XP Expert

Zeina Latif: Precisamos evitar o grande abraço de afogado

A crise sem precedentes para a qual o Brasil foi arrastado não foi obra individual. Foi construída a várias mãos. Ainda que o governo anterior seja o maior culpado, a responsabilidade é coletiva. Houve conivência dos aliados e omissão da oposição. O setor privado aproveitou para obter ganhos privados em detrimento de responsabilidade fiscal e […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A crise sem precedentes para a qual o Brasil foi arrastado não foi obra individual. Foi construída a várias mãos. Ainda que o governo anterior seja o maior culpado, a responsabilidade é coletiva.

Houve conivência dos aliados e omissão da oposição. O setor privado aproveitou para obter ganhos privados em detrimento de responsabilidade fiscal e de uma agenda progressista de redução do custo Brasil. As instituições públicas não cumpriram seu papel de alerta e controle, e, em alguns casos, ampliaram seus privilégios, se valendo de sua autonomia administrativa e financeira. Organizações da sociedade civil, imprensa e academia também falharam.

A intensidade da crise, que foi causada por nossas escolhas e não por choques inesperados ou guerras, revela uma sociedade que tem muito a avançar em termos de maturidade democrática e civilidade. Sociedades civilizadas “organizam-se para proporcionar a todos crescente igualdade de oportunidades”, como ensina Delfim Netto.

O fracasso do País acirra os ânimos. É compreensível o discurso mais estridente dos jovens. Nós erramos com eles. A crise ceifa oportunidades e gera falta de perspectivas, um veneno que arrasta os jovens para a criminalidade e gravidez precoce.

O momento é de responsabilidade e busca de soluções. Felizmente, importantes avanços têm sido feitos, num caminho que será longo ou mesmo incompleto se não houver o esforço de todos.

Empresários e organizações da sociedade civil precisarão abrir mão de subsídios e incentivos indevidos e ineficientes. A criação da TLP foi um importante passo. Precisamos rever (não necessariamente eliminar, mas reformular) renúncias tributárias e subsídios que consomem 6% do PIB só em nível federal. A extensa lista vai de Lei Rouanet ao Simples.

Servidores públicos e a classe política terão de aceitar ajustes, principalmente a elite beneficiada com penduricalhos e aposentadorias generosas. Será necessário meritocracia no serviço público como condição de permanência e ascensão na carreira.

O topo da pirâmide social precisará renunciar às vantagens tributárias, previdenciárias e nos gastos públicos, como a “pejotinha”, aposentadoria por tempo de contribuição e universidade pública gratuita.

Os investidores, que se ajustam a um ambiente de juros mais baixos, terão de aceitar a elevação na tributação de aplicações financeiras que não são direcionados para financiar investimentos produtivos.

Precisaria sobrar recursos para infraestrutura, pesquisa e inovação. Institutos de pesquisa reclamam do governo. Deveriam apoiar as reformas e cobrar daqueles que são refratários a elas.

Posturas defensivas, apontando que a culpa é do outro, serão sinal de imaturidade do País. Se cada um se agarrar aos seus supostos direitos, que podem estar previstos em lei, mas são injustos, todos daremos um grande abraço de afogado.

Há razões para acreditar que as sociedades evoluem e, muitas vezes, aprendem com seus erros.

Daron Acemoglu e outros em 2015 apontaram para o fato de que transições para a democracia foram, em geral, precedidas por contração econômica, o que sugere que as sociedades reagem ao desastre e evoluem.

Um exemplo é a intolerância dos brasileiros à inflação alta, tendo em vista o trauma vivido até o Plano Real. Os jovens não viveram o período inflacionário, mas protestaram contra o aumento de tarifas de ônibus em 2013. Sem saber, protestavam contra a inflação alta. Inflação civilizada tornou-se um valor de nossa sociedade.

Os autores acima encontraram evidências empíricas de que a democracia impulsiona o crescimento de longo prazo. Desde a democratização em 1985, as instituições democráticas evoluíram, os gastos sociais subiram e a desigualdade caiu. Mas continuamos repetindo erros do passado e crescemos pouco. Ciclos econômicos tão acentuados e curtos revelam uma sociedade imatura que ainda não sabe muito bem como promover o bem coletivo.

Precisamos entrar logo na fase adulta. Adolescentes trintões não dá, não é mesmo?

16 de Novembro de 2017

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.