XP Expert

Zeina Latif: Precisamos investir em pessoas

A agenda para o crescimento econômico é complexa e envolve três pilares principais que deveriam ser foco de ação estatal: capital humano (qualidade da mão de obra), segurança jurídica (respeito às leis e previsibilidade das mesmas) e abertura ao exterior (fluxos de comércio, serviços e pessoas). A infraestrutura é também essencial, mas esse investimento não […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A agenda para o crescimento econômico é complexa e envolve três pilares principais que deveriam ser foco de ação estatal: capital humano (qualidade da mão de obra), segurança jurídica (respeito às leis e previsibilidade das mesmas) e abertura ao exterior (fluxos de comércio, serviços e pessoas).

A infraestrutura é também essencial, mas esse investimento não precisa ser liderado pelo setor público. Com um ambiente regulatório apropriado (segundo pilar), o setor privado pode ter maior peso na construção da infraestrutura.

Difícil estabelecer prioridades para o Brasil. Nos três pilares o País está muito mal: 63% dos nossos jovens não têm formação acadêmica ou técnica e 70% não sabem matemática básica; a complexidade de regras e a insegurança jurídica nos coloca em posição bastante baixa nos rankings de competitividade mundial; e o Brasil é um dos países mais fechados no mundo, não pelo reduzido peso do comércio exterior no PIB, que é naturalmente baixo em países isolados geograficamente e com mercado consumidor grande, mas pelas elevadas barreiras impostas.

Será necessário avançar nas três frentes. Se a remoção de obstáculos internos for considerada precondição para abrir a economia, o Brasil vai se manter fechado, sendo a abertura um eficaz incentivo para combater o custo Brasil. Já a melhora no ambiente de negócios e a abertura ao exterior terão efeitos limitados se não forem acompanhadas por aumento do capital humano.

Esse último talvez seja o investimento com maior impacto (externalidades positivas) de longo prazo na economia. O capital humano estimula a produtividade, a inovação e o empreendedorismo, reduz a criminalidade e produz uma sociedade mais exigente que ajuda a moldar a agenda política.
Considerando ainda a dinâmica demográfica no Brasil, com a redução em breve do número de jovens – aqueles que vão “carregar o piano” –, a agenda governamental deveria concentrar maiores esforços para cuidar das pessoas, principalmente na educação.

O Brasil precisa rever antigos valores. Crenças de que o Estado deve investir mais em infraestrutura e que alguns setores necessitam de proteção precisam ser reavaliadas. Não apenas por conta da evidente escassez de recursos públicos vis-à-vis a demanda crescente da sociedade por uma oferta de serviços públicos de qualidade, mas certamente pela necessidade de elevar o potencial de crescimento do País.

Muitos analistas ainda acreditam que a crise econômica foi causada por falta de gastos do governo com investimento. Olham o impacto contábil e de curto prazo sobre o PIB e ignoram aquilo que mais importa, que é a efetividade do investimento público no médio-longo prazo para estimular a produtividade e o investimento privado. Certamente falhamos aqui pela inaceitável ausência de avaliação de prioridades e custo-benefício dos projetos.

Vale citar alguns: Jogos Olímpicos (R$ 37 bilhões do setor público, fora o custo de manutenção que só em 2018 será de R$ 35 milhões), Copa do Mundo (R$ 25 bilhões, sendo R$ 8 bilhões em estádios), as várias refinarias na Petrobrás (orçamentos de Abreu e Lima e Comperj estão na casa de R$ 104 bilhões), Angra 3 (R$ 7 bilhões gastos e mais R$ 14 bilhões para terminar a obra). Será que a Transposição do São Francisco (R$ 10 bilhões gastos e mais R$ 10 bilhões até 2026 para a revitalização do rio) foi a decisão tecnicamente mais adequada para o problema da seca no Nordeste?

A literatura econômica avança. Edward Glaeser analisa a evolução das cidades e conclui que “o capital humano, bem mais do que a infraestrutura física, explica quais cidades terão êxito”. Ele defende projetos pequenos que não comprometam as finanças públicas e melhorem a vida das pessoas, além do investimento em capital humano. Obras grandiosas dão prestígio a políticos, mas poucas vezes melhoram a vida das pessoas. Para cada caso de sucesso há dezenas de fracassos.

Como ensina Glaeser, a grandeza de uma cidade (e de um país), não vem de suas construções, mas de seu povo.

05 de Abril de 2018

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.