Até onde vai o dólar?

Entenda o que tem acontecido com o dólar em relação ao real e os possíveis rumos da moeda norte-americana ao longo do ano com a crise do coronavírus


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Texto atualizado às 9h24 de 26/04

Em condições normais, já é extremamente difícil prever a flutuação do câmbio. E, agora, no ambiente de incertezas que o mundo vive, fica ainda mais crítico.

Mas não temos aqui o papel de Nostradamus ou Mãe Dináh do mercado financeiro. O intuito é dar um breve panorama do que tem acontecido com o dólar em relação ao real e os possíveis rumos da moeda norte-americana ao longo do ano com a crise do coronavírus.

Desde o começo do ano, a tendência de alta do dólar parecia uma constante. O ano de 2020, mesmo antes da crise atual, já vivia ares turbulentos, impulsionando a moeda dos Estados Unidos contra os pares emergentes, que acabam sofrendo com as tensões internacionais principalmente por causa da aversão ao risco.

O que aconteceu com o dólar?

Apesar de a busca por um ativo mais seguro ser considerado o grande motivo da alta do dólar em relação às moedas de países emergentes, esse fato isolado não explica, por si só, a depreciação histórica e inédita do real.

Na verdade, de acordo com os especialistas da XP, uma miscelânea de acontecimentos neste começo de ano culminou na alta expressiva do dólar, batendo a marca de R$ 5,00 e, hoje, rondando os R$ 5,60.

De janeiro até a última sexta-feira (24/04), o dólar subiu cerca de 40% em relação ao real. O patamar impressiona, não só pelo valor, mas principalmente em comparação ao câmbio de outros países.

Segundo dados apresentados pelo Banco Central, no começo de abril, o real é uma das piores moedas do mundo em relação ao dólar. O gráfico abaixo, divulgado pelo BC, evidencia que o caso brasileiro é, de fato, mais complexo.

Mas por que, então, o real se depreciou tanto em questão de meses? Alguns fatores podem explicar. Vamos destrinchar de forma mais didática os pontos.

Aversão ao risco

Assim como falamos, a aversão ao risco é elencada pela equipe econômica da XP e outros especialistas da casa como o motivo principal da alta expressiva do dólar nesses primeiros meses de 2020.

Vários choques e acontecimentos ajudaram na chegada deste cenário. Quando ocorre a aversão a risco, os investidores tendem a buscar ativos mais seguros e com maior liquidez, o que torna o dólar uma opção bastante óbvia.

Lá no começo do ano, o conflito entre Irã e Estados Unidos foi um dos primeiros sinais de aversão a risco. Depois, veio o imbróglio da aprovação do Brexit e, simultaneamente, a esses fatos estava a “novela” comercial entre EUA e China. Mais recentemente, os dois acontecimentos que coroaram a alta do dólar foram a guerra de preços no petróleo e, claro, a pandemia do coronavírus, que é o principal fator de aversão dentre todos os citados.

Nos últimos dias, o dólar deu um salto de aversão ao risco, especificamente no Brasil, com a saída de Sérgio Moro do Ministério da Justiça, após desavenças com o presidente Jair Bolsonaro.

O dólar chegou em novas máximas históricas, atingindo o patamar de 5,58, subindo 0,8% na última sexta-feira (24), após chegar a 5,72 ao longo do dia.

É possível colocar na balança algumas situações mais adjacentes mas que também impactam, como as crises de Chile e Argentina, que causam aversão à América Latina como um todo e acabam respingando no Brasil.

Queda brusca na Selic e retração econômica no Brasil

Com o sexto corte na taxa Selic, desde julho do ano passado, os juros brasileiros se encontram na sua mínima histórica, hoje em 3,75%. O movimento de queda seria um passo importante para estimular a economia e, assim, ajudar em um crescimento mais acelerado do PIB.

Mas a retomada, que já era mais lenta do que o esperado, estancou com o surgimento totalmente inesperado da crise do coronavírus.

Ou seja, com a Selic nesses patamares, os juros passaram a ficar menos atrativos para os estrangeiros, que costumam buscar títulos públicos em países com taxas de juros mais altas (que justifiquem o risco mais elevado desses países), como era há alguns anos por aqui quando a Selic chegava a dois dígitos.

As estimativas apontavam que para este ano a economia brasileira chegasse a um PIB de mais de 2% de crescimento, o que poderia começar a compensar a Selic em baixa. Mas isso não aconteceu e as previsões oficiais são de retração da economia devido aos impactos do coronavírus.

Nesse cenário, parte do capital estrangeiro sai do Brasil, o que causa uma desvalorização no real.

Fuga de capital estrangeiro da Bolsa brasileira

Outro fator que pressiona o dólar em relação ao real, segundo a equipe de Internacional da XP, é a fuga do capital estrangeiro da Bolsa de Valores e dos demais ativos brasileiros.

Como houve um movimento forte de entrada de investidores, isso impulsionou o Ibovespa e, aos olhos dos estrangeiros, os preços das ações brasileiras em geral ficaram caros, em comparação a outros pares emergentes e até a algumas empresas da Bolsa dos Estados Unidos,mesmo quando ajustado pela diferença cambial.

Até onde vai o dólar?

A volatilidade do dólar, neste ambiente de crise aguda e de total incerteza, é uma constante que devemos nos acostumar em 2020.

De acordo com a equipe econômica da XP, em sua Revisão do Cenário Econômico, “o ambiente de aversão ao risco global tende a prevalecer no primeiro semestre e isso pode fazer com que novos limites de altas sejam testados até o meio do ano. No entanto, com uma recuperação global mais sincronizada no segundo semestre, o real pode se valorizar frente ao dólar com fluxos de capitais buscando maior retorno no mundo”, escreveram os economistas da XP. ​

Ou seja, devido principalmente à aversão ao risco, o dólar pode continuar testando novas máximas no primeiro trimestre, podendo bater históricos R$ 6,00, segundo o economista sênior da XP, Marcos Ross.

Mas, no segundo semestre, o início do processo de recuperação global, passado o período crítico provocado pelo coronavírus, deve trazer novos fluxos de capital para o Brasil, o que deve fazer com que o real se valorize e equilibre um pouco a equação. Por isso, as previsões do time de Economia da XP em relação à cotação do dólar são de R$ 4,70 ao final deste ano.

Abra sua conta na XP de forma gratuita e rápida. E, assim, antes de começar a investir, saiba de fato qual é o seu perfil de investidor e consulte nossos assessores de investimentos em caso de dúvidas sobre os produtos disponíveis para aplicação.

Portanto, abra uma conta na XP Investimentos que nós ajudamos você a chegar mais perto da independência financeira.

Se você ainda não tem conta na XP, abra a sua aqui.

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/2018. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.