XP Expert

Zeina Latif: Quanto vale o alívio em 2018

A recuperação da economia está em curso. O País volta à normalidade, aos poucos. Será um longo caminho até que o PIB per capita (a preços constantes) recupere o patamar pré-crise. Serão seis anos assumindo um crescimento médio de 3% ao ano nos próximos anos. Ainda assim, a atual inflexão da economia é emblemática e […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A recuperação da economia está em curso. O País volta à normalidade, aos poucos. Será um longo caminho até que o PIB per capita (a preços constantes) recupere o patamar pré-crise. Serão seis anos assumindo um crescimento médio de 3% ao ano nos próximos anos.

Ainda assim, a atual inflexão da economia é emblemática e deverá causar impacto no quadro eleitoral de 2018.

Nossa estimativa é de crescimento em torno de 3% em 2018. A depender dos rumos da campanha eleitoral, o PIB poderá avançar mais ou menos. Um ambiente mais ruidoso poderá limitar a contratação de mão de obra e adiar investimentos, e vice-versa.

Com o desemprego recorde, não há dúvidas que a variável-chave para a política será o mercado de trabalho. É a prova para a sociedade de que o País está no rumo certo em relação à política econômica.

Difícil estimar com precisão a taxa de desemprego em 2018, especialmente por conta do comportamento instável da procura por trabalho, que tende a aumentar em períodos de retomada da economia, o que acaba limitando a queda da taxa de desemprego.

No entanto, mais importante que a taxa de desemprego é a geração de vagas, que é a variável que melhor explica o comportamento da confiança do consumidor e do medo do desemprego. Essas variáveis, por sua vez, têm importante impacto na aprovação do governo. Maior medo do desemprego significa menor aprovação, como se observa agora.

Em um cenário benigno, sem grande volatilidade, estimamos que o número de ocupados poderá, ao fim de 2018, superar o patamar pré-crise, o que significaria um crescimento acima de 2% no número de ocupados no ano que vem. Considerando apenas a evolução esperada da economia, os índices de aprovação do governo poderiam avançar para 20%-25% dos atuais 7% segundo o Datafolha, segundo nossos modelos.

O peso da economia vai ficando cada vez mais claro para os estrategistas políticos, que correm para avaliar quais serão as principais forças políticas em 2018 e para decifrar a sociedade. Não há dúvida que o desejo das pessoas é melhorar a vida depois do desastre. A economia será tema inevitável no próximo ano.

Quanto maior a entrega do governo em 2018, maiores as chances de um debate mais maduro. Afinal, se a política econômica está no rumo certo, não haveria razões para inflexões. O debate da campanha ficaria mais em torno das propostas de reformas fiscais e estruturais, bem como na ênfase dada por cada candidato à questão social.

Partidos de direta deveriam dar mais ênfase ao ajuste da economia, na crença que a geração de emprego resolveria boa parte do problema da desigualdade, enquanto partidos de esquerda deveriam reforçar a necessidade de políticas públicas, pela visão de que só o crescimento não basta para se avançar nos indicadores sociais.

Curioso como isso tem sido confuso no Brasil. Com frequência políticos mais à esquerda defendem subsídios a empresários, enquanto os mais à direita relutam em discutir o ajuste da economia. De qualquer forma, o compromisso com a boa gestão fiscal e com a inflação baixa deveria ser de todos.

A retomada da economia contribui para o debate político no País. As eventuais divergências sobre as prioridades nas escolhas de políticas públicas não devem repetir o equívoco das propostas insustentáveis da última campanha.

O debate político honesto e maduro, por sua vez, contribui para um ambiente econômico mais estável e previsível, ingredientes essenciais para fazermos a travessia até a estabilização da dívida pública como proporção do PIB, que crescerá ainda nos próximos 5 a 10 anos. O debate sobre escolhas políticas que respeitem as restrições seria um sinal de amadurecimento do País.

Há trabalho a ser feito pelo governo para garantir uma boa entrega em 2018 e reduzir o risco eleitoral. Está cedo para desistir da reforma da Previdência. O ano ainda não acabou.

08 de Setembro de 2017

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.