XP Expert

Zeina Latif: Rompendo o 6

Estamos em território nunca antes explorado de patamar de taxa de juros básica, em um ciclo de cortes que é o mais longo da história. É possível, porém, vislumbrar mais reduções da Selic, apesar das várias incertezas que o Banco Central se defronta. Para começar, o impacto da política monetária sobre a inflação não é […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Estamos em território nunca antes explorado de patamar de taxa de juros básica, em um ciclo de cortes que é o mais longo da história. É possível, porém, vislumbrar mais reduções da Selic, apesar das várias incertezas que o Banco Central se defronta.

Para começar, o impacto da política monetária sobre a inflação não é rápido. Demora pelo menos três trimestres na experiência brasileira. A interrupção do relaxamento dos juros precisa ocorrer, portanto, muito antes de a economia exibir aquecimento e a inflação se aproximar da meta Por conta disso, o comportamento da economia por si só não basta para a tomada de decisão de política monetária, o que leva os bancos centrais a procurarem outros “instrumentos de navegação”. Utilizando técnicas econométricas, estimam variáveis que não são diretamente mensuráveis, mas são conceitos importantes desenvolvidos na literatura econômica, como a taxa de juros neutra e o hiato do produto.

A taxa de juros neutra é aquela que mantém a inflação estável. Países como o Brasil, com déficit e dívida pública elevados e taxa de poupança baixa, têm juros neutro mais elevado. Quando a economia está fraca e a inflação baixa, o Copom fixa a taxa Selic abaixo do nível neutro (política expansionista), e vice-versa (política contracionista).

O hiato do produto mede a ociosidade de recursos (capital, trabalho, infraestrutura) na economia. É um guia para definir o quanto se deve estimular (ou contrair) a economia.

Estimar essas variáveis é tarefa particularmente desafiadora no Brasil, principalmente em função de tantos choques econômicos.

A conjuntura também não ajuda. O BC tem ainda de lidar com as incertezas quanto à agenda econômica do próximo governo, o que reduz a visibilidade da trajetória da inflação nos próximos anos. Os modelos de projeção de inflação ficam menos confiáveis. Fosse o quadro fiscal mais confortável, com a reforma da previdência aprovada, as incertezas seriam menores.
Em meio a todas essas dificuldades, o BC precisa escolher qual risco prefere correr: de cortar os juros em demasia e acabar gerando pressão inflacionária indesejada ou de fazer um corte insuficiente e a recuperação da economia ser muito lenta, com inflação abaixo da meta por muito tempo.

Há razões para acreditar que vale a pena, por ora, correr o primeiro risco.
Primeiro, é bastante possível que a taxa de juros neutra esteja em queda, estando na casa de 3,5% em termos reais (desconta a inflação), ante estimativas em torno de 5,0%. A razão seria a mudança da política econômica e a credibilidade do BC.

O rombo orçamentário é enorme, mas reflete a rigidez das despesas e o aumento dos gastos com Previdência, enquanto no governo Dilma era estímulo fiscal “na veia”. Foram quase 5,0% do PIB de aumento do déficit público, sem contar o estímulo via crédito de bancos públicos, que aumentou 11% do PIB até 2015. É muito improvável repetir essa experiência de ativismo irresponsável, até porque o dinheiro acabou.

Juros neutros mais baixos implicam em condições monetárias atuais menos “estimulativas” do que o imaginado. A Selic em 6,5% a.a. estaria não mais que 1pp abaixo da taxa neutra nominal (inclui a expectativa de inflação).

Segundo, o ritmo de recuperação da economia não tem sido suficiente para reduzir efetivamente o hiato do produto, o que é reforçado pela reduzida utilização da capacidade instalada da indústria e dos serviços e pela rígida taxa de desemprego. Considerando a lenta evolução do crédito e da situação financeira de empresas e famílias, não parece haver força para mudar este quadro tempestivamente.

Como resultado, a inflação segue distante da meta e surpreendendo favoravelmente, sem pressões à vista.

Se o próximo presidente adotar uma agenda medíocre, a inflação vai sofrer e o BC terá que reorientar a política monetária. Porém, não faz sentido uma postura preventiva agora. O quadro é de incerteza política e não de certeza de um cenário negativo adiante.

A festa não começou. Ainda é possível liberar mais bebida.

22 de Março de 2018

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.