XP Expert

Preços de alimentos e de passagens aéreas continuam pressionando medidas de inflação; IPCA-15 apresenta alta de 0,94% em outubro

Mesmo com o resultado em linha com as nossas expectativas, a intensificação da pressão nos preços dos alimentos nos levou a revisar o IPCA de 2020 de 3,1 para 3,25%.

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Resumo

À luz do real desvalorizado e das anomalias geradas pela pandemia (estímulos fiscais elevados em diversos países, forte alta no preço das commodities, preços de passagens aéreas pressionados pela reabertura da economia etc.), os preços dos alimentos consumidos dentro e fora do domicílio continuam pressionando as medidas de inflação. O IPCA-15 apresentou alta de 0,94% em outubro, maior alta para o mês desde 1995. Arroz, carnes e passagens aéreas foram os principais destaques de alta e educação foi o único setor que apresentou descompressão no mês.

Mesmo com o resultado em linha com as nossas expectativas, a intensificação da pressão nos preços dos alimentos nos levou a revisar o IPCA de 2020 de 3,1 para 3,25%. Para 2021, o cenário é incerto e os aumentos persistentes dos preços das commodities e a incerteza com relação à saída da crise epidemiológica podem pressionar o IPCA para além dos 3,0% (a nossa projeção atual é de 2,6%). Mas considerando que as pressões nos preços estão sendo causadas fundamentalmente por movimentos muito peculiares da pandemia (que devem se dissipar ao longo de 2021 e 2022) e dada a ociosidade bastante elevada que esperamos para os próximos anos (projetamos taxa de desemprego de 15,5% em 2020 e 14,5% em 2021), a tendência subjacente de inflação deve seguir baixa.

Destaques do resultado

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15) teve alta de 0,94% em outubro, em linha com a nossa expectativa (0,93%) e acima do consenso de mercado (0,83%). A alta apresentada para o mês de outubro foi a maior desde 1995 e, no acumulado de 12 meses, a inflação já apresenta variação de 3,52% (vs. 2,65% nos 12 meses imediatamente anteriores).

A maior variação e o maior impacto vieram do grupo de Alimentação e bebidas (2,24%), mas com a reabertura gradual da economia, a alta dos preços foi generalizada. Das 9 categorias analisadas pelo IBGE, a única que apresentou descompressão no mês foi Educação, uma vez que muitas escolas e universidades concederam descontos nas mensalidades escolares ao migrarem para o ensino remoto durante a pandemia. A expectativa é de que o reajuste já comece a ser sentido em dezembro, quando o IBGE deve realizar uma coleta extra para coletar os preços das mensalidades. Até lá, a inflação de Educação deve continuar baixa.

Alimentos e bebidas apresentaram inflação levemente abaixo do que esperávamos, mas continuam em ritmo de expansão, principalmente devido ao real desvalorizado e à demanda internacional elevada por commodities brasileiras. As altas mais significativas foram apresentadas por alimentos consumidos no domicílio (principalmente arroz e carnes), mas o repasse para bares e restaurantes continuou causando aumento dos preços da alimentação fora do domicílio (principalmente de refeições e vinho).

Além da alimentação fora do domicílio, os transportes também ajudaram a elevar a inflação de serviços em outubro. O aumento em 39,90% dos preços de passagens aéreas e em 2,07% do transporte por aplicativo já ilustram os efeitos da reabertura das atividades econômicas. Os preços de transportes públicos, ao nosso ver, devem continuar baixos pelos próximos meses, porque as eleições municipais e a pandemia acabaram postergando a decisão das autoridades de reajustar as tarifas (o que deve acontecer apenas em 2021).

A alta dos preços de duráveis segue chamando a atenção. As principais justificativas são o incremento de renda gerado pelo pagamento do auxílio emergencial aos mais vulneráveis (que têm propensão maior ao consumo de bens) e a própria pandemia, que forçou as pessoas a passarem mais tempo em casa. A saída da questão pandêmica será fundamental para entendermos como se dará a inflação de duráveis no ano que vem.

Como consequência principalmente do aumento maciço dos preços dos alimentos e do repasse para a alimentação fora do domicílio, os núcleos (considerados medidas subjacentes de inflação) já começam a acelerar de forma gradual, mas seguem bem-comportados.

Mesmo com o resultado em linha com as nossas expectativas, a intensificação da pressão nos preços dos alimentos nos levou a revisar o IPCA de 2020 de 3,1 para 3,25%. Para 2021, o cenário é incerto e os aumentos persistentes dos preços das commodities e a incerteza com relação à saída da crise epidemiológica podem pressionar o IPCA para além dos 3,0% (a nossa projeção atual é de 2,6%). Mas considerando que as pressões estão sendo causadas fundamentalmente por movimentos muito peculiares da pandemia (que devem se dissipar ao longo de 2021 e 2022) e dada a ociosidade bastante elevada que esperamos para os próximos anos (projetamos taxa de desemprego de 15,5% em 2020 e 14,5% em 2021), a tendência subjacente de inflação deve seguir baixa.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.