Governo central registra déficit de R$194,7 bilhões em junho


Compartilhar:


Principais destaques

  • Conforme divulgado pelo Tesouro Nacional, o governo central (que engloba contas do TN, Previdência Social e Banco Central) registrou déficit primário de R$194,7 bilhões no mês de maio. O resultado veio abaixo da mediana das expectativas do mercado (R$160 bilhões), e representa um déficit de 6,71% do PIB no acumulado em 12 meses (R$483,9 bilhões). No acumulado até junho, o déficit primário soma R$417,2 bilhões, frente déficit de R$29,3 bilhões em igual período de 2019 (valores nominais).
  • O resultado representa o pior desempenho para o mês da série histórica (com início em 1997). Entretanto, não trouxe grandes surpresas além de questões intertemporais de receitas e despesas, dado o impacto esperado de queda nas primeiras e aumento nas segundas, frutos do combate ao coronavírus e da retração econômica também consequência da pandemia.
  • Do lado da receita, a queda de 30,1% em relação a igual mês do ano passado foi levada principalmente pela frustração na arrecadação federal diante do diferimentos de impostos, redução da alíquota do IOF e da retração da atividade, em linha com os resultados de junho apresentados pela Receita Federal. Adicionalmente, o também diferimento de pagamento do Simples Nacional e da Contribuição Patronal refletiram-se em queda real de 34,9% na arrecadação líquida do RGPS. No acumulado no ano, a receita líquida registra queda de 18,1%.
  • Do lado das despesas, o aumento real de 40,4% em comparação com o mesmo mês do ano anterior reflete principalmente a execução de medidas relacionadas ao combate à crise do Covid-19 – que somaram R$96,9 bilhões no mês de junho, equivalente a 1,3% do PIB. Dentre essas, destaque para desembolso de R$44,7 bilhões para o auxílio emergencial (de um total estimado em R$254,4 bilhões para o ano), R$7,1 bilhões para o programa de manutenção de empregos formais (Benefício Especial de Manutenção de Emprego e Renda estimado em R$ 51,64 bilhões no ano), além de R$ 19 bilhões de parcelas referentes ao apoio a estados e municípios. Finalmente, pesaram também no lado das despesas a antecipação do 13° de aposentadorias, que refletiu-se na elevação real de 57,8% das despesas com Previdência, e o pagamento de precatórios historicamente realizado em meses anteriores – que totalizou R$19,9 bilhões no mês.
  • Outros destaques incluíram também a situação das despesas totais no ano em relação ao teto de gastos (que atingiram 49,6% do total diante da realocação intertemporal mencionada), além do aumento do empoçamento orçamentário em diferentes ministérios, que totalizou R$31,1 bilhões no período (equivalente a 21,8% do limite de pagamento), fruto da alta rigidez alocativa do orçamento federal.
  • Com base nos resultados, mantemos nossa projeção de déficit primário para o governo central de R$ 840,6 bilhões – equivalente a 11.8% do PIB. Vale notar que o Tesouro Nacional alterou sua expectativa de déficit primário do governo central para esse ano para 11% do PIB (de 12% no mês anterior) devido à melhores expectativas para o desempenho do PIB.

Comentários adicionais

Entendemos que o maior risco ao resultado esperado pelo Tesouro Nacional ainda esse ano encontra-se na expectativa de retorno total de receitas diferidas ao longo do primeiro semestre. Julgamos razoável uma premissa de que aproximadamente 30% das receitas não retorne aos cofres públicos esse ano, sendo no futuro abarcadas por algum programa de refinanciamento.

Vale também ressaltar a fala do novo secretário do Tesouro nacional, Bruno Funchal, em coletiva à imprensa sobre a necessidade de melhoria do gasto em programas sociais. Mantendo posição de seu antecessor, destacou a importância do teto de gastos para a saúde das contas públicas e para a manutenção de juros baixos, e se posicionou no debate atual em favor à realocação e melhor gestão de programas sociais já existentes como prioridade no pós pandemia.

Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º da Instrução CVM nº 598/2018. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

Receba nosso conteúdo por email

Seja informado em primeira mão, não perca nenhuma novidade e tome as melhores decisões de investimentos

Corretora Home Broker Autorregulação Anbima - Ofertas Públicas Autorregulação Anbima - Private Autorregulação Anbima - Distribuição de Produtos de Investimentos

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Certificação B3

BMF&BOVESPA

BSM

CVM