Vendas de supermercados crescem em março e suavizam queda do varejo total

O comércio varejista contraiu em março, mas (muito) menos que o previsto, graças à resiliência das vendas de supermercados. Esperamos que os próximos dados mensais apresentem recuperação disseminada das atividades varejistas, em linha com a flexibilização das restrições de mobilidade.


Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Os dados da Pesquisa Mensal do Comércio (PMC) referentes a março, divulgados pelo IBGE na manhã de sexta-feira (07/05), surpreenderam positivamente (e bastante) as expectativas do mercado. O volume de vendas no varejo restrito exibiu queda de 0,6% em relação a fevereiro, já descontados os efeitos da sazonalidade. Esperávamos recuo ao redor de 4% no período, enquanto a média das projeções do mercado indicava contração de 5%.

Por sua vez, o varejo ampliado (além dos segmentos do varejo restrito, inclui vendas de veículos e materiais de construção) registrou um tombo de 5,3% entre fevereiro e março. Esta queda foi bastante expressiva (afinal, o período foi caracterizado pelo aperto das restrições de mobilidade social devido à “segunda onda” da Covid-19), mas também representou uma surpresa positiva aos analistas. As estimativas apontavam para recuo mensal de pelo menos 10%.

A diferença entre as projeções e os resultados observados deveu-se principalmente ao crescimento das vendas de supermercados em março (3,2% em relação a fevereiro), único segmento varejista com expansão na leitura mensal (de um total de 10 atividades). Vale lembrar que as medidas mais rígidas de distanciamento social impactam em menor grau o funcionamento dos estabelecimentos supermercadistas em comparação a outras atividades do varejo. E que as vendas de supermercados respondem por cerca de 50% do varejo restrito total.

Destacamos as quedas significativas dos seguintes segmentos de varejo em março: “tecidos, vestuário e calçados” (-41,5%), “móveis e eletrodomésticos” (-22%) e “veículos, motos, partes e peças” (-20%). Por sua vez, três dos dez segmentos do varejo apresentam volumes de vendas reais acima dos níveis pré-pandemia (fev/20), a saber: “materiais de construção” (13,9% acima), “produtos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, cosméticos e de perfumaria” (12,7% acima) e “hiper/supermercados” (5,1% acima).

O que esperar das vendas do comércio varejista nos próximos meses?

Por ora, nossas estimativas para o desempenho das vendas do varejo em abril apontam para compensação (quase) integral das perdas registradas em março. Tal expectativa leva em consideração dados de licenciamentos de veículos (relatório da Fenabrave), do índice de confiança do consumidor (publicado pela FGV) e de transações com cartões de débito/crédito realizadas em atividades varejistas. Ainda esperamos a publicação de outros indicadores relevantes para a determinação das projeções finais.

Olhando mais adiante, acreditamos que o varejo brasileiro permanecerá em trajetória de recuperação. A (i) flexibilização adicional das restrições de mobilidade social, (ii) a nova rodada de auxílio emergencial – embora em volume substancialmente inferior em comparação com as transferências de 2020 -, (iii) a antecipação do pagamento de benefícios do INSS (13º salário para aposentados e pensionistas) e (iv) a recuperação da confiança dos consumidores devem dar suporte ao consumo privado nos próximos meses, em nossa avaliação.

Para 2021 como um todo, esperamos que as vendas no varejo ampliado cresçam 6%, após recuo de 1,4% em 2020. Para o varejo restrito, por sua vez, projetamos elevação de 4,8% este ano (2020: 1,2%).

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Leia também
Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

BM&F Bovespa Autorregulação Anbima - Gestão de patrimônio Autorregulação Anbima - Gestão de recursos Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

B3 Certifica B3 Agro Broker B3 Execution Broker B3 Retail Broker B3 Nonresident Investor Broker

BMF&BOVESPA

BSM

CVM

Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies e a nossa Política de Privacidade.