XP Expert

Estímulos creditícios continuam bem-sucedidos em julho

Resumo Em julho de 2020, as concessões de crédito tanto para pessoas jurídicas quanto para pessoas físicas continuaram em ritmo de expansão. A forte aceleração das concessões de crédito direcionadas às empresas demonstraram, novamente, a eficácia dos estímulos creditícios que vêm sendo anunciados e sustentados pelo governo durante a pandemia. As concessões de crédito imobiliário […]

Compartilhar:

  • Compartilhar no Facebook
  • Compartilhar no Twitter
  • Compartilhar no Whatsapp
  • Compartilhar no LinkedIn
  • Compartilhar via E-mail

Resumo

Em julho de 2020, as concessões de crédito tanto para pessoas jurídicas quanto para pessoas físicas continuaram em ritmo de expansão. A forte aceleração das concessões de crédito direcionadas às empresas demonstraram, novamente, a eficácia dos estímulos creditícios que vêm sendo anunciados e sustentados pelo governo durante a pandemia. As concessões de crédito imobiliário e rural direcionados às famílias também chamaram a atenção, assim como as baixas taxas de juros aplicadas no período. As medidas creditícias têm se mostrado bem-sucedidas na tentativa de chegar “na ponta” (o que vinha sendo o principal desafio em meados de abril e maio). É importante ressaltar que esses estímulos estão exercendo um papel crucial para a recuperação da economia no curto prazo, mas, olhando para frente, fica o questionamento de como será o ritmo de recuperação quando essas fontes de estímulos, que já têm começado a pesar um pouco mais do lado fiscal, começarem a ser gradativamente retiradas da economia.

Principais destaques do resultado:

Em julho de 2020, as concessões de crédito deflacionadas pelo IPCA apresentaram expansão de 10,1% na comparação com o mês anterior. O resultado foi sustentado tanto pelas concessões de crédito às famílias, que apresentaram expansão de 6,0% na comparação mensal de julho, quanto pelas concessões de crédito às empresas, que apresentaram expansão de 15,1% na mesma base de comparação. Com o avanço nas concessões, o saldo total de crédito como proporção do PIB passou de 50,3% em junho para 51,4% em julho, na série livre de efeitos sazonais.

Um dos principais destaques do resultado foi o aumento significativo das concessões de crédito direcionado às pessoas jurídicas, que apresentaram expansão de 252,5% na comparação anual de julho, sustentadas principalmente pelo avanço das concessões categorizadas como “outras” (concessões direcionadas que excluem crédito rural, para financiamentos imobiliários e do BNDES). Ainda no caso das concessões de crédito às pessoas jurídicas, também chamou a atenção o aumento das concessões livres para capital de giro com prazo maior de 365 dias, que apresentaram expansão de 153,2% na comparação anual de julho.

Já no caso das concessões de crédito direcionadas às famílias, os principais destaques foram as concessões para financiamento imobiliário, que apresentaram expansão de 11,6% na comparação mensal (e deflacionada) de julho, sustentadas novamente pelas baixas taxas de juros no período. Também chamou a atenção o aumento das concessões de crédito direcionadas ao crédito rural para as famílias, que apresentaram expansão de 42,1% na comparação mensal e deflacionada do período.  

A taxa de inadimplência das famílias com cartão de crédito, que vinha acelerando nos últimos meses, contraiu 2 pontos percentuais na passagem de junho para julho. A inadimplência das famílias com cheque especial, por outro lado, continuou em 17%.

Refletindo os efeitos dos estímulos creditícios durante a pandemia, as taxas de juros, os spreads e as taxas de inadimplência tanto de pessoas físicas quanto de pessoas jurídicas permaneceram em patamares historicamente baixos. Vale ressaltar, no entanto, que ainda existem dúvidas com relação à real inadimplência dos agentes, uma vez que, devido ao estado de calamidade pública, muitas dívidas foram renegociadas e muitos prazos foram postergados. A mensagem deve ficar mais clara conforme os próximos resultados forem divulgados.

