XP Expert

Morning Call XP (30.jul): Cortes de juros e temporada de resultados em destaque

Tudo o que você precisa saber sobre os mercados nacional e internacional, com análises econômicas e políticas sobre fatos que podem impactar seus investimentos.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail
Clique para ouvir

IBOVESPA +0,65% | 103.483 Pontos

CÂMBIO +0,1% | 3,78/USD

O que pode impactar o mercado hoje

O Ibovespa fechou ontem em leve alta de 103.483 pontos (+0,65%), sem grandes eventos. Possíveis cortes de juros são o foco do mercado na semana, com destaque para as reuniões do Banco Central americano (FED) e do Banco Central do Brasil amanhã.

As expectativas são de um corte de 0,25% na taxa básica de juros nos EUA, enquanto que no Brasil espera-se que o Copom (Comitê de Política Monetária) realize um corte entre 0,25% (estimativa da XP) e 0,50%, tendo em vista um ambiente global propício e a evolução da agenda de reformas.

No Brasil, há poucas novidades na agenda política, com o congresso ainda em recesso. As atenções seguem voltadas à votação do segundo turno da Reforma da Previdência na Câmara, que deve acontecer nos primeiros dias após a volta do recesso em 1° de agosto (quinta-feira), assim como em relação a mais detalhes da agenda após a reforma, com destaque para a Reforma Tributária.

No internacional, mercados europeus operam em queda, enquanto a Ásia opera em leve alta, e futuros dos EUA estão estáveis. A performance negativa das bolsas da Europa é fruto de desapontamentos com a temporada de resultados na região, além de reação negativa à divulgação de dados de PIB na França no 2T19 por conta de queda no consumo doméstico.

Do lado das commodities, o petróleo está em alta de 1,2%, seguindo expectativa de retomada das negociações comercias entre EUA e China, enquanto o minério se mantém no patamar de US$118/t. Os preços de celulose, por sua vez, seguem caindo na China, com recuo de US$8,4/t nessa terça-feira e atingindo US$500,8/t.

Na nossa visão, parecemos estar cada vez mais próximos de um piso para a celulose, mas a visibilidade ainda permanece baixa e o risco de um declínio adicional não é insignificante. Mantemos Compra em Suzano (preço-alvo de R$40/ação) e Neutro na Klabin (preço-alvo de R$19/ação), com visão positiva para a celulose no médio-longo prazo.

Na agenda de resultados, o Itaú reportou ontem o resultado do 2T19 com lucro líquido de R$7 bilhões, em linha com nossas estimativas, e mostrou evoluções operacionais positivas com relação ao 1T19. Entretanto, mantemos Bradesco como nossa preferência ainda por crescimento de lucros em 2019-2020 e múltiplos ainda atrativos no relativo.

Finalmente, a Multiplan reportou ontem à noite os resultados referentes ao 2T19. No geral, foi um trimestre positivo, com melhoria sequencial nos indicadores operacionais, e em linha com nossos números. Além dos resultados, a Multiplan também anunciou o lançamento do Multi, seu superaplicativo para celulares. Esperamos reação positiva das ações.

Tópicos do dia

Brasil

  1. Estados poderão incluir o ICMS ao IVA federal

Empresas

  1. Itaú Unibanco (ITUB4): 2T19 conforme o esperado; Neutro
  2. Multiplan (MULT3): Bons resultados, em linha com as expectativas. SSS +6,7%; SSR +9,6%
  3. Banco do Brasil (BBAS3): Anúncio de reorganização institucional
  4. Bebidas: Heineken espera crescimento forte e custo menor no Brasil
  5. Frigoríficos: China deve ver queda de 50% no rebanho de suínos em 2019 frente à peste suína africana

Fundos de Investimento

  1. Fundos: Aberturas e fechamentos da semana

COE

  1. Expedia reporta resultados positivos no 2T19
  2. Diageo registra forte crescimento no 2T19
  3. Heineken: Crescimento do volume de cervejas contrabalanceado pelo aumento de custos no 1S19
  4. Nestlé: Resultados positivos, com crescimento orgânico no primeiro semestre


