XP Expert

🌎 Mundo em 60s: Crise dos chips

Entenda a falta global de semicondutores. Veja os destaques da semana.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Bolsas: Mercados globais têm demonstrado resiliência no final de maio. Apesar de preocupações com a inflação americana e possibilidade de redução dos estímulos monetários, o S&P 500 (+1,2%) volta a beirar máxima histórica e o Eurostoxx 600 (+1,1%) já negocia em nível recorde. A recuperação permanece em curso: Nos EUA, desemprego atinge mínima pandêmica e governo busca orçamento de US$ 6tri. Na Europa, vacinação acelera para 37% da população.

Setores: Petrolíferas (-0,1% na semana) não acompanharam a alta no preço da commodity (US$ 69,75/barril) após notícias recentes de cortes de emissão de gases estufa trazerem incertezas para o setor. Destaque para Facebook, Tesla, Microsoft e Nvidia puxando o desempenho do índice S&P 500.


Crise dos chips

Chips – ou semicondutores – são componentes básicos de uma vasta gama de dispositivos. Celulares, televisões, automóveis, computadores, videogames, aviões, maquinário industrial e agrícola são apenas alguns exemplos de aparelhos que dependem destes pequenos pedaços de tecnologia.

Nos últimos anos, objetos de nosso cotidiano têm sido “digitalizados”. A indústria automobilística, por exemplo, implementa cada vez mais painéis eletrônicos, câmeras inteligentes e pilotos automáticos em seus veículos. As produtoras de televisão também estão aderindo aos produtos smart, que se conectam com a internet, bluetooth e são acompanhadas de controles-remotos que reconhecem a sua voz. Toda esta tecnologia, no entanto, é dependente do componente mais básico dos hardwares: os semicondutores.

Esta tendência, chamada de Internet das Coisas (IoT, em inglês), elevou a demanda por chips nas últimas duas décadas. O mercado, que consumia US$ 150bi em 1999 multiplicou-se por 3, alcançando US$ 450bi em 2020. Estimativas da Fortune projetam um crescimento de 8,6% a.a. deste mercado até 2028, podendo superar os US$ 800bi.

Mas o mercado não cresceu apenas em termos de receita. O custo de produção de semicondutores caiu praticamente 40% desde 1999, ou seja, em termos absolutos, a demanda por unidade multiplicou por mais de 4x nas últimas duas décadas, evidenciando a dependência global ainda maior desta tecnologia.

Além disso, em 2020, houve fatores que contribuíram com o aumento súbito desta demanda: 1) A pandemia, ao confinar pessoas dentro de casa, estimulou o consumo de aparelhos eletrônicos, como celulares, televisão e videogames; e 2) As sanções à Huawei na importação de semicondutores fabricados nos EUA fez com que a empresa e as concorrentes aumentassem os estoques de chips antes que o prazo de 120 dias do bloqueio entrasse em vigência.

O resultado? Falta global de chips afetando todas as indústrias dependentes.

Para se ter uma ideia, a Apple, nº 1 em consumo de microchips do mundo e que gasta US$ 58bi ao ano com a tecnologia, foi obrigada a atrasar o lançamento do iPhone 12 por mais de 1 mês no ano passado. Recentemente, a consultoria AlixPartners aumentou a estimativa do prejuízo que a falta de chips pode ocasionar para as montadoras de veículos de US$ 60bi para US$ 110bi apenas em 2021.

No setor de videogames, a Nintendo confirmou que a falta dos componentes está afetando a produção do console Switch, podendo perder até 12% de suas vendas durante o próximo ano fiscal. A cadeia produtiva de outros consoles, como o Xbox (da Microsoft) e o PlayStation 5 (da Sony) também podem ser afetadas, uma vez que a falta de oferta pode se estender por anos.

“Acredito que demore, ao menos, 2 anos até que a situação esteja completamente normalizada”

– Pat Gelsinger (CEO da Intel)

Olhando para frente, não enxergamos sinais de redução na demanda ao passo que 1) Aumentamos o consumo de produtos eletrônicos per capita, 2) A Internet das Coisas torna-se parte integrante da sociedade moderna e 3) Semicondutores consolidam-se como matéria prima para múltiplas indústrias. Mantemos, portanto, uma perspectiva positiva para o setor que engloba as fornecedoras globais de chips.

A Taiwan Semiconductor Manufacturing está em nossa carteira Top 10 BDRs.

Caso haja interesse em investir no setor, existem opções como: 1) BDRs: TSMC34, ITLC34, MUTC34 e 2) COE XP Dragões Asiáticos (com exposição relevante à TSMC34).


#ProvaRápida – A TSMC detém qual fatia do mercado global de semicondutores?

a) 18%

b) 34%

c) 46%

d) 56%

Resposta: d)

Gostou do conteúdo? Deixe sua nota abaixo:

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/2018. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.