XP Expert

Zeina Latif: Previdência no rumo certo

O Brasil está envelhecendo e as regras da previdência se tornaram insustentáveis. Teremos de trabalhar mais ou a renda na aposentadoria estará comprometida. O Brasil está bastante atrasado na agenda de reforma da Previdência, que vem sendo perseguida por muitos países nas últimas décadas. Não há reforma perfeita. Porém, a sociedade como um todo será […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O Brasil está envelhecendo e as regras da previdência se tornaram insustentáveis. Teremos de trabalhar mais ou a renda na aposentadoria estará comprometida. O Brasil está bastante atrasado na agenda de reforma da Previdência, que vem sendo perseguida por muitos países nas últimas décadas.

Não há reforma perfeita. Porém, a sociedade como um todo será ganhadora. A alternativa é a falência do sistema, com graves consequências sobre a inflação e as políticas públicas, que morreriam de inanição.

Demandas por ajustes na proposta do governo são legítimas. Não se pode perder de vista, no entanto, alguns princípios a serem atendidos.

Primeiro, é necessário estabilizar, em um horizonte não muito distante, o gasto da previdência como proporção do PIB, atualmente em 8% na esfera federal; cifra hoje comparável a países com população mais velha e que dobrará nas próximas décadas.

Segundo, é necessário eliminar distorções distributivas das regras atuais. A previdência dá tratamento especial para grupos que deveriam ter tratamento igual.

Terceiro, a previdência deveria ser uma fonte de recursos perene que acompanhe a mudança de padrão de consumo na velhice. É natural que o valor da aposentadoria seja sensivelmente inferior à renda do trabalho, pois os gastos do aposentado tendem a ser menores do que o da pessoa na ativa. Se o indivíduo quiser manter a renda, deverá poupar mais por meio de outros instrumentos. Os gastos com saúde mais elevados na velhice deveriam ser foco de políticas de saúde pública, e não da previdência.

A proposta de reforma da previdência tem muitos méritos, pois consegue avançar nesses princípios.

A regra de transição de 15/20 anos proposta pode parecer dura, mas não chega a ser ambiciosa do ponto de vista técnico à luz do fim do bônus demográfico. A expectativa é que as despesas previdenciárias se estabilizem como proporção do PIB apenas em 20 anos. Até lá, a regra do teto (estabelece que gastos públicos não podem crescer mais que a inflação) disciplinará os gastos públicos federais e estimulará a eliminação de políticas públicas ineficientes e injustas.

Há avanços na remoção de distorções distributivas, pela eliminação de aposentadorias precoces e de acúmulo de benefícios e redução de regimes especiais, regras que beneficiam os mais ricos. Os mais pobres serão preservados, pois continuarão recebendo o salário mínimo e se aposentando por idade (35% dos beneficiários).

Igualar a idade de aposentadoria de homens e mulheres é importante iniciativa, em função da maior expectativa de vida das mulheres (em 2013, a sobrevida das mulheres com 65 anos era de 20 anos, contra 16 dos homens).

Outro avanço será reduzir a taxa de reposição (razão entre benefício previdenciário e renda na ativa) dos mais ricos. Os mais pobres, que ganham salário mínimo, manterão taxa de 100%. No grupo mais rico, que aposenta por tempo de contribuição (19% dos beneficiários), quem trabalha menos, receberá menos. Pela proposta, uma pessoa com 25 anos de contribuição teria taxa de reposição de 76%. Nada que destoe da experiência mundial.

Há quem defenda um tempo menor de contribuição para receber o benefício pleno em relação ao proposto, de 49 anos. O espaço para flexibilização, no entanto, não parece muito grande por conta do impacto nas contas públicas.

Feitas essas considerações, valem algumas recomendações.
Seria importante políticas sociais focalizadas e alguma flexibilidade do sistema para corrigir distorções que poderão aparecer ao longo dos anos, sem necessidade de mudanças constitucionais.

Será necessário também avançar na reforma trabalhista, reduzindo o custo e o risco na contratação de mão de obra, para elevar a empregabilidade de todos nós.

O custo político de uma reforma previdenciária é elevado. O País não pode desperdiçar a janela de oportunidade atual. A proposta vai na direção correta. Que ajustes venham a aprimorá-la, e não a desconfigurá-la.

23 de Fevereiro de 2017

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.