Veja todos os detalhes

Brasil

Estados poderão incluir o ICMS ao IVA federal

  • Os Estados e o Distrito Federal devem se reunir em Brasília para apresentar uma proposta alternativa à PEC 45 desenhada pelo economista Bernard Appy. Entre as mudanças que o grupo quer propor está a garantia de autonomia dos Estados na definição da alíquota e a ausência do governo federal no comitê gestor do Imposto sobre Bens e Serviços, o IVA nacional;
  • De acordo com a mídia local, o secretário especial da Receita, Marcos Cintra, afirmou que o governo deve permitir que os Estados possam incluir o ICMS ao Imposto sobre Valor Adicionado federal (IVA);
  • O valor da alíquota desse novo tributo ainda não está definido, mas as estimativas mais recentes apontam que o IVA federal, que reúne PIS/Confins, IPI e eventualmente algumas modalidades de IOF, tende a ter uma alíquota aproximada de 15%.

Empresas

Itaú Unibanco (ITUB4): 2T19 conforme o esperado; Neutro

  • O Itaú divulgou hoje o resultado do 2T19 com lucro líquido recorrente de R$7,0 bilhões (ROE  de 23,5%), virtualmente em linha com as estimativas da XP e do consenso, crescendo 2,3% no tri e 10,2% A/A. Conforme antecipado, o banco permanece atrás de seus pares privados em termos de crescimento de carteira e margem com clientes, especialmente a última, que ficou abaixo do intervalo inferior das projeções no 1S19 (6,7% realizado versus 9,0%);
  • Os destaques positivos foram: (1) Margem financeira; (2) Qualidade dos ativos/Inadimplência e (3) Dividendos e capital;
  • Os destaques negativos foram: (1) Adquirência; (2) Grandes Empresas e (3) LatAm;
  • Nossa visão: Apesar do recente desempenho abaixo dos pares e do fato de que esperamos um 2S mais forte para o Itaú, seu desempenho operacional não deverá ser suficiente para justificar uma mudança de preferência dentro de nossa cobertura. Seguimos com o Bradesco como o melhor veículo no setor e mantemos nossa recomendação Neutra para ITUB (Preço-Alvo de R$40,00). Clique aqui para acessar o comentário completo.

Multiplan (MULT3): Bons resultados, em linha com as expectativas. SSS +6,7%; SSR +9,6%

  • A Multiplan reportou ontem à noite os resultados referentes ao 2T19. No geral, foi um trimestre positivo, com melhoria seqüencial nos indicadores operacionais mesmo considerando a base de comparação suave, e em linha com nossos números nas principais linhas. Esperamos reação positiva das ações;
  • Além dos resultados, a Multiplan também anunciou o lançamento do Multi, seu superaplicativo para celulares. Entre as funcionalidades presentes, o aplicativo permite que os clientes façam compras e recebam os pedidos no endereço de sua preferência dentro da área de entrega. Vemos o anúncio como positivo e alinhado com os hábitos do consumidor em constante mudança, mas esperamos ouvir mais detalhes por parte da Diretoria na teleconferência de resultados;
  • Para ler o comentário de resultados na íntegra, com mais detalhes sobre os números e nossa visão, basta acessar esse link.

Banco do Brasil (BBAS3): Anúncio de reorganização institucional

  • O BB divulgou ontem um Fato Relevante informando que um conjunto de medidas foi aprovado pelo Conselho para promover uma reorganização no banco. De acordo com o documento, entre as medidas aprovadas está a renovação e o redimensionamento da estrutura organizacional do BB nos níveis: estratégico (direção), tático (Superintendências), operacional e suporte (orgãos regionais) e de negócios (agências);
  • A implementação das medidas ocorrerá no 2S19, destacando: (1) Com o objetivo de acelerar a transformação digital, será criada a Unidade de Inteligência Analítica para desenvolver técnicas, ferramentas e inovações utilizando soluções com Inteligência Analítica e Artificial e (2) 42 novas Agências Empresas (PME) serão criadas até outubro, transformando 333 agências em Postos de Atendimento Avançado (PAA) e outros 49 PAAs em agências;
  • Os diretores também aprovaram o Programa de Adequação de Quadros (PAQ) que visa otimizar a distribuição da força de trabalho. O impacto financeiro será divulgado até o final de agosto e não mudará as projeções oficiais do banco para 2019. Em resumo, vemos como positiva a iniciativa do Banco do Brasil de reduzir ineficiências e otimizar recursos para se adaptar a um setor financeiro cada vez mais digital.