Em linha com a sinalização positiva trazida pelo avanço das concessões e pela queda das taxas de juros, spreads e inadimplência no mês, o saldo total de crédito às pequenas e médias empresas, que vinha apresentando ritmo de recuperação inferior ao das grandes empresas nos últimos meses, apresentou expansão de 14,3% na comparação mensal de julho. O resultado, apesar de não fazer referência a novas concessões e sim ao saldo total de crédito por porte de empresa, sugere que os estímulos creditícios anunciados pelo governo durante a pandemia têm conseguido chegar aos pequenos e médios empreendimentos nos últimos meses.

É importante ressaltar que todos os estímulos vigentes na economia hoje (creditícios, monetários e fiscais) estão exercendo um papel crucial para a recuperação da economia no curto prazo, mas, olhando para frente, fica o questionamento de como será o ritmo de recuperação quando essas fontes de estímulos, que já têm começado a pesar um pouco mais do lado fiscal, começarem a ser gradativamente retiradas da economia.

XPInc CTA

Se você ainda não tem conta na XP Investimentos, abra a sua!

XP Expert

Avaliação

O quão foi útil este conteúdo pra você?


Newsletter
Newsletter

Gostaria de receber nossos conteúdos por e-mail?

Cadastre-se e receba grátis nossos relatórios e recomendações de investimentos

Telegram
Telegram XP

Acesse os conteúdos

Telegram XP

pelo Telegram da XP Investimentos

Disclaimer:

Este relatório foi preparado pela XP Investimentos CCTVM S.A. (“XP Investimentos”) e não deve ser considerado um relatório de análise para os fins do artigo 1º na Resolução CVM 20/2021. Este relatório tem como objetivo único fornecer informações macroeconômicas e análises políticas, e não constitui e nem deve ser interpretado como sendo uma oferta de compra/venda ou como uma solicitação de uma oferta de compra/venda de qualquer instrumento financeiro, ou de participação em uma determinada estratégia de negócios em qualquer jurisdição. As informações contidas neste relatório foram consideradas razoáveis na data em que ele foi divulgado e foram obtidas de fontes públicas consideradas confiáveis. A XP Investimentos não dá nenhuma segurança ou garantia, seja de forma expressa ou implícita, sobre a integridade, confiabilidade ou exatidão dessas informações. Este relatório também não tem a intenção de ser uma relação completa ou resumida dos mercados ou desdobramentos nele abordados. As opiniões, estimativas e projeções expressas neste relatório refletem a opinião atual do responsável pelo conteúdo deste relatório na data de sua divulgação e estão, portanto, sujeitas a alterações sem aviso prévio. A XP Investimentos não tem obrigação de atualizar, modificar ou alterar este relatório e de informar o leitor. O responsável pela elaboração deste relatório certifica que as opiniões expressas nele refletem, de forma precisa, única e exclusiva, suas visões e opiniões pessoais, e foram produzidas de forma independente e autônoma, inclusive em relação a XP Investimentos. Este relatório é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da XP Investimentos, incluindo agentes autônomos da XP e clientes da XP, podendo também ser divulgado no site da XP. Fica proibida a sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da XP Investimentos. A XP Investimentos não se responsabiliza por decisões de investimentos que venham a ser tomadas com base nas informações divulgadas e se exime de qualquer responsabilidade por quaisquer prejuízos, diretos ou indiretos, que venham a decorrer da utilização deste material ou seu conteúdo. A Ouvidoria da XP Investimentos tem a missão de servir de canal de contato sempre que os clientes que não se sentirem satisfeitos com as soluções dadas pela empresa aos seus problemas. O contato pode ser realizado por meio do telefone: 0800 722 3710. Para maiores informações sobre produtos, tabelas de custos operacionais e política de cobrança, favor acessar o nosso site: www.xpi.com.br.

A XP Investimentos CCTVM S/A, inscrita sob o CNPJ: 02.332.886/0001-04, é uma instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.Toda comunicação através de rede mundial de computadores está sujeita a interrupções ou atrasos, podendo impedir ou prejudicar o envio de ordens ou a recepção de informações atualizadas. A XP Investimentos exime-se de responsabilidade por danos sofridos por seus clientes, por força de falha de serviços disponibilizados por terceiros. A XP Investimentos CCTVM S/A é instituição autorizada a funcionar pelo Banco Central do Brasil.


Este site usa cookies e dados pessoais de acordo com a nossa Política de Cookies (gerencie suas preferências de cookies) e a nossa Política de Privacidade.