaram em realizar conversas com o objetivo de estabilizar o setor de energia, em vista dos grandes impactos do coronavírus para a demanda de petróleo global;
  • A commodity energética vem sofrendo fortes pressões em seus preços com a queda de demanda desencadeada pelo coronavírus e a subsequente guerra de preços entre Arábia Saudita e Rússia após os países da OPEP+ falharem em um acordo para cortes adicionais de produção, encerrando uma cooperação iniciada em 2016. O temor no curto prazo está relacionado à alta repentina de estoques físicos de petróleo, que pode transcender a capacidade de tancagem;
  • Refinarias estão globalmente reduzindo a produção de derivados em vista da queda de demanda por produtos como gasolina e querosene de aviação. Por outro lado, uma autoridade do Ministério de Energia da Arábia Saudita afirmou que o reino pretende elevar suas exportações de petróleo para 10,6 milhões de barris ao dia em maio.

Empresas

Papel & Celulose: Alta no preço da celulose de fibra curta na China

  • Os preços de celulose de fibra curta na China tiveram alta esta semana (+US$0,4/t), para US$461,8/t. Apesar de oscilar em torno dos US$460/t há alguns meses, seguimos com a visão de que os preços estejam próximos de um piso, reforçados pela continuidade do movimento de desestocagem da Suzano;
  • Esperamos uma reação positiva das ações de Suzano e Klabin no pregão de hoje. 

Eletrobras (ELET3): Privatização deve ficar para 2021

  • Em entrevista coletiva após a divulgação dos resultados de 2019, o CEO da Eletrobras, Wilson Ferreira Junior, afirmou que a privatização da estatal deve ocorrer apenas em 2021. Segundo o executivo, o Congresso deve agora concentrar seus esforços em medidas para mitigar os efeitos da pandemia do coronavírus, fazendo com que o Projeto de Lei 5877/2019 seja discutido na segunda metade do ano;
  • Lembramos que, recentemente, parlamentares expressaram insatisfação com o fato da privatização da Eletrobras ter sido apontada como uma das medidas apresentadas pelo governo para mitigar os impactos do coronavírus. Antes mesmo desse cenário, o projeto já enfrentava oposição de diversos senadores, e por isso ainda não havia começado a tramitar na Câmara;  
  • Em teleconferência com analistas, Ferreira Junior ainda afirmou que o plano de investimentos de R$32,4 bilhões da companhia foi elaborado com base em premissas anteriores à epidemia, e que o Conselho de Administração deliberou que seja revisto até o fim de maio. 

JBS (JBSS3): empresa pode vir a cortar produção de carne bovina em uma de suas plantas nos Estados Unidos como precaução diante do coronavírus

  • Segundo a Reuters, a JBS USA pode reduzir a produção de carne bovina por duas semanas na sua planta da Pensilvânia após gerentes da mesma terem apresentado sintomas de gripe. Assim, a JBS se tonaria a primeira processadora de proteínas nos EUA a cortar produção devido a preocupações com a pandemia de coronavírus;
  • Membros da equipe sênior de gerenciamento da planta em Souderton, Pensilvânia, foram mandados para casa para monitorarem sua saúde como precaução, afirmou a JBS em comunicado. A empresa não informou em quanto a produção seria reduzida ou se os funcionários estavam sendo testados para COVID-19;
  • A instalação continuará executando “operações de fabricação e de carne moída” e deve retornar ao normal em 14 de abril, de acordo com o comunicado.

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

B3 Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.