Bebidas: Heineken espera crescimento forte e custo menor no Brasil

  • A Heineken, segunda maior cervejaria do Brasil atrás da Ambev, espera melhora no seu desempenho no mercado brasileiro no segundo semestre, com uma desaceleração em custos e crescimento forte em receita. No primeiro semestre, houve aumento dos custos de produção, principalmente com o aumento nos custos das latas de alumínio no Brasil, acima do esperado e perdas com variação cambial;
  • A Heineken investe para ampliar a distribuição de suas marcas no Brasil, enquanto amplia sua capacidade produtiva, quase toda voltada para a marca Heineken que é a marca que mais cresce no país, segundo o presidente da empresa. A companhia anunciou em maio investimento de R$ 550 milhões nas fábricas paulistas de Araraquara, Itu e Jacareí, além de uma micro cervejaria em Campos do Jordão (SP) e um centro de distribuição no interior paulista;
  • No primeiro semestre, a categoria premium registrou crescimento de dois dígitos, impulsionada pelas marcas Heineken e Devassa, com destaque também para um “forte crescimento” nas vendas da Amstel. Na categoria de cervejas de preços mais baixos, como Glacial, No Grau e Cintra, a Heineken informou que obteve queda de “um dígito alto” no volume de vendas, compensado por um aumento de 8% nos preços.

Frigoríficos: China deve ver queda de 50% no rebanho de suínos em 2019 frente à peste suína africana

  • De acordo com o Rabobank, a peste suína africana na China já custou ao país perda de 40% do seu rebanho de suínos neste ano e estimativas apontam que esse valor pode chegar até 50% no final do ano. Para 2020, espera-se um declínio adicional de 10-15%. Enquanto a doença assola os países vizinhos, o Rabobank também prevê que a produção de carne suína do Vietnã cairá de 15-20% em 2019;
  • No que se refere à preços, a estimativa é que os preços de carne suína na China devem atingir um nível recorde até o 4T19, devido ao impacto da peste suína africana sobre a produção doméstica, mesmo que as importações continuem crescendo. Os preços já aumentaram quase 30% A/A em junho, de acordo com o Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais, com a disseminação da peste suína não mostrando nenhum sinal de recuo e levando à queda bruta da produção na China.

Fundos de Investimento

Fundos: Aberturas e fechamentos da semana

  • Fechamentos próximos: Fundos da Kapitalo, SPX, Sparta, Adam e fundo de fundos Selection;
  • Aberturas próximas: Távola, XP Macro Plus, e fundos de: Kapitalo, Giant Steps, Sul América e Dahlia;
  • Clique para conferir o cronograma esperado.

COE

Expedia reporta resultados positivos no 2T19

  • A Expedia apresentou expansão de 9% do volume de reservas (US$ 28,3bi) e crescimento de 12% das receitas (US$ 3,15bi) no 2T19, ambos acima das expectativas do mercado, com melhora na geração de caixa e ligeira melhora de margens. A empresa apresentou lucro de US$ 183mi, com destaque para a melhora de rentabilidade após o efeito sazonal no 1T19;
  • A Expedia continua a expandir sua rede de hotéis e aumentar o gasto com publicidade, com destaque para o aumento do período médio de estadia das reservas;
  • A empresa se mantém bem posicionada frente aos pares, com um portfólio de marcas com significativa escala global e vasta rede de hotéis disponíveis. Para enfrentar a forte competição no segmento, sobretudo oferecida pela Booking Holdings, o grupo segue investindo em publicidade, desenvolvimento tecnológico, e aumento de sua rede de hotéis disponíveis na plataforma, o que continuará a sustentar crescimento mesmo com possível pressão de margens no curto prazo.

