XP Expert

Zeina Latif: Quero entrar na Justiça contra os servidores

A folha de pagamentos do funcionalismo tira o sono de governantes. Seu custo é elevado e crescente. No nível federal, representa 22% das despesas, em um orçamento deficitário em R$ 159 bilhões este ano. Se nada for feito, as cifras vão crescer, pois 39% dos servidores do poder Executivo federal vão se aposentar nos próximos […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A folha de pagamentos do funcionalismo tira o sono de governantes. Seu custo é elevado e crescente. No nível federal, representa 22% das despesas, em um orçamento deficitário em R$ 159 bilhões este ano. Se nada for feito, as cifras vão crescer, pois 39% dos servidores do poder Executivo federal vão se aposentar nos próximos 10 anos, e pela regra antiga, que prevê integralidade das aposentadorias. Nos entes regionais, o quadro é mais grave. São 16 Estados e 83% dos municípios que já não cumprem algum limite constitucional de gastos com a folha (limite de alerta, prudencial e teto).

São várias as iniciativas propostas pelo governo federal, ainda que insuficientes: plano de desligamento voluntário, incentivos para licença sem remuneração e jornada de trabalho reduzida, mudança de salário inicial, progressão funcional para entrantes, aumento da contribuição previdenciária de inativos que recebem acima do teto e adiamento do ajuste salarial acordado para 2018.

Segundo a imprensa, alguns sindicatos dos servidores vão entrar na Justiça contra a medida provisória que trata dos dois últimos tópicos. Algumas categorias iniciaram paralisações. A justificativa é que estaríamos diante da “mais grave conjuntura da história do serviço público”.

Inacreditável a desconexão com a realidade, e vinda daqueles que são a elite do funcionalismo e estão no topo da distribuição de renda. Trata-se, na realidade, da mais grave crise fiscal da história, afetando políticas públicas e ameaçando o equilíbrio macroeconômico. A solução dependerá do esforço de todos, principalmente dos mais privilegiados.

Os salários do funcionalismo não estão defasados. Pela Rais (emprego com carteira), o rendimento médio do setor público aumentou em média 9,4% ao ano entre 2003-15, contra 8,3% no setor privado e inflação média de 6,3% ao ano. Pela PNAD (emprego total), houve aumento acumulado de 10,3% no rendimento médio do funcionalismo desde 2016 contra 9,7% do setor privado, enquanto a inflação foi de 8,2%.

As propostas do governo são, na realidade, tímidas. Enfrentar o problema passa por suspender ajustes salariais e adotar tabela progressiva na contribuição dos inativos, além de flexibilização da estabilidade dos servidores e mudança das regras da Previdência.

Servidores públicos têm estabilidade, direito de greve e muitos deles aposentadoria integral. Ainda, trabalham 40 horas semanais contra 44 na iniciativa privada e os salários são maiores. No nível federal, o rendimento do funcionalismo é 2 a 3,5 vezes maior que o do setor privado, dependendo da qualificação. Enquanto isso, o trabalhador do setor privado enfrenta o ambiente meritocrático e o risco de desemprego.

O salário inicial no serviço público é significativamente superior às carreiras equivalentes no setor privado e o servidor alcança o topo da carreira bem mais rápido do que os trabalhadores privados. Um salário inicial de R$ 5 mil, proposto pelo governo, ainda deixaria o indivíduo no grupo dos 10% mais ricos (considerando apenas o rendimento do trabalho). Segundo estimativa do governo, a reestruturação das carreiras economizará R$ 70 bilhões em 10 anos.

Os servidores públicos estão em rota de colisão. Não compreendem que a alternativa ao ajuste é o agravamento da crise. Salários atrasados já são realidade em vários Estados e municípios, sem contar a utilização indevida de recursos destinados à educação e à saúde para pagamento da folha. Essa poderá ser a realidade em breve no nível federal.

Quando ainda aluna de graduação na Faculdade de Economia da USP, uma lição de José Pastore se mantém atual. Dizia o professor que no dia em que o funcionário público entender que somos nós que pagamos seus salários e aposentadoria, a relação com a sociedade será diferente.

Certamente é crucial a valorização da carreira do funcionalismo, aliada à meritocracia. Mas não se pode perder de vista que a função do Estado é servir ao cidadão, não ao funcionário público.

09 de Novembro de 2017

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.