XP Expert

Zeina Latif: Propaganda enganosa

O Brasil está muito atrasado na reforma da Previdência. Muitos países a fizeram nos últimos 30 anos, para fazer frente ao envelhecimento da população. Desde a experiência pioneira do Chile em 1980, países como Argentina (1994, 2008), Peru (1993), Colômbia (1993), Uruguai (1996) e México (1997) fizeram reformas. No Brasil, as iniciativas foram limitadas, com […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O Brasil está muito atrasado na reforma da Previdência. Muitos países a fizeram nos últimos 30 anos, para fazer frente ao envelhecimento da população. Desde a experiência pioneira do Chile em 1980, países como Argentina (1994, 2008), Peru (1993), Colômbia (1993), Uruguai (1996) e México (1997) fizeram reformas. No Brasil, as iniciativas foram limitadas, com a introdução do fator previdenciário por FHC em 1999 – equivocadamente extinto em 2015, ironicamente com apoio do PSDB – e, com Lula, a mudança de regras para os servidores públicos que ingressaram a partir de 2003.

O resultado é que nossos vizinhos estão mais preparados para enfrentar as consequências fiscais da mudança demográfica. Não terão aumento importante dos seus déficits previdenciários nas próximas décadas, de acordo com o FMI. Já no Brasil os gastos previdenciários saltarão de 13% do PIB em 2016 para 19% em 2030, segundo Paulo Tafner. É necessário reverter rapidamente essa trajetória para evitar a volta da inflação, pois não haverá aumento de impostos que dê conta de tamanha pressão de gastos.

O governo Temer decidiu enfrentar essa agenda. A reforma da Previdência tinha elevada chance de aprovação em maio. Arestas haviam sido aparadas e as negociações avançavam rapidamente. O escândalo da JBS, sem perícia dos áudios e com vazamentos à imprensa, teve como efeito colateral inviabilizar aquela votação. O açodamento de uns e a precipitação de outros custaram caro ao País.

O governo titubeou, mas não desistiu da reforma. Seu escopo foi reduzido para eliminar temas que necessitavam de maior debate, como o Benefício de Prestação Continuada e a aposentadoria rural. Na proposta mais enxuta (equivale a 50% da proposta original, segundo o governo), apenas 25% dos trabalhadores serão afetados. Justamente os mais ricos: trabalhadores que se aposentam por tempo de contribuição e funcionários públicos.

Atualmente, contribui-se pouco para o que se recebe na aposentadoria. Segundo Tafner, os homens contribuem com 135 salários ao INSS ao longo dos 35 anos de contribuição, mas recebem 312 benefícios na aposentadoria. Para mulheres (30 anos de contribuição), são 116 salários contra 390 benefícios.

Vale lembrar que a idade mínima só atingirá 62 anos para a mulher e 65 anos para o homem em 2037. A idade mínima que a imensa maioria dos países já adota hoje, o Brasil atingirá em 20 anos.

A resistência de muitos parlamentares à atual proposta de reforma é injustificada. Um misto de populismo e oportunismo, e, por vezes, ignorância em relação à sua urgência. Difícil dizer o que é pior. Nas conversas na Câmara, o que se ouve é “quem vota não volta”. Falta espírito republicano em favor do interesse público.

Que nome dar à postura de muitos congressistas que negam os problemas e defendem deixar a reforma para 2019 para, supostamente, conseguirem se reeleger? Parece ser propaganda enganosa.

Ainda que menor, a reforma proposta contempla avanços e cumprirá importante papel de sinalizar o compromisso do País com o ajuste fiscal. Algo essencial em tempos de enorme déficit orçamentário e dívida pública que cresce em ritmo acelerado. Sem esse compromisso, poderemos voltar ao quadro do início de 2016, quando a inflação dava sinais de descontrole. E ainda com colapso dos serviços públicos.

Como a agenda de ajuste fiscal é urgente e demanda capacidade de enfrentamento e de diálogo, as incertezas eleitorais reforçam ainda mais a necessidade de iniciar agora essa etapa da reforma.

É a expectativa de reformas fiscais que preserva a demanda por títulos públicos e mantém os preços de ativos bem-comportados. Se a confiança de poupadores e investidores se for, como em 2015, quando o ajuste fiscal pareceu ameaçado, a reforma terá que ser muito mais ambiciosa.

O Congresso Nacional já deu prova de maturidade nas votações da regra do teto dos gastos públicos, reforma trabalhista e TLP (taxa de longo prazo do BNDES). É necessário aproveitar a atual janela de oportunidade para entregar a reforma essencial.

30 de Novembro de 2017

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.