Diageo registra forte crescimento no primeiro semestre

  • A Diageo reportou resultados sólidos no primeiro semestre e últimos doze meses, com o volume de bebidas vendido e receitas em linha com as expectativas de mercado. O grupo apresentou crescimento orgânico de 6% ao atingir EUR 12,8bi em receitas ao longo dos últimos doze meses, enquanto que o lucro foi de EUR 3,2bi;
  • A empresa apresenta potencial para continuar crescendo acima da competição, com ligeira expansão de margens no médio prazo. O potencial concentra-se no (i) sólido e diversificado portfólio de bebidas, (ii) sucesso das marcas Don Julio, Casamigos e Johnnie Walker nos EUA, (iii) aumento do consumo de gin na Europa e mercados emergentes, e (iv) momento regulatório favorável na Índia. Segundo os dirigentes da empresa, a estratégia da Diageo se sustenta na continua melhoria de produtividade e eficiência nas campanhas de publicidade através do uso de tecnologia em suas pesquisas de mercado e projeções;
  • A grande expectativa para sustentar o crescimento para os próximos anos está na (i) baixa penetração de mercados emergentes como Índia, (ii) aceleração do consumo de whisky nos EUA e (iii) bebidas destiladas ganhando espaço do mercado cervejeiro, sobretudo nas américas;
  • Modelo de negócios: (i) Considerando seu vasto portfólio de marcas e tipos de bebida com foco no consumidor, a Diageo tem capacidade para rapidamente acompanhar tendências e se adequar a dinâmica de mercado e (ii) Sempre que possível, desenvolve produção local, sustentando a melhoria de produtividade.

Heineken: Crescimento do volume de cervejas contrabalanceado pelo aumento de custos no 1S19

  • O resultados do primeiro semestre apresentaram 6% (A/A) de crescimento das receitas no 1S19, ao atingir EUR 11,4bi, com destaque para o crescimento de 3,1% do volume de cerveja vendido, impulsionado pela marca  Heineken no Brasil, México, Reino Unido, África do Sul, Rússia, Portugal e Alemanha;
  • Os altos custos de alumínio, perdas por operações cambiais em e custos mais altos em novos projetos de tecnologia na Europa impactaram negativamente as margens da empresa, com o lucro atingindo EUR 936mi, número abaixo das expectativas de mercado;
  • Os dirigentes do grupo mantiveram sua previsão de lucro para o ano completo, com potencial crescimento orgânico de aproximadamente 5%.

Nestlé: Resultados positivos, com crescimento orgânico no primeiro semestre

  • O grupo apresentou receitas de 45,5bi de francos suíços no primeiro semestre deste ano, número 3,5% superior no ano contra ano, enquanto que o lucro de 5,0bi caiu 14,6% frente ao ano passado;
  • A gigante do mundo de alimentos apresentou crescimento orgânico de 3,6%, com destaque para os resultados nos EUA e Brasil, e ligeiro aumento de preços, mesmo com o atual ambiente deflacionário na Europa. Na contramão, a divisão de alimentos na China indicou desaceleração. Sobretudo no segundo trimestre, a Nestlé apresentou maior crescimento e sortimento nas vendas frente grandes competidores, com notável sucesso da divisão de cafés, produtos para animais de estimação e linha de produtos para nutrição infantil;
  • O segmento de cafés foi destaque devido ao crescimento de cerca de 5%, com o aumento da dinâmica da Nespresso e da Nescafé em todas as regiões e a compra da licença da rede Starbucks.
Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório de análise foi elaborado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos ou XP”) de acordo com todas as exigências na Resolução CVM 20/2021, tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar sua própria decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta ou solicitação de compra e/ou venda de qualquer produto. As informações contidas neste relatório são consideradas válidas na data de sua divulgação e foram obtidas de fontes públicas. A XP Investimentos não se responsabiliza por qualquer decisão tomada pelo cliente com base no presente relatório. Este relatório foi elaborado considerando a classificação de risco dos produtos de modo a gerar resultados de alocação para cada perfil de investidor. O(s) signatário(s) deste relatório declara(m) que as recomendações refletem única e exclusivamente suas análises e opiniões pessoais, que foram produzidas de forma independente, inclusive em relação à XP Investimentos e que estão sujeitas a modificações sem aviso prévio em decorrência de alterações nas condições de mercado, e que sua(s) remuneração(es) é(são) indiretamente influenciada por receitas provenientes dos negócios e operações financeiras realizadas pela XP Investimentos.

