XP Expert

Zeina Latif: Luz no fim do túnel da política?

O ajuste da economia envolve reavaliar políticas públicas e, assim, contrariar interesses, e isso depende da capacidade de negociação de acordos e resolução de conflitos. Dependeremos, portanto, da política para avançar na agenda econômica. A sociedade, no entanto, está desencantada com a classe política, e isso vai além da corrupção. Não se pode negar a […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

O ajuste da economia envolve reavaliar políticas públicas e, assim, contrariar interesses, e isso depende da capacidade de negociação de acordos e resolução de conflitos. Dependeremos, portanto, da política para avançar na agenda econômica.

A sociedade, no entanto, está desencantada com a classe política, e isso vai além da corrupção. Não se pode negar a sua responsabilidade pelo desastre econômico dos últimos anos. Os partidos da base de Dilma foram coniventes e sócios dos erros de política econômica, enquanto os partidos de oposição foram omissos.

Colhiam os frutos do quadro externo excepcional e dos acertos de política econômica da década passada, sem se preocupar com a terrível herança a ser deixada, mesmo com os alertas de muitos de que a guinada da política econômica no fim do governo Lula e aprofundada por Dilma era insustentável. Plantavam também a crise.

Certamente as estruturas políticas frágeis e o excessivo poder do Executivo na intervenção econômica contribuíram para o desastre econômico. As circunstâncias, porém, tiveram papel decisivo.

O quadro econômico excepcionalmente favorável da década passada fez mal ao País, pois gerou acomodação e condescendência na classe política, e também na sociedade.

Houve uma combinação de uma presidente da República ideológica e intervencionista e lideranças regionais e do Congresso que ou procuraram se beneficiar desse quadro, ou não queriam ser mais realistas que o rei. Inebriados, todos negavam a realidade.

Assim, os últimos anos não nos servem de guia para refletirmos sobre nosso futuro. Devem ser tratados mais como acidente ou desvio de percurso, do que reflexo de políticos incorrigíveis que teriam o DNA da irresponsabilidade.

Essa reflexão joga luz sobre a discussão da capacidade do País de avançar na agenda econômica nos próximos anos, para ao menos voltar a crescer em linha com o mundo e melhorar os indicadores sociais.

A classe política é mais pragmática do que ideológica e tem capacidade de reação. Há políticos fazendo bom trabalho.

Vale citar alguns exemplos de destaque. No Espírito Santo, de Paulo Hartung (PMDB), um corajoso ajuste fiscal, parcerias público-privadas em saneamento e agenda de privatizações. Em Alagoas, de Renan Filho (PMDB), a nova lei de Previdência dos funcionários públicos e regras para impor disciplina fiscal aos três Poderes, antes restrita apenas ao Executivo. No Ceará, de Camilo Santana (PT), a regra para teto de gastos e aumento de contribuição previdenciária.

Será essa reação algo provisório por conta da crise ou o início do enfrentamento da difícil agenda econômica? O caminho adiante será de avanço contínuo ou pularemos de crise em crise, com avanços tímidos e emergenciais diante de contingências? A julgar pelos avanços desde a democratização, não há muito o que celebrar, mas há razões para uma visão construtiva.

Do lado melancólico, a produtividade do trabalhador no Brasil está praticamente estagnada desde então, oscilando entre 25-30% da do trabalhador nos EUA, segundo o Conference Board. O crescimento econômico seguiu mais ou menos em linha com o mundo até 2010, mas em boa medida por conta da demografia favorável (que se reverterá em apenas 10 anos), o que significa mais pessoas trabalhando.

De qualquer forma, períodos de acerto na política econômica, como na década passada, foram seguidos de aumento de produtividade e investimentos.

Além disso, não foram apenas as crises que motivaram as reformas econômicas. Havia também a ambição de modernizar a economia, como na abertura comercial feita por Collor, nas privatizações de Collor e FHC, na Lei de Responsabilidade Fiscal de FHC e na importante agenda microeconômica de Lula. Cada um deixou seu legado na economia e o País avançou.

Se a história serve de guia, é provável que o País esteja retomando seu caminho após o desvio dos últimos anos, Ironicamente feito por uma não-política com fama de gerente. Que a eleição de 2018 não represente novo desvio.

13 de Julho de 2017

Fonte: Artigo replicado do Estadão

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.