XP Expert

Zeina Latif: O papel da elite

A elite tem papel central na construção da agenda econômica dos países. Para o bem e para o mal. Há cerca de 200 anos o tráfico de escravos foi proibido na Inglaterra, devido a uma iniciativa de grupos religiosos; algo negligenciado nos livros escolares. A mobilização começou no final do século XVIII por uma aliança […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

A elite tem papel central na construção da agenda econômica dos países. Para o bem e para o mal.

Há cerca de 200 anos o tráfico de escravos foi proibido na Inglaterra, devido a uma iniciativa de grupos religiosos; algo negligenciado nos livros escolares. A mobilização começou no final do século XVIII por uma aliança entre protestantes evangélicos e Quakers, que fundaram uma coalizão abolicionista. O movimento ganhou adeptos, inclusive as mulheres, que não tinham direito ao voto e cujas manifestações públicas eram reprimidas. Enquanto isso, pensadores iluministas criticavam as violações de direitos do homem. Conforme se difundiram na sociedade as informações sobre os maus tratos aos escravos, cresceu o apoio popular ao movimento, que foi liderado por William Wilbeforce. Uma bela história.

A Venezuela nos anos 1950-70 prosperou graças à exploração do petróleo. O pacto de governabilidade ou de elites, na democratização em 1958, proporcionou estabilidade política ao país por 25 anos. O pacto, no entanto, se provou pouco democrático. Dois partidos dividiam o poder, bem como a receita do petróleo, enquanto bloqueavam outsiders, em meio à corrupção crescente. O país abdicou de algo essencial no jogo democrático: a concorrência na política. Como resultado a agenda econômica sucumbe.
A crise da dívida da década de 1980 na América Latina pôs fim à estabilidade política. Apesar de o país ainda sustentar em 1998 – quando Hugo Chavez vence a eleição – o segundo maior PIB per capita do continente, 2/3 da população vivia na pobreza.

O populismo de Chávez ocupou o vazio produzido pela elite, em meio a uma sociedade que clamava por renovação. A elite emigrou, agravando o caos político e econômico. Empobrecida, a Venezuela terminou vítima de grupos organizados que passaram a controlar o aparelho de Estado, expropriando a população dos contrapesos institucionais essenciais em uma democracia.
A Venezuela é caso clássico de “maldição do petróleo”. Mesmo com os alertas, faltou visão da elite no uso sábio dos recursos do petróleo e no fortalecimento de instituições. Erro que foi evitado pelo Chile, beneficiado com reservas de cobre, e por Botsuana, com suas minas de diamante. O primeiro tem PIB per capita de US$25,7 mil (pelo conceito de paridade do poder de compra) e o segundo, US$18,8 mil; já o Brasil tem US$16,2 mil, segundo o FMI.

O Brasil não é a Venezuela, mas guarda algumas semelhanças.

O País não soube administrar os ganhos do ciclo de commodities. Na bonança, não só adiamos reformas estruturais, como queimamos recursos públicos em investimentos fracassados em meio a retrocessos institucionais durante os anos populistas de Lula e Dilma. Tudo isso com o apoio de muitos grupos que se beneficiaram das benesses distribuídas e a omissão de instituições democráticas.

A crise demanda reformas urgentes. No entanto, a elite organizada em grupos de interesse resiste. A defesa de reformas é apenas para as dos outros.

A elite do funcionalismo, que compõe o 1% mais rico do País, bloqueia a agenda de reforma da Previdência e o fim dos penduricalhos do Judiciário, apesar da grave crise fiscal que ameaça a estabilidade econômica do País.
Segmentos do setor produtivo, com representação desproporcional no Congresso, não perdem a oportunidade de pressionar um governo fraco em final de mandato por mais benefícios.

Muitas pessoas da elite – que se aposenta por tempo de contribuição – condenam a introdução de idade mínima para aposentar, alheias ao fato de que os mais pobres só têm direito a aposentadoria aos 60 ou 65 anos.
Depois reclamamos dos políticos. A culpa das nossas mazelas não está apenas em Brasília.

O dinheiro acabou e a sociedade não aceita a volta da inflação ou o aumento de impostos. As reformas são inevitáveis. Entre o avanço e a paralisia, de que lado estará a elite?

21 de Junho de 2018

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.