O analista responsável pelo conteúdo deste relatório e pelo cumprimento da Instrução CVM nº 598/18 está indicado acima, sendo que, caso constem a indicação de mais um analista no relatório, o responsável será o primeiro analista credenciado a ser mencionado no relatório. Os analistas da XP Investimentos estão obrigados ao cumprimento de todas as regras previstas no Código de Conduta da APIMEC para o Analista de Valores Mobiliários e na Política de Conduta dos Analistas de Valores Mobiliários da XP Investimentos. O atendimento de nossos clientes é realizado por empregados da XP Investimentos ou por agentes autônomos de investimento que desempenham suas atividades por meio da XP, em conformidade com a ICVM nº 497/2011, os quais encontram-se registrados na Associação Nacional das Corretoras e Distribuidoras de Títulos e Valores Mobiliários – ANCORD. O agente autônomo de investimento não pode realizar consultoria, administração ou gestão de patrimônio de clientes, devendo atuar como intermediário e solicitar autorização prévia do cliente para a realização de qualquer operação no mercado de capitais. Os produtos apresentados neste relatório podem não ser adequados para todos os tipos de cliente. Antes de qualquer decisão, os clientes deverão realizar o processo de suitability e confirmar se os produtos apresentados são indicados para o seu perfil de investidor. Este material não sugere qualquer alteração de carteira, mas somente orientação sobre produtos adequados a determinado perfil de investidor. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço ou valor pode aumentar ou diminuir num curto espaço de tempo. Os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros. A rentabilidade divulgada não é líquida de impostos. As informações presentes neste material são baseadas em simulações e os resultados reais poderão ser significativamente diferentes. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. SAC. 0800 77 20202. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. O custo da operação e a política de cobrança estão definidos nas tabelas de custos operacionais disponibilizadas no site da XP Investimentos: www.xpi.com.br. A XP Investimentos se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste relatório ou seu conteúdo. A Avaliação Técnica e a Avaliação de Fundamentos seguem diferentes metodologias de análise. A Análise Técnica é executada seguindo conceitos como tendência, suporte, resistência, candles, volumes, médias móveis entre outros. Já a Análise Fundamentalista utiliza como informação os resultados divulgados pelas companhias emissoras e suas projeções. Desta forma, as opiniões dos Analistas Fundamentalistas, que buscam os melhores retornos dadas as condições de mercado, o cenário macroeconômico e os eventos específicos da empresa e do setor, podem divergir das opiniões dos Analistas Técnicos, que visam identificar os movimentos mais prováveis dos preços dos ativos, com utilização de “stops” para limitar as possíveis perdas. O investimento em ações é indicado para investidores de perfil moderado e agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos Ação é uma fração do capital de uma empresa que é negociada no mercado. É um título de renda variável, ou seja, um investimento no qual a rentabilidade não é preestabelecida, varia conforme as cotações de mercado. O investimento em ações é um investimento de alto risco e os desempenhos anteriores não são necessariamente indicativos de resultados futuros e nenhuma declaração ou garantia, de forma expressa ou implícita, é feita neste material em relação a desempenhos. As condições de mercado, o cenário macroeconômico, os eventos específicos da empresa e do setor podem afetar o desempenho do investimento, podendo resultar até mesmo em significativas perdas patrimoniais. A duração recomendada para o investimento é de médio-longo prazo. Não há quaisquer garantias sobre o patrimônio do cliente neste tipo de produto. O investimento em opções é preferencialmente indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. No mercado de opções, são negociados direitos de compra ou venda de um bem por preço fixado em data futura, devendo o adquirente do direito negociado pagar um prêmio ao vendedor tal como num acordo seguro. As operações com esses derivativos são consideradas de risco muito alto por apresentarem altas relações de risco e retorno e algumas posições apresentarem a possibilidade de perdas superiores ao capital investido. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. O investimento em termos é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. São contratos para compra ou a venda de uma determinada quantidade de ações, a um preço fixado, para liquidação em prazo determinado. O prazo do contrato a Termo é livremente escolhido pelos investidores, obedecendo o prazo mínimo de 16 dias e máximo de 999 dias corridos. O preço será o valor da ação adicionado de uma parcela correspondente aos juros – que são fixados livremente em mercado, em função do prazo do contrato. Toda transação a termo requer um depósito de garantia. Essas garantias são prestadas em duas formas: cobertura ou margem. O investimento em Mercados Futuros embute riscos de perdas patrimoniais significativos, e por isso é indicado para investidores de perfil agressivo, de acordo com a política de suitability praticada pela XP Investimentos. Commodity é um objeto ou determinante de preço de um contrato futuro ou outro instrumento derivativo, podendo consubstanciar um índice, uma taxa, um valor mobiliário ou produto físico. É um investimento de risco muito alto, que contempla a possibilidade de oscilação de preço devido à utilização de alavancagem financeira. A duração recomendada para o investimento é de curto prazo e o patrimônio do cliente não está garantido neste tipo de produto. As condições de mercado, mudanças climáticas e o cenário macroeconômico podem afetar o desempenho do investimento.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.