XP Expert

Zeina Latif: Tolerância e responsabilidade

O balanço do ano foi positivo na economia. Foram aprovadas importantes reformas e o resultado foi a surpreendente melhora dos indicadores econômicos. Para se ter uma ideia, ao fim de 2016, os analistas projetavam para 2017 a taxa de inflação em 4,9%, a taxa Selic em 10,25% e o crescimento do PIB em 0,5%. A […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O balanço do ano foi positivo na economia. Foram aprovadas importantes reformas e o resultado foi a surpreendente melhora dos indicadores econômicos. Para se ter uma ideia, ao fim de 2016, os analistas projetavam para 2017 a taxa de inflação em 4,9%, a taxa Selic em 10,25% e o crescimento do PIB em 0,5%. A expectativa atual da inflação está em 2,8%, a taxa Selic caiu para 7% e o País deverá crescer 1%. Vale a pena seguir os manuais e adotar políticas públicas com embasamento técnico.

Há outras reformas na fila de espera para serem votadas. Que 2018 não seja desperdiçado, pois estamos atrasados.

É importante também que o discurso econômico na campanha eleitoral seja responsável. A melhora do ambiente econômico, que vem alimentando a confiança de consumidores e empresários, contribui para isso e reduz o apelo de discursos populistas.

O momento pede diálogo. O desequilíbrio das contas públicas preocupa e requer apontar uma saída para a sociedade, principalmente aos jovens que estão no desalento. O debate eleitoral precisa ser construtivo, com propostas de projeto para o Brasil, em vez da lamentável campanha de 2014, que escondeu os graves problemas enfrentados pelo País. A responsabilidade dos candidatos, no entanto, não deveria se circunscrever ao debate econômico. Deve-se evitar discursos de salvador da pátria ou combater vilões. A divisão da sociedade na campanha de 2014 não fez bem ao País. Que o debate eleitoral ajude os eleitores a votarem com a cabeça, e não com o fígado.

O País precisa de mais coesão para superar a grave crise e voltar a crescer. Que em 2018 estejamos mais unidos.

O trabalho acadêmico de William Easterly e coautores (2006) mostra que as sociedades mais coesas, o que significa mais tolerantes à diversidade e às divergências, resultam em melhores instituições e maior crescimento econômico. Esses casos de maior sucesso não são necessariamente de sociedades homogêneas demograficamente. O que importa é a capacidade de aproveitar a diversidade de opiniões, de ideias e de talentos.

A coesão social contribui para implementar reformas pró-crescimento, pois produz a confiança e a paciência necessárias para as reformas, cujos custos no curto prazo são mais do que compensados pelo crescimento da renda e do emprego no longo prazo.

Easterly e seus colaboradores defendem que as crises são resolvidas mais facilmente em sociedades mais coesas. Dani Rodrik (1999) já havia explorado esse tema quando estudou a reação dos países às crises ocorridas entre meados dos anos 70 e fim dos anos 90. Os países que tiveram maior queda de crescimento foram aqueles com maior fragmentação, em meio a frágeis mecanismos de resolução de conflito – instituições governamentais, estado de direito, direitos democráticos e redes de segurança social.

A propósito, seria ousadia propor que o maior desenvolvimento econômico de São Paulo no século passado decorreu de sua maior coesão social – como na Revolução Constitucionalista de 1932, que contou com a colaboração e doações de muitas famílias?

Como nutrir a coesão? As políticas públicas certamente jogam importante papel, como no investimento em educação e na oferta de serviços públicos de forma justa e com qualidade. Mas não se pode minimizar a responsabilidade das lideranças políticas. A coesão social se beneficia de lideranças comprometidas com o diálogo.

Políticos progressistas escolhem por construir instituições fortes e unir a sociedade. Políticos oportunistas, por outro lado, exacerbam a divergência optando pelas vitórias políticas de curto prazo. Atiçar a intolerância, no entanto, pode ser um tiro no pé, ao resultar em maior dificuldade para aprovar reformas. Melhor seria estimular a coesão social.

Que a tolerância e a responsabilidade prevaleçam em 2018.

Feliz ano-novo a todos, aos que concordam e discordam dos meus pontos de vista.

28 de Dezembro de 2017

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.