Como esperado, em discurso na ONU, Bolsonaro tenta reverter a imagem negativa do país sobre a preservação ambiental

Em seu discurso de abertura da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), na tentativa de se eximir das cobranças por recordes de queimadas na Amazônia e no Pantanal, o presidente Jair Bolsonaro fez um discurso defensivo.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Em seu discurso de abertura da Assembleia-Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) ontem, na tentativa de se eximir das cobranças por recordes de queimadas na Amazônia e no Pantanal, o presidente Jair Bolsonaro fez um discurso defensivo, negando a dimensão das queimadas e acusando estrangeiros de promoverem uma “campanha de desinformação” sobre o tema com “interesses obscuros”.

Como esperado, pressionado por investidores e organizações internacionais, Bolsonaro iria mesmo usar seu pronunciamento para tentar reverter a imagem negativa do país sobre a preservação ambiental, em um momento em que o Brasil vive alta nos índices de desmatamento na Amazônia, além de enfrentar incêndios na região e na área do Pantanal.

Organizações ambientais e políticos criticaram o discurso de Bolsonaro. Sem citar diretamente o presidente, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, disse que o combate ao desmatamento não é escolha política – e sim dever constitucional, assumido pelo país em acordos internacionais. Por outro lado, o vice-presidente, Hamilton Mourão, concordou com o discurso, dizendo que é preciso “contrapor a desinformação” quanto ao meio ambiente e destacou que a fala do presidente está dentro da visão do governo.

Sem poder ignorar o tema, a percepção geral é de que o discurso feito pelo presidente não traz sinalizações de mudanças e insiste nas ações que o governo já tomou, sem modificar a agenda, o que deve, portanto, agregar pouco em termos de atratividade brasileira, não devendo alterar, assim, a visão externa sobre o Brasil. De acordo com dados publicados pela B3, em 2020, os investidores estrangeiros já retiraram R$88,9 bilhões do mercado acionário brasileiro e, no mês de setembro, o fluxo está negativo em R$3,6 bilhões.

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua aqui.
Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.