XP Expert

Zeina Latif: Pena que não é tão fácil

É justa a preocupação com a taxa de juros básica elevada no Brasil. Ela impacta os cofres públicos em benefício dos mais ricos e desincentiva o investimento produtivo. Para muitos analistas a taxa de juros estaria no lugar errado e, antes de qualquer reforma fiscal, o governo deveria se livrar deste problema. Se não o […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

É justa a preocupação com a taxa de juros básica elevada no Brasil. Ela impacta os cofres públicos em benefício dos mais ricos e desincentiva o investimento produtivo.

Para muitos analistas a taxa de juros estaria no lugar errado e, antes de qualquer reforma fiscal, o governo deveria se livrar deste problema. Se não o faz é porque estaria cedendo a grupos de interesse, notadamente o mercado financeiro. Ainda que o argumento seduza pela sua simplicidade, ele não condiz com a complexidade do tema.

Sim, a taxa de juros está fora de lugar. Por isso mesmo o BC está agindo. Há boas chances de a Selic atingir 1 dígito nos próximos meses, podendo proporcionar a retomada cíclica da economia. Porém, não é isso que fará o Brasil crescer de verdade. A política monetária é instrumento de curto prazo, e tem seus limites.

A recomendação de forçar a queda da Selic para níveis mundiais (por exemplo, a média de Chile, Colômbia, México e Peru está em 5,25%) precisa ser reparada. Se, por um lado, pode fazer sentido o BC “testar” patamares mais baixos de juros, por outro, o espaço para experimentalismo é limitado. O BC levou a taxa Selic para 7,25% em 2012. Durou 7 meses. A inflação acelerou e o BC precisou puxar a Selic para 14,25%. Saiu caro.

O que faz a taxa de juros de um país ser estruturalmente baixa não é a boa vontade do banqueiro central, mas sim o ambiente econômico favorável. A taxa de juros elevada, ainda que cause muitos transtornos, é muito mais consequência do que causa de nossas fragilidades.

O sistema econômico é cheio de distorções que tornam o País mais vulnerável a choques inflacionários. A baixa qualidade do regime fiscal talvez seja a principal fonte de distorções. Temos um regime que gera dúvidas quanto à capacidade do governo de honrar sua dívida, que reduz a taxa de poupança do País e penaliza o potencial de crescimento de longo prazo, ao alocar mal os recursos públicos e ao tributar de forma distorciva. Aprimorar a política fiscal é o grande desafio.

Outro argumento frágil é que a taxa de juros é elevada porque há pressão de grupos de interesse.

Na realidade, o risco maior não é de pressão para juros altos, mas sim para juros baixos, pelo seu poder de aquecer a economia no curto prazo. Assim, muitas vezes os governantes pressionam os bancos centrais por impulso monetário. Por esta razão a literatura econômica discute a necessidade de blindar os bancos centrais de pressão política, por meio de sua autonomia formal.

O mercado de capitais se beneficia quando a taxa de juros cai, pelo estímulo a outros instrumentos financeiros, como a bolsa de valores. Os chamados especuladores, que são peça fundamental para garantir a liquidez do sistema, ganham dinheiro com a arbitragem. Se acham que a taxa vai subir, apostam na alta, e vice-versa. É um jogo de soma zero. Selic elevada não é garantia de lucro dos bancos. O crédito encolhe. Muitos bancos fecham no Brasil.

Quem ganha com a Selic elevada são os detentores finais de títulos públicos, sendo que metade da dívida interna está nas mãos de indivíduos/empresas, via fundos de investimento e previdência, e marginalmente no tesouro direto. Apenas 21% estão na carteira de instituições financeiras, não sendo fonte relevante de lucro dos bancos. Os detentores restantes são estrangeiros, governo, seguradoras e outros. O grupo é pulverizado.

O ganho dos investidores é menor do que o se imagina. O pagamento de juros está na casa de 5,6% do PIB, mas o ganho efetivo é bem menor. Algo como 1% do PIB quando se descontam os impostos (em torno de 20%) e a inflação (média de 7,3% nos últimos 4,5 anos, que é a maturidade média da dívida pública). Agrande vantagem é conseguir proteger o patrimônio da inflação alta, ao contrário dos mais pobres.

O tema é complexo e não se trata de enfrentar rentistas para reverter o problema. A Selic se reduziu ao longo dos anos, conforme o País melhorou seus fundamentos. Esse é o caminho. Dá trabalho. Mas é o único possível.

16 de Março de 2017

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.